Pedofilia

Freiras alemãs venderam/alugaram crianças órfãs a predadores sexuais

Partilhar:

Relatório: Freiras alemãs venderam crianças órfãs a predadores sexuais

Um relatório que as autoridades alemãs tentaram silenciar, mostra como freiras católicas venderam meninos (rapazes) órfãos a padres predadores e pervertidos por décadas.

ROMA — Um relatório chocante delineando décadas de abuso sexual desenfreado de crianças nas mãos de freiras gananciosas e padres pervertidos na Arquidiocese de Colônia, Alemanha, pinta um quadro preocupante de abuso sistemático na Igreja alemã.

Pedofilia ~ 1670 padres alemães abusaram de 3600 crianças entre 1946 e 2014

O relatório é o subproduto de uma ação judicial que alega que meninos órfãos que viviam nas pensões da Ordem das Irmãs do Divino Redentor eram vendidos ou emprestados durante semanas a padres predadores e homens de negócios num comércio de violações doentias (estupros). Os homens envolvidos no processo, dizem que como rapazes não foram adotados ou enviados para famílias adotivas, porque vendê-los para estupro (violação) encheu os cofres das irmãs para o seu “convento dos horrores”. Alguns dos meninos foram então preparados para serem escravos sexuais de pervertidos, afirma o relatório.

O suposto abuso durou anos, com um dos homens alegando que as freiras até mesmo visitavam os dormitórios da faculdade depois de estes terem deixado o convento. Ele disse que as freiras frequentemente o drogavam e o levavam para apartamentos de predadores. A Ordem das Irmãs do Divino Redentor não respondeu a múltiplos pedidos de comentários sobre as acusações.

Dieta Alta Vibração (artigo desatualizado)

A ação, relatada pela primeira vez pela Deutsche Welle no ano passado, está sendo conduzida pela vítima Karl Haucke, de 63 anos, que, juntamente com 15 outros antigos órfãos, exigiu que a Arquidiocese de Colônia realizasse uma investigação completa, que concluiu em janeiro de 2021.

dw.com/childabuse-in-the-catholic-church-a-scandalous

Mas os detalhes desse relatório de investigação foram tão horríveis que o arcebispo Reiner Maria Woelki se recusou a torná-lo público, exigindo que todos os jornalistas que o vissem, assinassem acordos de confidencialidade. Oito jornalistas alemães saíram de uma entrevista coletiva em janeiro, após terem sido negado o acesso à investigação da Igreja, a menos que concordassem em não publicar o seu conteúdo.

Haucke diz que foi abusado pelo menos uma vez por semana entre as idades de 11 e 14 anos, geralmente por mais de um padre. “Não tínhamos palavras para descrever o que nos estava a ser feito. Nem sabíamos o que significava. E não parou na dor física. Tínhamos um claro sentimento de humilhação e de sermos usados​​”, disse ele à Deutsche Welle quando o relatório estava para ser lançado. Ele chamou a sufocação da divulgação do relatório em janeiro de “escandaloso” e disse que negar aos jornalistas o direito de publicar o relatório era “como ser abusado novamente”.

Experimento na Alemanha: Crianças sem lar foram entregues a pedófilos

Agora, vários advogados com acesso à reportagem de 560 páginas partilharam segmentos com os meios de comunicação social, incluindo o The Daily Beast. O relatório cita vários empresários alemães e clérigos cúmplices que “alugaram” os meninos das freiras que dirigiam um convento em Speyer, Alemanha, entre as décadas de 1960 e 1970. Entre os piores casos de abuso, estavam as orgias as quais os meninos eram forçados a participar antes de serem devolvidos ao convento, onde as freiras aí os puniam por virem com as roupas amarrotadas ou por estarem cobertos de sémen.

O relatório constata que 175 pessoas, a maioria meninos com idades entre 8 e 14 anos, foram vítimas de abusos ao longo de duas décadas. Mas falhou em culpar as freiras diretamente, ao invés disso, dizendo que erros de gestão “sistemáticos” e “clemência” para aqueles que foram acusados ​​pelas crianças permitiram que o abuso continuasse.

Haucke, que liderou o grupo de vítimas daqueles que sobreviveram às freiras até se demitir da censura do relatório, diz que Woelki lhes disse em Outubro de 2020 que o relatório não era “legalmente estanque” e continha “preconceitos inadmissíveis” contra a igreja católica que se alimentavam de escândalos ocorridos noutros locais. “Os sobreviventes foram novamente utilizados”, disse ele, referindo-se à sua cooperação no relatório apenas para que este se mantivesse privado. “Pessoas que já foram afectadas nas suas vidas por clérigos estão a ser novamente prejudicadas para proteger a instituição”.

Q revela conexão entre Vaticano, família Rothschild e os Reptilianos

O processo também deu origem a um inquérito dentro das ordens religiosas que constatou que 1.412 pessoas que viviam ou frequentavam conventos, paróquias e mosteiros foram abusadas enquanto crianças, adolescentes e alas por pelo menos 654 monges, freiras, e outros membros das ordens. Cerca de 80 por cento das vítimas inquiridas eram homens e 20 por cento mulheres. O inquérito também descobriu que 80% dos abusadores estão agora mortos, e 37 deixaram o sacerdócio ou a ordem religiosa.

A Arquidiocese de Colónia disse ao The Daily Beast, numa declaração, que a razão pela qual o relatório não foi publicado foi o facto de não ter explicado completamente a metodologia da pesquisa, mas o Bispo Karl-Heinz Wiesmann, que agora lidera a arquidiocese, disse que o relatório de abusos era “tão sangrento” que seria demasiado chocante para ser tornado público. Wiesemann disse à Agência Católica de Notícias KNA que após a sua leitura teve de tirar um mês sabático para se recuperar. “Também eu tenho energia limitada para os fardos que tenho de carregar”, disse ele.

Karl-Heniz Wiesmann

Os principais abusadores do relatório já morreram e muitas das vítimas fizeram um acordo com a igreja para obter uma compensação financeira, que as proibiu de entrar no processo. A arquidiocese agora planeja publicar uma nova edição revisada e, sem dúvida, bastante editada do relatório em março.

800 sacerdotes holandeses abusaram de 20 mil crianças entre 1945 e 2010 com o encobrimento dos cardeais

Os principais agressores do relatório estão agora mortos e muitas das vítimas estabeleceram com a igreja uma compensação financeira, o que as proibiu de se juntarem ao processo judicial. A arquidiocese planeia agora publicar uma nova edição revista, e sem dúvida fortemente redaccionada, do relatório em Março.

fonte:

https://www.thedailybeast.com/german-nuns-sold-orphaned-children-to-sexual-predators-says-report

FIM

Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos. Este site publica artigos próprios e de outros informantes em que se limita a publicá-los: quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

4 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

55 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments