revelação cósmica temporada 18

S18E07 Revelação Completa – O Evento (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Continuamos a ouvir relatos de eventos iminentes que darão início a grandes revelações de tecnologia avançada e da nossa história com E.T.s. No entanto, nunca parecem manifestar-se. Randy Cramer descobre muitos dos intrincados níveis envolvidos com a aprovação de potenciais cenários de divulgação. O que descobrimos, é que há muitos jogadores a puxar os cordelinhos, que traçam cuidadosamente o progresso gradual da revelação até à ocorrência de um evento importante, que confirma inegavelmente a presença de vida extraterrestre na Terra. Talvez a parte mais importante destas revelações seja o efeito que terá na nossa consciência coletiva.

S18E07 Randy Cramer na divulgação (Revelação Cósmica ~ Randy Cramer)
S18E07 Randy Cramer on Disclosure (Cosmic Disclosure)

Assista ao episódio (legendas apenas em inglês) clicando no link abaixo, usando o browser chrome:
https://drive.google.com/file/d/1KoLfl14Fd-S-VvtFTdBdqcrb8B8s6Z6z/view?usp=sharing

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário (não no facebook), para indicarmos outro link.

A legendagem possível:

revelação cósmica temporada 18 episódio 7

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Olá eu sou Emery Smith e hoje, em “Revelação Cósmica”, vamos falar com Randy Cramer.

Randy Cramer / Emery Smith

Randy Cramer na divulgação

E.S.: Hoje no Revelação Cósmica, Randy Kramer e eu vamos falar sobre a Revelação. Randy, bem-vindo ao programa!

R.C.: Obrigado por me ter convidado. Prazer em conhecê-lo.

E.S.: O tema da Revelação é muito complicado, porque, como muitas pessoas, tantas opiniões. Há muitas histórias diferentes. Voltando às velhas teorias da conspiração e da divulgação, as pessoas fazem todo o tipo de previsões. Como compreende a Divulgação? Por favor, partilhe-o connosco.

R.K.: Está bem. Primeiro, gostaria de sugerir uma breve descrição e explicação. Se entrar em linha e começar a procurar nos meios de comunicação social novas histórias sobre OVNIs, observações de OVNIs, mineração de asteróides e todo esse tipo de natureza, encontrará muita informação. Descobrirá que os pilotos da Marinha estão agora autorizados a falar-lhe de tais eventos. A Marinha exigiu que os antigos pilotos submetessem relatórios de observação sob o novo sistema de alerta porque querem registar tais eventos para posterior libertação.

 

A Marinha não quer apenas gravar mensagens para si própria.

Não é um fim em si mesmo. A Marinha faz isto de modo a ter o máximo de informação possível, que pode então ser divulgada e discutida. Há definitivamente muita coisa a acontecer; agora nem sequer se trata de uma questão.

E.S.: Será que manipulam com videoclips e informações que nos chegam através dos meios de comunicação social? Por exemplo, muitas pessoas dizem que os vídeos militares filmados por naves espaciais são um pouco vagos.

Unidentified ~ a série Ufológica do ano (2019)

Os cilindros não oferecem uma imagem clara. Na minha opinião, tudo se parece com isto: “Sim, pretendemos divulgar informação e fazê-lo feliz, mas vamos divulgar apenas o que queremos”.

Apesar das promessas de publicidade e das declarações de que os pilotos sempre foram autorizados a avançar, acredita realmente que eles permitem que os pilotos actuem e que nós obtemos informações reais?

R.K.: Penso que vamos obter a maior parte da informação. É sempre um palpite. Quando alguém diz: “Oh, vamos obter a verdade a 100% e nada mais que a verdade”, eu costumo dizer: “Talvez não”.

E.S.: Mas porquê esconder 20-30%?

R.K.: Sobretudo para esconder a raiva das pessoas contra aqueles que cometeram erros e tomaram más decisões, contra aqueles que não querem acabar com um laço à volta do pescoço por más acções. Por isso, em parte é apenas autodefesa, e em parte é compreensão de que as pessoas estão prontas para obter alguma informação. Claro que há pessoas que não estão de todo prontas para a Divulgação. É por isso que tudo se resolve com base em indicadores sociopsicológicos demográficos, o que reduz ligeiramente a quantidade de informação verdadeira, ligeiramente, mas não completamente. Ou seja, a informação é oferecida em tal volume, que será absorvida por uma grande percentagem da população, não toda a verdade e nada mais do que a verdade.

E.S.: Quem decide se nos será permitido ou não saber a verdade?

R.K.: Uma série de especialistas-analistas do Ministério da Defesa e Inteligência Militar. O seu trabalho é recolher dados em bruto, analisá-los, processá-los e transformá-los em informação que é depois divulgada. Em relação à sua observação de que as imagens nos rolos são potencialmente desfocadas, este é um acontecimento real que teve lugar no porta-aviões Nimitz. Um dos operadores de radar disse: “Olha, eu só vi as mesmas imagens com muito melhor resolução do que as que foram tornadas públicas.

Ou seja, ele reconheceu definitivamente a presença de imagens com uma resolução muito superior. Neste momento, eles não são mostrados porque querem deixar um espaço de manobra cinzento. Os militares não estão preparados para chocar as pessoas com “está a acontecer agora”, seja o que for. Além disso, se estiver disposto a ouvir, se estiver disposto a acreditar, então compreenderá. Mas se ainda se encontra numa fase de negação, então há uma negação plausível. Poder-se-ia dizer: “Está demasiado desfocado. Não prova nada”. De qualquer modo, se as pessoas não estiverem prontas a aceitar, então podem simplesmente negar a informação porque está desfocada.

E.S.: Diga-me, o governo detém alguma desta informação em particular para que possa voltar a ela e dizer: “Oh, a propósito, sim”?

R.C.: Be-zoo-zoo-zoo-zoo-zo. Está definitivamente a planear com antecedência.

E.S.: Será que tem toda a história, suponho?

R.K.: Sim, planeia definitivamente com antecedência e controla a quantidade de informação específica divulgada num determinado momento. Sim, nem sequer duvide.

E.S.: É por isso que agora são os projectos de acesso especial que definem o tipo de enredo por detrás dos eventos. Talvez isto seja um bom sinal para nós, a Divulgação está a aproximar-se cada vez mais.

R.K.: Claro que sim. O governo não estaria a fazer isto se não estivesse a preparar-se para o momento em que queria que tudo estivesse pronto. Não quer fazer um anúncio para que a reacção das pessoas seja: “Oh, meu Deus, estou tão chocado; acontece que não vi o que se está a passar”. Pretende fazer um anúncio quando a maioria das pessoas reagir: “Oh, sim, eu sabia o que ia acontecer”.

E.S.: Em que fase está tudo agora? Acha que há algo negativo no programa para o qual nos estão a tentar preparar?

R.K.: Como vê, a Divulgação pode acontecer de uma ou duas maneiras, principalmente duas. Para não mencionar o facto de que pode haver terceiros caminhos sobre a mesa. Iremos falar principalmente de duas maneiras. Plano A: Leve-me ao seu líder. Plano B: invasão, invasão imaginária. É claro que há muita discussão sobre qual o plano que é melhor, que tem mais pontas soltas, que é mais controlado, e que a dada altura pode simplesmente ficar fora de controlo.

E.S.: Quem é responsável pela Divulgação?

R.K.: Foi assim que o meu Brigadeiro-General mo explicou e eu estou a explicá-lo a outras pessoas. Imagine uma mesa gigante. Os lugares por detrás dela são dados a todos os que são “importantes”. Os mais importantes incluem altos funcionários de várias organizações governamentais, órgãos legislativos, inteligência militar, representantes de bancos e empresas. Em geral, todos aqueles que precisam de saber e que podem ditar como as coisas vão acontecer. É evidente que, se quiser ter um Plano de Divulgação, precisa da cooperação de todas estas pessoas.

A última coisa que gostaria é que o actor principal se opusesse ao que todos os outros estão a fazer, que convocasse uma conferência de imprensa, que começasse a oferecer um plano alternativo que traga o caos total. Há uma conversa entre todas as pessoas sentadas à mesa; a estas pessoas são oferecidos os chamados pacotes informativos. São distribuídos a todos os que estão sentados à mesa. Há uma discussão. “Se fizermos isto e aquilo, aqui estão os aspectos positivos, aqui estão os negativos. E se o fizermos de forma diferente, aqui estão os aspectos positivos, aqui estão os negativos”.

