Michael Jaco, revelação cósmica t22, Seres

S22E04 Michael Jaco viveu 6 meses em Vénus e fala dos seus habitantes

Partilhar:

Este é o principal episódio da 22.ª temporada que nos detalha a vida dos Venusianos, onde a temperatura do planeta Vénus é de 30 graus à superfície!

Numa regressão com a hipnoterapeuta Barbara Lamb, Michael Jaco recorda as memórias perdidas das suas missões passadas na Força Espacial.
Lembra-se de missões para eliminar adversários agressivos nas luas de Júpiter e Saturno.
Jaco também partilha memórias de fazer contacto com seres extraterrestres fora da nossa galáxia, incluindo Draco Reptilianos.
Nesta conversa final com Emery Smith, Jaco partilha como os Venusianos o treinaram para carregar uma vibração amorosa com o objetivo de trazer unidade e consciência superior à Terra.
À medida que os infiltrados continuam a revelar as suas experiências na oculta Força Espacial, mais verdades estão a vir à luz.

S22E04 Formação da Consciência em Vénus (Revelação Cósmica ~ Michael Jaco)
S22E04 Consciousness Training on Venus

revelação cósmica temporada 22 episódio 4

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

A legendagem possível (não exata):

– Hoje, em “Revelação Cósmica”, recebemos o Suboficial Chefe reformado do SEAL Team Six, Michael Jaco, que tem mais de 35 anos de extensa experiência em combate, incluindo 11 anos como Oficial de Segurança da CIA. Michael, bem-vindo ao programa.

Michael Jaco v. Emery Smith

M.J.: É um prazer estar aqui, Emery. Obrigado pelo convite.

ES: Durante a sua sessão de regressão com Barbara Lamb, mencionou as suas actividades nos satélites de Júpiter e Saturno, guerras fantásticas com reptiloides. Vamos dar uma vista de olhos:

Barbara Lamp com Michael Jaco

B.L.: “Suponho que uma das coisas que podemos considerar é o uso de armas; quem era o inimigo? Qual foi a situação em que esteve envolvido? Poderia descrever um deles”?

Barbara Lamb

M.D.: “Essa situação teve lugar num dos satélites de Júpiter e no planeta Júpiter, onde penetraram. Estamos a falar de “pessoas de pedra”.

Homens-pedra

De alguma forma, eles escaparam através das nossas defesas. São bastante habilidosos em vir para um planeta ou satélite e camuflar-se lá.

Michael Jaco na regressão

Lembro-me que num dos satélites… Foi aí que o lado esquerdo da minha cabeça foi esmagado. Na primeira batalha, entrámos em grupo e capturámo-los na superfície do satélite.
Lembro-me de quando a minha nave espacial aterrou e todos os outros operacionais também desembarcaram nas suas naves. Na altura, eu estava… estava muito desenvolvido. Cerca de 30 anos de idade, 2,4m de altura, muito, muito grande; enorme.
Cheguei à minha nave, a nave aterrou, saltei dela e comecei a disparar a minha arma de pulso. O parceiro estava a disparar o seu. Conseguimos capturar alguns deles.

Quando mais dos nossos grupos KV chegaram, aterraram e se juntaram a nós na batalha, começámos a fazer o nosso caminho para a sua base subterrânea.
Depois, quando entrámos na base subterrânea, toda a nossa tecnologia, visão nocturna e disparos de armas de pulso, todos eles se desligaram. O meu parceiro era… Eu estava separado dele. Foi quando… Foi quando uma das armas explodiu parte da minha cabeça.

A minha equipa puxou-me para fora. Eu era então capitão. Comandava um grupo de 50 homens e mulheres. Fui levado de volta para a nave e, como descrevi anteriormente, alguém da frota principal levou-me de volta.
Depois os médicos entraram em acção e dobraram-me de novo. Era… É de notar que, em circunstâncias normais, tudo teria sido traumático, mas nesse dia tivemos um desempenho muito bom. Eventualmente, expulsámo-los de um satélite que se encontrava algures perto de Júpiter.

Mais tarde foi descoberto outro satélite, desta vez perto de Saturno. E graças à nossa experiência no satélite de Júpiter, não tivemos perdas. Expulsámo-los muito rapidamente.

B.L.: Uau!

M.J.: Ao longo do tempo, desenvolvemos as nossas capacidades de combate, adaptámo-nos muito mais facilmente e derrotámos o inimigo muito rapidamente. Assim, perdemos menos vidas, tanto do nosso lado como do deles. Por vezes forçamo-los a render-se muito rapidamente; eles simplesmente fugiam porque éramos muito eficazes”.

ES: Lembra-se de alguma outra missão em que tenha estado envolvido? Qual foi o seu papel e responsabilidades específicas?

M.J.: Vejo-me agora como um comandante galáctico. Nesta função, são-me atribuídas várias tarefas. Há muitas raças alienígenas diferentes a trabalhar ao meu lado, raças alienígenas muito positivas. Já falámos sobre alguns deles nos últimos episódios.

S22E02 Naves e Contacto Extraterrestre com Venusianos e Louva-a-deus

Alienígenas positivos e grupos positivos de todos os países, incluindo os EUA… Temos alienígenas de muitos, muitos sistemas estelares diferentes que estão envolvidos em frotas espaciais de naves de 1,6 km. É inacreditável.
Pode atrair muito poder e força para uma situação particular. Por vezes, haverá uma única nave estelar que acabará de chegar. Por vezes, uma frota inteira. Tal como se pode ter uma frota inteira aqui nos EUA que aparece algures ao largo da costa e basicamente todos se retiram e desistem.

Tipos como este são o vosso grande sucesso, por isso vamos parar o que quer que estejamos a fazer. Na realidade, acontece com bastante frequência na galáxia. Uma demonstração de força irá parar qualquer negativismo. E não é só na nossa galáxia.
Estamos agora a começar a viajar para outras galáxias para ajudar, à medida que começamos a dominar a nossa própria galáxia e a alcançar um nível de consciência mais elevado. Claro, aqui na Terra ainda estamos a lutar um pouco, mas isto será ultrapassado em breve.
Quando chegarmos a esse ponto, terá um impacto real no resto da nossa galáxia e poderemos ajudar outras galáxias a alcançar o mesmo tremendo sucesso que temos aqui.

ES: Falou em alcançar outras galáxias, ajudando outros planetas. Então porque não vieram até nós para nos ajudar, estes alienígenas?

M.J.: Bem, também aqui na Terra há ajuda. Há raças alienígenas envolvidas na Terra. No futuro, esperava-se uma divulgação muito, muito lenta. Mas isso não vai acontecer. Acredito que, à medida que avançamos, o desdobramento vai acontecer muito mais rapidamente.
O desdobramento está a acelerar porque os controladores que tentam controlar a Terra foram longe demais. Eles estão quase soltos, e nós estamos de novo totalmente controlados aqui no planeta, como éramos há 12.000 anos atrás.
Mas estamos a começar a escorregar para fora. Estamos a começar a quebrar esses padrões. Alguns dos grupos envolvidos já se encontram expostos. Alguns estão a ser silenciosamente removidos, nos bastidores. Fazer isto é um poder secreto que entra.

Fazendo parte destes programas encobertos, pude ver isto a acontecer agora. Então sim, a questão permanece, a excelente pergunta, “Porque não estamos a ser ajudados aqui na Terra”? Há ajuda. Há raças alienígenas.
Existem mais de 120 raças alienígenas diferentes aqui na Terra. Quando for realmente revelado, tudo se desmoronará. E isso vai acontecer muito em breve.

S01E02 Primeiro Encontro (Revelação Cósmica – Corey Goode)

ES: Há uma hora ou data definida para a Divulgação?

M.D.: Penso que vai acontecer muito, muito em breve, durante os próximos anos. Algumas revelações já estão a acontecer; estamos a começar a vê-lo nas notícias, com as pequenas naves espaciais que as pessoas estão a ver.
Claro que esta é uma tecnologia avançada que a SW já possui; já está a ser implementada e utilizada na SW. E uma vez que estas tecnologias avançadas nos sejam reveladas, uma vez que vejam a luz do dia, então poderá levar ao nível seguinte – sim, alienígenas entre nós.

Unidentified ~ a série Ufológica do ano (2019)

Sim, são alienígenas negativos que têm vindo a controlar a Terra, sim. Alguns já foram expulsos. À medida que avançamos, eles serão completamente removidos da Terra. Da mesma forma que nós, os SW, os retiramos de vários planetas, os alienígenas negativos.
Também aqui serão removidos, mas não pelas forças do SW, mas pela consciência e decisão dos povos da Terra. Isto tem de acontecer. Os terráqueos, chamemos-lhes assim, devem acordar e mover a sua consciência para o nível seguinte.
O nível seguinte é basicamente determinado pelo facto de fazermos parte de um grupo galáctico e de haver muitos seres estelares encarnados aqui na Terra neste momento.

Pessoalmente, acredito que o Sirius B chegou. Quando as pessoas se tornam cada vez mais conscientes das suas ligações com seres estelares, isso empurra ainda mais a consciência e desperta mais pessoas. Por isso, acredito que no próximo ano veremos ainda mais revelações.
E nos próximos 2-3 anos, a Terra será muito diferente do que vemos neste momento. À medida que avançamos, o controlo e a manipulação desaparecerão em grande medida.

ES: Fantástico – a vossa menção de que a vossa genealogia remonta a Sirius B, pois de facto não somos todos originários daqui. Aprendi muito sobre isto ao trabalhar em projectos dispersos. E o espantoso é que a maioria dos alienígenas tem ADN humano.
Basicamente, somos todos apenas consciências diferentes de todo o universo misturadas num caldeirão de culturas. E se realmente confirmar a existência de KV e a existência de naves espaciais alienígenas a chegar ao planeta Terra, como é que isso irá afectar o gás, o carvão e o petróleo?
Já não vai precisar deles, pois não? As universidades não dizem: “Bem, eles não vieram aqui em combustível para foguetões JP-1″. Agora temos energia gratuita”.

MD: Sim, essa é uma das vantagens, mas é também uma das coisas que nos mantém presos. As indústrias, as corporações controlam a maior parte do fluxo de informação, por isso são as que têm mais a perder.

AS: Michael, mencionou alienígenas positivos e negativos, mantendo-nos confinados a um único planeta. Poderia dizer-nos mais sobre os alienígenas negativos? Quem são eles?

M.D.: Absolutamente. Algumas das raças negativas são os reptiianos, ou mais especificamente, os reptilianos draconianos. Eles são muito poderosos, têm sido muito poderosos durante muito tempo. Foram eles que mudaram tudo na linha temporal da Lemúria e da Atlântida.
Eles vieram e destruíram o sistema que tínhamos desenvolvido ao mais alto nível. Agora foram retirados do nosso mundo. Os alienígenas negativos foram removidos em segurança da Terra. Pode haver apenas pequenos grupos no planeta, aqui e ali.
Estão a ser procurados. Tais raças alienígenas, reptilianos, são muito difíceis de encontrar uma vez que estão extremamente bem camufladas. Tenho-os visto pessoalmente quando visito diferentes organizações.

Draconianos – Dracos

ES: Como é que são?

M.D.: Bem, eles parecem-se comigo e contigo. Quando se olha nos olhos deles e eles ficam um pouco zangados contigo, os olhos deles estreitam. E pode dizer-se por esse estreitamento: “Oh, é um reptiliano”. Mas como dissemos anteriormente, nem todos os reptiloides são maus.
Nem todos os draconianos são maus. Permanecem no seu próprio caminho. Os draconianos positivos ajudam a remover os negativos do planeta. Da mesma forma que tenho estado envolvido na caça de muitos terroristas, leva anos a encontrá-los. Igualmente…

Reptilianos

Lembro-me de quando fui enviado para o Panamá, demorámos algum tempo a encontrar Manuel Noriega, embora a operação de captura tivesse sido planeada há meses e meses e meses. Ou seja, aparecemos com um plano perfeito e ele escapou através das fendas.
Levou-nos meses a encontrá-lo. E depois levou o resto do tempo a identificar, caçar e erradicar os terroristas. É um processo longo. Eles são acólitos.

Em geral, pode-se pensar nos Draconianos Reptilianos como o topo da cadeia alimentar em termos de maldade que controla a Terra, e depois descer a cadeia. Têm várias famílias que têm vindo a controlar a banca e outras indústrias, petróleo e tudo isso durante muito tempo.
Tais seres são identificados e, em certa medida, removidos. Ainda mais abaixo estão os políticos, os proprietários de empresas, etc. Em suma, há muito a erradicar.

E.S.: Parece bastante viável. Quem são os positivos?

M.D.: Os positivos são aqueles que tentam ajudar a humanidade, como tu e eu. Fazemos o que podemos. Operamos dentro de um sistema que é muito opressivo, e no entanto, neste momento estamos a partilhar esta informação. É muito poderosa e esclarecedora.
À medida que avançamos com esta informação, as pessoas estão a acordar para ela, e isso acelera o processo. Há muitos mais que estão a partilhar a informação e é isso que eleva a consciência. Não está a bater no outro lado.
Trata-se mais de aumentar a consciência. E é a elevação da consciência que bate o outro lado. É para aí que vamos em perspectiva. Mais pessoas acordam e deixam de dar o seu livre arbítrio a grupos negativos. Está a acelerar o processo.

ES: Michael, de que outras missões se lembra que chamam a sua atenção?

M.D.: Uma das missões mais surpreendentes foi quando voei para o planeta Vénus. Lembro-me de entrar numa nave espacial circular, uma nave do tipo disco voador que vimos.
Isto foi logo no início da minha formação, eu diria por volta da altura em que estava na casa dos 20 anos ou no início da adolescência. Estava a voar para o planeta Vénus e a trabalhar com os venusianos.

Michael Jaco na regressão

“Lembro-me de passar através das nuvens. Lembro-me de me aproximar da superfície. Estávamos a descer numa das naves espaciais venusianas. A nave espacial era como discos voadores. Lembro-me da descida. Era uma nave muito grande.
Lá dentro havia um grupo de 15 de nós mais os Venusianos que conduziam a máquina. Quando aterrámos, lembro-me de deixar a nave e pisar em Vénus. A temperatura era de cerca de 30º. Foi muito agradável.

Barbara Lamp com Michael Jaco

Havia lá fauna. Plantas e animais como os do nosso planeta, mas também alguns muito estranhos. Depois fomos abaixo da superfície de Vénus. Havia cidades, estruturas piramidais, placas. As lajes pareciam… eram incríveis. Feitos de metal, brilhavam e mudavam de cor.
Grandes lajes empilhadas como edifícios. Tremeluziram púrpura e azul. Cores cintilantes. Alguns dos edifícios reflectiam a sua energia. Se estava feliz, se estava desanimado, reflectiam a cor do seu estado de espírito.

A minha missão era aprender o mais possível sobre campos vibracionais, aprender a ligar-se com outros animais, plantas, seres humanos e outras espécies da galáxia. Como vê, os campos vibratórios de cada ser vivo são diferentes, mesmo de um indivíduo para outro.
Aprende-se a mudar a sua vibração para que se alinhe com a vibração de outro ser humano.
Isto já nos foi ensinado antes, no início da nossa formação: como deslocar os nossos campos vibratórios para que possamos levitar ou passar através de diferentes materiais; o mais duro foi a pedra. Direi desde já que não consegui passar pela pedra, apenas pela madeira.

Comuniquei com os Venusianos durante seis meses. Durante esses seis meses ensinaram-me tanto que, realisticamente, seria suficiente para muitas vidas. A forma como a informação foi apresentada era muito mais avançada.
E a própria informação era muito mais avançada do que a que temos na Terra. Eles compreenderam tudo a um nível superior. Aparentemente, os filósofos do passado foram treinados pelos Venusianos”.

AS: Michael, porquê? A ciência convencional acredita que a temperatura da superfície de Vénus está algures em torno dos 427º. Então, como sobreviveu lá?

M.D.: Fui à superfície e a superfície é completamente habitável. A temperatura é de cerca de 30º, o tempo está bom, muito agradável à volta do equador.
E certamente a temperatura não é tão alta como as sondas estão a reportar ou a campanha de desinformação sobre a vida nos vários planetas e satélites está a reportar. Todos os planetas e todos os satélites têm vida. Há vida em Vénus.

Entrámos na atmosfera do planeta. Lembro-me que estava nublado e sombrio no início. Mas quando finalmente rompemos as nuvens, a superfície estava limpa.

nave a aproximar-de de Vénus

À superfície, as florestas estavam em plena floração, as plantas estavam a crescer.

Encontrei-me ao nível do equador. Éramos provavelmente cerca de 15 ou mais, chegando para uma sessão de treino com os Venusianos, o treino de amor que mencionei anteriormente.
Foi uma experiência espantosa, pois todos tínhamos ouvido dizer que Vénus era um planeta demasiado quente para ter vida. E aqui estamos nós, tendo aterrado em Vénus, e acontece que lá há vida.

Assim, há vida vegetal na superfície de Vénus, que pode viver muito confortavelmente num ambiente com temperaturas de 30-18º. Quando o sol se põe, ainda está muito bom, a temperatura é de 18º, durante o dia é de 30º. Lembro-me bem disso.
Quando comecei a trabalhar com as plantas e tudo, descobri que elas estavam vivas. Eles estavam realmente a puxar para fora as suas raízes e a mover-se. Assim, as florestas de relíquias poderiam levantar-se e mover-se. E poderia comunicar com eles.
Não no modo como falamos, claro, com palavras, mas telepaticamente. Foi o que aprendi.

Foi muito valioso. Não só a vida vegetal, mas também a vida animal. Vi um urso leão, isto é, o corpo de um leão sobre quatro patas, mas com a cabeça de um urso. Repito, o corpo de um leão com a cabeça de um urso.

Urso com corpo de Leão

Não sei porque os escolhi para mim, mas penso que foi porque um deles me seguiu para todo o lado. Lembro-me apenas dele a agir como um pequeno animal de estimação.
E de um modo geral, os animais em Vénus não são uma ameaça. Mesmo a vida animal selvagem não é uma ameaça para ninguém. Todos…

ES: Diz-me, existem lagos, oceanos ou quaisquer outros cursos de água em Vénus?

M.D.: Não me lembro de nenhum lago ou riachos de água. Lembro-me apenas de um pequeno lugar onde aterrámos. Lembro-me das montanhas e da neve na montanha. Portanto, o disparate das altas temperaturas é… não sei. Havia neve nas montanhas.
Era muito agradável e confortável onde eu estava. A partir daí desci ao subsolo. As cidades subterrâneas em Vénus são diferentes de tudo o que conheço no espaço. São realmente requintados. As pessoas de lá são muito bonitas.

Venusianos

A forma como se aperfeiçoam através da vibração do amor traduz-se na sua forma física. É simplesmente espantoso. Quando se entra em contacto com eles através dos seus olhos, é-se literalmente sugado para um poço cheio de vibração amorosa. É inimaginável.
Nessa altura eu era um guerreiro muito primitivo, muito duro e furioso. Mas eles conseguiram ensinar-me, tirar-me tudo de mim. Já falámos sobre isso noutros episódios.

ES: Michael, quanto tempo estiveste em Vénus?

M.J.: Apenas seis meses. E esses seis meses foram suficientes para superar todos os meus medos. Lembro-me de me ter mudado de uma cidade venusiana para outra.
Subterrâneas têm muitas, muitas cidades, mudando-se para diferentes cidades e aprendendo diferentes técnicas para se ligarem ao amor… meditando no subsolo. Perguntou sobre as correntes de água. Lindíssimas correntes de água. Belos rios. Incrível. Quando se aproxima de uma cascata, sente-se o amor que vem da água.

Tudo era uma vibração de amor: a vida vegetal, os alimentos que comíamos. Tudo era requintado.

ES: Michael, fala-nos mais sobre os seres que lá vivem. Como é que eles são? Como é que se vestem?

M.J.: Normalmente os Venusianos são na realidade mais altos do que nós. Um Venusiano baixo tem 1,8m de altura. A maioria tem 2,4-2,7m de altura, alguns são ainda mais altos. Proporções perfeitas. Os homens são bem construídos, musculados.

Lembro-me que eles usavam muito branco, muito azul claro. Essa cor combinava perfeitamente com a cor dos olhos de muitos deles. A maioria dos Venusianos são de olhos azuis, com cabelo louro. Mas não todos. Havia alguns venusianos de cabelo ruivo, e alguns de cabelo escuro.
A pele é na sua maioria muito clara, embora eu tenha visto todas as diferentes cores de cabelo e pele e coisas do género. É tudo muito avassalador.

ES: Certamente, aqui no planeta Terra estamos a assistir a uma das mais colossais diversidades de seres humanos num pequeno planeta. Observou algo semelhante em Vénus?

M.J.: Também aí há diversidade, mas todos eles são venusianos. Se for a diferentes sistemas estelares, normalmente os habitantes pertencem a um determinado sistema estelar.
Se for para as Plêiades, são todos Pleiadianos. Se for a Arcturus, os habitantes locais são todos Arcturianos. O mesmo é válido para Andrómeda. Andromedanos.

Pleiadianos

Só a Terra é realmente um exemplo muito, muito raro onde temos muitos seres diferentes a chegar e a estabelecer-se aqui. Um verdadeiro smorgasbord. É um dos poucos lugares na galáxia onde isso aconteceu, a diversidade de diferentes grupos.
E essa é uma das razões que nos levou tanto tempo, porque nem sempre compreendemos. Direi, apenas compreenda. Não estou a dizer que trabalhamos bem em conjunto, embora o pudéssemos fazer. Mas somos ensinados a não o fazer. Há muitas influências negativas.

ES: Existem. Programação.

M.J.: No que diz respeito aos Venusianos… a programação, certamente. Eles trabalham bem em conjunto. A mesma vibração de amor que eu vejo em muitas pessoas aqui na Terra.
Se você é muito… se você se ama a si mesmo, se ama outras pessoas, isso realmente reflecte. Se estiver zangado e egoísta, isso também se reflecte. Ali, no ambiente de Vénus, tudo se traduz em beleza, como disse antes. Até a água tem uma vibração requintada.

ES: Enquanto esteve em Vénus com os Venusianos, alguma vez sentiu algo de negativo por parte deles?

M.J.: Nunca. Isso também faz parte do que aprendi com eles. Foi apenas um prazer observá-los. É sempre positivo. Foi muito difícil abandonar o planeta.

E.S.: Tenho a certeza.

M.D.: Sim. Até as plantas e os animais… Tive uma tremenda vibração de amor com eles. Era… Imagine o animal de estimação mais próximo de si, multiplique essa sensação por 100, e então obtém o tipo de ligação que tinha com um animal ou uma planta.
Cultivo plantas. Eu adoro plantas em minha casa. Tenho uma ligação com eles. Eu falo com eles. Eu envio-lhes amor.

Mais uma vez, no caso da vida vegetal em Vénus, tudo acontece a um nível muito diferente. As plantas comunicam consigo. Pode-se sentir a sua energia. Estão realmente a vibrar a um nível em que tudo é óptimo.
A mesma coisa acontece com tudo o que os Venusianos usam. Usam jóias que são cristais diferentes. Tenho visto um cristal muito bonito como turquesa azul que se comporta como se estivesse vivo. Olhas para ela e ela comunica contigo.

Tudo em Vénus transmite amor. É apenas um ambiente fantástico. Imagine que em qualquer outro lugar. É isso que os Venusianos estão a tentar ensinar. É isso que os Venusianos estão a tentar partilhar.
Eles vêm em grupos muito violentos e altamente polarizados como o nosso. Somos um conjunto de extraterrestres em massa num só lugar. Assim, tentar acalmar as energias que temos aqui, para nos ensinar a trabalhar em conjunto… É por isso que todos estão a olhar para a Terra.

É por isso que todos os olhos estão fixos na Terra. Porque se nos juntarmos e trabalharmos juntos, todas as diferentes culturas de estrelas alienígenas que aqui se encontram, então funcionará em todo o lado.
É por isso que a Terra está a receber tanta atenção. Porque é que se devem envolver? O que é que eles têm a ganhar? O que é para eles? Para eles, é a capacidade de trabalhar com outras raças alienígenas, porque, como vemos, só existem Venusianos em Vénus.
Claro que convidam alguns de nós a ensinar, mas basicamente em todos os lugares diferentes – Arcturus, Sirius B e assim por diante – existe apenas uma raça.

ES: Michael, disseste que há uma quantidade incrível de amor e vibração energética por aí. Recolheu alguma informação de plantas e animais?

M.D.: Imagine se pudesse falar com o seu cão. Isso seria óptimo, não seria? Há pessoas que… ouvimos dizer que há feiticeiros, encantadores de cavalos, encantadores de cães, encantadores de gatos, e assim por diante. Eles podem realmente comunicar com os animais.
Foi o que aprendi quando estive em Vénus. Em nenhum outro lugar além de Vénus a comunicação é colocada a um nível tão elevado. A verdadeira comunicação inteligente com animais e plantas estava a um nível… mesmo com rochas. Mesmo com cristais. Mesmo com água.
A cascata começa a comunicar consigo. Consegue imaginar estar debaixo do chuveiro e a água a comunicar consigo? É outro nível, não é?

Algumas pessoas acharão isso um pouco estranho. Eu diria: “Sim, isso é óptimo. Eu faria isso”. Foi exactamente isso que experimentei no SW quando estive em Vénus. Comunicar a todos os níveis com tudo o que lá estava.
Por isso, é-me difícil imaginar porque não podemos ter isso em todo o lado. A razão é que estamos restringidos. Estamos a ser controlados. A nossa informação é controlada; pense nas fábulas sobre a temperatura em Vénus.
Pensamos que a atmosfera em Vénus é inóspita. O que os Venusianos podem não querer que saibamos é que é muito hospitaleiro. Não querem que saibamos isso até atingirmos um nível de consciência onde possamos…

E.S.: Certo.

M.D.: Há várias razões para isso, suponho eu, mas penso que quando a revelação, quando esta informação chegar realmente às pessoas, elas ficarão um pouco desapontadas. Mas a decepção deve levar a uma mudança de consciência para um nível em que possamos começar a viajar.
Poderemos viajar através do tempo. Em vez de recuarmos no tempo e travarmos ali uma guerra, voltaremos simplesmente para a finalidade da visita. É claro que a visita não implicará a alteração da linha temporal, como acontecia antes. Estamos simplesmente a voltar no tempo como turistas.

Será assim. Vamos voar para Vénus. Gostaria de ir a Vénus? Entra-se num portal, boom, e está-se em Vénus. Quer ir a Marte, que neste momento não é o maior planeta? E pode ir a Marte. Quer ir à lua? Para qualquer outro planeta?
Vai acontecer e vai acontecer muito em breve. E em breve… Eu sei que todos dirão: “Em breve? Vá lá, o que é “em breve”? Brevemente. Chega quando a consciência atinge o ponto em que evoluímos.

Porque é que isso não acontece? Como dissemos anteriormente, há tantas raças alienígenas diferentes. E por causa disso, é preciso um pouco mais de tempo. Não há comunicação. Nenhuma cooperação que veríamos em outros sistemas estelares. Mas está tudo de acordo com o plano.
Tivemos de aprender a trabalhar em conjunto. E estamos a trabalhar em conjunto. Penso que o tempo está muito próximo; durante os próximos anos veremos isto acontecer a um nível incrivelmente avançado.
Chegará ao ponto em que as pessoas ficarão satisfeitas e muito… Elas perguntar-se-ão: “Porque não fizemos isto antes?” Mas por vezes leva tempo.

E.S.: Michael, com base nas suas experiências em KV, há alguma coisa que gostaria de partilhar com o público em relação ao seu despertar?

M.D.: Absolutamente. A coisa mais bela que as pessoas podem aprender com toda a nossa conversa é o campo vibratório do amor de que temos estado a falar.
O campo vibratório do amor não é apenas a ligação com outras raças alienígenas, a vida vegetal, a vida animal, mas também a elevação da consciência quando as guerras começam a cessar.
Queremos que isto aconteça, e isto só acontece com vibrações de amor. A energia que as vibrações do amor trazem pode ligar-nos não só à unicidade do universo, mas também uns aos outros e à mais alta tecnologia que surgirá no nosso futuro próximo.

E.S.: Michael, eu realmente aprecio a tua participação no programa.

M.D.: Oh, é um grande prazer estar aqui. Muito obrigado.

ES: O meu nome é Emery Smith; este é o programa de Divulgação Cósmica.

revelação cósmica temporada 22 episódio 4

venusianos

FIM

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments