revelação cósmica t21, Richard Doty

S21E06 Instituto para Estudos Avançados ~ DARPA ~ tecnologia reversa

Partilhar:

O Instituto para Estudos Avançados, fundado em 1985 pelo Dr. Hal Puthoff, foi criado para explorar tecnologia de ponta e avanços científicos – alguns dos quais com origem extraterrestre.
Richard Doty partilha alguns dos projectos que envolveram organizações como a CIA, DIA e DARPA para engenharia reversa de tecnologia extraterrestre para uso militar e governamental.
Parte desta tecnologia chegou finalmente ao sector civil e mais está a caminho.

S21E06 Instituto para Estudos Avançados (Revelação Cósmica ~ Richard Doty)
S21E06 Institute for Advanced Studies

revelação cósmica temporada 21 episódio 6

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

A legendagem possível (não exata):

Hoje, em “Revelação Cósmica”, recebemos Richard Doty, um agente especial aposentado que atuou no Escritório de Investigações Especiais da Força Aérea e teve envolvimento direto com conteúdo relacionado a OVNIs e ETs. Bem-vindo, Richard.

Richard Doty e Emery Smith

RD: Obrigado, Emery. Feliz por estar aqui.

AS: Voltando a 1994… Estava a trabalhar no Instituto de Estudos Progressivos na altura, não estava?

R.D.: Conheci o Dr. Hal Puthoff, que era o director do IPI em Austin, num workshop.

Dr. Hal Puthoff, diretor do Instituto para Estudos Avançados

Ele já me tinha conhecido antes através do “Keith” Green, com quem eu tinha trabalhado na comunidade dos serviços secretos.

Christopher “Keith” Green, MD, PhD, Oficial da CIA (1969-1985)

“Keith” e apresentou-me ao Hal.

ES: Esse é um grande nome, não é?

RD: Sim. Hal acabou por me pedir para trabalhar para ele. Assim, em 1994 tomei a decisão de começar a trabalhar com o Dr. Hal Puthoff, a tempo parcial no início.

ES: O Dr. Hal Puthoff tem estado envolvido em muitos, certamente programas e estudos de alto nível sobre fenómenos aéreos não identificados. O que diria sobre isso? Qual é o seu papel em tudo isto?

RD: No Instituto, o Dr. Puthoff lidou directamente com projectos do DARPA (Departamento de Defesa dos EUA) e outros projectos na sua maioria relacionados com energia.
Ele tinha uma teoria de que os dispositivos energéticos, tanto alienígenas como possivelmente nossos, poderiam no futuro ser alimentados pelo que ele chamou de energia de ponto zero. Era nisso que ele estava a trabalhar.
O Dr. Puthoff pediu-me para fazer a investigação de campo, para ir recolher os dados necessários para fazer avançar a sua investigação nos laboratórios. Ele também me pediu para ser um elo de ligação com as agências de inteligência dos EUA e outras agências dentro do governo dos EUA. Eu concordei em fazer isso.

ES: Rick, exatamente com que agências de três letras trabalhou de facto como intermediário?

RD: Trabalhei com a CIA, tanto funcionários actuais como antigos funcionários. É sobre isso que vou falar. O meu primeiro projecto foi o de lidar com um dos antigos directores da CIA. Também tratei com a Direcção de Inteligência Militar (DIA).
Tive um contacto dentro da Direcção. Além disso, havia pessoas nessas agências, CIA, DARPA e DIA, que Hal conhecia pessoalmente; ele apresentou-me a eles. De qualquer forma, desenvolvi contactos dentro das várias agências, bem como com a DARPA.

Mantive-me em contacto, aprendi e fiz novos contactos nas agências de inteligência, tentando obter informações que pudessem partilhar comigo e que ajudassem o Dr. Puthoff na sua investigação.

S20E05 5 raças extraterrestres que o governo dos EUA reconhece

ES: Quem era o Director da CIA na altura?

R.D.: Em 1994, a CIA estava sob a administração Clinton. E eu não tive qualquer contacto com essa pessoa em particular.

ES: Estou a ver.

R.D.: O meu primeiro projecto foi estabelecer contacto e obter informações de Richard Helms, que foi Diretor da CIA há vários anos.

Richard Helms, antigo diretor da CIA entre 1966 e 1973

Conheci Richard Helms pela primeira vez numa reunião do grupo Voltaire. Penso tê-lo mencionado num episódio do Revelação Cósmica.

nota oevento, no episódio S20E18:

S20E18 O grupo secreto “O Aviário” (Revelações Cósmicas)

Foi por volta de 1980. Ele veio à reunião. Helms já não era Diretor da CIA, mas, sabe, envolve-se uma vez com a comunidade dos serviços secretos e está associado a ela para sempre, especialmente se fosse Diretor.

Eu conheci-o; tornámo-nos amigos. Parecia levar-me apenas para debaixo da sua asa. A partir de então, partilhou comigo grandes quantidades de informação. De qualquer modo, liguei a Richard Helms e fiz contacto com ele.
Nos meses seguintes, apresentou-me a algumas outras pessoas. Os timoneiros partilharam comigo muita informação em relação ao papel da CIA na investigação e categorização da informação, bem como em relação a extraterrestres e OVNIs.

ES: O que é que o Sr. Helms lhe disse em relação aos extraterrestres e OVNIs?

RD: Em 1959, quando era um jovem oficial de inteligência, foi iniciado no tema dos OVNIs. Um incidente teve lugar diante dos seus olhos… Ele era o chefe de uma unidade na altura. Um incidente envolvendo contacto com extraterrestres.
Foi aí que foi informado sobre o programa. Ele obteve praticamente a mesma informação que eu.

A primeira parte do briefing incluía informações sobre o nosso primeiro contacto com uma raça alienígena. Foi sobre o incidente de Roswell.

S20E01 Raça alienígena trantaloides e os Ebens da nave de Roswell

Helms contou-me tudo sobre como foi iniciado no incidente de Roswell, os locais do acidente em Corona e Magdalena. Basicamente, a mesma informação que me foi dada.

Depois, claro, deu informações e detalhes sobre o papel da CIA na recolha de informações, embora a CIA tenha desempenhado um papel muito mais importante na recolha de informações no estrangeiro do que em casa.
Falou também de outros contactos alienígenas em que a CIA esteve envolvida. Mais uma vez, a maioria dos contactos teve lugar no estrangeiro.

Em particular, relatou um incidente que teve lugar na Noruega, no norte da Noruega. Existe ali uma base da OTAN (NATO). Foi aí que teve lugar o contacto de que Helms estava a falar. Creio que foi em 1956 ou 1957, o envolvimento da CIA.
Os operativos foram e estabeleceram contacto com as pessoas que tinham observado o desembarque no norte da Noruega.

Voltando a esses dias, havia sempre a ameaça no ar na altura de que o OVNI acabaria por ser uma aeronave soviética, possivelmente uma nova concepção, ou uma aeronave experimental pilotada pelos soviéticos.
Na altura, a CIA era um recém-chegado relativo, uma vez que apareceu em 1947. Se me permitem dizê-lo, as novas pessoas do quarteirão.
Naqueles dias, tentavam reunir o máximo de inteligência possível, especialmente sobre a ameaça de contacto alienígena ou o que a maioria dos cientistas da CIA pensavam ser provavelmente naves espaciais soviéticas.

Com o passar do tempo, Helms informou-me sobre muitos outros incidentes diferentes que estavam a ter lugar… alguns na União Soviética, outros nos países do Bloco de Leste, outros na China. Informação recolhida pela CIA.

ES: Poderia dizer-nos mais sobre o que se estava a passar na reunião no norte da Noruega?

R.D.: Bem, a única coisa que Helms disse foi que um OVNI aterrou numa base da OTAN no norte da Noruega. Houve contacto com um extraterrestre que emergiu da embarcação.
Os timoneiros não descreveram quaisquer outros detalhes específicos para além da interacção entre o extraterrestre e o membro da OTAN. Creio que o representante da OTAN se revelou um membro da Força Aérea Norueguesa.
De qualquer modo, houve contacto e a CIA investigou-o. Nenhum outro detalhe é conhecido por mim. Em mais ou menos detalhe, Helms ofereceu resumos do que a CIA sabia na altura sobre o fenómeno dos OVNIs.

ES: Partilhou consigo muita informação que lhe era desconhecida?

RD: Oh, sim. Quase tudo o que ele me disse teve a ver com contactos da CIA com raças e incidentes alienígenas na Alemanha Oriental, em Leipzig, dentro da Rússia, perto de um lugar em particular na Letónia e assim por diante.
Eu não sabia nada sobre estas observações. Nunca tive conhecimento deles. Por isso, estava muito interessado em ouvir o que ele tinha a dizer. Claro que, em 1994, quando entrei em contacto pela primeira vez com Helms, não tive nada a ver com inteligência.
Mas eu estava muito interessado em tudo o que ele sabia. De qualquer modo, ele partilhou comigo uma enorme quantidade de informação, embora não em muitos detalhes, mas disse que durante o seu trabalho na CIA a agência esteve fortemente envolvida no fenómeno OVNI.

ES: Então de que forma… CIA e IPI, qual foi a ligação? Qual foi o papel principal?

RD: Bem, o Dr. Puthoff estava envolvido em muitas coisas de que eu não tinha conhecimento e não tinha informações. Comunicou com muitas agências diferentes sobre tecnologia e investigação. O meu trabalho era ir comunicar e tentar fazer contactos com diferentes agências.
Por exemplo, Hal queria que eu comunicasse com uma certa pessoa dentro da CIA, que por acaso ainda trabalha para a CIA, pelo que não posso dar o seu nome, porque essa pessoa era um operacional de campo e tinha uma vasta informação sobre a tecnologia.

E o interesse mais original do Dr. Puthoff era a tecnologia, ou informação sobre tecnologia, e a investigação avançada que a CIA pode ter feito. É claro que Hal não queria que eu tentasse espiar a CIA ou fazer algo do género.
Tudo o que eu desejava fazer era ser simpático para com a pessoa com quem entrei em contacto.

E.S.: Quando Puthoff estava a receber toda a informação de todas as agências sobre todos os eventos, o que é que ele fez com toda essa informação? Para onde foram eles do Instituto?

RD: Essa é uma boa pergunta. Eu não tinha conhecimento disso. O meu palpite é que o Dr. Puthoff trabalhou de mãos dadas com a DARPA.

ES: Estou a ver.

R.D.: A DARPA tinha um departamento especial que lidava com tecnologia exótica.

DARPA: Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa

Não lhe chamaram OVNI ou extraterrestre, apenas tecnologia exótica. Tinham empresas diferentes. A DARPA, da qual falarei mais tarde, foi a agência que controlou a investigação e desenvolvimento avançados.
Queriam outros lugares – porque não tinham cientistas, apenas empresas, outras entidades dentro da comunidade de investigação – para estudar o que tinham e vomitar ideias sobre o que era, ou como a investigação podia ser desenvolvida e compreendida.

Foi então que surgiu o Instituto Dr. Puthoff. Por isso, não tenho a certeza de como as coisas interagiram. Eu não tinha conhecimento de tudo o que o Dr. Hal Puthoff estava a fazer.
Tudo o que tenho a certeza é que havia um lugar para onde ele enviava as suas informações, as suas pesquisas. Muita da informação permaneceu no laboratório. Também no IPI, Hal estava a tentar reconstruir tudo o que podia.

ES: Será que Hal Puthoff obteria dispositivos ou partes de uma nave ou o que quer que fosse, e depois seria ele a dar o veredicto: “Isto deixamos e estudamos, isto devemos enviar à DARPA, isto à Raytheon, e isto a outras corporações”?

RD: Sim, provavelmente era isso que ele estava a fazer. Há muita informação comercial que não posso partilhar, apesar de ter conhecimento dela. Portanto, sim, em alguns sentidos, é verdade. A maior parte do que Puthoff estava a receber…
Ele estava a contratar para certas coisas, mas não estava a fazer nada fora do âmbito do seu trabalho. Ele não era, digamos, um individualista. Hal estava a contratar, etc., com empresas fora do meu conhecimento.

ES: O que lhe disse Helms sobre a recuperação reversa de naves alienígenas, várias ferramentas alienígenas?

RD: Bem, ele tinha muita informação sobre o que a CIA sabia. Naturalmente, estamos a falar dos anos 60 e 70. Definitivamente tinham… Sabe, os Timoneiros chamavam-lhes “bugigangas”. Ele costumava dizer: “Recebemos bugigangas”.
Esse é o seu termo preferido. Ele usou sempre a palavra “bugigangas”. E quanto mais o conhecia, mais me convencia de que “bugigangas” significava “recebidas de extraterrestres”. Eles tinham…

A CIA tinha contactos que não partilhavam com nenhuma outra agência. Tinham informações e “bugigangas” que mais uma vez não eram partilhadas com nenhuma outra agência. Sempre esperei que os Helms se abrissem comigo e me dissessem quais eram as “bugigangas”.

ES: Por favor, diga-me mais sobre o que significa “bugigangas”.

RD: Está bem, mas sabe, há coisas sobre as quais ele não queria ou não podia falar.

ES: Naturalmente.

RD: Não tenho a certeza do que eram as “bugigangas” e para que eram usadas. E aqui está uma coisa interessante sobre Richard Helms… Já o mencionei antes num dos episódios: na bandaVolyer Helms tinha originalmente o pseudónimo Hawk.
Apenas algumas poucas pessoas sabiam disso. O Dr. Hal Puthoff era também membro do grupo Aviário; ele sabia da posição de Richard Helms no grupo, e como o Aviário se encaixava no seu laboratório.

ES: Podemos dizer que os alienígenas capturados também se enquadram na categoria de “bugigangas”?

RD: Na minha opinião, algumas das referências a “bugigangas” utilizadas por Richard Helms significavam alienígenas capturados, não o que restava como presente. Muitas vezes ele mencionou que a hostilidade prevalece sempre no contacto com os extraterrestres.
Ele não entrou em pormenores. E o meu entendimento foi que houve incidentes de captura de extraterrestres. Mas tenha em mente que este sou eu a falar, não ele.

ES: Claro que sim.

RD: Mais uma vez, segundo sei, houve incidentes em que ou a CIA ou alguma outra organização militar capturou alienígenas e depois, de alguma forma, a CIA ficou com a custódia dos mesmos.

ES: O que fizeram eles com os extraterrestres capturados? Para onde foram levados os alienígenas, onde foram interrogados ou colocados em celas? O que estavam eles a fazer com eles?

RD: Bem, tudo o que Helms disse… Uma vez eu perguntei: “Se capturar um extraterrestre, o que fazer com ele?” Ele respondeu que eles têm lugares especiais. Não sei se eles estavam fora da Área 51.
Porque desde o início dos anos 50 até 1975 ou 1976, a Área 51 era propriedade da CIA. Quer dizer, a Força Aérea utilizou-a, mas a própria CIA era proprietária das instalações.

ES: Será que os alienígenas capturados acabaram no laboratório do Dr. Hal Puthoff?

RD: Nunca vi nenhum deles lá, mas tenho conhecimento de um incidente em que cientistas que trabalham no laboratório do Dr. Puthoff foram a outros locais para investigar não só os extraterrestres (daquela vez era um corpo), mas o que quer que os extraterrestres tivessem em sua posse.
Eu não estava lá, por isso não sei o que era, e não fui com os cientistas, mas eu sabia o que eles estavam a fazer. Foram explorar algo nos anos 90. Penso que estavam a estudar artefactos ou objectos, dispositivos que os alienígenas… que obtiveram do alienígena.

ES: Que dois dos seus colegas confirmaram?

RD: Sim.

ES: De que outros projectos fez parte do Instituto?

R.D.: Participei numa viagem ao Dakota do Sul para falar com um ranchero sobre possíveis destroços que ele recuperou de um local de acidente com um OVNI.
Aprendi de várias fontes dentro da comunidade de inteligência que um objecto aterrou ou caiu por cima ou perto do rancho em 1970. Foi em Spearfish, Dakota do Sul. Em 1970, no Inverno de 1970.
Creio que estamos em Dezembro de 1970. O pessoal da Base da Força Aérea de Ellsworth enviou para lá uma equipa especial para localizar e recuperar os destroços no local da queda. Era Inverno. Havia muita neve no chão.

Na Primavera, um ranchero e outro trabalhador foram para o local do acidente. A neve tinha derretido e eles encontraram alguns destroços. O Ranchero salvou-os. Mais tarde um repórter de jornal – fiz isto em 1994 – falou com Ranchero sobre o local do naufrágio.

ES: E como é que o repórter soube disso?

RD: Bem, algo se tinha despenhado. Depois a Força Aérea inventou uma história falsa, correu a desinformação.

ES: Bem, o que quer dizer; eles nunca fazem isso. (risos).

RD: Enviaram… Nos anos 70 inventaram uma história sobre uma cápsula a cair de um bombardeiro B-52. Os bombardeiros B-52 foram colocados na base de Ellsworth. A cápsula caiu perto de uma fazenda ranchero. Essa é a história.
O repórter pensava que havia mais do que isso, mas o próprio rancheiro nunca disse mais nada ao repórter. Não sei o que era; eu não estava lá. A Força Aérea apareceu, limpou-a e saiu. E foi isso.

Depois apareceu o investigador MUFON do Dakota do Sul, com quem entrei em contacto através de Bill Mora. Ele pensou… Depois de falar com outras testemunhas oculares, encontrou razões para acreditar que tinha havido uma queda de OVNI perto de Spearfish.
De qualquer modo, a agência de inteligência, a Agência de Inteligência de Defesa (DIA)… Aprendi com uma fonte da DIA que na realidade era um OVNI, e que eles pensavam que devia haver destroços deixados para trás. Assim, fui ao Dakota do Sul, ao local do acidente, pois tinha as coordenadas GPS.

Já não havia lá nada que eu pudesse ver. Depois fui contactar um ranchero. Ele era muito velho. Lidei sobretudo com o seu filho. Perguntei se alguma vez tinham encontrado alguma coisa no local do naufrágio.
O filho respondeu que eles tinham uma lembrança. “Oh, guarda uma lembrança?” “Sim, mas ainda não falei disso à Força Aérea. É nossa propriedade e toda a terra aqui é nossa”. Discordo com isso. Já não trabalho para o governo ou para uma agência federal ou qualquer outra coisa.

Perguntei: “Alguma vez pensou que a lembrança pudesse ser perigosa ou radioactiva ou algo do género?” O meu filho disse que não o mantinham dentro de casa. Perguntei se podia dar uma vista de olhos. Eu tinha um documento que certificava que trabalhava para o IPI.
Expliquei ao meu filho que estávamos muito interessados nesta coisa, em qualquer tipo de destroços, e gostaríamos apenas de olhar para ela e talvez pesquisá-la se fosse encontrada no local do acidente.

disse o filho: “A Força Aérea diz que caiu de um bombardeiro B-52. “Já estive em bases da Força Aérea e se caiu de um B-52…”
Muito do que foi dito a seguir não era verdade, no entanto, ofereci-me: “Talvez eu pudesse identificar o item e dizer sim, é de um B-52 ou não de um B-52”.
O meu filho objectou: “Alegaram que era a cápsula no B-52 que os pilotos usam como sistema de orientação; foi isso que caiu”. Confirmei que estava familiarizado com ele. E foi. “Isto é o que se chama o sistema MSQ-81″. O ponto de dinamitação. O sistema de orientação”.

S20E03 Autópsias a Alienígenas / Raptos de Alienígenas / Desinformação

O filho concordou: “Oh, está bem”. Gradualmente começava a acreditar no que eu estava a dizer, a maior parte do que era verdade e alguns tinham acabado de inventar enquanto eu tentava obter uma lembrança. O filho ofereceu-se para me mostrar a lembrança.
Foi para outra parte da casa e desceu para a cave. Eu não fui com ele. Ele trouxe a caixa e abriu-a. E, como seria de esperar, ele retirou um objecto, e eu sabia o que era.
O objecto tinha 60 cm de comprimento, 15 cm de largura e 5 cm de espessura. Transparente e duro, como um pedaço de Plexiglas, com um aro, um aro preto duro e grosso à sua volta.

Já vi um destes antes, pois era um dispositivo energético encontrado numa nave espacial alienígena em 1947. Eu vi-o no IPI quando Hal Puthoff estava a tentar descobrir o que era.
Hal estava convencido de que se tratava de um dispositivo de energia de ponto zero. Eu olhei para a coisa e disse: “Acho que é um dispositivo energético”.
Naquele momento o filho não acreditou em mim: ‘Estás a pôr pó nos meus olhos, eu não acredito’, disse eu: “Não, não, estou a falar a sério. Creio que isto é algum tipo de dispositivo de energia alienígena Gostaríamos de o investigar”.

Comecei a dizer que os representantes do IPI poderiam vir e investigar a lembrança. Ou: “Se me deixassem ficar com ele, certamente que lho devolvia. Podemos até pagar por isso”. Eu não estava autorizado a sugerir tal coisa.
Mas eu pensei: se o Dr. Puthoff soubesse que era um dispositivo energético, ele teria dito: “Teríamos procurado algum montante ou talvez abordado a DARPA ou outra pessoa para encontrar o dinheiro”.

De qualquer modo, o filho pensou, pensou e disse: “Não o estás a tirar, mas podes pesquisá-lo aqui. Pode fazer o que quiser com ele”. Tirei fotografias, muitas fotografias. E até tentei raspar algum material, mas não consegui. Nada raspado.
Eventualmente, disse o filho: “Concordo se eu puder comparecer. Se vocês quiserem enviar os vossos cientistas, sentar-me-ei com eles e deixá-los-ei fazer o que for preciso com a lembrança, mas tenciono estar presente”.
Eu respondi: “Muito bem, é justo”. Com isso voltei a voar para a IPI. Concordaram e enviaram cientistas para lá. Eu não fui com eles.

ES: Estou a ver.

RD: Os cientistas foram ao rancho e, claro, descobriram algo que já tinha sido obviamente patenteado desde então.

ES: Porque pensa que tais artefactos são tão significativos para as agências?

RD: Porque têm uma natureza estranha. As agências estão a tentar promover a nossa tecnologia, tentando ver se conseguimos reconstruir algo de volta.
Quer dizer, a CIA contratou cientistas, especialmente nas fases iniciais, na sua maioria associados à inteligência estrangeira, tecnologia estrangeira que tentavam compreender, nomeadamente a tecnologia dos soviéticos, dos países do Bloco de Leste, da China.
Se conseguissem apoderar-se de algo estranho, restaurá-lo e usá-lo contra os seus inimigos, isso seria um passo em frente.

ES: Alguma vez isso aconteceu?

RD: Estou convencido que sim. Tenho visto muita coisa de que não posso falar. E convenceu-me de que, sem sombra de dúvida, recuperámos algo e agora temo-lo no nosso arsenal.

eS: Rick, concordo contigo. Passámos do cavalo e da carroça para o pouso na lua tão rapidamente. Olha para o ecrã da televisão de plasma e os óculos infravermelhos; não somos assim tão espertos, pois não?

RD: Não. Creio que o Tenente Coronel Phil Corso estava absolutamente 100% certo sobre o que estava a fazer. Agora, infelizmente, ele está morto.
Mas desde então, outras pessoas têm-se apresentado, a um nível inferior, que reclamam: “Trabalhei com o Coronel Corso no Pentágono” ou “Fui a um certo lugar com ele”.
Em suma, penso que o que estamos prestes a descobrir é o seguinte: tudo o que o Tenente-Coronel nos disse sobre a recuperação reversa pela qual ele foi responsável é verdade.

ES: Acha que temos naves que podem voar com energia de ponto zero?

RD: Penso que temos embarcações que utilizam energia de ponto zero para gerar electricidade ou para fazer funcionar um sistema de propulsão.

ES: Para propulsão antigravitacional?

RD: Sim, mas não tenho a certeza se é um sistema de propulsão real que utiliza energia de ponto zero. Mas estou quase convencido de que faz parte do sistema de propulsão.
Uma vez que o dispositivo energético recebido de alienígenas e de outros locais de colisão é um sistema de propulsão. Digamos, bem, como um gerador eléctrico. Potencia tudo, desde uma pequena lâmpada a uma cidade inteira e seus arredores.

É o que dá poder a uma nave espacial, uma nave espacial alienígena. O sistema de propulsão é outra coisa. Não sou realmente um técnico; nunca tive conhecimento de tudo isto. Mas sei que o sistema de propulsão… Estão nas naves.

ES: Temos alguma nave que possa voar utilizando tecnologia de engenharia inversa?

RD: Eu não ficaria registado como dizendo que a minha experiência passada ou trabalho passado em que vi algo ou tive acesso a algo… Mas a minha opinião não oficial é que sim. Temos naves capazes de voar usando antimatéria ou algum exótico…
Não sei o que é, mas algum tipo de tecnologia extraterrestre exótica reconstruída de forma reversa. Vi uma nave espacial voar quando estive na Área 51. Não era uma nave vulgar.
Podia fazer coisas que um F-117 ou F-22 ou U-2 ou qualquer outra aeronave que tivéssemos no nosso arsenal não conseguiria fazer.

Embora ninguém me tenha dito nada, pude juntar dois e dois e perceber que era uma recuperação reversa. Apesar de me terem dito que era uma das nossas naves. Perguntei-lhe que sistema estava a utilizar?
Disseram-me que era de um amigo e que era tudo. Assim, mais uma vez, juntando dois e dois, a resposta é sim. Vi algo a voar que não consegui compreender. Este é o tipo de coisa de que Bob Lazar estava a falar.
Creio… Aparentemente foi em S-2. Lazar chamou-lhe S-4.S-4 é a instalação subterrânea e S-2 é todo o complexo. A diferença está apenas no nome.
E quando Bob falou comigo e falou sobre o que estava a fazer e exactamente como entrou nas instalações, compreendi que ele tinha realmente estado lá.

BOB LAZAR – Área 51 e Discos Voadores (filme)

ES: Tem algum colega que concorde com a sua opinião que acabou de expressar?

R.D.: Há muitos, incluindo cientistas e pessoal do IPI, que têm conhecimentos muito mais vastos que os meus, conhecimentos técnicos e experiência que eu não possuía. Todos eles disseram: “Sim, temos naves que podem fazer este tipo de coisas”.

ES: Rick, e mais uma vez esta é uma informação fantástica. Como sempre, você é um tesouro de informação. Muito obrigado pela sua participação no programa.

RD: Obrigado, Emery.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments