revelação cósmica t22, Richard Doty

S22E05 ET Intervenção Nuclear ~ desativação ogivas nucleares pelos ETs

Partilhar:

Em Janeiro de 1985, um OVNI desceu perto de uma base ICBM na Rússia soviética, incitando a um tiroteio entre militares e seres extraterrestres. Richard Doty relata detalhes dos relatos dessa noite, que incluem a captura dos seres extraterrestres que interagiram com ogivas nucleares. Vê-se que este não foi um incidente isolado e há relatos de interferência de E.T. noutros locais de lançamento nuclear soviético e norte-americano. Isto leva-nos a interpretar as mensagens que nos estão a ser enviadas sobre a proliferação nuclear e a ameaça de guerra.

S22E05 ET Intervenção Nuclear (Revelação Cósmica ~ Richard Doty) S22E05 ET Nuclear Intervention

revelação cósmica temporada 22 episódio 5

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

A legendagem possível (não exata):

Onde por vezes aparece a palava “criatura” deve-se ler “seres” e onde aparece a palavra “navio” deve-se ler “nave”.

ES: Hoje, na Revelação Cósmica, voltamos a falar com Richard Doty, um Agente Especial reformado que serviu no Gabinete de Investigação Especial da Força Aérea (OSI). Richard esteve directamente envolvido em casos de OVNIS e extraterrestres. Hoje vamos discutir um incidente na União Soviética relacionado com alienígenas. Richard, bem-vindo ao programa!

Richard Doty e Emery Smith

RD: Obrigado, Emery. É óptimo estar aqui.

ES: Não é frequente ouvirmos falar de incidentes relacionados com extraterrestres da antiga União Soviética. O que da sua investigação poderia partilhar connosco?

R.D.: Em Janeiro de 1985, ocorreu um incidente no sudeste da União Soviética, perto de uma base de mísseis balísticos intercontinentais (ICBM), perto da aldeia de Cheremkhovo.

Uns dias antes do incidente, o radar soviético tinha apanhado algo a voar da Sibéria ou do sudoeste. De facto, existiam vários objectos. Foram seguidos por radares soviéticos, bem como por caças interceptores soviéticos, mas nunca conseguiram realmente aproximar-se daqueles dois objectos. Algum tempo depois, a 12 de Janeiro, uma aeronave alienígena aterrou perto de uma base ICBM soviética.

nave alienígena na União Soviética

O Serviço de Informações dos EUA tinha aí contactos de agências. Chamávamos-lhes CAC (Control Agency Contact), basicamente, eles eram espiões. Eles trabalharam para o governo dos EUA. Um dos espiões informou os EUA sobre o incidente.

ES: Porque é que os alienígenas escolheram esta base de mísseis em particular?

RD: Não sei o que os soviéticos sabiam; ou descobrimos, ou o nosso espião estava no local e descobriu porquê, mas… de qualquer modo, descobrimos o incidente muito mais tarde.

Na altura em que a embarcação desembarcou e encontrou militares e pessoal de segurança soviéticos. Os cosmonautas saíram do navio e encontraram-se cara a cara com o pessoal soviético. Um soldado soviético disparou uma AK-47 e atingiu um dos alienígenas. Os outros três membros da tripulação pegaram no seu camarada ferido e levaram-no de volta para a nave. Quando a embarcação tentou descolar, os militares soviéticos dispararam contra ela e esta despenhou-se.

Mas antes disso, a embarcação disparou um raio de luz que atingiu o jipe soviético de forma precisa e vaporizou completamente o jipe. De acordo com a nossa fonte, não sobrou nada do jipe. Então, já após a queda da nave, os militares soviéticos conseguiram abrir a escotilha da nave alienígena, o OVNI, e capturar quatro sujeitos, ou quatro alienígenas, e levá-los sob custódia.

ES: Como eram a embarcação e os alienígenas?

RD: A embarcação tinha uma forma circular, com cerca de 9m de diâmetro. Foi descrito em metros, o que correspondeu a 30 pés. Havia uma escotilha no fundo. O navio tinha uma forma oval na parte superior e uma forma oval na parte inferior. Geralmente típico dos OVNIs que as pessoas já viram. Havia degraus a descer da escotilha aberta. O navio era de cor cinzenta. Os alienígenas tinham 1,04m de altura. Vestiam fatos cinzentos justos que se pareciam… Foram descritos como fatos espaciais cinzentos.

alienígenas capturados

Os visitantes tinham braços longos, sem polegares. Eles… Cada astronauta usava um capacete com um acessório de frente para trás. Havia um pequeno cilindro preso à parte de trás, provavelmente algum tipo de tanque de respiração.

Os alienígenas foram levados sob custódia e transferidos para outra base soviética a alguma distância. Os russos passaram muito tempo a tentar interrogar estas entidades, falando russo. Utilizaram todos os tipos de línguas: russo, inglês, espanhol, checo. No entanto, as entidades não comunicavam ou não podiam comunicar. Os russos tentaram de tudo. Foram enviados linguistas da própria Moscovo, que falavam muitas línguas, mas mesmo usando todas as línguas, não conseguiam comunicar. Penso que havia 11 ou 12 línguas diferentes envolvidas.

S13E10 Eles dominam a levitação, sabem como mover uma rocha gigante

Tudo considerado, os russos não sabiam realmente o que fazer com eles. Um extraterrestre, aquele que eles alvejaram, estava morto. Ele estava morto. Os médicos soviéticos tentaram ressuscitá-lo, tentaram tomar conta dele, mas não conheciam a anatomia. Tudo era realmente sem esperança. Como disse, as criaturas foram deslocadas para outra instalação, um centro de detenção, e ali colocadas. Após quatro dias, desapareceram.

O pessoal militar soviético que guardava as criaturas viu-os nas suas celas no centro de detenção, e depois, quando os guardas lhes viraram as costas, eles… De repente, as criaturas desapareceram. Claro que foram procurados, mas não os conseguiram encontrar. O próprio navio estava noutro lugar, a alguma distância, a cerca de 20 km de distância. Assim, os russos foram para o local do acidente, ou mais precisamente, para o hangar onde estava o navio, mas este também desapareceu.

ES: Poderia esclarecer… Porque é que os alienígenas aterraram naquele lugar em particular?

RD: Primeiro, deixem-me explicar. Os mísseis balísticos intercontinentais soviéticos não são controlados da mesma forma que os nossos nos Estados Unidos. O pessoal militar soviético não controlava nenhum desses mísseis. Todas as instalações próximas dos mísseis tinham pessoal de controlo de lançamento, no caso de um míssil ser lançado. No entanto, alguns mísseis não tinham qualquer pessoal de controlo de lançamento.

De qualquer modo, quando os russos regressaram às instalações de armazenamento de mísseis, descobriram que as tampas das escotilhas, tampas de 20 toneladas tinham sido removidas. Ou seja, todos os ICBMs soviéticos tinham sido descobertos. Eles viram que alguns dos mísseis, creio que eram três, tinham sido manipulados. Estava a ser feito algum tipo de verificação ou algum tipo de interferência com a ogiva no topo do míssil. E os russos só souberam disto algumas semanas mais tarde. Desmontaram o míssil, tentando descobrir porque não estava a funcionar, e descobriram que todos os componentes activos que causariam uma explosão nuclear estavam fora de serviço.

ES: Oh, meu Deus!

RD: E é esse o caso dos três mísseis.

ES: Todos eles.

R.D.: Como alguém ou algo ou alguma criatura poderia fazer isso sem desmontar o míssil, sem separar a ogiva, está para além da explicação.

ES: Bem, pessoalmente penso que os alienígenas estavam a tentar enviar-nos outra mensagem.

RD: Bem, sabemos por experiências passadas que eles fizeram algo semelhante com os nossos sítios de mísseis em Montana, Dakota do Sul, e Dakota do Norte.

ES: Então, o que é que o exame médico destas criaturas revelou? Que morfologia revelou?

RD: Um deles, que morreu, foi baleado. Foram tiradas radiografias. Foram recolhidas amostras de tecido. Um dos artigos recuperados foi um fato ou possivelmente couro. Verificou-se que a textura exterior da criatura alienígena era constituída por diferentes camadas. De qualquer modo, tiveram de cortar… O patologista soviético teve de cortar através de várias camadas diferentes. E de acordo com a nossa fonte, não tinham a certeza se estavam a cortar a pele ou a textura de algum tipo de material. Eles não sabiam.

Mas mesmo assim, recolheram amostras de cada… coisa até aos órgãos propriamente ditos. Os órgãos eram um grande órgão, semelhante ao que conhecíamos dos Ebens – um órgão, um complexo coração-pulmão, algo parecido com um estômago ou intestino. O seu sistema circulou fluido branco, ao contrário do nosso fluido vermelho; também vimos criaturas com fluido verde. Nesta criatura, o fluido era branco. Cientistas soviéticos ou pessoal médico, patologistas… eles não sabiam disso. E mais importante ainda, queriam saber se estas criaturas foram criadas ou… nasceram como o nosso povo?

S20E01 Raça alienígena trantaloides e os Ebens da nave de Roswell

ES: Ou eram cultivados como clones ou formas de vida programadas, ou eram meio-máquina, meio-orgânicos? O facto de ter mencionado todas as camadas antes de passar aos órgãos é muito interessante. Temos visto muito disso em projectos.

RD: Sim, quando trabalhei para o DARPA (Defense Advanced Research Planning Office), vi muitas camadas. A maioria das entidades com camadas eram parte humanóides, parte robotizadas, em vez dos verdadeiros seres de carne e sangue que pensamos como humanos.

ES: Absolutamente. Concordo. Os russos foram capazes de comunicar com estes alienígenas, ou nunca o conseguiram fazer?

RD: Nunca conseguiram comunicar. Eles tentaram de tudo. Até tentou recorrer à telepatia. Trouxeram algum médium; ele veio de um instituto local ou algo parecido. Não serviu de nada. As criaturas apenas ficaram de pé ou sentadas ali e nenhuma outra reacção. O pessoal soviético deu-lhes instruções para se sentarem ou ficarem de pé. Foi-lhes oferecida comida, água, mas também não lhes tocaram.

ES: Sentiram-se confortáveis na atmosfera? As criaturas tiraram os capacetes ou ficaram neles o tempo todo?

RD: Não, essa foi a única coisa que os russos não fizeram – não tocaram nos capacetes, porque compreenderam que se o fizessem, matariam as criaturas, simplesmente não conseguiriam respirar. Uma das coisas que não conseguiam compreender era o pequeno cilindro nas suas costas, muito, muito pequeno. Não era um cilindro grande, mas sim um muito pequeno. As criaturas viveram durante dias apenas naquele pequeno cilindro. Os russos não podiam determinar o que era, ou se algo dentro do cilindro, como disse antes, através do qual criaturas particulares se podiam alimentar. Ou seja, não tinham a certeza se as criaturas eram biológicas ou mecânicas. E nunca descobrimos… Soubemos que a nossa fonte conseguiu enviar-nos algumas fotografias das criaturas e fotografias do navio.

ES: Tem algum vídeo ou viu o vídeo do interrogatório ou do navio?

RD: Não pessoalmente, mas sei que havia vídeos; a CIA americana obteve uma cópia do vídeo. Não tenho a certeza se o vídeo foi um interrogatório de uma criatura ou um vídeo do incidente real. Também vi fotografias do navio no solo e de vários veículos militares soviéticos em seu redor. Tirando isso, não vi nada.

ES: Quer dizer, viu algum rebite ou o navio era sem costura?

RD: Não, sem costuras, sem rebites. O pessoal soviético entrou no navio, e foi lá muito, muito simples. Havia bancos para as criaturas se sentarem, e havia cadeiras de metal… como as cadeiras de metal. No interior do navio não havia botões, interruptores ou botões de pressão. Apenas um grande monitor em frente dos assentos.

Havia também um painel com algo parecido com as impressões da palma da mão. E foi só isso. Aparentemente, a criatura sentou-se numa cadeira, colocou as suas mãos nas impressões ou sulcos, e assim controlou o navio, ou talvez controlou-o através da sua mente. Não existiam outras salas ou compartimentos dentro do navio.

ES: Apenas um grande espaço vazio?

RD: Sim.

ES: Quantos destes espaços com palmeiras e assentos viu nas fotografias?

R.D.: Quatro. Havia apenas quatro, tal como havia apenas quatro criaturas.

ES: Sabe, temos cinco dedos em painéis semelhantes. Havia números que indicassem onde as criaturas colocavam as suas mãos?

RD: Não, apenas quatro ranhuras, as criaturas não tinham polegares.

ES: Ou seja, quatro dígitos.

RD: Quatro dígitos.

ES: Estou a ver.

RD: Quatro ranhuras. A única outra coisa dentro do navio eram as varas de metal que saíam do tecto do navio e se esticavam até à parte de trás do banco. Ou seja, cada cadeira tinha este tipo de vara de metal a sair… uma espécie de vara. E foi só isso. Por mais paradoxal que possa parecer. Os nossos analistas destacaram o facto de não haver outras salas dentro da nave, nem pequenas galeras. Em suma, uma grande sala.

