revelação cósmica temporada 19, Seres

S19E01 Os Apunianos, uma espécie extraterrestre de Alpha Centauri

Partilhar no Facebook

Ricardo Gonzalez é um contactado, investigador e escritor, do Peru, que tem uma interacção directa com uma espécie extraterrestre de Alpha Centauri conhecida como os Apunianos. As suas experiências extraordinárias começaram na infância e continuam até aos dias de hoje. Os Apunianos afirmam que o seu primeiro contacto com os seres humanos teve origem no Peru, quando nasceram as primeiras civilizações. Mas estão aqui há muito mais tempo, uma vez que foram um dos semeadores originais da vida no nosso planeta. A sua missão na Terra continua até hoje porque todos nós estamos ligados através de uma cadeia de evolução que nos levará a um novo nível de existência à medida que despertarmos todo o nosso potencial.

S19E01 Primeiro contacto: Os Apunianos (Revelação Cósmica ~ Ricardo Gonzalez)
S19E01 First Contact: The Apunians (Cosmic Disclosure)

 

A legendagem possível:

revelação cósmica temporada 19 episódio 1

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Olá eu sou Emery Smith e hoje, em “Revelação Cósmica”, vamos falar com Ricardo Gonzalez, um pesquisador e escritor do Peru que teve muitos contactos directos com espécies alienígenas chamadas Apunianos. Ricardo, bem-vindo! Uma vez que é novo no programa, porque não falar-nos um pouco sobre si?

Ricardo Gonzalez / Emery Smith

R.G.: Creio que os contactos estão ligados a uma consciência aberta da nossa verdadeira natureza. Tais experiências revelam que temos de aprender muito sobre a nossa história. Com base nos meus próprios contactos que começaram no Peru, comecei a estudá-lo passo a passo. É uma história que nos liga a seres que não eram humanos. Tanto quanto nós, humanos, estivermos cientes dessa ligação cósmica, tanto mais nos tornaremos mais livres.

E.S.: Teve múltiplos contactos directos com alienígenas. Falou sobre eles nos seus livros.

livros de Ricardo Gonzalez

Também já vi vários programas com a vossa participação. Fale-me sobre isso.

R.G.: Há vários anos que estou em contacto físico com alienígenas. Quando tomei conhecimento deles e entrei em contacto com eles no meu país, apercebi-me de que têm um aspecto humano. Nos meus livros e entrevistas, falei sobre isso muitas vezes. As emoções associadas a este tipo de contacto são sempre invulgares e sempre presentes.

Tudo começou quando eu era criança quando vi uma anomalia no céu. Não me importava então, porque eu não sabia o que era. Depois, por volta de 1988, quando me tornei um adolescente, as observações voltaram.

E.S.: Isto estava a acontecer no Peru?

R.G.: Sim, no Peru. Foi aí que tudo começou. Foi aí que os media peruanos começaram a falar de uma onda de observações de OVNIs. Foi uma coincidência com o que eu vi. Depois, gradualmente comecei a estudar fenómenos, e tudo atingiu o seu auge quando entrei em contacto físico com estas criaturas. Foi um processo muito difícil porque tive de desistir de muitas coisas. Perdi o meu emprego. Fui despedido por ter aparecido na televisão a contar-lhes as minhas experiências com o contacto. Depois tive de desistir da carreira para a qual tinha estudado. A minha especialidade era gestão de negócios e marketing.

Pleiadianos

De qualquer modo, decidi dedicar-me à investigação e estudo do fenómeno. Como eu disse, 1988 foi um ano muito importante. No entanto, o primeiro contacto físico com estas criaturas teve lugar apenas em 1997. Fiz 23 anos de idade. O encontro teve lugar no deserto a sul da cidade de Lima.

E.S.: Que tipo de deserto?

R.G.: O deserto chama-se Chilka. Fica a cerca de 60 km a sul da capital.

Chilca, Peru

O local é famoso pela sua história de múltiplas observações de OVNIs e tem uma rica história antiga. Segundo o meu estudo daquela região especial no Peru, foi a antiga rota que ligava os Andes com o Profeta Pachacamac.

Pachacamac

O profeta Pachacamac era o oráculo mais importante para os incas que viviam na costa. Muitas das estradas sagradas que os Incas costumavam descer das montanhas passaram por este deserto.

Templo de Pachacamac, Peru

Por isso, fui chamado ao lugar certo. Foi aí que vi pela primeira vez uma destas entidades.

E.S.: Poderia dizer-nos um pouco mais sobre isso?

R.G.: A entidade que telepaticamente me chamou àquele lugar chamava-se Antarel. Ele apareceu no deserto ao mesmo tempo que me pediu para vir. Antes de ele aparecer, outras pessoas que estavam comigo naquele lugar naquela noite tinham visto numerosas aparições de OVNIs.

E.S.: Como sabem, estou bem ciente disso porque tenho estado envolvido em todos os tipos de contactos em todo o mundo. É isso que ensinamos aos estudantes e a toda a gente. Deve haver alguém em cada grupo que tenha experiência de contacto e que já tenha estabelecido contacto. Não porque sejamos melhores do que outros. Em princípio, todos o podem fazer. Como explicou, existe uma consciência colectiva centrada no líder do grupo, quando a energia, ou seja, a telepatia e as cargas que se recebem quando se comunica, são enviadas interdimensionalmente às pessoas que estão consigo. Será que tenho razão?

R.G.: Há uma espécie de comunicação colectiva entre as testemunhas, quando cada mente individual não é apenas um observador passivo, mas interage com as mentes das outras testemunhas. Compreendi isto quando o alienígena começou a falar sobre a necessidade de formação. A formação é baseada em técnicas especiais, controlo da mente. Estes são instrumentos especiais para controlar o nosso medo do desconhecido. Mesmo incluindo alguém com treino militar, deixou claro que não havia treino que pudesse ajudar a preparar para o inesperado. Especialmente se o inesperado for o contacto com alienígenas.

E.S.: Poderia explicar ao público o seguinte: antes do contacto que separou do grupo, houve um contacto, e depois regressou ao grupo. O que é que os membros da banda lhe disseram? Disseram que de repente visualizaram o que tinham experimentado e que tinham algum tipo de activação da Kundalini nos chakras, corpos astral e etérico? Mencionaram algo desse género? Suponho que é sempre um acontecimento transformador. Quando tira pessoas sob as estrelas, será que as transforma sempre e faz parte da sua formação?

R.G.: Fez-me uma pergunta muito interessante. Lembro-me claramente do meu primeiro contacto no deserto. A criatura era um humanóide, tinha um aspecto nórdico, e vestia um fato que estava intimamente ligado ao corpo.

alienígena aspeto Nórdico

O contacto foi muito breve, pois foi muito difícil para mim lidar com as minhas emoções. Quando regressei ao acampamento base, onde havia outras pessoas, senti que algo tinha ficado em mim simplesmente porque estava muito próximo daquela pessoa. E não foi um problema mental causado pelo choque. Senti que estava rodeado por algo muito subtil, embora físico.

aspeto Nórdico

O mesmo me aconteceu noutros casos quando regressei a outras testemunhas após o contacto. As pessoas abraçaram-me, cumprimentaram-me e disseram-me que me sentiam de uma forma muito diferente. Eles podiam sentir o excesso de estática no meu corpo. Lembro-me de alguém dizer uma vez que podia ver algumas faíscas à volta do meu sistema electromagnético. E então um dia, quando voltei, nem a minha própria esposa me reconheceu.

E.S.: Com base na minha experiência… Acha que está relacionado com a vibração? Por vezes a vibração alienígena é tão elevada que não conseguimos lidar com ela, mas como um íman, levamos o magnetismo connosco. E isso muda-nos, por vezes para toda a vida, por vezes apenas por uma noite. Porque pensa que isso acontece? O que é que se activa em nós? Genética? ADN? A estrutura cristalina de quem realmente somos? Porque quando voltarem… gostaria de salientar isso. Digamos que, quando volto, sinto-me como tu.

R.G.: Eu sei o que quer dizer. Estudámos os efeitos subtis após o contacto. Os próprios alienígenas recomendaram-nos que estudássemos os antigos conhecimentos históricos sobre energia e este planeta. No início, percebi que não compreendia nada. Pensei que havia algo demasiado místico no contacto físico real com eles. Mas eu estava errado. Assim, comecei a estudar as antigas tradições, as tradições antigas e orientais relacionadas com o corpo e o seu sistema electromagnético. A propósito, eles adquiriram agora uma base científica muito importante.

Comecei a compreender que os seres nos convidam a preparar-nos neste tipo de contacto, porque, como disse, a frequência das suas vibrações é muito maior. É como tentar ligar um dispositivo que comprei nos EUA, onde a voltagem é 110 volts, no meu país, o Peru, onde a voltagem é 220 volts.

E.S.: Boom!

R.G.: É preciso um transformador. Neste exemplo, o papel do transformador será desempenhado pela formação e consciência. É óbvio que o contacto irá afectá-lo a si e ao seu ADN (DNA), mentalmente e ao nível da vibração.

E.S.: Alguém me disse uma vez que o senhor é um transformador de degrau abaixo, e aqui o senhor mesmo fala sobre isso. Agora acredito que é um desses transformadores de passo-a-passo por receber muita informação, por a processar e por a tornar pública. Não concorda?

R.G.: Eu tenho. Gostaria também de salientar a importância de respeitar e observar o protocolo deste tipo de contacto. Consegui convidar muitos jornalistas de ufologia para o meu contacto pré-programado. Já o fiz muitas vezes, incluindo jornalistas e investigadores de renome neste país. Num local e numa hora acordados, as entidades apareceram perante os jornalistas. E isto causou alguma confusão entre outros investigadores que telefonaram e perguntaram: “Então quando é que me vão convidar para que eu possa ver os OVNIs com os meus próprios olhos? Como se fosse algum tipo de entretenimento.

Ao longo de 27 anos de contacto, só consegui convidar jornalistas oito vezes. Algumas das reuniões foram gravadas e transformadas em vídeos muito interessantes. Mas para os cépticos isso não significa nada, como se nunca tivesse acontecido. É por isso que para mim a coisa mais importante é a informação e a mensagem.

E.S.: Ricardo, quem são os Apunianos? De onde vem esse nome?

R.G.: As entidades a que chamamos os Apunianos vieram ao Peru. Quer dizer, os casos mais antigos relacionados com eles estavam no meu país. Nos anos 50, estiveram em contacto com agricultores e pastores que viviam nos Andes. Os pastores chamavam as Montanhas Apu, uma palavra que pertence à antiga língua dos Incas. O Apu é o espírito que protege as montanhas. Quando estes alienígenas estabeleceram a sua base na Terra, nos Andes, e apareceram pela primeira vez perante pastores e agricultores, comunicaram com os terráqueos na língua dos terráqueos quíchua. Disseram que tinham vindo de Anu, as montanhas. É por isso que lhes chamamos apunianos.

Arcturianos

Mas há outra razão igualmente importante. As criaturas afirmavam ter criado colónias noutros planetas da estrela Alfa Centauri. Um dos planetas colonizados era um planeta de montanha, a que chamavam Apu. Segundo as antigas tradições peruanas, isto indica que as criaturas conheciam muito bem a história da Terra e estavam ligadas a ela.

E.S.: Quanto tempo pensa que os apunianos estiveram aqui? Como é que são?

R.G.: De acordo com a informação de que disponho, eles comunicaram connosco durante milhares de anos, talvez cerca de 6000 anos. Mas, claro, grupos de outros estrangeiros visitaram-nos muito antes dos apunianos.

E.S.: Ricardo, como é que eles chegaram aqui?

R.G.: Os apunianos vieram para cá como parte da sua investigação científica. Chegaram aqui por causa da tecnologia que utilizavam para reduzir as distâncias. Esta tecnologia tornou possível de alguma forma fechar ou transformar o espaço-tempo em si mesmo e chegar ao nosso planeta. É claro que não se moviam em linha recta. A estrela Alfa Centauri está separada da Terra por quatro anos-luz. E aqui está outra coisa muito interessante: eles deixaram o seu mundo amanhã e chegaram aqui ontem. Parte da sua investigação científica incluía as montanhas da Terra.

Com base no conhecimento que nos foi dado, eles estavam interessados nas montanhas e picos de montanha por causa da água ali encontrada, que na sua opinião é muito importante para a Terra e para o universo. Esta investigação permite aos apunianos avaliar a saúde do planeta e os processos na Terra. É muito importante para eles porque o nosso mundo é considerado uma espécie de universidade. E é nesta universidade que todas as nossas espécies estudam. Tudo o que as pessoas neste planeta conseguem e aprendem irá afectá-las de uma forma ou de outra, porque estamos ligados pela unidade, por uma cadeia de evolução.

E.S.: Os apunianos são parecidos connosco?

R.G.: Sim, são muito semelhantes. Têm muitas características e características de pessoas. Têm olhos, ouvidos, boca, nariz. Chamo-lhes nórdicos porque me fazem lembrar muitos escandinavos, especialmente noruegueses.

Apunianos

Os homens e mulheres que vimos têm cabelo. O cabelo é muito claro, como o cabelo albino.

apunianos

O cabelo tanto de homens como de mulheres é bastante comprido, caindo sobre os ombros. Os olhos são muito claros. Em geral, os apunianos são bonitos. São também muito altos. A sua altura varia de 2 a 3 metros. O corpo é atlético e simétrico. Aspecto extremamente belo e específico. Se os tivesse visto há 3.000 anos no Monte Sinai, tomá-los-ia como anjos.

E.S.: O que sabe, se é que sabe alguma coisa, sobre a origem da sua cultura?

R.G.: Pode-se dizer que eles são o resultado de muitos processos diferentes. A vida na Terra não é o resultado de uma coincidência aleatória. Deus não joga aos dados com o mundo. Existem outras hierarquias intermediárias que desempenharam o seu papel na criação da Terra. Compreendo que lhe pareça estranho que eu use a palavra “hierarquia”. Talvez o encontre relacionado com algo religioso. Mas quem quer que esteja a observar o nosso programa neste momento, deve compreender que nós humanos somos criados com funções diferentes, tal como os apunianos. Há um grupo de seres que conhecemos como semeadores da vida. Desde os tempos antigos, eles têm ajudado a natureza no nosso planeta e ajudado a acelerar o processo de evolução.

S01E01 Há 22 programas genéticos a serem feitos nos humanos aqui da Terra

E.S.: Será que temos em nós uma parte dos apunianos?

R.G.: Sempre estiveram muito próximos da humanidade, porque, como eu disse, estamos interligados. A realidade neste planeta, a que chamamos tridimensional, é apenas a ponta do iceberg. Muitos outros mundos coexistem com a nossa realidade, outra humanidade, cujo destino não coincidem com o nosso. Mas neste momento a interacção, unificação e destino de um dos seres humanos pode afectar profundamente o destino de outros. Isso é o que tenho tido dificuldade em compreender ou em colocar em palavras.

A missão do planeta Terra é um planeta escolar. E o facto de outros seres terem estado envolvidos na semeadura da vida e a nossa constante evolução não é nem um capricho nem um desejo. É um plano.

E.S.: Ricardo, o senhor disse que nós éramos eles e eles éramos nós. Poderia explicar um pouco mais? O que quer dizer?

R.G.: Bem, esta frase pode ser interpretada de muitas maneiras. Primeiro, podíamos falar de genética. Se eles semearam vida aqui, o que plantaram exactamente? Podemos ser os seus descendentes. Poderíamos fazer parte de uma família no universo que nem sequer conhecemos. Mas se nos afastarmos um pouco da interpretação genética da nossa prole, podemos sentir muito mais do que apenas ossos e carne. É muito provável que antes de vivermos aqui na Terra como humanos, conhecêssemos estas criaturas, e depois, quando aparecemos aqui no planeta, esquecemos?

Quando tentamos entrar em contacto com seres de outras realidades, tentamos apenas recordar. Se o acima exposto não for suficiente, há uma interpretação adicional. O que aconteceria se eu vos dissesse que alguns dos seres que entraram em contacto connosco somos nós no futuro?

E.S.: Acredito genuinamente nisso. Esta é uma das coisas que eu digo a todos. Somos eternos, e os alienígenas estão interessados em nós. Nós somos muito importantes, somos os super-heróis do universo. Eles costumavam ser nós. É por isso que os alienígenas querem ter a certeza de que não destruímos o planeta nem nos matamos uns aos outros. Além disso, mostram muita compaixão. Penso que tudo o que se passa nos meios de comunicação social é um constante afluxo de medo… Gosto que seja contra tudo isto. A excitação e o medo não servem a causa. O que é importante para mim é saber o que está a acontecer.

R.G.: Acha que é um acidente que os seres sejam provenientes de Alpha Centauri? Que nos avisam das mudanças que podem acontecer no nosso futuro? O que nos disseram sobre a possibilidade de, a dada altura, a humanidade viajar para Alpha Centauri, e assim os nossos descendentes se tornarem alienígenas no espaço.

Depois de termos partilhado as mensagens que nos foram transmitidas, Stephen Hawking realizou uma conferência aqui nos Estados Unidos, onde disse que a humanidade poderia estar a migrar para Alpha Centauri. Muitos dos documentários também disseram que talvez só nos restem 100 anos para o conseguirmos. Muitos cientistas importantes de renome mundial realizaram a conferência em Nova Iorque; as suas apresentações continham muito do que os extraterrestres nos disseram. Penso que deveríamos olhar para o verdadeiro TKP. E isto não é um programa relacionado com a lua ou Marte. Estamos a falar de Alpha Centauri.

E.S.: Como reagiria se eu dissesse que isto já aconteceu antes e que estamos apenas a repeti-lo agora?

R.G.: É muito difícil falar sobre o que está a acontecer agora e o que pode acontecer no futuro deste planeta. É realmente curioso. Todas as tribos sagradas do planeta, as civilizações mais importantes que se desenvolveram neste mundo, falavam de ciclos que se repetiam, de ciclos de mudança, por vezes de destruição. Os ciclos de destruição coincidiram com quando a humanidade perdeu a sua ética e moral em relação à Terra.

E.S.: Nós, as nossas civilizações, já fomos atirados da face da Terra por muitas razões. E agora estamos perante a mesma coisa neste ciclo.

S03E09 Ubuntu e a Mensagem dos Seres das Aves Azuis – Parte 2

R.G.: Estamos a lidar com outro ciclo de mudança, um grande exame. Mas estes seres enviaram-nos uma mensagem de esperança. Alegam que com todas as provações que o planeta e a humanidade estão agora a passar, ainda há mais coisas boas do que más no mundo. É simplesmente que aquilo a que chamamos um negativo se torna mais público. Se uma certa percentagem de pessoas elevar a sua consciência e mudar o seu comportamento, podemos mudar o que está a acontecer nesta linha temporal. E irá afectar as outras linhas de tempo.

Numa das minhas entrevistas, falei de uma história da Bíblia que considero muito interessante. Diz que tudo o que é feito ou não feito na Terra será feito ou não feito no céu. Todas as religiões do mundo antigo apontam para o facto de que o objectivo do ser humano não é o de se desligar do universo. É por isso que os seres estão a observar-nos, faz parte do seu projecto. Mas não interferem directamente com os nossos problemas, porque isso iria quebrar o plano.

E.S.: Os apuntianos que viram estão na nossa tridimensionalidade. Porque é que o contactaram?

R.G.: Deram-me instruções para estabelecer contacto físico. Como eu disse, no início os contactos eram puramente telepáticos. Os apunianos ofereceram formação baseada na formação e concentração mental. As instruções também incluíam nutrição e um estilo de vida saudável. Quando sentiram que eu estava pronto para entrar em contacto com eles, ofereceram-me um lugar, as coordenadas de um lugar onde eu poderia encontrá-los cara a cara. Só os vi cara a cara 8 vezes. O resto do contacto foi feito de formas não-físicas.

E.S.: Quantas outras pessoas têm a capacidade de se encontrarem com elas? Ou é assim tão único?

R.G.: Obviamente, não sou o único que é capaz de entrar em contacto com estes seres. Sou apenas uma das muitas testemunhas que afirmam tê-las visto fisicamente no mundo e, claro, no Peru. E sim, eu segui definitivamente o protocolo de contacto. Este protocolo de contacto tem sido apresentado em fenómenos de contacto durante décadas, muito antes de Joseph Allen Heinek ter começado a falar sobre diferentes categorias de contacto.

E.S.: E ainda assim, qual é o propósito destas criaturas na Terra? Porque é que eles vêm aqui?

R.G.: De acordo com as nossas experiências no Peru e as nossas pesquisas relacionadas com elas, o objectivo da sua estadia na Terra é muito grande. Seria incorrecto usar o termo “visita” porque eles já vivem entre nós. Um dos objectivos da sua coexistência connosco é aprender com a nossa cultura. Os apunianos têm a capacidade de sofrer mutações e de se infiltrarem na nossa sociedade. Bem, digamos, como um antropólogo vive com tribos na selva para aprender com elas. O estudo da cultura humana é muito importante para estes seres porque eles podem mudar o seu próprio comportamento com base no conhecimento que recebem.

E.S.: É importante para o futuro da existência humana?

R.G.: Obviamente, é importante para o futuro das pessoas na Terra, assim como para a aprendizagem e promoção desses mesmos seres. De acordo com a história invulgar que nos é contada, parece que existiam algumas civilizações antigas, que alcançaram enormes progressos tecnológicos. E foi isso que aconteceu. Começam a perder o contacto com os seus sentimentos e emoções. Bem, as pessoas modernas recordam-lhes essas antigas civilizações de muitas maneiras.

E.S.: Com base no contacto com os apunianos, acredita que a perda de comunicação é também característica de outras espécies, ou é peculiar apenas aos apunianos?

R.G.: Os seres que trabalham na Terra têm bases diferentes no planeta. O grupo que estou a descrever, os apunianos, faz um trabalho muito importante tanto nos Andes como em outras regiões montanhosas da Terra.

Andes

E.S.: Onde? Que outras regiões montanhosas?

R.G.: Para além dos Andes, poderia mencionar os Himalaias.

Himalaias

Existe também uma cadeia de montanhas entre França e Espanha, as montanhas dos Pirineus.

Pirineus

Especificamente nos EUA, o nosso contacto muito próximo com os apunianos teve lugar no Monte Shasta.

Monte Shasta

oevento.pt – sobre o Monte Shasta:

Continentes Lemúria e Atlântida ~ Segredos das Cidades Subterrâneas

Faz parte do protocolo, as chamadas zonas neutras. Por exemplo, se um norte-americano viajar pela Índia e perder o seu passaporte, deve dirigir-se à embaixada e tentar resolver o problema. Quando entra numa embaixada americana, em que país está ele? Do mesmo modo, quando de comum acordo os seres o convidam para um dos seus pontos de contacto, eles e você estão na zona neutra. Este é uma espécie de lugar diplomático de contacto onde não quebram o nosso livre arbítrio, porque têm alguma participação na zona, e cabe-lhe a si decidir se deve ou não ir para lá. Sublinho que estou apenas a falar de entidades positivas que respeitam a humanidade.

E.S.: O Peru é o principal centro de todas as outras bases? Ou é apenas mais uma zona neutra?

R.G.: O Peru não é a base principal que existe no nosso mundo. Contudo, neste caso, estou a falar dos apunianos, o norte do Peru é um dos principais centros das suas operações. Aí encontrará a montanha mais alta dos Andes, conhecida como Huascarán.

Huascarán

Este lugar tem uma longa tradição de observação de OVNIS.

Huascarán, Peru

Algumas pessoas interrogam-se porque é que estes seres decidiram criar o centro principal das suas operações neste mesmo lugar. Poderiam dizer: “Claro que é peruano, por isso pensa que a base principal está lá”. Não me parece.

E.S.: A montanha é muito bonita. Isso é o que eu também pensaria. (ambos a rir)

R.G.: Obrigado.

E.S.: Vi alguns mapas interessantes enquanto participava em projectos. Naturalmente, com linhas desenhadas, com coordenadas GPS por todo o planeta, naturalmente, graças a uma ciência bem desenvolvida. Vi também outro mapa, um mapa da altitude de todo o planeta. O mapa utilizado pelos alienígenas também mostra linhas de lei ou centros de energia, incluindo altas cadeias de montanhas e elevações?

R.G.: Sim. Todos eles.

E.S.: Uau!

R.G.: Gostaria de acrescentar um ponto importante.

E.S.: Nunca falei sobre isso. Por isso, estou feliz por ter tocado neste ponto.

R.G.: Obrigado. Os cientistas da Terra fizeram uma verdadeira descoberta incrível ao utilizarem supercomputadores. Na Terra, descobriram uma zona com a menor força gravitacional. Este lugar é chamado Huascarán. Nunca o tinham encontrado antes por razões técnicas.

Sabe, as pessoas medem a altura de uma montanha desde o nível do oceano até ao topo. Por exemplo, com base neste método de medição, o Monte Evereste é considerado a montanha mais alta. Mas os apunianos medem a altura da montanha desde o centro da Terra até ao topo da montanha. Nesta perspectiva, o Monte Huascarán é muito mais alto do que o Monte Evereste. É claro que Huascarán perdeu alguma da sua altitude devido a avalanches e terramotos. É agora considerada a segunda montanha mais alta do mundo. Perdeu o campeonato para um vulcão no Equador chamado Chimborazo, onde também se encontra a base.

Chimborazo

Os apunianos afirmam que os picos mais afastados do centro do planeta lhes permitem explorar e avaliar a saúde do planeta, a relação com as alterações climáticas em curso, e como isto pode afectar os seres humanos no futuro.

Chimborazo, Equador

E.S.: Sim, os alienígenas dizem que tais lugares são os termómetros do planeta, podem fazer muitas pesquisas diferentes, e que esta é a única forma exacta de ver exactamente o que está a acontecer. Agora esta é uma posição que faz muito sentido. Obrigado. Ricardo, mencionou a capacidade dos apunianos de se infiltrarem na sociedade humana. Poderia descrever como isso realmente acontece?

R.G.: Não sei. Não sei bem como conseguem infiltrar-se e integrar-se completamente na nossa sociedade. Mas eles podem claramente fazer isso.

E.S.: Podem ser “transeuntes casuais”, ou podem usar algum tipo de controlo mental, ou mudança de consciência?

R.G.: Talvez haja algo muito mais incrível e simples sobre isto do que podemos compreender. Pode encontrar um desses seres numa cafetaria. Têm provavelmente algum tipo de tecnologia holográfica ou mental. Sinceramente, não tenho a certeza absoluta de saber como o fazem. Não são apenas os apunianos que o fazem agora, embora o tenham feito com outros contactos durante décadas. Se quiser, posso dar-lhe mais dois casos.

E.S.: Por favor.

R.G.: Um caso está relacionado com o controverso George Adamsky, que teve experiência com alienígenas não só no deserto da Califórnia, mas também se encontrou com alienígenas num rancho no México.

George Adamski, ufólogo

Os alienígenas vestiam-se como humanos. Glenn Stekling, presidente da Fundação Adamsky, confirmou-mo.

O segundo caso, bem conhecido na ufologia, é o costa-riquenho Enrique Castillo Rincon.

Enrique Castillo Rincón

Enrique era engenheiro de telecomunicações. Disse-nos que em Caracas, Venezuela, na bilheteira, conheceu um homem que parecia um suíço. Mais tarde, voltou a encontrar-se com ele durante algum tipo de contacto alienígena que teve lugar junto ao lago na Colômbia. O mesmo homem que se parecia com um suíço convidou Enrique para a nave.

Este contacto tornou-se amplamente conhecido na década de 1970. Castillo-Rincon veio para os Estados Unidos, onde o seu caso foi estudado em Washington. Foi mesmo injectado com um soro da verdade. As pessoas que o investigaram confirmaram que ele não estava a mentir. O seu caso também foi tratado por pessoas como J. Allen Heinek e Jacques Valle. Em geral, há muitos casos em que as pessoas conheceram extraterrestres que se infiltraram na nossa sociedade, usando uma camisa e calças de ganga azuis.

E.S.: Ricardo, acha que os apunianos vivem e interagem realmente com outras pessoas? Disse que podiam ser encontrados numa cafetaria. Será que apenas olham à distância? Ou estão realmente a coabitar connosco?

R.G.: Eles tentam coabitar connosco, mas secretamente. Quando dei o exemplo da cafetaria, apenas ilustrei o que todos eles fazem. Os apunianos não se exibem. Por vezes nem os próprios agentes de contacto conseguem distingui-los. E a identificação requer outros contactos num ambiente diferente. Mas mesmo assim, é difícil dizer se é um humano ou um extraterrestre. Quando o contacto estiver completo, poderá nunca mais voltar a vê-los.

E.S.: Qual acha que é o futuro da sua missão em relação à humanidade?

R.G.: Para além de coexistirem connosco, a sua missão é, em primeiro lugar, aprender connosco e, em segundo lugar, avisar-nos sobre o futuro. Como disse anteriormente, o nosso destino está ligado a muitas outras criações neste universo. Eles acreditam que os seres humanos têm a chave, têm potencial que não têm. Os seres humanos ainda não desenvolveram plenamente este potencial para se comportarem correctamente e coexistirem uns com os outros. É por isso que os apunianos se esforçam por nos transmitir a importância das relações uns com os outros e com o planeta. Caso contrário, arriscamos a nossa própria sobrevivência.

Após O Evento o que muda?

E.S.: Intervirão no caso de uma grande catástrofe que ameace destruir metade do planeta ou a extinção de metade da população?

R.G.: Bem, pode haver uma mistura de factores no futuro. Um dos factores é o que os seres humanos estão a fazer no planeta. Vejam isto: poluição do mundo, má utilização da tecnologia, sobrepopulação, má gestão dos recursos. Distribuição negativa dos recursos entre as pessoas, insensibilidade a outros habitantes do planeta, não só às pessoas, mas também aos animais e à vegetação. Todo o nosso progresso tem como objectivo a acumulação de mais riqueza. O uso incorrecto da tecnologia através da qual comunicamos cada vez mais leva a uma perda de sensibilidade. Todos os elementos acima são misturados. E isso transforma-nos em zombies.

Outro factor é que os apunianos nos avisam que nos estamos a destruir propositadamente com conflitos. E se enfrentarmos uma ameaça do espaço exterior, não podemos unir-nos. Não estou a falar de uma invasão alienígena ao estilo do cinema de Hollywood. A primeira coisa de que estou a falar é da ameaça de colisão com asteróides. Qualquer pessoa com um pouco de informação sabe que nos últimos anos, muitas agências espaciais da Terra têm trabalhado em projectos multimilionários para identificar, destruir ou desviar corpos celestes com potencial para colidir com a Terra.

Segundo os apunianos, este tipo de ameaça é real. Se o fizer, a nossa existência e capacidade de sobreviver na Terra estarão em grande dúvida. Aqueles que conseguem escapar do planeta só o poderão fazer com novas tecnologias que nos permitem viajar até Alpha Centauri. Os cientistas da Terra já estão a considerar essa possibilidade. Fomos informados sobre isso. É um TKP específico que voa para Alpha Centauri.

Os alienígenas dizem que não há nada de errado com os seres humanos explorarem o espaço e até colonizarem outros mundos. O problema não é deixar este mundo em caso de emergência, porque assim não aprenderemos nada. Fizemos tudo mal, mas creio que ainda temos tempo para mudar o nosso destino.

E.S.: Pensa que os apunianos continuarão a encontrar-se consigo?

R.G.: Penso que decidiram continuar a ver-me por uma razão muito importante, não por eu ser especial ou escolhido. Eles sentem que continuarei a avançar, e através de mim serão capazes de entregar as suas mensagens ao mundo. É claro que os apunianos também estão em contacto com pessoas importantes, autoridades militares ou civis. Mas o facto é que tais grupos de pessoas, a quem chamamos figuras de autoridade, não costumam partilhar os seus contactos.

Os alienígenas dizem que preferem entrar em contacto com pessoas comuns. Afinal de contas, são as pessoas comuns que sempre fizeram enormes mudanças no planeta. Sou um homem comum que partilha as suas experiências extraordinárias. Talvez aqueles que nos ouvem ou lêem neste momento, que têm os seus próprios contactos alienígenas, se sintam menos sós. Espero sinceramente que sim.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

Author: Krystal

colaborador

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

14 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Sylvie Goncalves

afinal ja so me falta o episodio 2 e 4 da 19 temporada, se não for muito incomodo enviar o link por aqui ou nos comenários do respectivo episodio para todos poderem aceder 😉 gratitude 🙂

sylvie

muito obrigada Vitor só agora é que vi que os videos só estão disponiveis 7 dias, será possivel enviar os links do episodio 9.2 9.3 e 9.4 ? s´me faltam esses gratidão !!!

Vitor Santos
sylvie

OLA, já nao disponibilizam o link do video ? obrigada Sylvie

Álvaro Barria Maio

Caríssimo Elieser o trabalho do administrador nunca foi o de legendador e a criação de ficheiros .srt não é tarefa fácil pois exige sincronização com o que é falado. A opção .pdf já proposta é a melhor para guardar a transcrição até haver possibilidade de um dia voltarem os videos legendados, o que seria óptimo embora eu continue, mesmo então, a guardar as transcrições em .pdf
Saudações.

elieser

Olá! Como não vai ser disponibilizado os videos, sugiro que disponibilizem a legenda em arquivo .Srt.
Além da transcrição. Grato.

Anabela

 Alvaro e  Krystal, grata pela resposta, não tinha visto o outro comentário.

Álvaro Barria Maio

Caríssimo, pelos vistos, está dando um avanço evidente às entrevistas do CD e estamos agora entrando na nova temporada, mantendo a numeração original ao contrário do portal Gaia que retirou as primeiras de David/Corey. A curiosidade é esta incluir três entrevistados ao contrário de um único como aconteceu até aqui. E só há a lamentar não haver mais legendas pois quem o fazia era, creio, Tunguska que, ao que consta, desapareceu da circulação. Fiquemos-nos assim com as possíveis legendas, por seu especial empenho que nunca é demais enaltecer.
Saudações e até…

Álvaro Barria Maio

Caríssima Anabela
O administrador, já no episódio 1807 respondeu a um comentador que fez a mesma pergunta. TKP é a Força de Defesa Terrestre

António

Krystal, obrigado por mais este revelador episódio.
Onde poderei comprar livros do Ricardo Gonzalez em Portugal?
Para quando os vídeos dos episódios?
Sou muito grato.

Anabela

Krystal, uma pergunta, o que significa TKP? Grata