Todos se sentam, reclamam, observam o seu interesse pessoal. Será que a proposta lhe responde, beneficiará todos ou apenas uma pessoa? O diabo está nos detalhes; todas estas pessoas chegarão a um acordo. Se todos concordarem com alguma coisa, então o plano recebe luz verde, seja ela qual for.

E.S.: Bem, pela minha experiência pessoal, todos concordam muito raramente. Normalmente, o cenário maioritário é aceite. Partilhando informação da Marinha e da Força Aérea com as pessoas, vou fazer de advogado do diabo. Muitas vezes tenho visto que as pessoas estão preparadas para outro programa, criando um ambiente negativo para que possam ganhar dinheiro com ele.

R.K.: Naturalmente.

E.S.: Qual é a sua opinião sobre este assunto?

R.K.: Qualquer coisa é possível. Tudo se resume a se eu ou nós confiamos na administração dos projectos, porque as pessoas responsáveis por eles são boas, ou se podemos assumir que existem 19 maus caminhos diferentes, porque as pessoas responsáveis por eles não têm um centro ético e moral. É difícil para mim convencer algo, dizer um civil: é bom e é mau. Posso avaliar alguém com base no que se está a passar ou no que sei. Mas poder confirmar isso, isso é outra coisa.

Graças à minha patente militar e ao meu nível de autorização, tenho acesso a informação sobre a qual não tenho de fazer demasiadas perguntas. Não tenho de discutir se é verdade ou não. Com base na minha comunicação com a cadeia de comando do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA e com os nossos oficiais de inteligência, estou convencido de que me estão a ser dadas informações precisas. Por isso é fácil para mim dizer que confio nestas pessoas. Mas compreendo perfeitamente as pessoas que dizem: “Não sei”. Devemos confiar nestas pessoas?”

Mais uma vez, embora respeite e compreenda isto, tenho de admitir que alguns dos programas e ideias da Divulgação, há 10-20 anos atrás, eram geridos por pessoas que eram menos confiáveis do que as que estão a gerir a bola agora.

E.S.: O que pensa do TKP? Eles parecem ter uma enorme quantidade de informação, muita tecnologia e olhos no céu. Acha que eles também participarão na Divulgação?

R.K.: Eu assumiria que estariam na ponta de uma lança. Se existe uma força que faz avançar tudo mais depressa do que qualquer outra, é o pessoal militar secreto dos programas espaciais.

E.S.: A quem irão revelar? O Presidente?

R.C.: Não. Eles não dizem ao Presidente. Estão a trabalhar com um comité composto por pessoal civil, pessoal corporativo e oficiais dos serviços secretos militares. Este é o comité que toma muitas decisões políticas.

E.S.: Uma vez que tudo já vazou para os meios de comunicação social, e pensa que agora o TKP está à beira da lança, porque é que assim é, porque eles vêem tudo primeiro e informam esse grupo?

R.K.: Bem, existem provavelmente 20 razões pelas quais os militares secretos querem pensar que a Divulgação é uma necessidade. Eu assumiria que a razão número um é a falta de pessoal. Não têm pessoas suficientes para preencher os postos de trabalho actualmente disponíveis, quanto mais a perspectiva de falta de pessoal para os próximos 5-10 anos. Se tudo ficar como está agora, isto é, recrutamento oculto, classificado, caça furtiva, ou mesmo roubo de pessoas e depois envio para programas, se continuarmos a fazer isto, nunca conseguiremos preencher os postos de trabalho na sua totalidade.

Para fazer face a uma escassez aguda de pessoal, é necessário um recrutamento aberto. A única forma de o podermos fazer é através de recrutamento aberto. Assim, repito, embora possa haver 20 razões, incluindo o potencial para desastres socioeconómicos que poderiam ser mitigados, eu sugeriria que a motivação mais forte para o TCP seriam as perspectivas, quantas pessoas precisariam para preencher os postos de trabalho, e que só através de recrutamento aberto seríamos capazes de colmatar a lacuna laboral.

E.S.: A TKP vai informar as pessoas sobre as estações espaciais que estamos a construir? Sobre o facto de enviarmos pessoas para outros planetas?

R.K.: Mais uma vez, sugiro que não é como se obtivéssemos toda a verdade e nada mais do que a verdade. É isso mesmo. É mais provável que nos seja dada uma percentagem da verdade. Cruzemos os dedos e esperemos que a percentagem seja mais do que menor.

Também assumiria que o recrutamento seria multifacetado e polivalente. Haverá campanhas publicitárias especificamente direccionadas, campanhas comerciais, anúncios televisivos e na Internet para se concentrarem em certas pessoas. Recentemente, vi anúncios de recrutamento do exército na televisão, mas eram chamadas específicas. Foram convidados profissionais médicos, médicos e enfermeiros.

Se se sentissem chamados a esta missão, poderiam juntar-se ao exército e tornar-se oficiais, médicos ou enfermeiros. Em geral, foi uma chamada direccionada, ao contrário do recrutamento convencional, quando diz: “Ei, junta-te à infantaria, pega na tua arma e luta contra os terroristas. O alistamento selectivo. Eu sugeriria que qualquer chamada futura seria ditada principalmente pela necessidade.

As principais universidades tecnológicas seriam penduradas com cartazes sobre o recrutamento de engenheiros, especialistas em software, especialistas em informática. E as comunidades dos chamados operários de colarinho azul, trabalhadores de trabalho físico, seriam atirados com anúncios para o recrutamento de soldados de infantaria. Tudo seria condicionado pela necessidade de preencher postos de trabalho para que pudéssemos continuar a desenvolver, continuar a desenvolver o TKP, para o tornar cada vez maior.

Compreendo que as pessoas possam não compreender as razões. A principal razão reside na segurança, fiabilidade, prosperidade e estabilidade. Estamos conscientes de que a única forma de garantir isso é expandir a fronteira territorial dentro da qual podemos influenciar através da força militar. Quanto mais conseguirmos expandir essa fronteira, mais estabilidade seremos capazes de proporcionar naquele canto da galáxia e naquele canto do universo. O nosso objectivo é criar grandes pacotes de estabilidade à nossa volta.

t12e14 Manipulação Extraterrestre da Ascensão Humana ~ Revelação Cósmica

E.S.: E todas as tecnologias TKP e AI classificadas? Haverá alguma hipótese de que, após a Descoberta, se juntem à nossa civilização actual?

R.C.: Absolutamente. A única questão que resta é: quanto, com que rapidez e quanto tempo vai demorar? E aqui, mais uma vez, o diabo está nos detalhes. As respostas a tais perguntas estão para além da minha competência. Mas não há dúvida de que a tecnologia será gratuita. Precisamos dessa tecnologia. O mundo civil só precisa desta tecnologia.

A economia mundial está desequilibrada. Portanto, se não conseguirmos lidar com a situação no que toca ao gás e ao petróleo, à tecnologia médica, à tecnologia da informação e à tecnologia militar, se não fizermos quaisquer alterações, o resultado será infeliz para todos. Já o podemos ver no papel e prever: “Oh, se não mudarmos a situação nos próximos 5-10 anos, será muito mau. O facto é que se mudarmos a situação para melhor, então outros eventos catastróficos que nos esperam no caminho poderão não acontecer.

Mas a questão de quanto, quão rapidamente e quanto tempo demorará é uma boa questão. Sugiro que o primeiro de uma série de descobertas seria a energia livre. Será acompanhado pelo lançamento de tecnologias aeronáuticas avançadas. Depois sairão os nossos fatos exóticos avançados, armas de plasma e espingardas ferroviárias. Ao mesmo tempo, vamos precisar da nossa melhor tecnologia médica para tratar os feridos.

A velha escola de medicina já não funcionará. Vamos precisar de um novo. É claro que o público pode não ser o primeiro a saber sobre isso. Em primeiro lugar, a nova tecnologia médica será utilizada pelo exército para reparar partes do corpo danificadas. É muito provável que o exército não alerte primeiro o mundo civil. A revelação pode ter lugar após o fim do conflito. Então o exército dirá: “Oh, a propósito, a razão da baixa taxa de mortalidade é que cada vez que alguém perde um posto, podemos criar um novo e trazer um soldado de volta ao campo de batalha em três dias”.

E.S.: Depois é a vez de a NASA subir ao palco. Falarão sobre a vida microscópica encontrada nos satélites de Júpiter, Saturno, na atmosfera destes planetas, descoberta pela explosão dos vulcões. Até ao momento, a agência apenas libertou pequenos pedaços de petiscos. Então, quando é que pretendem avançar e dizer: “Ei, encontrámos vida”? Tanto você como eu sabemos que não se trata apenas de bactérias.

R.C.: É isso mesmo. Não esqueçamos que os cientistas já encontraram microrganismos e bactérias que crescem fora da ISS. Ou seja, não se trata apenas de descobrir e discutir a vida nos satélites e noutros mundos. Os cientistas admitiram que existe vida biológica no espaço.

E.S.: Está em todo o lado.

R.C.: Apenas flutua por aí.

E.S.: O espaço é como um oceano.

R.K.: Naturalmente. As bactérias não podiam vir de nenhum outro lugar a não ser nadar no espaço. Além disso, os cientistas encontraram outra coisa que poderia ser utilizada como fonte alimentar. As bactérias podem sobreviver em ventos solares, a temperaturas extremas, centenas de graus acima e abaixo de zero. Quero dizer, o que sabemos agora é que o facto de tais formas de vida serem capazes de sobreviver em condições extremas sugere que existem muitas.

Em geral, a resposta à sua pergunta é a seguinte: A revelação será gradual, gradual e gradual, até ao próprio fim. Continuaremos a assistir a uma divulgação gradual até que o evento principal se realize. A Divulgação principal irá acelerar a divulgação de informação e passar da publicidade gradual para a instantânea.

E.S.: Diga-me, vamos ser responsáveis pela Divulgação ou vai haver uma visita não planeada?

R.C.: Em geral, pode ser qualquer evento que conduza à Divulgação. Eu assumiria que os eventos seriam controlados em vez de aleatórios. Preferimos tê-lo sob controlo táctico e estratégico do que deixá-lo ir por si só.

S01E03 Na Lua, há bases de extraterrestres cobertas por um escudo holográfico que nos impede de vê-las

E.S.: Tem alguma informação específica sobre os projectos e programas de Divulgação que possa partilhar connosco?

R.K.: Sabe, normalmente prefiro evitar revelar linhas de tempo. Mas neste caso o meu Brigadeiro-General permitiu-nos partilhar a seguinte informação: teríamos visto algo significativo que nunca tínhamos visto antes, e a um nível que atingirá mais pessoas do que antes, dentro de 6-24 meses.

E.S.: A revelação terá lugar através dos meios de comunicação social e do governo? Ou será um evento global que não se pode negar?

R.C.: Penso que haverá um evento global que ninguém pode negar.

E.S.: Então, qualquer pessoa que tenha um telemóvel poderia gravá-lo e todos nós o partilharíamos? Qual é o plano do governo, porque agora sabe a resposta? Anunciará simplesmente: “Bem, recolhemos organismos microscópicos no espaço, e agora já não estamos surpreendidos com a presença de alienígenas no mesmo”?

R.K.: Como em muitos outros casos, existem, bem, fases de reacção, como em muitos outros casos, em relação às reacções dos meios de comunicação social. Primeiro obtém-se a primeira fase de reacção, depois quando a segunda fase chega, a informação será ligeiramente corrigida ou poderá mesmo contradizer ligeiramente a primeira fase. Por sua vez, a terceira fase irá corrigir ligeiramente a segunda fase. De um modo geral, na altura em que se obtém, digamos, a fase cinco, o que foi relatado durante a primeira fase deixará de importar.

As pessoas serão guiadas através das fases 1, 2, 3, 4, 5 e serão levadas para a condição correcta. Como exactamente serão trazidos de lá para cá, não importa. Está bem, eu sugeriria que a primeira história poderia ser: “Oh, meu Deus, estamos tão surpreendidos”. Segundo, “Oh, estamos agora a falar com o Coronel da Força Aérea, e ele diz que é exactamente nisso que eles têm estado a trabalhar”. Depois..: “Oh, agora estamos a falar com um funcionário da NASA que diz que era isso que eles estavam a fazer”. Em geral, tudo está a mover-se numa direcção ascendente que nos aproxima cada vez mais da verdade.

E.S.: Aqui está outra grande questão. Como é que a parte religiosa do planeta, a parte espiritual do planeta e a parte política do planeta irão lidar com o dia a seguir à Descoberta?

R.K.: Estamos também a considerar esta parte do problema.

E.S.: Quem vai organizar todo o caos?

R.K.: Essa é uma boa pergunta. Tenho a certeza de que também há um plano para isso. Como de costume, existe um plano A e um plano B, e a aleatoriedade é também tida em conta. Portanto, vai depender de como tudo acontece exactamente, a página de qual plano viramos e dizemos: “Oh, este é o Plano B. Tudo aconteceu, e é isso que os acidentes nos esperam”. Agora estamos a fazer as duas coisas.

E.S.: Existem actualmente cerca de 7,5 mil milhões de pessoas a viver no planeta. E o quê, eles vão montar tendas fora de cada cidade? Uma para a comunidade religiosa, que fará uma pergunta muito razoável: “Porque me mentiste toda a minha vida? A comunidade científica tem uma resposta. A história de onde viemos… Repito, os cientistas têm a resposta. E quanto às outras pessoas? Há muitas pessoas que ficarão confusas e não aceitarão o que se está a passar. Então, o que acontece a seguir?

O EVENTO – transição suave

R.C.: Claro, sim. Em primeiro lugar, passemos ao conceito de ter uma história e uma explicação, que todos terão de aceitar. Não é este o caso. As situações sócio-psicológicas demográficas desenvolvem-se de tal forma que cada cadeia de dados que alimenta situações individuais será exactamente o que cada grupo pode aceitar. Depois, repito, com o tempo, passa-se da fase 1 para a fase 2, para a fase 3, para a fase 4, para a fase 5, de modo que a primeira fase não passa de: “Tudo bem, não vamos contradizer as suas crenças, mas algo está a acontecer.

Isto garantirá que as pessoas aceitarão algo sem se sentirem ameaçadas pelas suas crenças. Se lhes ensinar tudo sem ameaçar as suas crenças, diz: “Não faz mal, algo se passa, e se quiser acreditar ou definir o que se passa de uma certa forma, é a sua vontade. Está tudo bem agora”. Esta é a fase 1. Quando passamos à fase 2, 3, 4, as histórias começam a mudar um pouco. De qualquer modo, eis o que vemos no papel. Cada vez mais pessoas estão a começar a chegar a um estado de aceitação.

Eis o que parece: algures entre o 14º e o 20º dia, cerca de 85% da população entrará num estado de aceitação. Este é o nosso ponto de partida. Isto é o que está a acontecer. Claro que as pessoas podem queixar-se, lamentar-se, ter todo o tipo de problemas, mas em geral, a aceitação básica é conseguida. Agora resta cuidar dos restantes 15% dos dissidentes. Contamos com o facto de que quanto mais pessoas da categoria dos 85% vierem a bordo, mais isso obriga os restantes 15% a simplesmente aceitar ou opor-se a todos os 85%. E isso não vai fazer bem a ninguém.

É assim que funciona realmente. De qualquer modo, no final, ficarei tão surpreendido como todos os outros. É claro que, no papel, posso ver como as coisas vão acabar e que surpresas podem surgir. Mas como eu disse, não podemos saber exactamente o que vai acontecer até que isso aconteça. Mas eu sugeriria que mesmo nesse caso, há um plano. Há uma ideia de como as pessoas irão passar pela aceitação. Se necessário, pode contar 25 histórias diferentes para levar cada pessoa à verdade. Alimentar a verdade para que as pessoas não a possam vomitar de si próprias.

Quando a marca dos 90 dias for ultrapassada, as pessoas vão acostumar-se, não vão? E não importa aquilo em que acreditavam antes. Vão habituar-se ao que têm.

E.S.: É exactamente o que está a acontecer agora.

Cronologia das mudanças após O Evento – uma estimativa

R.C.: Este é o mundo em que vivemos. Cada vez que saio de casa e olho para cima, vejo mais e mais naves espaciais. É o que acontece a todos. A dada altura, será a norma. Quando a situação se normalizar, a maioria dos restantes 15% vai resmungar, gemer, queixar-se, amaldiçoar e gritar, mas nada pode ser feito.

E.S.: Como será resolvido o problema da moeda?

R.K.: Primeiro haverá uma espécie de pequeno caos à medida que reconstruímos a economia mundial. Sei que algumas pessoas não vão gostar das minhas palavras, mas estamos a caminhar para uma moeda única, um sistema económico mundial único. Atrevo-me a dizer que os representantes das civilizações mais bem sucedidas da galáxia, de que temos conhecimento, tornaram-se bem sucedidos no preciso momento em que se decidiram por uma moeda única e um sistema económico global único. Bem, pense por si: um planeta com 85 microssistemas diferentes é muito mais caótico e muito menos produtivo do que um planeta com um único sistema económico. Um sistema económico único será bom para todos.

E.S.: Mais comida, mais água, mais habitação, mais tudo.

R.C.: Mais acesso aos recursos e a eliminação da pobreza. Permitam-me salientar que a erradicação da pobreza é uma das mudanças mais importantes que poderíamos fazer, porque a erradicação da pobreza no primeiro ano após a Descoberta poderia reduzir a criminalidade em 75%. E em 3-5 anos, a taxa de criminalidade diminuiria 90-95%. Sabe, a maioria das pessoas que cometem crimes vão até eles devido a necessidades económicas, necessidades básicas não satisfeitas.

Se as necessidades das pessoas forem satisfeitas, elas não precisam de se juntar a outros pequenos criminosos, envolver-se em actividades criminosas, na estrutura criminosa. Mais pessoas diriam: “Sabem que mais, eu não tenho de fazer isto. Não preciso de estar envolvido no vosso esquema, nas vossas actividades de gangsters, na vossa gangue. Sou perfeitamente capaz de tomar conta da minha mulher e dos meus filhos sem ela”. Compreende que a erradicação da pobreza e a erradicação da criminalidade andam de mãos dadas.

Quando se pode fazer estas duas coisas, a civilização de todo o planeta irá mudar. A pobreza causa 90% de todo o sofrimento, e se quisermos tirar a civilização da sua miséria, temos de eliminar a pobreza. Quando eliminamos a pobreza, começamos a livrar-nos do crime. Destruímos a consciência do sofrimento. Quando estas duas partes deixam de fazer parte da equação, então temos realmente a oportunidade de nos desenvolvermos emocionalmente, socialmente e espiritualmente.

E.S.: Randy, concordo plenamente com isso. Quando a Descoberta acontece, prevejo pessoalmente uma enorme mudança, embora no início tudo possa ser um pouco caótico. Mas gradualmente a situação será atenuada. Sabe, por vezes, fico esmagado pela dúvida. Afinal de contas, as pessoas já conheceram antes alienígenas que partilhavam tecnologia que só poderia beneficiar toda a gente após 100 anos.

R.C.: É isso mesmo.

E.S.: Acha que isto pode acontecer de novo? Quer dizer, sabe-se que a história se repete, certo?

R.K.: Como disse, confio nas pessoas que detêm as rédeas do poder. Não é o mesmo que costumava ser. Acredito que as pessoas que são responsáveis por tudo têm agora princípios éticos e morais muito melhores, preocupam-se com os impostos de cada pessoa, e não com as suas contas bancárias, como as pessoas responsáveis há 20 anos atrás fizeram.

E.S.: Acha que a Divulgação irá elevar a civilização… a consciência colectiva aqui no planeta? Aceitar-nos-emos mais um ao outro? Irá aproximar-nos?

R.K.: Bem, penso que é importante salientar aqui o seguinte: ambos acreditamos que a Descoberta irá acontecer imediatamente a seguir, chamamos-lhe conflito e/ou uma fase de destruição, não é verdade? Quando tudo isto tiver terminado, os programas de intercâmbio terão início. Não falo sobre isto muitas vezes, porque normalmente não pensamos que faça parte da conversa. Os programas de intercâmbio são o que vai mudar o mundo. O que são programas de intercâmbio? É quando os cientistas estrangeiros vêm até nós para partilhar informação.

Mas o mais importante, milhões de cidadãos da Terra serão escolhidos para viajar 4-5 anos para outros mundos para aprenderem sobre a sua cultura, a sua sociedade, a sua civilização, a sua tecnologia. Até obterão equivalentes de diplomas, escreverão livros, e depois voltarão. Quando os programas de troca começarem, o relógio começará a contar. Então, repito, após 4-5 anos, muitos cidadãos da Terra voltarão com milhões de histórias, milhões de estudos, milhões de livros sobre outros mundos.

Então… É impossível imaginar sequer o impacto desta informação. Atrever-me-ia a assumir que irá mudar a civilização, mudar os pontos de vista das maiores partes da civilização deste planeta de uma forma que nunca tinha feito antes. A escala do impacto é mesmo impossível de prever. Mas penso que no final, o resultado será, digamos, mais positivo do que negativo.

E.S.: Oh, maravilhoso. Obrigado, Randy. Tem sido muito interessante. Obrigado por participar no programa.

R.C.: Oh, foi um prazer. Muito obrigado por me terem convidado.

E.S.: Eu sou Emery Smith, este é o Revelação Cósmica.

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os autores não usam facebook, portanto se tiver alguma pergunta, coloque aqui no site, na secção dos comentários (não do facebook)
3. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

12 Comments

  1. Caríssimo, uma vez que os videos legendados que se podiam guardar, não mais estão sendo disponibilizados, pelos motivos já expostos, venho de novo sugerir que em substituição e compensação, o texto da legendagem pudesse sê-lo, p.ex. em formato pdf, uma vez que não é permitida a cópia, inibição com a qual concordo. É que, como aconteceu desde o princípio desta série, gostaria de ficar com essa informação, que considero importante e deveras pertinente, como acontece com o conteúdo deste episódio.
    Um BemHaja e até…

    1. cARO ÁLVARO
      foram agora disponibilizados o 3.º, 4.º e 5.º episódio para poder efetuar a cópia.
      Mais tarde (daqui a um mês) serão colocados os restantes 3 episódios desta temporada.
      cumprimentos,

  2. Boa noite Álvaro, existe uma solução bem simples para a tua questão: Atualmente todos os navegadores tem a opção de imprimir (Ctrl+P) em PDF, no Firefox usando a opção simplificar página fica perfeito, gera um arquivo bem formatado apenas com a entrevista, espero ter ajudado, grato.

  3. Caríssimo Aniron, grato pela informação mas sem legendagem não adianta para mim que não me entendo com o inglês falado, só escrito. E quanto à sugestão que apresento admito que isso seria um acréscimo ao seu trabalho já de si sobrecarregado ao contrário dos videos que eram serviço externo. E como a cópia do conteúdo está desactivada resta a solução apresentada pelo comentador Rogério, que desconhecia e que serve na perfeição, pelo menos para mim.
    Saudações e até…

  4. Caríssimo Rogério, grato pela dica que desconhecia e, conforme disse na resposta ao administrador, serve na perfeição para mim, pois continuo a guardar os episódios, só que desse jeito. A oportuna ideia que o administrador teve em postar o conteúdo em texto está se revelando agora importante e eu nem lhe estava a ligar bastando-me os videos. E pelos vistos essa alternativa irá continuar a ter relevância pois se antevêm dificuldade em conseguir a legendagem.
    Saudações.

  5. Seria muito bom que o texto pudesse ser colado e copiado sem problemas, ainda mais pra pessoas como eu, que gostam de imprimir e manter as temporadas encadernadas! Eu atualmente salvo cada texto em PDF, depois uso aplicativos online que juntam os vários PDFs da temporada em um só arquivo PDF, a fim de facilitar a edição. Após ter tudo em um unico PDF eu uso sites como “PDF to DOC” para transformar em arquivos do Office.
    Só depois, enquanto leio, vou editando, corrigindo as palavras que foram interpretadas erradas pelas transformações, e tirando os links para outras reportagens, que por conter gravuras, ocupam quadrados grandes bem no meio do texto.
    Isso tudo dá muito trabalho pra fazer, perco mais de uma hora por temporada apenas para conseguir este arquivo Doc, cheio de correções a fazer.
    Acho que se o site nos permitir salvar com copiar e colar facilitaria muito pra todos que fazem como eu. Devemos ter em consideração que salvar o texto é importante, tendo em vista o risco sempre presente, de que sites deste tipo possam ser colocados fora do ar a qualquer momento, nos deixando órfãos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.