Mais tarde, um dos nossos cientistas sugeriu o seguinte: quando o navio está em terra, é o que teríamos visto. Mas quando o navio voa, as paredes podem tornar-se líquidas e mudar de forma. Vimos isto mesmo num navio capturado que foi descoberto no Nevada há anos atrás. Quando aquele navio se ligou, tudo o que estava dentro dele mudou a sua aparência. Pensamos que uma coisa semelhante estava a acontecer neste caso.

AS: Aprendeu alguma coisa sobre o sistema de propulsão do navio?

R.D.: Sim. Os russos fizeram um desenho do navio, uma representação artística. Acontece que debaixo do navio encontraram três contentores redondos, três contentores em forma de bola. Segundo os cientistas soviéticos e a análise posterior dos nossos cientistas, eram cápsulas de iões positivos e iões negativos, e o terceiro recipiente… talvez… isto é apenas uma teoria… misturou iões positivos e negativos, o que criou o sistema de propulsão. De qualquer modo, os cientistas concluíram que foram os iões positivos e negativos que criaram a propulsão. Isso é tudo o que sei.

ES: Alguma vez lhe disseram que o navio estava a fazer algum tipo de barulho, ou que as criaturas estavam a fazer algum tipo de barulho?

R.D.: Como eu disse, algumas informações adicionais chegaram mais tarde. No dia 11 de Janeiro, um dia antes, tinha havido um incidente numa pequena aldeia a alguma distância de Cheremkhovo. Um navio desembarcou ali, seres surgiram dele e começaram a comunicar com alguns dos aldeões locais, agricultores comunitários. Realizou-se uma grande comunicação. Os soviéticos conseguiram estabelecer algum tipo de comunicação com os seres, talvez através da telepatia. Após a partida do navio, o KGB soviético começou a entrevistar pessoas e descobriu essa aldeia. Ficava a 50 km de Cheremkhovo. Os operativos encontraram contactos que confirmaram: “Oh, falámos com pessoas do espaço, e essas pessoas…” Creio que chamaram aos convidados pessoas do espaço.

ES: Os agricultores comunitários elaboraram o que foi dito? Disseram de que se tratava a conversa?

R.D.: Sim. Os seres queriam saber quem eram os seus interlocutores e o que faziam. Os aldeões eram agricultores comunitários na União Soviética. Tal como os agricultores. Nessa altura, todos trabalhavam na mesma quinta colectiva. Tentaram explicar isso às criaturas. Falavam em russo, e as criaturas falavam numa língua que não conseguiam compreender. Mas os agricultores comunitários puderam compreender tudo o que havia nas suas mentes. No início confundia-os, porque ouviam as vozes alienígenas nas suas cabeças e não conseguiam relacionar o que ouviam com o que os seres os enviavam. Mas depois os camponeses compreenderam tudo e tiveram uma longa conversa, uma hora ou mais, com os seres.

S16E07 Dentro de uma Nave Alienígena (Clifford Stone ~ Rev. Cósmica)

É claro que fizeram perguntas do tipo: “De onde é que veio? As entidades tentaram explicar de onde vinham, mas não sabiam como o fazer na nossa língua. Sugeriram números de grupos estelares e os números de planetas dentro de um grupo estelar. Bem, os agricultores comunitários não eram fortes em astronomia, por isso não compreendiam nada. Disseram aos oficiais e cientistas da KGB que apareceram mais tarde… Os cientistas encontraram contactos e tentaram fazer estes últimos desenhar mapas e…

ES: Estou a ver.

RD: Ainda assim, não obtiveram qualquer informação de testemunhas oculares sobre a origem exacta destas criaturas.

ES: Acho que ainda hoje teríamos dificuldade em compreender os mapas de onde alguém está a vir no espaço.

RD: Exactamente. Porque eles têm a sua própria astronomia, a sua própria física e a sua própria matemática. E aqui estamos nós. Temos a nossa própria coisa. Não sabemos qual é o seu sistema. Eles não conhecem o nosso sistema. Seria muito difícil tentar explicar o lugar particular na galáxia particular ou o sistema estelar particular de onde eles vieram até nós. Sim, seria muito difícil.

ES: Sabe hoje a que tipo de seres extraterrestres pertenciam?

R.D.: Bem, os nossos analistas da inteligência, juntamente com cientistas que compreendem e conhecem os OVNIs e as raças alienígenas, chegaram a uma conclusão… E a informação não veio da União Soviética, mas as conclusões foram feitas pessoalmente por nós. Em suma, chegámos à conclusão de que as criaturas eram Ebens. Vieram do grupo de estrelas Zeta Seta.

ES: Rick, o que pensa pessoalmente do relatório final?

RD: Bem, eu acredito em tudo sobre este relatório. Trata-se de um relatório oficial.

relatório 12 janeiro 1985

Veio da pessoa de contacto de uma agência de controlo bem organizada. De um agente do exército soviético que tinha fornecido muita informação precisa no passado. A ironia é que alguns anos mais tarde, um dos oficiais do KGB que entrevistou testemunhas oculares… Ele não estava presente no incidente em si, mas era um dos entrevistadores. Assim, emigrou para os EUA e falou numa das conferências sobre OVNIs. É verdade que as suas recordações remontam aos tempos soviéticos, pelo que a verdadeira cadeia de acontecimentos é muito diferente do seu ponto de vista e do relatório de inteligência que li. Está agora disponível na Internet. É um ponto de vista muito diferente. Mas basicamente, estão a falar da mesma coisa.

ES: Ouvi qualquer coisa de um dos meus povos. Talvez o possa confirmar. Quando o navio desembarcou perto da aldeia, deixou marcas na vegetação ou no solo. Vamos a ver se nos pode falar sobre isso, e se houve uma troca entre o colectivo e os alienígenas?

RD: Bem, o desembarque… Quando o navio desembarcou, não havia nada no chão. Mas quando voou para longe… Os camponeses sentiram que as criaturas eram amigáveis. Tornaram-se amigos. Eles até tentaram oferecer às criaturas pão e sal. Havia uma tradição na União Soviética de oferecer pão e sal como sinal de amizade. Bem, as criaturas levaram o pão, mas ignoraram o sal. Engraçado, não é? Talvez eles simplesmente não soubessem o que era. Não sei.

ES: Ou talvez os alienígenas tenham apenas tensão arterial elevada? (Ambos riem).

RD: Porque não? As criaturas deram aos agricultores colectivos dois objectos longos que pareciam charutos, mas que eram de metal. Ou seja, os objectos pareciam charutos, mas eram de metal. Os alienígenas entregaram-nos aos dois agricultores da colectividade, um para cada um, os dois principais agricultores da colectividade com quem falaram. Quando a nave descolou, foi emitida uma luz a partir dela, que deixou o desenho no chão. Tem razão… no chão; um desenho que parecia um círculo nos campos.

ES: Ouvi dizer que cientistas e pessoas comuns ainda lá visitam, e que não há muito crescimento de plantas naquele local. Os visitantes tiram muitas amostras, recolhem flores e guardam-nas. Em geral, têm uma espécie de ligação com o local.

RD: Quando o KGB veio entrevistar pessoas, os operacionais viram o desenho no terreno e perguntaram aos agricultores colectivos que o tinham feito. “Bem, os nossos amigos do espaço fizeram-no”. Evidentemente, cientistas e investigadores fizeram muitas análises e desenhos do solo. Creio que subiram de helicóptero, tiraram fotografias do desenho e tentaram perceber o seu significado. O pessoal soviético, cientistas soviéticos assumiram que era a sua galáxia, ou o seu sistema solar, ou o seu grupo estelar.

S14E06 Os pilotos sabem que não podem reportar OVNIs (leva ao despedimento)

ES: Algo como um mapa ou algo assim?

RD: Sim, algum tipo de mapa. Está na Internet há anos, este desenho. E não sei se alguém já descobriu o que é.

ES: Estou a ver.

RD: Bem, quanto aos artigos, o KGB, claro, apreendeu-os.

ES: Oh, era sobre isso que eu ia perguntar.

RD: Não sei. O nosso agente nunca descobriu o que lhes tinha acontecido. Nunca descobrimos o que eles eram. Os nossos cientistas que os analisaram decidiram que se tratava de uma espécie de tradutor.

ES: Muitas pessoas acreditam que todas as pequenas naves que chegam ao planeta são na realidade cápsulas voando de uma nave maior que está no espaço. O que pensa sobre isso?

RD: Sim, eu também penso assim. Suponho que é um facto. Tive acesso a informação que sugere que tais naves interplanetárias…pequenas naves entram na atmosfera da Terra, aterram e exploram a atmosfera do planeta, voam de uma nave maior ou nave-mãe; é muito pequena. É difícil para nós compreender – claro, pensamos na nossa ciência – que uma tal nave poderia deixar a nossa atmosfera…

ES: Atravessar tudo…

RD: Cruzar milhares e centenas de anos-luz e tudo isso. Há fotografias tiradas pela NASA, de duas naves colocadas na Internet, dois enormes objectos que estavam no espaço e orbitando a Terra. Estas parecem ser as naves-mãe.

ES: Rick, como é possível que os alienígenas não desmaterializaram na sua pequena nave, mas a nave mãe desmaterializou os seres e a sua nave e levou-os?

RD: Isso é muito provável. É verdade, não ouvi nem li nada sobre o assunto, mas é muito possível. De alguma forma, as criaturas desmaterializaram-se. Como em Star Trek: Enterprise. “Teletransporta-me, Scotty”. De alguma forma… Tenho a certeza que se a tecnologia deles está 50.000 anos à frente da nossa, eles devem ter a ciência para o fazer – desmaterializar-se e depois materializar-se novamente dentro da sua nave. Mais tarde, enquanto trabalhava para o Instituto de Investigação Progressiva (IPR), aprendi que existe uma teoria sobre tais naves, o material de que são feitas, e como podem criar forma e modificá-la.

S21E06 Instituto para Estudos Avançados ~ DARPA ~ tecnologia reversa

Há até fotografias… Há um vídeo, um vídeo clássico tirado há alguns anos de um avião, um caça a jacto, um vídeo de um navio danificado a ser perseguido por um caça. O navio tinha a forma de um disco voador, mas quando o avião de combate… Estava tudo a acontecer no céu sobre a Holanda. Então, quando o caça se aproximou do navio, o navio transformou-se numa caixa e girou, confundindo completamente o piloto, forçando-o a voar para longe, pensando que… De qualquer forma, o piloto ficou realmente assustado, “O que é isto? O que está a acontecer”? Há teorias… os físicos teóricos têm teorias sobre como o metal pode mudar, como os objectos podem mudar. Agora até temos a tecnologia correspondente.

ES: Onde pensa que as naves-mãe podem estacionar, em órbita da Terra ou fora da órbita do planeta?

RD: Bem, já vi fotografias do Gabinete Nacional de Reconhecimento Espacial (NRO). Alguns deles apareceram na Internet há alguns anos atrás. Um homem que estava a fazer uma apresentação numa conferência sobre OVNI estava a mostrar estas imagens. Mostraram que as naves-mãe estavam estacionadas fora da atmosfera da Terra. Digamos apenas que estavam apenas a pairar, enormes naves. Tinham milhares de quilómetros de comprimento; apenas permaneciam no lugar, apenas a pairar. Portanto, não é preciso muito para ter uma nave a visitar a Terra, pequena – uma das pequenas naves com movimento e tecnologia suficientes para chegar à nave-mãe que as acolherá.

São as naves-mãe que chegam ao planeta. Há também rumores de que as naves-mãe poderiam estar na base, na lua ou em Marte. Houve clarividentes que puderam ver à distância objectos encontrados perto dos satélites de Marte. Em particular, um objecto ali estacionado. O que é isso? Bem, talvez uma nave-mãe.

ES: Como caracterizaria o caso em Cheremkhovo: um evento voluntário ou uma troca?

RD: Bem, os alienígenas inicialmente fizeram amizade com os aldeões.

ES: Certo.

RD: Aterraram e fizeram amizade com os aldeões. Embora aparentemente a sua missão fosse a de eliminar três mísseis balísticos intercontinentais soviéticos por uma razão específica. É claro que não podemos entrar na cabeça destas entidades para descobrir a razão. Mas o senso comum diz-nos que aparentemente queriam deixar uma mensagem: “Terráqueos, escutem, não gostamos que os mísseis balísticos intercontinentais possam destruir a atmosfera e possivelmente até o sistema solar, causando assim danos a todo o universo. Por isso queremos deixar-lhe uma mensagem: podemos desactivar tais coisas se quisermos. Podemos parar qualquer guerra antes que ela comece.”

Esta é a minha opinião pessoal. E não sou o único que pensa da mesma maneira. Há muitas pessoas no governo e mesmo no seio da comunidade de inteligência que defendem a mesma opinião.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos. Este site publica artigos próprios e de outros informantes em que se limita a publicá-los: quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

3 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments