revelação cósmica temporada 18

S18E08 Contacto com Seres Interdimensionais (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Randy Cramer revela como podemos sintonizar a nossa mente para tomar consciência de seres que existem em diferentes camadas de realidade. Estamos rodeados de seres capazes de transitar através de dimensões. Na verdade, somos seres multidimensionais, nós próprios. Podemos percebê-los como OVNIs, alienígenas, fantasmas ou assombrações. Para nos ajudar a tomar consciência de onde estes seres existem e do que podemos fazer para os experimentar, precisamos de compreender as camadas de realidade expressas através de dimensões, densidades e os tons exagerados entre eles.

S18E08 Contacto com Seres Interdimensionais (Revelação Cósmica ~ Randy Cramer)
S18E08 Contact with Interdimensionals (Cosmic Disclosure)

 

A legendagem possível:

revelação cósmica temporada 18 episódio 8

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Olá eu sou Emery Smith e hoje, em “Revelação Cósmica”, vamos falar com Randy Cramer.

Randy Cramer / Emery Smith

Hoje, falaremos sobre metafísica de seres interespaciais multidimensionais. Connosco está Randy Cramer, um veterano do TKP conhecido como a Força de Defesa Terrestre. Randy, bem-vindo ao programa!

R.C.: Obrigado por me ter convidado, Emery.

E.S.: Sim, pensamos da mesma forma. Como definimos os seres interespaciais multidimensionais?

R.C.: Oh, é um pouco complicado. Quando pensamos nas medições de frequências, pensamos em 1D, 2D, 3D, 4D, 5D, 6D e assim por diante. Portanto, é harmónica, aquilo a que chamamos harmónica. De acordo com o nosso entendimento, a pontuação vai de 1 a 12. E também temos tons secundários. Os tons secundários estão dentro de cada harmónico, há 12 deles também.

Os tons superiores são as fases de consciência dentro dos harmónicos. Por exemplo, existem 12 tons superiores dentro da harmónica 3D em que nos encontramos agora. Os primeiros três tons são a consciência dos minerais. Os três segundos são a consciência das plantas. O terceiro conjunto de três é a consciência dos animais inferiores. E os últimos três tons são a consciência dos animais superiores. Inserimo-nos nesta categoria.

Ou seja, nós seres humanos estamos na 10ª, 11ª ou 12ª posição. Quando atingimos o 12º tom, então começamos a estar em 3D-12 ou 4D-1. Adquirimos a capacidade de existir em duas frequências simultaneamente.

E.S.: Está a dizer que coexistimos em múltiplas dimensões em simultâneo?

R.K.: Bem, isso descreveria o aumento da frequência. Depois há o potencial paralelo. Os paralelos são quando se começa a tornar seres interespaciais e se encontra em lugares interespaciais que se encontram entre camadas de harmónicos. Ou seja, poderia ter uma harmonia… Uma linha de harmónicas e outra linha de harmónicas que normalmente estariam ligadas uma à outra. Depois poderia ter um espaço entre eles, no qual outra pessoa poderia criar um lugar ou escolher existir numa frequência específica para eles.

E.S.: Randy, como é que a mente e o corpo sobem, descem, avançam, retrocedem, de um lado para o outro nas frequências de medição?

R.K.: Tanto quanto sabemos, o movimento é regulado pela glândula pineal, causada pelo desenvolvimento do neurotransmissor. Parece que é a produção de dimetiltriptofano na glândula pineal que regula quimicamente a experiência biológica física de estar numa dimensão ou noutra. A flexibilidade para passar de uma frequência para outra ou para passar de uma dimensão para outra parece ser regulada por neurotransmissores pineais.

S01E10 Despertando a Glândula Pineal

E.S.: A produção de neurotransmissores está ligada ao cérebro para lhe dar uma imagem e compreensão da frequência harmónica? Eles criam algum tipo de imagem não-visual no seu cérebro?

R.K.: Penso que uma descrição mais precisa do que está a acontecer é a seguinte: a produção interna de dimetiltriptofano na glândula pineal permite à consciência oscilar para outras frequências. As pessoas que trabalharam com dimetiltriptofano interno e externo descobrem que, mesmo com esta experiência, continuariam a sentar-se nesta cadeira. Digamos que não veria o meu corpo a mover-se. Ainda estaria aqui. Mas a minha percepção de onde estou e do que vejo à minha volta seria completamente diferente. Quer dizer, é uma mudança de consciência que está a acontecer na cabeça, não fora.

E.S.: Isto é algo com que estou familiarizado? É algum tipo de bilocação? Ou será algo mais?

R.C.: É algo mais. Uma flutuação é um movimento do meu corpo de um lugar para outro.

E.S.: Viu alguma criatura interespacial, multidimensional?

R.C.: Oh, sim, claro.

E.S.: Como é que são? Qual seria o seu aspecto para nós?

R.C.: Repito, eles parecem ser capazes de captar o nosso cérebro. Ouvimos histórias sobre elas aparecendo como abelhas gigantes, ou zangões gigantes, ou peixes gigantes, ou criaturas com pele azul, rosa ou verde. Terá aquelas opções que a sua mente é capaz de aceitar. Ou seja, a percepção dos seres estará directamente relacionada com a capacidade de um indivíduo de os perceber.

Por exemplo, se você e eu estivéssemos aqui sentados e tivéssemos uma experiência de alteração de vibrações na glândula pineal, e se fôssemos ambos para o mesmo lugar interdimensional, poderíamos percebê-la da mesma forma. O seu cérebro poderia descodificar o local da mesma forma. O meu cérebro está de uma forma muito diferente. Se voltássemos aqui, registássemos o que aconteceu e comparássemos os nossos registos, poderíamos descodificar o que estava realmente a acontecer ali e qual era a nossa percepção.

E.S.: Muitas vezes contei aos meus alunos: “Podia-se ver a luz no céu ou mesmo à sua frente, especialmente se houvesse um contacto próximo do quinto grau. Mas a luz nem sempre representa o que ela realmente é”.

R.K.: É verdade.

E.S.: Por exemplo, se neste momento eu estivesse em 2D ou na minha forma 2D, eu seria, digamos, plano. Naturalmente, em 3D tenho este estado tridimensional, um corpo subespacial. E como é que eu ficaria na dimensão 4? Ou nos dias 5, 6, 7 e 8? Penso que olhando para estes modelos, podemos dizer que os seres multidimensionais interdimensionais nem sempre têm exactamente o aspecto que lhes damos a entender. Como acabou de dizer, pude percebê-los de uma forma muito diferente da sua, embora estivéssemos a olhar para a mesma coisa ou a sentir a mesma coisa.

R.K.: Sim, tem toda a razão.

E.S.: Muitas pessoas enviam fotografias de balões, luzes e tudo o que sopra à volta. As pessoas confundem seres interespaciais com OVNIs?

R.K.: Por vezes acontece. As pessoas definitivamente nem sempre sabem para o que estão a olhar quando vêem algo. As pessoas podem ver algo e pensar que sabem o que é, ou pensam que podem interpretar o que vêem. Mas se não for um observador treinado, pode estar enganado.

E.S.: Assim, alguém pode afirmar ter visto um anjo a visitá-lo.

Talvez esta seja apenas a sua interpretação de um ser multidimensional interespacial?

R.C.: É muito provável que o seja.

E.S.: Também, muitas pessoas vêem luzes e figuras voando sobre elas ao ar livre.

Mas eles não conseguem compreender totalmente o que é. Teríamos um grupo de pessoas, por vezes 30, 40, 50 pessoas, e talvez metade do grupo visse alguma coisa.

E esta metade do círculo tem uma perspectiva visual completamente diferente do que já vimos. Isto acontece por causa do campo visual ou do campo de frequência?

R.K.: Penso que é mais devido ao campo de frequência. Sempre interroguei pessoas que estavam de pé no grupo, olhando para o céu e vendo algo: “Ei, consegues vê-lo? Acontece que nem todos o conseguem ver. Algumas pessoas podem, outras não podem. É uma indicação clara de que estas coisas estão condicionadas por uma frequência específica. Se vibrar a uma certa frequência, pode vê-los. Se a sua frequência de vibração for diferente, não consegue vê-los.

E.S.: E ainda assim, quem viu pessoalmente? Como eram eles?

R.C.: A questão é certamente interessante. Por vezes vejo-os de uma forma interpretativa. Noutros casos, vejo-os como um código, código matemático geométrico. É interessante. Parece ser uma forma mais pura de quem eles realmente são. Então o cérebro tem de transformar aquilo que vê em algo esteticamente mais agradável, ou algo com que nos sentimos mais confortáveis do que apenas olhar para o código geométrico.

Por vezes os convidados parecem-se com seres humanos, como tu e eu. Noutros casos, repito, podem aparecer como animais ou alienígenas. Talvez tudo dependa do espaço em que a minha cabeça e a minha vida se encontram, e do espaço em que a civilização comunica comigo.

E.S.: Como é que as criaturas de plasma e as criaturas-sombra se encaixam em tudo isto?

R.K.: Uh, esta é uma questão interessante. Está bem. Sabemos definitivamente que um dos componentes quânticos fundamentais da realidade é o estado de frequência quântica das partículas. A partícula com a maior frequência é o que chamamos “luz sagrada”, a partícula com a menor frequência é “luz danificada”. É, portanto, muito provável que os seres que vibram à maior frequência sejam luz sagrada, e os que vibram à menor frequência são luz danificada.

Ou seja, alguns parecerão luz pura e emitirão mais luz, e outros, consequentemente, parecerão luz danificada, mais escura, mais sombria. É daí que provêm os conceitos de bem e mal.

E.S.: Diga-me, quando vemos criaturas no nosso plano tridimensional, será que elas nos ameaçam?

R.C.: Nem sempre. Como vê, a sua capacidade de nos influenciar ou influenciar depende muito do quanto acreditamos em tais oportunidades. Se acreditamos que eles podem influenciar e influenciar-nos, então eles podem fazê-lo. Se acreditarmos que não nos influenciam ou influenciam, então eles podem fazê-lo.

E.S.: Então, quando visualizamos algo, o nosso pensamento e os nossos sistemas de crenças tornam-se a nossa realidade?

R.K.: Sim, mais do que qualquer outra coisa.

E.S.: Existe alguma forma de atingir os níveis a que tais criaturas permanecem e até de comunicar com elas?

R.C.: Oh, sim, definitivamente. O auto-aperfeiçoamento da mente é definitivamente a forma de ajustar a frequência da sua consciência e de comunicar com todos os tipos de criaturas.

E.S.: Como é que o faz?

R.C.: Ensino-o aos meus alunos durante um longo curso de estudo. Demora muito mais tempo do que o que estamos a discutir agora. O curso é uma combinação de compreensão do auto-aperfeiçoamento das ondas cerebrais, técnicas de meditação e o que eu chamo o sistema operacional de ferramentas para ajudar a mudar a frequência e a percepção. Estas são técnicas de respiração, técnicas de imagem, fixação da frequência das ondas cerebrais em ritmo alfa, teta dos estados e o desenvolvimento destas capacidades.

Estes são apenas os primeiros passos na infância. “Oh, eu comecei a viagem”. Oh, não tenho. Quando o faz cem vezes, é quando e só então se aproxima de alguma forma de auto-aperfeiçoamento à medida que se torna cada vez mais sofisticado.

E.S.: Existe algum benefício em comunicar com tais criaturas?

R.K.: Consciência. Informação. Tais criaturas têm uma enorme quantidade de informação e uma enorme escala de acesso à informação que querem partilhar. Querem que compreendamos como obter acesso à informação. Portanto, a resposta é sim: conhecimento, informação, verdade. Coisas tão pequenas.

E.S.: Nos projectos, trabalhei com muitos cientistas que vieram ter comigo e me disseram que viram ou sentiram algo nos laboratórios. Por vezes trabalharam arduamente durante semanas em algo, mas obtiveram respostas. E então, com o tempo, a resposta viria. O que é isso?

R.K.: Tudo o que precisa para obter uma resposta, um momento “eureka”, é na realidade aquilo a que chamamos um estado de espírito desperto. Tais padrões ideais ou padrões da mente desperta são criados por um padrão de ondas cerebrais que é simétrico e tem as amplitudes adequadas de beta, alfa, teta e delta. Acontece que o momento de “eureka” surge quando a consciência se liga ao subconsciente.

Talvez mais do que qualquer outra coisa, estes seres contribuam para a ligação, um estado de ondas cerebrais em que adquirimos a nossa própria consciência. Não precisam de empurrar ideias para as nossas cabeças: “Deixem-me dar-vos uma resposta”. Em vez disso, irão sugerir: “Deixe-me estimular as suas ondas cerebrais para que tenha ondas cerebrais perfeitas, depois terá o seu próprio momento eureka, extraindo informação do seu subconsciente.

Como digo aos meus alunos: “Normalmente a mente consciente tem um QI de 120, a mente subconsciente tem um QI algumas centenas acima da mente consciente”. Portanto, combinar a mente consciente com a mente subconsciente é o que permite o acesso à super-mente, à super-informação, e ao que eu chamo o super-cérebro.

E.S.: Normalmente não personifico seres interespaciais multidimensionais, porque os considero acima de mim e acima de muita coisa neste planeta. Estarão eles a olhar por nós, pela humanidade? Ou existe algum tipo de parte de sombra?

R.K.: A nossa experiência mostra que a maioria dessas criaturas são úteis. Eles estão aqui para ajudar. Embora não haja regras sem excepções. Onde quer que vá, há aqueles que criam problemas em todo o lado. Repito, talvez haja uma proporção 95/5, ou seja, 95% tentam ajudar e cooperar, e 5% criam problemas.

E.S.: Tem alguma experiência com seres sintéticos interespaciais multidimensionais que são criados e depois vão em missão? Claro que há aqui alguma negatividade, mas eu gostaria de levantar esta questão. Talvez pudesse responder-lhe.

R.C.: Sim – sim.

E.S.: São estes os chamados agentes-sombra que são enviados para o espiar a fim de lhe fazer mal?

R.K.: Sim. Há uma consciência de como isto funciona. Certas pessoas em certos programas utilizam ferramentas específicas e técnicas específicas para criar agentes nefastos para acções mais nefastos. Em geral, isto acontece. Claro que nem todos o fazem, e não é a parte principal da actividade, mas, repito, acontece.

S11E07 ETs Colegas de Trabalho (Emery Smith)

E.S.: Tiram uma pessoa do 3D, retiram-lhe a frequência e, introduzindo a frequência certa, criam uma criatura tão maliciosa? Ou será que criam realmente uma nova criatura?

R.C.: Normalmente começam por pegar num ser humano e mudá-lo. As mudanças são feitas através da cibernética e da engenharia genética. A mudança implica modificar o cérebro e a própria energia da consciência para que ela sirva um propósito. O que eles têm a ver com seres humanos para os destruir e transformá-los em algo completamente diferente é verdadeiramente terrível.

Nós, no Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, acreditamos que este tipo de comportamento deve ser travado. Essa é uma das razões pelas quais queremos Divulgação e tudo isso. Para que possamos começar a trazer à tona todas as coisas que precisam de ser paradas. O que está a falar será o primeiro de uma cadeia de tarefas a ser resolvida.

O facto é que, uma vez que se tenha passado pelo processo de mudança, não se pode trazer uma pessoa de volta. Uma vez que o tenha transformado em algo assim, não há volta a dar. O ser humano terá de morrer, a consciência será extraída do corpo antes de haver uma hipótese de o voltar a fazer.

E.S.: Existe um conflito com alienígenas? Ou serão eles próprios alienígenas?

R.K.: Não. Ou melhor, eu diria que por vezes entram em conflito com alienígenas. Absolutamente. Existem alienígenas que se podem envolver neste tipo de comportamento? Sim.

E.S.: Diz-me, eles consideram-nos extraterrestres aos seus olhos?

R.C.: Bem, este é um ponto interessante. Se você e eu formos para outro planeta, somos extraterrestres. Quer dizer, somos tão estranhos como qualquer outra pessoa.

E.S.: Aprendeu pessoalmente alguma coisa com diferentes criaturas multidimensionais do interespaço?

R.C.: Oh, sim. Oh, sim, absolutamente. Graças à informação e formação que recebi, a minha compreensão da metafísica expandiu-se consideravelmente.

E.S.: Diz-me, coexistem seres multidimensionais e interespaciais? Eles estão aqui agora mesmo?

R.K.: Eu diria assim: há uma probabilidade de 100% de haver algo mais nesta sala que não podemos ver, seres multidimensionais ou interespaciais. Sim.

E.C.: Concordo.

R.K.: Diria mesmo que na maioria das vezes se passa algo à nossa volta que não podemos ver, que o ambiente está cheio de seres, seres inteligentes, e aqueles que eu pensaria como a vida animal natural. A natureza viva dentro dessas frequências espaciais.

E.S.: Sei que, para ver tais criaturas e interagir com elas, temos de permanecer a uma certa frequência. Mas do seu lado… Será que eles vêem muitas dimensões? Será que vêem sempre de forma interdimensional? Ou será que eles apenas mudam a sua frequência para que não ouçam a si ou a mim? (Risos)

R.K.: Normalmente trata-se de ajustar a frequência. É claro que há criaturas que têm a capacidade de perceber as linhas de tempo, todas as definições de frequência ao mesmo tempo. Mas a maioria das criaturas escolhe em cada momento aquilo em que quer focar e onde a sua percepção deve estar.

Portanto, neste momento alguém pode estar nesta sala e não ver ou interagir connosco porque está na sua própria frequência. Ou a criatura poderia, como dizemos, andar no limite. Podem estar aqui, a ver-nos, a ouvir-nos, quer por curiosidade, quer por querer ajudar no processo da nossa comunicação. Ou, alternativamente, para interferir com o processo. Em geral, há sempre alguém à nossa volta que está fora do espectro de luz visível.

E.S.: Somos seres multidimensionais? E podemos comunicar com eles através do nosso subconsciente sem o sabermos?

R.C.: Absolutamente. Somos definitivamente seres multidimensionais que se encontram em muitas dimensões simultaneamente. Repito, há sempre algo que acontece na nossa configuração de frequências que não percebemos, mas acontece. Alguma coisa pode envolver o descarregamento de informação. Alguém sussurra algo no seu ouvido, a informação aparece como um pensamento subconsciente ou uma ideia subconsciente que você pensa ser sua, mas não é de todo sua.

E.S.: Qual é a diferença entre dimensões e densidades que está sempre a mencionar?

R.K.: Quando falamos de harmónicos, pensamos neles como densidades, porque quando se passa de uma densidade mais baixa para uma densidade mais alta, torna-se menos matéria densa e mais energia, mais luz. Ou seja, quanto maior for a sua densidade, mais se torna leve e menos matéria. Agora estamos na densidade, quando somos mais matéria do que energia.

Quando passarmos à 4ª densidade, a relação matéria/energia tornar-se-á 50:50, o que é mais plástico. E na densidade 5, a concha física já não é de todo necessária. Pode existir sob a forma de energia pura e aparecer na forma que quer ver, visualizando o seu eu virtual.

E.S.: Então, pode aplicar termos da cultura pop como lobisomens (metamorfos), lobisomens e vampiros a criaturas de 5ª densidade?

R.K.: Sim, eles podem enquadrar-se nestas categorias.

E.C.: O que é poltergeist e perfume? Quem são eles?

R.C.: Essa é uma boa pergunta. Está definitivamente… Há fenómenos que se podem medir. Há algo de físico a acontecer que se pode dizer: “Oh, realmente aconteceu”. Estive a falar com pessoas que estavam, digamos, a voltar para ver as imagens de segurança, e viram o objecto colidir com a prateleira. Não cai. Ele não é atingido por nada. Mas pode assistir a algum tipo de força a empurrar o objecto. Ou pode ver as portas abertas, as janelas a bater, abrir ou bater palmas. Isto é uma prova de que algo está realmente a acontecer.

Se se sabe que algo está realmente a acontecer, então a questão do que é torna-se uma questão de compreensão, de reconhecimento e de definição. Porque se não conseguirmos compreender completamente o que é, então é difícil avaliar o que é. Por exemplo, se alguém estiver a observar o poltergeist na sua casa, é um eco? Um eco? Ou uma criatura extraterrestre interespacial multidimensional, ou alguma outra opção?

Trata-se de investigação e reconhecimento com um observador formado. Só ele sabe que perguntas fazer, que dados recolher, e que ferramentas utilizar para, com base num banco de dados, realizar análises e chegar a uma determinada conclusão. Automaticamente, só porque algo está a acontecer, não podemos saber o que é. Não podemos dizer se foi um poltergeist, um fantasma ou um extraterrestre? Sem mais análise e investigação, não se sabe.

E.S.: Sim, muitos cientistas amadores utilizam sensores de campos electromagnéticos e registam cuidadosamente os dados. Utilizamo-los também no terreno, quando fazemos contactos estreitos de quinto grau. Nesses momentos podemos ver um pequeno flash, e depois, durante algum tempo, o sensor parece ficar louco. Será que isto indica a abertura de algum tipo de portal?

R.K.: Bem, repito, eu diria que existem ferramentas que indicam que algo se está a passar. Eles registam uma mudança física nas leis da física. E no entanto, sem melhores ferramentas, sem análises mais precisas para chegar a determinadas conclusões, apenas indica que algo está a acontecer. Não especifica o que é. É apenas algo.

S09E09 Criaturas Híbridas e Bases Secretas (Emery Smith)

Os instrumentos indicam definitivamente que não se pode ignorar o que se está a passar: “Oh, isso não é nada. É a sua imaginação”. Não, os instrumentos estão claramente a mostrar algo, e não é imaginação minha. Infelizmente, o nosso equipamento não é suficientemente sofisticado para saber exactamente com o que se está a lidar neste momento.

E.S.: Todos os anos milhares de pessoas desaparecem em parques nacionais por todo o planeta. Será que os seres multivariados interespaço têm algo a ver com isto? Tem uma explicação para o porquê de isto acontecer?

R.C.: Claro que sim. Tenho até duas explicações. Estamos definitivamente a falar de uma situação em que os programas empresariais precisam de órgãos para experiências. Também precisam de empregos para serem preenchidos. Força de trabalho bruta. Por isso, estão constantemente a raptar e a roubar pessoas. Mais uma vez, na ausência de muitos dados sobre desaparecimentos individuais, é impossível dizer exactamente É isto ou B. É provavelmente apenas uma opção.

Digamos que a opção A é alguém que tenha sido raptado pelo sistema corporativo. Alguns mesmo pelos militares, embora neste momento o exército esteja sob ordens muito rigorosas no que diz respeito ao rapto de pessoal civil. Não é algo que possamos fazer impunemente, como costumávamos fazer há 20 ou 30 anos atrás. É por isso que há cada vez menos envolvimento militar. São cada vez mais os programas corpóreos que não têm nada a ver com isso. Não têm padrões morais ou éticos. O principal motivo é a obtenção de lucros. O que promete mais lucro, é o que eles vão fazer.

Acontece que existe uma segunda opção, a opção B. Existem várias estruturas nas cadeias de montanhas, especialmente nas Montanhas Cascata e Rochosas, onde estão localizados os portos espaciais. São utilizados principalmente pelas chamadas crianças de Atlanta, que aqui vieram e se estabeleceram em lugares como, por exemplo, o famoso Monte Shasta.

E.S.: Absolutamente, sim.

R.K.: Muito seres que vivem em tais estruturas são cada vez mais confrontadas com pessoas a caminhar nas montanhas, empenhadas na investigação, turismo, montanhismo. Naturalmente, os seres estão nervosas com isso. É como se as pessoas se aproximassem demasiado do relvado da frente. Foi por isso que as criaturas começaram a instalar um escudo, um chamado ecrã espaço-tempo. Porquê um ecrã espaço-tempo e não apenas um campo de forças?

A questão é, se, digamos, me aproximar de um campo de forças, acerto-lhe. Saberei claramente que há aqui qualquer coisa. Não quer que ninguém acerte em algo que não consegue reconhecer, diga a si próprio: “O que se passa?” e comece a sentir-se encurralado. Porque é um fenómeno físico que faz com que as pessoas se perguntem o que se passa? Não precisa disso de modo algum.

Mas no caso do campo do espaço-tempo, o que acontece é que eu entro nele, dou a volta e vou para o outro lado, ainda pensando que vou para a frente. Este campo tem a capacidade de destacar pessoas que não se apercebem que foram destacadas. Assim, em vez de tropeçar em algo que se possa sentir, estou apenas virado de uma forma que nem sequer reparo que fui virado. Eu diria apenas para mim mesmo: “Espera, pensava que ia para leste, mas ia para oeste. Eu ficaria confuso e pensaria que a culpa era minha. De facto, deparei-me apenas com um campo espaço-tempo.

O problema com estes campos é que eles não são muito estáveis. Há pequenos buracos neles. Se tiveres a sorte de atravessar um buraco, estás lixado. Fica-se preso, chega-se ao outro lado onde se pode morrer à fome porque não se pode voltar. Por vezes as entidades nas estruturas encontram estas pessoas e dizem: “Oh, outra se perdeu no campo”. Tirarão as pessoas do campo, se necessário, colocarão roupas, e enviá-las-ão para algum lugar, não necessariamente de onde vieram.

As pessoas podem estar a 32-160 km de distância sem compreender o que se passa, e leva 2, 3, 4, 5 dias para regressar. Ou em alguns casos, as pessoas podem sentir-se como se tivessem passado muito mais dias ou mesmo semanas e quatro dias depois estão a 160 km de distância.

Em geral, como eu disse, podemos dizer que ou a opção A é possível, ou a opção B. Ou os raptos por corporações, ou as pessoas tropeçam num dos campos do espaço-tempo, passam por um buraco, e depois perdem-se. Olha, tu e eu podemos caminhar por um caminho de alguns centímetros entre os cotovelos um do outro. Posso olhar para a direita, depois volto para trás e você desaparece. “Emery, onde foste?” Passas pelo buraco, dás a volta e gritas: “Randy, onde foste?”

Ou pior, pode atravessar o “bolso”, ainda me ver, chamar-me, e eu não o veria nem o ouviria. Ficaria confuso quanto ao porquê de não o poder ver ou ouvir. Perceberia que não pode voltar atrás e agarrar o meu ombro, que está preso no outro lado do campo. Está encalhado. Sim, tudo pode acontecer desta forma e instantaneamente. A dada altura, literalmente durante alguns segundos, alguém pode estar ao seu lado, você vira-se, depois volta-se de novo, e a pessoa não está lá.

E.S.: Alguma vez lhe aconteceu isto?

R.C.: Não, para mim não, não. Nunca me tinha acontecido pessoalmente.

E.S.: Então como soube deste tipo de tecnologia, e como soube das pessoas desaparecidas?

R.K. : A dada altura, comecei a ouvir pessoas a falar do desaparecimento de pessoas. Depois perguntei a alguém da inteligência se tinha alguma informação sobre o assunto. Foi o que eu partilhei convosco.

E.S.: Acredita na cooperação com seres interespaciais multidimensionais que estão aqui para nos ajudar, para nos ajudar a desenvolver?

R.C.: Claro que sim. Há muitas provas de testemunhas oculares que sugerem que isto é verdade. Recebo constantemente e-mails de pessoas que me contam as suas experiências pessoais de comunicação, sobre os seres que viram, em alguns casos quando eram crianças, e sobre as informações que os seres dão.

Olha, conheço pessoalmente uma mulher que estava a conduzir por uma estrada rural e de repente ouvi uma voz a dizer: “Saiam imediatamente do carro. A mulher ouviu e apressou-se a deixar o carro. Apenas alguns segundos depois, um lenhador voou na faixa oposta; aparentemente, o condutor tinha perdido o controlo. Se ela não tivesse saído do carro, teria morrido porque o madeireiro tinha cortado a frente do seu carro.

Há definitivamente seres que estão a tentar ajudar. Para ensinar as pessoas, para ajudar a avançar a sua compreensão da metafísica, o processo meditativo. Em alguns casos, eles dizem literalmente às pessoas o que fazer para salvar as suas vidas.

E.S.: Se os seres virem que estamos a fazer algo mau, talvez tencionem detonar uma bomba nuclear, aparecerão e tentarão influenciar o que se passa, dizendo: “Ei, vocês aí. Como é que eles entregariam uma mensagem? Será que comunicariam connosco? Isso não seria… É este o nosso mundo que partilhamos com eles, ou partilhamos o mundo deles?

R.K.: Penso que os seres gostariam que compreendêssemos o seguinte: todos vivemos no mesmo mundo, e que deveríamos mudar a nossa percepção da realidade. Não compreendemos que partilhemos o mundo com eles. Não nos damos conta de que vivemos todos no mesmo mundo. Penso que gostariam que a nossa consciência se expandisse a tal ponto que aceitássemos simplesmente que o mundo é muito maior do que pensamos, e que vivemos lado a lado, literalmente a 30 cm de distância, com outros seres vivos inteligentes que não vão a lado nenhum.

Não temos o direito de lhes dizer para saírem daqui. Temos de partilhar o mesmo espaço com todos os tipos de seres vivos.

Pleiadianos

E.S.: Se as pessoas se tornam mais espirituais, praticam meditação, experimentam sair do corpo, será que isso significa que nos tornamos mais multidimensionais?

R.K.: Definitivamente, as pessoas têm vindo a desenvolver experiências progressivas. A mente ou cérebro das pessoas está a tornar-se cada vez mais capaz de extrair informação do subconsciente. Embora não haja nada de universal que seja adequado para todos. Digamos que alguém afirma estar a experimentar algo que é 100% verdade a toda a hora. Isso não significa que seja realmente verdade ou que não seja de todo verdade. É muito mais complicado do que isso.

É só que uma pessoa pega em algo e pensa que é a verdade absoluta. É difícil saber se é ou não verdade se não se é um observador treinado e não se está familiarizado com o comportamento e a psicologia das pessoas.

E.S.: A declaração de Bruce Lee “Em que pensa, no que se torna” é uma interpretação do acima exposto?

R.K.: Penso que compreendemos que através do nosso cérebro, do nosso processo de pensamento, somos capazes de deslocar matéria e energia. Sabemos também que através do nosso processo de pensamento podemos mudar a ligação do cérebro, os nossos códigos genéticos e o nosso ADN. É por isso que a verdadeira coisa em que se pensa é no que se torna. A forma como escolhemos perceber os nossos pensamentos, a nossa relação com o que está à nossa volta, dita inteiramente quem nos tornamos.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.

E.S.: Randy, muito obrigado por teres aderido ao programa.

R.C.: Obrigado por nos ter convidado. A qualquer momento.

E.S.: Eu sou Emery Smith, este é o Revelação Cósmica. Vemo-nos da próxima vez.

Este foi o último episódio da 18.ª temporada. Brevemente colocaremos a 19.ª temporada.

https://drive.google.com/file/d/1oDCUbAPcydhvJq7M5jQwvD7eOfiBX4lu/view?usp=sharing

FIM

[\spoiler]

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

Author: Krystal

colaborador

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

3 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Silvia

Olá! Gostaria de sugerir revisão da tradução. Este é um episódio com informações importantes.

ANTONIO MANUEL FERREIRA TRAVASSOS

Olá Kristal!
Para quando haverá videos dos S18 em falta.
Tenho arquivo desde o S1.
Obrigado do coração