revelação cósmica t21, Richard Doty

S21E08 Visão Remota de Marte e mais Além ~ Grande Nave em Neptuno

Partilhar:

As missões a Marte devolveram imagens de objetos anómalos que desafiam a explicação, outros foram obscurecidos da visualização pública.
O que estão eles a tentar esconder?
Isto é o que o Instituto de Estudos Avançados tentou determinar através de sessões de visualização remota.
Richard Doty testemunhou algumas destas sessões e transmite informações que obteve que sugerem a presença de civilizações antigas em Marte.
Para além do planeta vermelho, os observadores do IAS também exploraram a vida dentro dos oceanos da Europa e uma grande embarcação nas proximidades de Neptuno.

S21E08 Visão remota de Marte e mais Além (Revelação Cósmica ~ Richard Doty)
S21E08 Remote Viewing Mars & Beyond

revelação cósmica temporada 21 episódio 8

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

A legendagem possível (não exata):

Hoje, em “Revelação Cósmica”, recebemos Richard Doty, um agente especial aposentado que atuou no Escritório de Investigações Especiais da Força Aérea e teve envolvimento direto com conteúdo relacionado a OVNIs e ETs. Bem-vindo, Richard.

Richard Doty e Emery Smith

RD: Obrigado, Emery. É óptimo estar aqui.

ES: Tem estado envolvido em projectos que trataram da clarividência do nosso sistema solar. Poderia dizer-nos como foi conduzido e preparar o terreno para nós?

R.D.: Trabalhei na IPI em Austin. Enquanto lá estive testemunhei a clarividência como um método de condução de experiências e alguns projectos que envolveram clarividência fora da Terra, no sistema solar.
Os clarividentes eram militares, ex-militares, militares reformados. Trabalharam noutro local, mas apareceram para participar em alguns projectos especiais, projectos militares. Ou seja, se me é permitido dizê-lo, a clarividência tornou-se um trabalho a tempo parcial para eles.

ES: Foram-lhes dadas coordenadas específicas?

RD: Penso que sim. A primeira sessão de clarividência que vi teve a ver com Marte.

Marte

O médium, um militar reformado, era um dos melhores dos melhores. Não sei quem lhe disse remotamente para “ver” um lugar em particular em Marte ou porquê, mas estou convencido de que o lugar se chamava a Planície de Argyr em Marte.

Argyre Basin

Uma das nossas antigas sondas espaciais, provavelmente uma Viking, estava a observar anomalias numa localização geográfica próxima deste local em particular.

Assim, foi decidido examiná-la com clarividência e determinar o que era.

ES: Usou a palavra “anomalias”. É geografia ou estruturas?

R.D.: Bem, partiu-se do princípio de que existiam ali estruturas. Foram identificados quatro locais diferentes. A Viking estava a tirar fotografias.

Creio que uma das Vikings orbitou Marte antes de aterrar. As câmaras gravaram o que parecia ser estruturas. Assim, os cientistas decidiram olhar para estes lugares com clarividência para ver se eram estruturas, ou colinas danificadas pelo vento, ou algo mais em Marte.

ES: Estavam à procura de algum específico?

RD: Procura de estruturas.

ES: Estou a ver. Que tipo de estruturas estavam à procura?

R.D.: Havia algumas provas ou informações de que existiam estruturas em Marte no passado. Assim, os cientistas quiseram descobrir se estas anomalias eram realmente estruturas, porque assumiram que eram realmente estruturas.
Algumas informações vieram do Gabinete de Segurança Nacional. Também pensavam que as anomalias eram estruturas.

ES: Com base no facto de serem de facto estruturas, o que é que o clarividente viu?

clarividente desenhou estrutura de Marte

O clarividente desenhou a estrutura. Era uma enorme estrutura maciça, uma parte acima do solo, uma parte subterrânea.

A estrutura tinha 914 m de comprimento. Era muito profundo. De qualquer modo, o clarividente “investigou-o” e disse que havia muitas salas debaixo do chão, o que parecia ser salas. Encontrou o que descreveu como helicópteros, pequenos aparelhos voadores.

clarividente vê estrutura em Marte

Tinham uma forma redonda. Havia hélices no topo e propulsores de cada lado. Havia uma fila de helicópteros na sala, não me lembro do número exacto.

ES: Algo como um hangar subterrâneo gigante.

RD: Sim, um hangar subterrâneo gigante. Também no fundo da superfície, o clarividente encontrou o que pensava serem caixões. Havia ali inúmeros caixões a pairar. Havia demasiados para contar no decurso de uma sessão de clarividência.
Claro que o clarividente foi imediatamente questionado, poderia ele dizer o que estava lá dentro? Ele respondeu que não podia, embora estivesse convencido de que se tratava de caixões.

Havia outras salas na estrutura, muito danificadas. Havia pedaços de betão à volta. Referiu-se a eles como betão ou algum tipo de material que se tinha partido da parede.
Para ele, isto serviu como indicação de que a estrutura era muito, muito antiga. Colossal em comprimento e altura.

No topo, a parte acima do solo da estrutura tinha entradas pequenas, pequenas aberturas, que o clarividente chamou janelas ou pórticos. Algumas das partes acima do solo no topo da estrutura foram danificadas. Destruído. O telhado da estrutura.
E no fundo, onde havia aquilo a que ele chamou helicópteros marcianos, havia um portão numa extremidade que levava para fora, mas a sujidade e o cascalho bloquearam a saída.
Assim, todos concordaram que era uma estrutura muito, muito, muito antiga, talvez com milhões de anos de idade. Mas o clarividente conseguiu descrever o que eu acabei de descrever.

ES: Esta informação obteve mais tarde, ao longo do tempo, mais confirmação através dos nossos novos satélites e projectos?

RD: Bem, dado que muita informação saiu ao longo dos anos que ainda não foi divulgada pela NASA, há fotografias tiradas de Marte que ainda são classificadas pela NASA por qualquer razão. Há supostamente uma desculpa para isto.
Por isso, estou convencido de que ao longo dos anos podem ter encontrado este lugar e descoberto que é uma espécie de estrutura antiga que em tempos foi o lar de uma civilização em Marte.

ES: Havia sinais de entidades ou criaturas vivas?

RD: Não. No fundo, o clarividente encontrou o que descreveu como caixões, mas nenhuma entidade viva.

ES: Porque chegou ele à conclusão de que eram caixões?

R.D.: Forma, formas pequenas. Assim, penso que acabaram de chegar a um acordo de que podem ter sido caixões, e o próprio local pode ter sido um local de enterro, aparentemente.

ES: Uau! Já vi coisas assim em projectos. Tal como o clarividente, por vezes podemos estar confusos, ou seja, não confundir, mas confundir o aparente com o real.
Talvez sejam cápsulas em que alguém tenha estado em estado de anabiose, em estado de congelação. Talvez estivessem à espera de serem revividos, activados. Será possível?

RD: Ainda não pensei nisso. Não sei o que os cientistas estavam a pensar na altura, nos anos 90, sobre o que os clarividentes “viram”, mas é muito provável que seja. Poderia ter sido apenas cápsulas à espera de serem reactivadas de alguma forma.

ES: O clarividente encontrou alguma coisa dentro das instalações, mobiliário, computadores?

RD: Ele encontrou o que parecia ser blocos. Acabaram de lhes chamar blocos. Em algumas salas, sem saber para que eram utilizadas. Também não mencionou qualquer tipo de equipamento eléctrico, como computadores.
Afirmou que existiam blocos debaixo da superfície em várias salas diferentes.

ES: Sei que tem observado outras sessões de clarividência de diferentes partes de Marte. Em que base foi tomada a decisão de ver remotamente essa parte em particular?

RD: Bem, eu estava lá presente como observador; aparentemente tudo já tinha sido planeado. Portanto, não sei exactamente como determinaram o que devia ser considerado; mas o objectivo exacto era conhecido.
Eles sabiam o que queriam. Aparentemente, os cientistas suspeitaram que havia outro edifício naquele local. Por esse sítio refiro-me à área do Monte Tharsis em Marte. Estou convencido de que foi por isso que um dos nossos rovers de Marte se aproximou muito dela no início dos anos 2000.

Tharsis Montes

ES: O que encontraram eles aqui?

estrutura Tharsis Montes

RD: Encontraram outra estrutura, uma estrutura longa e fina. Esta estrutura ficava a milhares de quilómetros de profundidade.

Havia jazidas na estrutura. A “serra” psíquica das jazidas.

Jazida da estrutura

Havia saliências dentro dos poços, como se algo estivesse ligado às saliências dentro do longo poço profundo. Não conseguiu identificar o que eram estas saliências, mas quando examinou o fundo do poço, encontrou detritos.
Assim, provavelmente a certa altura, as saliências continham algum tipo de estrutura. Com o tempo a estrutura desmoronou-se e acabou por ficar no fundo da mina (jazida).

detritos no fundo

De cada lado da mina – a mina parecia ter a forma de V – havia pontos de saída que conduziam ao solo. E, claro, com o tempo, os pontos de entrada e saída provaram estar cheios de lama e solo marciano.
Por conseguinte, o clarividente não tinha exactamente a certeza para que tinham sido utilizadas as minas. Eram provavelmente locais de lançamento de veículos, bem como de regresso.

ES: Diga-me, será que os cientistas alguma vez colocaram a hipótese de porque é que estas estruturas foram abandonadas? Pensava-se que eram ruínas?

RD: Sim. Todos concordaram que se tratava de ruínas, ruínas marcianas. Na altura… Creio que há acordo na comunidade astronómica de que em tempos existiu vida em Marte.
Pode ter sido há centenas de milhões de anos, mas a vida existiu em Marte. E então algo aconteceu à atmosfera; e os marcianos ou foram extintos ou, não tenho a certeza para onde a civilização se deslocou.
Marte continha estruturas. Assim, havia claramente uma civilização que construiu essas estruturas. Esta foi a conclusão geral das pessoas que analisaram os resultados das sessões de clarividência.

S02E7 Marte: civilizações existentes no interior; características do planeta

E.S.: Diga-me, os clarividentes alguma vez viram algum ser vivo nessas coordenadas?

R.D.: Não. Não há seres vivos. Os clarividentes tentaram escrutinar cada sala e cada estrutura. E não encontrou nada a não ser o que o clarividente confundiu com os caixões na segunda estrutura.
Ele fez tudo o que pôde numa tentativa de detetar quaisquer seres ou entidades. Mas ele não detetou nenhum.

AS: Incrível. Por favor, conte-nos mais sobre a terceira sessão, quando foi considerado um lugar em Marte um pouco mais a sul.

RD: A terceira sessão teve lugar no mesmo local, nas montanhas de Tarsis. Os clarividentes descobriram outro edifício. Outro edifício repleto de numerosas salas. E no fundo da estrutura havia também muitos escombros. A estrutura em si era enorme.
O médium não deu as dimensões dessa estrutura. Acho que ele estava concentrado em outras coisas. Não sou perito em clarividência, mas ele estava a fazer o melhor que podia durante o tempo atribuído para “olhar” para toda a estrutura.
Encontrou muitos detritos no fundo, como se outras partes da estrutura tivessem caído e acabassem no fundo. Tudo se assemelhava a uma segunda estrutura ao sul da primeira. Mas era um edifício diferente e outra prova da existência de uma civilização no planeta Marte.

ES: Poderia descrever as partes da estrutura acima e abaixo do solo como outras estruturas foram descritas? Existiam salas com materiais diferentes, quer fossem cores ou cheiros?

D.R.: Parte da estrutura está acima do solo. Foi construído acima do solo. O resto foi para as profundezas do subsolo. A cor é castanho claro, não é bem como o que consideraríamos betão, betão desbotado. Existem numerosas salas.
A maioria das salas estão repletas de pedaços de material. O clarividente determinou que estas eram estruturas quebradas, talvez uma parede caída ou outra coisa com o mesmo efeito. Ele não detectou outras coisas realmente proeminentes, pelo menos não falou sobre elas.

Então temos a questão: se todas as peças de betão estavam deitadas no fundo, então como é que todas elas caíram lá?
Quer dizer, se houvesse uma estrutura precisamente montada, profundamente subterrânea, a milhares de metros de profundidade, então como poderia ter-se partido e colapsado até ao fundo?
Não houve explicação sobre como todos esses blocos ou pedaços quebrados acabaram por ficar no fundo. O fundo do primeiro eixo e do terceiro eixo ou terceira estrutura é muito, muito longo.
Não havia ali salas que o clarividente pudesse “ver”, pois havia demasiados detritos no fundo. Foi aquele lugar onde algo tinha sido despejado? Talvez um repositório de material antigo? Como é que tudo chegou lá? Não creio que houvesse uma resposta a isso.

ES: Diga-me, os clarividentes alguma vez lhe falaram do passado desse lugar ou do futuro? Essas estruturas foram destruídas por um cataclismo? Ou uma guerra? Alguma vez mencionaram algo desse género?

RD: Bem, todos concordaram que houve algum tipo de catástrofe, como a queda de um asteróide ou algo parecido, que acabou com a civilização. Naturalmente, outro tópico de reflexão foi porque é que todos os edifícios eram maioritariamente subterrâneos?
Se Marte era como a Terra, e muitos astrónomos dizem que há milhares de milhões de anos atrás Marte era como a Terra, então porque é que construíram todas as estruturas no subsolo? Porque não na superfície do planeta?
A propósito, essa é uma pergunta que me fiz a mim próprio. Pareceu-me que construir todos eles no subsolo não fazia sentido. Ou talvez as estruturas que foram descobertas fossem algo especial, algum tipo de estruturas militares onde os marcianos escondiam algo de outra pessoa?

ES: Quais são as suas conclusões depois de observar e saber tudo o que aprendeu sobre Marte durante essa missão?

A LEI DO UNO – resumo da sessão 9 – Marte ~ Pé Grande ~ seres 2D

RD: Bem, eu sou um simples observador. Tudo foi muito interessante porque sempre fui fascinado pela clarividência; como o fazem e as informações que podem ser obtidas com a clarividência.
Há peritos especiais que analisam toda a informação que recebem, bem como os desenhos feitos durante a sessão de clarividência.

As incríveis técnicas sistémicas utilizadas pelo clarividente. E também o facto de o nosso sistema solar poder ter tido uma civilização próspera em Marte.

Há provas claras disto, e não é claro por que razão não prosseguimos na altura.

ES: Também assistiu a uma sessão de clarividência em ligação com o satélite de Júpiter, Europa. Porquê a Europa?

R.D.: Não tenho a certeza porque é que a Europa foi escolhida, talvez porque houve aí um aumento da actividade? Lembre-se, estamos a falar dos anos 90. Naquela época pouco se sabia sobre a Europa.
As sondas Voyager, as duas Voyager 1 e Voyager 2, estavam a tirar fotografias e a analisar a atmosfera em toda a Europa à medida que viajavam pelo espaço. Poderá ser esta a razão?

Europa

Aparentemente, foi a Europa que foi alvo porque queriam “ver” o lado de frente para Júpiter. Foi por isso que aquele clarividente militar em particular foi incumbido dessa tarefa.

ES: Então o alvo foi escolhido porque o clarividente aconselhou a “prestar atenção a esse lado da Europa”?

R.D.: Sim. Os cientistas procuraram ver o lado de onde os géisers estavam a disparar.

géiser

Mesmo nos anos 90, os astrónomos concordaram que havia um oceano sob a superfície da Europa. Havia também ali algum tipo de actividade vulcânica, provocando a emissão de géisers.
Não foi apenas a atracção gravitacional do satélite do planeta Júpiter; tinha de haver alguma outra razão. Assim, decidiram ter uma sessão de clarividência com Europa para descobrir o que poderia ser observado.
Ninguém na sala onde teve lugar a sessão, e ninguém que fosse obter informações do clarividente, esperava descobrir o que foi encontrado. Nomeadamente…

ES: Então o que foi revelado?

R.D.: O clarividente conseguiu “olhar” profundamente para o oceano, o oceano subterrâneo da Europa. Ali os cientistas descobriram o que parecia ser um polvo clarividente, numerosos polvos.

ES: Quão grandes são os polvos?

RD: São polvos pequenos, de tamanho terrestre com esporas, com cabeças enormes e olhos grandes. Nadavam em todo o lado no oceano subterrâneo. O clarividente também ‘serrou’ duas aberturas através das quais a água ou algum tipo de aerossol disparou do oceano para a superfície.
Ele tentou concentrar-se em quantos outros objectos conseguia apanhar debaixo do oceano. Entusiasmou-se muito. Aparentemente, havia algo lá fora que o perturbava muito, o perturbava tanto que ele se tornou, digamos, psicologicamente instável.

Várias vezes teve de interromper a sessão para recuperar. Mas ele nunca “viu” outras criaturas flutuantes para além dos polvos. O que o chocou foi que a vida existia sob a superfície do satélite de Júpiter.
Mas o mais problemático foi que no final da sessão ele começou a falar de algum tipo de nave espacial que se aproximava da Europa. A nave estava a aproximar-se cada vez mais. O médium tentou certificar-se de que conseguia ‘ver’ a nave através dos seus poderes.
Mas à medida que a nave se aproximava do satélite do planeta Júpiter, o clarividente perdeu cada vez mais a sua capacidade clarividente, pelo que a sessão teve de ser interrompida. Isso foi realmente impressionante.

ES: Sim, bastante convincente. Mas pelo menos agora sabemos de onde veio o polvo.

RD: É o que eu penso agora.

E.S.: Estou convencido disso de todo o coração.

RD: Repito, tudo aconteceu nos anos 90. Desde então, os biólogos marinhos têm analisado os polvos de tal forma que afirmam que estes últimos são criaturas muito inteligentes. O seu ADN e assim por diante…
Não podem ligar polvos a mais ninguém na Terra. Então, de onde é que eles vieram? Bem, talvez saibamos agora.

ES: Concordo. Havia outros clarividentes que visavam a Europa? E se sim, o que descobriram eles?

R.D.: Os clarividentes “investigaram” a Europa mais três vezes. Eu não estava presente na altura. Só estive presente na primeira sessão. Mas ouvi de outras testemunhas que os cientistas queriam ir cada vez mais fundo no oceano para ver se conseguiam encontrar mais alguma coisa.
E encontraram grandes criaturas semelhantes a minhocas a flutuar no oceano. Não me consigo lembrar exactamente como foram descritos, mas eram claramente maiores do que os polvos da Europa. Talvez se assemelhassem a enguias encontradas nas profundezas do oceano.

ES: Sabe qual era o tamanho dessas enguias?

RD: Acabaram por ser poucos… Creio que estávamos a falar de metros, 20 ou 30 metros de comprimento; algo do género. Também os clarividentes estavam a examinar a superfície, o solo, para ver se existiam estruturas ou qualquer coisa.
Continuaram a prestar atenção a um único lugar que parecia ser uma plataforma, algum tipo de plataforma, semelhante a uma plataforma construída por humanos.
Embora os clarividentes não ‘tenham visto’ quaisquer navios a voar para a plataforma, esta poderia muito bem ter sido a plataforma que o primeiro clarividente tinha ‘visto’ em relação ao navio, o navio em forma de disco que se aproximava e o trazia para fora do seu estado clarividente.
É provável que a nave tenha aterrado ali. Como já disse, não estive presente nas outras três sessões. Isto é apenas informação que recebi de testemunhas oculares.

ES: E a informação que descobriu?

R.D.: Bem, a informação era, digamos, não oficial; sessões psíquicas em que os clarividentes queriam demonstrar as suas capacidades. Não sei como foi utilizado. Nem sequer sei se foi utilizado pelo serviço de inteligência, ou pela ANS, ou pela NASA, ou pelo próprio IPI.
Presumo que tenha sido apenas sessões não oficiais. Também vi lá muitas outras pessoas que nada tinham a ver com OVNIs. Estavam a testar a si próprios na clarividência de outro lugar a quilómetros de distância, e assim por diante. É tudo o que eu…

ES: São estes os melhores clarividentes da época?

RD: Sim. Todos eles foram reformados nos anos 90. Mas na década de 1980 representavam as mais altas patentes militares. Eu só vi clarividentes militares. Claro que também havia civis que iam e vinham, mas eu nunca os vi durante uma sessão psíquica.

ES: Bem, pelo menos supostamente, eles “serraram” estruturas. Eles ‘serraram’ a vida, polvos. Eles “serraram” minhocas. E uma delas até “viu” uma nave espacial a aproximar-se. Portanto, é fenomenal em si mesmo.

RD: Concordo. Ver a clarividência em acção pela primeira vez foi uma oportunidade espantosa. Para mim… tinha ouvido falar muito de clarividência, por isso fiquei muito entusiasmado enquanto observava, ouvia e depois ouvia o clarividente explicar os esboços que tinha feito após a sessão.

ES: Diga-me, os clarividentes alguma vez tentaram “olhar” mais profundamente para o espaço? Será que eles “viram” alguma coisa?

RD: Sim. Foi uma sessão de clarividência muito, muito confidencial que fizemos alguns anos mais tarde. Nessa altura já sabíamos – quero dizer IPI, não eu próprio – que havia algum tipo de nave espacial a voar no espaço profundo.
Mesmo nos anos 90 sabíamos que tínhamos sondas no espaço profundo. Estavam a ouvir os satélites planetários e a fotografá-los. Poderiam fazer ambas as coisas enquanto estiverem no espaço profundo.
Uma sonda fotografou um objecto próximo da órbita de Neptuno, que é um espaço muito profundo. Assim, os cientistas pensaram que havia uma oportunidade de tentar usar a clarividência para determinar se era um asteróide, um cometa ou um dispositivo voador como uma nave espacial alienígena.

ES: Sobre a imagem… Qual era o tamanho dos números devido ao tamanho?

RD: É uma embarcação gigantesca.

ES: Tem quilómetros de comprimento?

R.D.: Sim, em comprimento e largura. Não foram dadas dimensões reais, mas os clarividentes disseram que a embarcação era muito grande. Demoraram muito tempo. Houve várias sessões. Como sabem, os clarividentes estavam a concentrar-se.
Não conseguiam concentrar-se num lugar em particular. Foram necessárias várias sessões antes de conseguirem realmente concentrar-se e através da clarividência “ver” a embarcação. Descobriram que se tratava de uma nave espacial alienígena.

ES: Sabe-se alguma coisa sobre a embarcação ou os alienígenas que a controlam?

RD: Havia numerosas entidades no interior da embarcação, sentadas em consolas. O clarividente só conseguia “ver” o topo. Ele conseguia “ver” as mãos. Ele conseguia “ver” os corpos, mas não conseguia “ver” as pernas.
Parecia que os corpos podiam estar em algum outro tipo de contentor ou outra coisa qualquer. Dentro da embarcação havia muitas criaturas sentadas em consolas, talvez 40, 50 ou 60.

A nave em si tinha forma de charuto, com saliências em cada extremidade. Numa das extremidades encontravam-se recipientes. O médium descreveu que havia pedras dentro de um dos recipientes.
Dos quais os cientistas concluíram que se tratava provavelmente de um sistema de propulsão, utilizando algum tipo de material ou elementos. Na outra extremidade da embarcação havia alienígenas maiores, muito, muito altos e com mãos grandes.
Eles eram provavelmente os que controlavam a embarcação. Havia qualquer coisa de errado nisso. Na frente deles estava um controlo remoto. Utilizaram o controlo remoto para manusear a embarcação. O clarividente podia “vê-lo”.

Os assentos em que os extraterrestres se sentavam eram duros. Havia também algum tipo de estrutura ou haste que se estendia desde o topo do assento até ao tecto da embarcação. As criaturas pareciam estar a usar capacetes, com saliências nos lados.
O clarividente não conseguia “ver” o rosto, mas havia claramente algo em frente do rosto, talvez algum tipo de viseira.

O que mais entusiasmou o clarividente foi que cada uma das criaturas estava a fazer algo numa pequena consola, manipulando botões, talvez controlando a embarcação ou recolhendo material.
Também à distância – onde pensava que estava a central eléctrica – avistou algum tipo de feixe ou algo a entrar na nave. Aparentemente, estavam a recolher pó, pó solar ou outra coisa qualquer. Mais uma vez, por alguma razão, isto excitou mais o clarividente.

A embarcação estava em movimento. O médium disse que a embarcação se movia, a baixa velocidade, mais como se estivesse em órbita. Ele podia ‘ver’ Neptuno. Ele podia claramente recordar e falar sobre Neptuno.
Claro que não tinha como alvo Neptuno, mas podia “vê-lo” como um gigante do gás; refiro-me a um planeta de gás. É claro que todos se perguntavam se havia por aí alguma outra nave espacial? Mas ele não viu nada para além daquela longa e enorme nave-mãe, possivelmente mãe.

embarcação perto de Neptuno

ES: Como foi utilizada a informação que recolheu pelo IPI? O que fizeram eles com tudo isto?

RD: Não tenho a certeza. Eu sei que eles estavam a recolher informação. Mais uma vez, tudo foi realizado, digamos informalmente, embora houvesse vários representantes de… um representante da NASA. Era o único agente governamental que eu conhecia, o único presente na sessão.
Havia outras pessoas na sala, mas presumo que eram de outros laboratórios. Não sabia quem eram ou que posições ocupavam. Penso que o que fizeram com a informação que recolheram foi informação privilegiada, o que quer que tenham decidido fazer com ela.
Partilharam-no com a NASA ou a NSA? Uma vez que havia uma pessoa da NASA presente na sessão, um cientista, estou convencido de que a informação ia para a NASA.

Estou também convencido de que podem ter enviado mais satélites para cobrir esse local específico, numa tentativa de localizar a embarcação, descobrir o que ela é e por que razão está lá. Ouvi rumores de que os cientistas estavam a tentar contactar um dos Voyagers…
Desde que foi nos anos 90 e os Voyagers ainda lá estavam… Estavam a tentar orientar a Voyager para mais perto da embarcação. Mas não acredito que a Voyager tivesse energia ou potência suficiente para o fazer.

ES: Qual foi o significado da clarividência para as agências de inteligência?

R.D.: Tenho a certeza que foi um instrumento muito, muito importante dentro da comunidade de inteligência e dos militares em geral. Já o sabia na década de 1980. Veja: um brigadeiro-general foi raptado em Itália. Ele foi descoberto com a ajuda de um médium.
Descobriram a sua localização exacta, até ao número do seu apartamento. Comandos italianos invadiram e libertaram o general. Tenho conhecimento de várias outras situações em que um homem raptado foi procurado dentro da União Soviética.
Ele foi raptado de um local específico. Não tinha cobertura oficial. O nosso povo queria saber onde ele estava. Os clarividentes seguiram-no precisamente até ao local, e o homem conseguiu ser libertado.

Assim, nas décadas de 1970 e 1980, os videntes eram utilizados para muitos bons fins. Tenho a certeza de que ainda hoje estão activos. Conheço algumas agências que estão a fazer pesquisa e investigação avançada no campo da clarividência. No entanto, sabe mais sobre isso do que eu.

E.S.: Absolutamente. Concordo consigo que ainda o estão a fazer. Eles ainda estão a fazer investigação. Muito dinheiro está a ser investido neles. Definitivamente, a clarividência é algo em que os governos acreditam porque é muito bem sucedida.

RD: Gostaria de acrescentar algo mais. No final da década de 1980, estive na sede da Base da Força Aérea de Bolling. Estava a caminhar pelo corredor de um lugar altamente classificado. No final do corredor, estava um guarda. Antes dele, eu não via nenhum guarda.
Depois pensei em voz alta: “Bem, o que será que há lá em baixo?” Eu estava acompanhado por um homem chamado Karl. Disse ele: “Oh, há uma aula de clarividência lá em baixo”. Estamos em 1988. Ainda estavam a ensinar clarividência em 1988. Ainda hoje o ensinam.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 2 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments