Patrick Slattery

Patrick Slattery ~ A entrevista de Tucker Carlson a Putin

Partilhar:

Que raio se passa aqui, afinal? 16 de fevereiro de 2024

Este site, oevento.pt limita-se a fazer a tradução dos artigos. A escolha desta e de outras matérias servem o propósito de levar ao leitor mais informação sobre os assuntos da atualidade, use o seu discernimento visto que algumas vezes as informações podem ser conflitantes com outras narrativas. Nota do tradutor: o artigo original não contém vídeos nem links, por opção nossa, adicionamos estes extras por forma a melhor contextualizar os assuntos.

Caros leitores,

Esta semana toda a gente está a falar da entrevista de Tucker Carlson ao Presidente russo Vladimir Putin. Sei que preciso de me distinguir de todos os outros se espero que as pessoas queiram ler esta coluna. Por isso, aqui vai. A nossa principal história da semana: A entrevista de Tucker Carlson com o Presidente russo Vladimir Putin.

Sinceramente, acho que o facto de a entrevista ter sido realizada e já ter tido mais de 200 milhões de visualizações só no Twitter, só isso, é muito mais significativo do que qualquer coisa que tenha sido dita durante a entrevista. As pessoas que recebem as notícias dos principais meios de comunicação social são inundadas com mensagens sobre Putin ser Hitler (a versão cinematográfica de Hollywood) que, desde que ele não começasse a dar passos de ganso e a fazer saudações romanas, era um facto positivo para ele.

https://www.quora.com/Do-you-think-Tucker-Carlsons-Putin-interview-was-great/answer/Sergey-Berezovikov

Statistic: Do you approve of the activities of Vladimir Putin as the president (prime minister) of Russia? | Statista
Devo mencionar que pelo menos alguns membros da minha audiência da Rede da Radiodifusão da República (RBN/Republic Broadcasting Network) têm uma visão favorável de Hitler e da Alemanha nazi, de tal forma que me sinto obrigado, de vez em quando, a recordar-lhes que o facto de se ter uma suástica tatuada no pescoço não faz de nós automaticamente bons rapazes. Teriam ficado satisfeitos por ver Putin dar passos de ganso e parecerem desanimados com o seu empenhamento na desnazificação da Ucrânia. A desnazificação parece ser um objetivo bizarro para um país com um presidente judeu, uma representação judaica maciçamente desproporcionada na elite política e mestres fantoches judeus no Departamento de Estado. No entanto, há um elemento na classe política e militar ucraniana que idolatra as pessoas que colaboraram com os alemães na Segunda Guerra Mundial ou que tiveram posições nacionalistas extremas.

Além disso, recordo frequentemente ao meu público da RBN que o que a Alemanha de Hitler representa para os russos é muito diferente do que representa para os americanos ou para a maioria dos outros ocidentais. Na América, a Alemanha nazi matou 6 milhões de judeus. Todos os outros mortos na guerra são uma nota de rodapé. Na Rússia, a Alemanha nazi matou 27 milhões de cidadãos soviéticos, e todos os outros são uma nota de rodapé. Em geral, é claro, poucos americanos veriam o objetivo da desnazificação com desconfiança, mas os ouvintes da RBN são um pouco peculiares.

O importante é que a entrevista teve lugar e foi vista por muitas pessoas. Putin mostrou-se inteligente, racional, razoável, por vezes até bem-humorado, e de forma alguma o monstro que tem sido retratado. Zilhões de pessoas estão a comentar o contraste com os tipos de líderes políticos que temos no Ocidente, que dificilmente se poderia imaginar que tivessem o conhecimento detalhado da história do seu país que Putin demonstrou. Parece um golpe baixo, mas Biden nem sequer se lembra da sua própria história pessoal.

Embora os comentadores que se engrandecem a si próprios tenham elogiado a lição de história de 25 minutos que Putin deu no início da entrevista, a fim de mostrar como eles próprios são cultos e sofisticados, e Putin tenha sem dúvida pensado que era importante transmitir esse conhecimento ao seu público americano, o facto é que a história não é o forte da maioria dos americanos. A maioria das pessoas não se apercebe de como os americanos são maus em história porque estão demasiado ocupados a perceber como os americanos são maus em matemática e geografia.

Nada do que Putin disse na entrevista era realmente novo, mas a menos que os ocidentais se esforcem por ver o que os russos estão a dizer, não têm forma de o saber. As pessoas que ouviram a entrevista na íntegra puderam ouvir Putin contar como tentou, com cinco Presidentes dos EUA diferentes, construir uma relação russo-americana amigável, começando com o seu pedido recusado ao Presidente Clinton para que a Rússia fosse admitida na NATO. Disse que, inicialmente, Clinton parecia disposto a considerar a hipótese, mas pouco depois disse que era impossível, como se não fosse ele a tomar decisões e tivesse de consultar a sede. Ficou claro que Putin não pensa que os presidentes americanos estão realmente no comando, mas sim que existe uma elite governante não eleita que está a dar as ordens. É óbvio que isso é verdade, mas não é frequente ouvi-lo da boca de alguém com a estatura de Putin.

Penso que a entrevista foi muito boa para Donald Trump, apesar de não se ter falado muito dele. Grande parte das críticas a Trump sempre foi de que ele é “o fantoche de Putin”, por isso, na medida em que Putin foi desvilipendiado aos olhos de milhões de eleitores americanos, isso é bom para Trump. E embora eu ache que Putin preferiria ver Trump vencer Biden (ou qualquer outro democrata) nas próximas eleições, acho que ele desistiu em grande parte de tentar construir relações fortes com a América e o Ocidente. Quanto a Tucker Carlson, Hillary Clinton chamou-lhe um idiota útil. Ao contrário da Hillary, pelo menos ele é útil.

Os americanos estão habituados a pensar em si próprios como o país indispensável, a única superpotência do mundo, com um destino manifesto para liderar o mundo. É assim que tem sido durante as nossas vidas, especialmente durante o terceiro século desde o fim da Guerra Fria e, como já foi referido, não somos suficientemente bons em história para saber que nem sempre foi assim. O facto é que o mundo mudou fundamentalmente, especialmente durante os dois anos da Guerra da Ucrânia. O verdadeiro objetivo da guerra, que foi planeada no Departamento de Estado por Victoria Nuland, era provocar a Rússia para uma invasão que serviria de pretexto para sanções económicas sem precedentes que desestabilizariam a Rússia e derrubariam o governo de Putin. Isso não aconteceu porque a China apoiou a Rússia e o resto do mundo não ocidental seguiu o exemplo. O centro de gravidade da política internacional deslocou-se de um G-7 dominado pelos Estados Unidos para os BRICS, centrados em torno do eixo Rússia-China.

Patrick Slattery ~ Geopolítica: Que raio se está a passar no mundo?

A Arábia Saudita, o Egipto e os Emirados Árabes Unidos, três países árabes que durante décadas estiveram na órbita americana, aderiram aos BRICS. A Arábia Saudita insiste na criação imediata de uma Palestina independente, com fronteiras anteriores a 1967 e uma capital em Jerusalém Oriental, o que significa que os 700.000 colonos judeus que vivem nessas terras seriam expulsos. Embora isto não pareça um grande desvio da sua posição de longa data, a diferença é que a exigência está a ser feita no contexto de uma guerra em curso como condição para lhe pôr termo. O Egipto ameaça anular o seu tratado de paz de 45 anos com Israel se este invadir Rafah, na Faixa de Gaza. O Iémen já declarou guerra a Israel. Israel habituou-se a agir impunemente, como o irmão mais novo do rufia do bairro, mas a derrota do Ocidente na guerra da Ucrânia expôs o complexo militar americano como um tigre de papel. A América e o Ocidente estão a tornar-se irrelevantes. Israel está muito enganado quanto à sua capacidade de se manter acima da lei e, quanto mais tempo continuar a massacrar os palestinianos, mais vai perder.

Uma última palavra sobre a entrevista de Putin. Tucker Carlson, que tem um ódio inexplicável pela China, fez um esforço juvenil e retardado para incitar Putin a dizer algo contra a China. Putin pôs prontamente Tucker no seu lugar, esmagando para sempre o seu sonho de uma aliança russo-americana contra os temidos olhos oblíquos que ele frequentemente apelava no seu programa da Fox News.

https://staging.thewire.in/media/tucker-carlsons-vladimir-putin-kremlin-interview-donald-trump

Entretanto, em outras notícias…

Nesta altura, Trump tem uma vantagem bastante formidável sobre Biden, especialmente se tivermos em conta os candidatos de terceiros que estarão nas urnas na maioria dos estados. Os especialistas pró-democratas especulam ilusoriamente que Biden poderia ser persuadido a desistir da corrida e permitir que outra pessoa tomasse o seu lugar, e que qualquer democrata do establishment que seja mais jovem do que Biden poderia facilmente derrotar Trump. O que eles não percebem é que não é apenas a idade de Biden que está a levar à sua falta de popularidade, mas também as suas políticas, que, para ser justo, não são realmente dele, mas são as políticas do establishment democrata dominado pelos judeus (sionistas/khazarianos).

Patrick Slattery ~ O aparelho governativo norte-americano sionista

Um conhecido especialista judeu chamado Jonathan Alter, que considera que Biden foi um grande presidente mas que se devia reformar no final do seu mandato, disse que Gavin Newsom ou Amy Klobuchar ou Gretchen Whitmore ou qualquer outro democrata do establishment seria capaz de derrotar Trump. Mas estas pessoas estão associadas às políticas de Biden, uma das quais é o seu apoio à Ucrânia. A aparição de Putin com Tucker foi significativa porque ele foi capaz de apresentar um argumento coerente para as acções da Rússia e, portanto, contra o apoio dos EUA à Ucrânia, que dezenas de milhões de americanos nunca tinham ouvido antes.

Em contrapartida, Biden deu uma conferência de imprensa de 12 minutos no mesmo dia em que a entrevista com Putin foi divulgada. Estava a falar da divulgação de um relatório de um conselheiro especial sobre o seu manuseamento incorreto de documentos confidenciais dos seus dias como vice-presidente, no qual o conselheiro especial se referia a Biden como um “idoso bem-intencionado com uma memória fraca”. Não ajudou o facto de Biden ter ficado com os louros de ter convencido os mexicanos a abrir a sua fronteira com Gaza para ajuda humanitária. O corpo de imprensa da Casa Branca, que há três anos tem vindo a proteger Biden de qualquer escrutínio real, começou então a gritar-lhe perguntas sobre o facto de ser demasiado velho e de ter desistido da corrida presidencial. Biden respondeu aos gritos que eles deviam sair do seu relvado e depois saiu da sala, levando a bola de futebol com ele.

A única forma de um democrata ter hipóteses numa eleição justa seria se tivesse sido um cético em relação à guerra na Ucrânia, um crítico da imigração em massa e um opositor dos confinamentos devido à COVID-19. Estamos sempre a ouvir mencionar o nome da governadora do Michigan, Gretchen Whitmer, mas ela foi a favor dos confinamentos e é famosa por ter microgerido o que podia e não podia ser vendido nos pontos de venda a retalho. Por exemplo, a Home Depot foi autorizada a manter-se aberta, mas NÃO foi autorizada a vender artigos de jardinagem a pessoas que quisessem cultivar os seus próprios alimentos. O governador da Califórnia, Gavin Newsom, cujo nome é mais frequentemente referido, dirige um estado santuário para estrangeiros ilegais. A Senadora do Minnesota, Amy Klobuchar, tem estado a fazer propaganda da guerra da Ucrânia. As pessoas não estão a azedar as políticas de Biden porque não gostam dele pessoalmente, estão a virar-se contra ele porque acham que as suas políticas estão a destruir o país, e simplesmente trocá-lo por uma alternativa mais jovem não fará muita diferença.

Honestamente, Donald Trump merece uma certa quota-parte de culpa por todas estas políticas, mas a maior parte dos seus apoiantes acha que as coisas eram muito melhores durante a sua presidência, ou pelo menos que ele tentou opor-se a estas políticas, mas foi frustrado pelo “estado profundo” ou o que quer que seja. Obviamente, a imigração foi a sua grande questão em 2016 e, embora muitos dos seus apoiantes tenham ficado muito desiludidos com a sua falta de sucesso, em contraste com Biden ou outros democratas, a sua administração parece realmente como nos bons velhos tempos. Além disso, embora os piores dias de confinamento tenham ocorrido durante a sua administração, não foram impostos a nível federal, mas sim a nível estatal, especialmente em estados que tinham governadores democratas. E Trump pode dizer que, se fosse presidente, a guerra na Ucrânia nunca teria acontecido, seja lá o que isso signifique.

Muitos políticos são acusados de falar pelos dois lados da boca. No caso de Trump, é mais o facto de a sua boca ser tão grande que ele pode falar pela frente e ainda assim cobrir uma enorme quantidade de território. Fala com humor e um certo carisma, mas com uma espantosa falta de clareza. Muito é deixado à imaginação. Por exemplo, quando diz que a guerra da Ucrânia nunca teria acontecido se ele estivesse na Casa Branca, deixa os ouvintes a pensar porquê. Alguns assumirão que, por ser um homem tão duro, Vladimir Putin teria demasiado medo de tentar alguma coisa. Outros podem assumir que ele nunca teria sido tão insensato e provocador para forçar Putin a sentir que tinha de invadir a Ucrânia para impedir a sua adesão à NATO.

Uma última palavra: a situação na Ucrânia está a desvanecer-se rapidamente. É pouco provável que o governo receba mais grandes injecções de ajuda dos Estados Unidos. O Presidente Zelensky demitiu o General Zaluzhny, que temia estar em posição de o derrubar, e está agora a tentar purgar os militares dos apoiantes de Zaluzhny. Isto pode ser feito despedindo-os também, mas também pode ser feito enviando-os para as linhas da frente e alimentando-os no moinho de carne. Há cada vez mais relatos de tropas que se recusam a combater e de homens que se recusam a ser recrutados. Há imensos vídeos de homens a lutar com recrutadores que estão a tentar arrancá-los das ruas. Comecei a prever que os militares derrubariam Zelensky no verão de 2022, e parece que estou à espera que o outro sapato caia desde sempre. Embora Putin pareça satisfeito em continuar metodicamente a ganhar terreno com um risco mínimo, em vez de dar um murro de arrasar, a situação do lado ucraniano é completamente insustentável e não pode continuar por muito mais tempo.

Com os melhores cumprimentos,
Patrick Slattery

Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos. Este site publica artigos próprios e de outros informantes em que se limita a publicá-los: quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

5 2 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1 Comentário
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments