Chaves da Vida

SEJA – Chaves da Vida (1.ª parte do livro)

Partilhar no Facebook

Vamos disponibilizar a tradução do livro “IT BE – Keys of Life” em 6 partes, há muito tempo aguardado.

Esta tradução foi feita por 6 voluntários para o português do Brasil (se detetar algum erro, faça um comentário aqui no site), sendo que entre () poderão ser usados alguns termos em português de Portugal.

No final, será disponibilizado o livro em .pdf em português

Se desejar o .pdf em inglês baixe aqui:
https://drive.google.com/open?id=1J_nD6eW2nxMnVIlf129o1C9jJu3BX70b

Segue a primeira parte

PREFÁCIO

Os insights apresentados não são percepções no sentido científico.

Portanto, houve a decisão de não incluir referências. É o resultado de observações e percepções pessoais que ajudaram a esclarecer a imagem apresentada. Muitas informações estão disponíveis, foram coletadas da internet e ampliadas por experiências pessoais. Esta é a tentativa de conectar toda esta informação a um cenário.

Além disso, não há pretensão de completude porque a vida parece ser um assunto muito fluido e mutável.

A jornada para essas descobertas contém observações do mundo externo, mas é também a exploração do mundo interior. É a busca de respostas para a experiência mágica da vida até agora.

“Eu amo a humanidade”

“Eu amo todas as crianças – cuidem delas”

“Estou confiante de que a humanidade é capaz de acessar a realeza que eu experimentei com o contato”

EM BUSCA DO PRÓPRIO EU

Certamente não há ninguém que ocasionalmente não esteja procurando pelo seu Eu. Não é a espiada na foto, não é a foto instantânea, não é o significado do corpo que é encontrado no dia a dia. Não é um ou outro papel que é desempenhado nas várias situações da vida. O papel da filha, da mãe, do chefe, do médico, do juiz, do professor ou do aluno. Esses papéis são adotados ao longo das melhores práticas de uma região, um país ou continente e essas idéias, experiências e soluções aceitas são incorporadas como cultura. Deste modo, papéis que podem funcionar de forma diferente de acordo com a região. No entanto, estas são apenas facetas do Eu que são estendidos pela rede familiar e muitos outros recursos como sexo, idade ou status social. E no curso de uma vida, as circunstâncias e o Eu também mudam. É uma dinâmica de circunstâncias externas e internas que tornam a autopercepção muito complicada.

Mas parece estar tão perto. Todos estão de alguma forma bem no meio dela, mas está tão distante e intocável ao mesmo tempo. É uma jornada que é tomada de forma muito individual. Uma jornada que inventa a vida do Eu.

E há uma sensação de que a autodescoberta é um propósito de vida, um sopro de um propósito de vida desconhecido.

Porque na percepção de que deve haver um Eu, mesmo que pareça ser incrivelmente complexo, contém uma magia que é a força motriz da vida.

É algo onde nada poderia ser. Nada além de espaço vazio, ou nem isso.

Seria mais sensato que não houvesse simplismente nada. Isso faria muito mais sentido do que ter que lidar com se há um começo ou um fim, e o que existia antes do começo? E quem ou o que causou um começo?

Mas há algo. Para ler isso mais que nada. Está lá e é percebido por algo, através dos olhos ou ouvidos dentro do eu próprio. Agora mesmo.

Essa percepção desmente que não há nada simples. E esse fato leva à questão do começo, a razão e o papel do Eu nele.

E obviamente o Eu pode perceber. Então, há um Eu percebedor que reside em nós, que nos faz e ainda é tão intocável que mesmo os mais velhos não são capazes de explicá-lo com toda a sua experiência de vida.

Portanto, existem abordagens de explicações. Religiões e ciência são dois exemplos. Em torno dele foram formadas estruturas sociais, política, países, superestruturas, tudo em busca do Eu percebedor e a razão da existência.

Dependendo da cultura, as abordagens são múltiplas e, ainda assim, nenhuma abordagem pode fornecer uma prova tangível.

Na percepção da existência, a religião conclui um ato de criação. E em busca dos componentes da existência a ciência está em seu caminho de ter algo tangível em suas mãos com diferentes disciplinas. Mas mesmo os experimentos mais caros fornecem no máximo uma prova das teorias.

Independentemente da oferta de respostas, se confirmada por crenças confirmadas por um salvador ou expresso por teorias científicas. A uma certa profundidade não há nenhum traço de uma idéia e, finalmente, todos os conceitos correm em um beco sem saída – não importa quão precisos e racionais eles sejam.

Depois, há a questão do limite do Eu. Para onde alcança? É o corpo, que marca a fronteira? Está se expandindo com o corpo, começando com o derretimento de um espermatozóide com o ovo? E quando as células do corpo se renovam, o Eu é transferido a cada vez para a forma atual? O cérebro é suficiente para formar um Eu totalmente percebedor? Ou o Eu usa o cérebro e o corpo para navegar no tempo e espaço?

Quando um corpo produz esse Eu completamente, o que é então esse corpo, que criou a existência perceptiva?

E porque a realidade de uma pessoa difere da realidade de outra, o que é a realidade da causa, a fonte da existência? E como e porque o Eu está entrelaçado com isso?

A Escada de Cristal ~ Comando Ashtar (1.ª parte do livro)

O EU PRÓPRIO COMO COMPOSIÇÃO

A questão do Eu percebedor abre um campo de suposições que resulta em uma imagem da existência. É uma ideia de conexões que deve sempre ser avaliado por si mesmo. Parece até ser responsabilidade de cada Eu avaliar o conteúdo das ideias aqui apresentadas individualmente, bem como todos os outros conceitos. Por que mais haveria essa variedade inesgotável de Eu’s, em constante expansão?

Atualmente, a expansão para os sistemas de crenças pessoais é definida como o limite, que declara este planeta Terra como o campo de jogo. Mas muitas pessoas já expandem esse limite para formas de vida fora deste reino. As religiões ocidentais expandem pelo menos a um Criador e em outros conceitos religiosos, existem até vários. Mitos e fábulas relatam sobre outras figuras e nos tempos modernos, muitas pessoas relatam mais e mais sobre contatos com pessoas e outras formas de vida que não são originados na Terra. Mas o que todos têm em comum é que eles são pelo menos um Eu.

O Eu consiste de um corpo humano que está ligado ao tempo e ao espaço. Este corpo é como um instrumento, uma composição de capacidades biológicas, emocionais e mentais. É um veículo de consciência que é equipado com uma inteligência para manter suas funções.

Além disso, o Eu contém uma entidade consciente que anima o corpo humano. A conexão entre o corpo humano e a consciência é feita no momento anterior ou pelo menos durante o nascimento. Desde o dia desta conexão nos estados de consciência, cuidadosamente continua a se adaptar ao corpo humano e a navegar dentro do corpo tridimensional, e de cinco sentidos sensoriais no tempo e no espaço.

A consciência, ou seja, a auto-percepção do Eu, que também é chamada de alma noutro lugar é tempo e sem forma, mas ainda navega dentro dos universos de tempo e espaço. Nasce na fonte de inteligência cósmica, além do tempo e espaço e flui como uma partícula brilhante no desenvolvimento da separação de uma consciência individual, sempre sob a custódia da inteligência cósmica. É a maior forma de consciência, que é capaz de se ligar às formas, observar experiências e sintetizar percepções. Seu propósito é a individualização, senão todo o cosmos e seus muitos campos de frequências só poderiam ser vistos da perspectiva do Criador e através da lente da inteligência cósmica. Então é por definição sujeita a uma perspectiva unidimensional e, portanto, uma exploração incompleta. O Criador decretou a existência destas perspectivas antes da criação do cosmos, se lançou na forma de partículas luminosas, e delimitou essas partículas para experimentar a separação.

As primeiras criações foram corpos luminosos leves e sem estrutura. Sua densidade foi apenas o suficiente para experimentar separação e não ser influenciada pela consciência dominante do Criador. Em sua manifestação existente, esses corpos não foram capazes de explorar as áreas onde a vibração é desacelerada e desacelera o tempo. Eles reconheceram esse fato como uma tarefa e começaram o desenvolvimento de corpos genéticos capazes de explorar estas regiões remotas do cosmos e aprender com isso. O Criador foi de fato capaz de perceber essas áreas remotas, mas não foi possível explorar essas áreas de uma perspectiva individual. Os corpos luminosos leves imaginaram e também desenvolveram o corpo humano em todas as suas variações, como ocorre em todo o cosmos.

São essas partículas luminosas em sua existência sem forma, a consciência do eu, que pode se expressar através do veículo do corpo humano e tornar-se sujeito a percepções de uma realidade de mudança permanente. O corpo humano contém DNA (ADN) para programar a forma humana e permitir a fusão com uma consciência. Pela genética, uma consciência pode, portanto, se ligar a um corpo e solidificar na fusão com o corpo humano uma matriz de características de vida dentro do DNA (ADN) que levam a experiências de vida predeterminadas e etapas fatais da vida com a finalidade de adquirir experiência. Essa fusão não é nem opressiva nem assustadora. É simplesmente a construção para experimentar a independência.

A composição do Eu é comparável a um concerto de piano. O piano é o corpo, quem o toca é a consciência e a música é a percepção da vida. Antes do concerto a consciência afina as cordas, especifica o número de teclas, define a altura do assento, e determina a localização e, finalmente, a composição a ser tocada. E dependendo do nível de habilidades e do desejo de experimentar, o assento pode ser muito alto, ou algumas das teclas pretas estão faltando, ou algumas cordas estão fora de sintonia dependendo do desejo das experiências a realizar.

Mesmo que a criação do corpo humano soe como um conto de fadas, o DNA pode fornecer a capacidade de se fundir com uma consciência junto ao seu notável poder de formar um corpo físico abrir pelo menos algumas perguntas sobre o conceito de um desenvolvimento evolutivo pesado. Sugere o envolvimento de um poder construtivo e inteligente, que vai muito além da atual possibilidades técnicas na Terra.

Já que os genes são mais propensos a manter uma estrutura bem estabelecida estável através do árduo caminho da evolução, e a capacidade altamente complexa e completa de ligação com a consciência, seria um grau extraordinário de coincidência de mutações, qualquer conceitos alternativos e conclusões não devem ser completamente desconsiderados. Os cientistas compreenderam a evolução do humano em uma escala que pode ser vista como um divisor de madeira em uma floresta densa de tempo e espaço. A evolução dos humanos nesta floresta é um processo altamente comprimido, de inúmeras adaptações e extensões que desenvolveu a mente genética da espécie harmoniosamente de acordo com o Criador. Mesmo quando parece que é uma coleção aleatória de passos em falso e a sobrevivência do mais apto, a mente genética da raça dos anciãos, que está envolvida no desenvolvimento das espécies jovens na Terra, trabalha com precisão por um longo período de tempo que excede toda a imaginação. O caminho para o futuro desta espécie procede de acordo com um modelo que é profundamente entrelaçado na mente genética. Quando o nível do estado é compreendido, a espécie desperta para novos horizontes e, uma vez chegada, desenvolve sua verdadeira natureza e seu propósito individual.

Das espécies agora de volta ao Eu. Através da ocupação inicial de um corpo, a consciência é diretamente limitada em um espectro físico, emocional e mental de percepção e, assim, também em sua expressão.

Para ficar com o exemplo do piano. O concerto é para ser desenvolvido para estender a experiência do piano dado com todas as suas propriedades e falhas existentes.

Toda consciência está no momento da fusão em um estágio único de sua experiência. Esforça-se pela completude e união com tudo o que pode ser alcançado somente quando a consciência está fora do tempo e percebe sua própria existência na intemporalidade.

Assim, é a consciência que é como um componente do Eu motor, que procura a compreensão mais profunda da existência.

Neste caso, a consciência é uma inteligência com a habilidade de autopercepção. E inteligência é o processamento de informações através da compreensão. No contexto do Eu limitado, a inteligência é o processamento de informações que podem ser recebidas através dos cinco sentidos.

A inteligência, por sua vez, processa informações na realidade do Eu, reconhece contradições racionais, objetivos gerados a partir dos problemas racionais identificados, mas também por necessidades físicas e coordena ações para alcançar os objetivos ao longo do tempo. Estes objetivos podem ser bastante conflitantes e formarão parte do drama humano.

A consciência se limita a se fundir com o corpo humano à sua vontade, para experimentar a separação da consciência cósmica. Nesse estado de separação, a consciência limita-se a ganhar novas experiências e a obter uma compreensão mais profunda da razão de ser, do projeto subjacente e da grande visão da existência.

Através deste processo intencional de fusão com um corpo humano e obtendo uma compreensão mais profunda, a mente pode se transformar em um componente integrado consciente do cosmos. Torna-se possível porque a consciência pode coletar, armazenar e redirecionar o propósito do uso de energias através de sistemas de crenças usando o corpo humano.

A Lei do Uno – os 5 livros e o resumo

Através da consciência, a propulsão para atentar para uma conexão divina e experimentar uma conexão com o Criador é gerada dentro do corpo humano porque, apesar da limitação e redução dentro de um corpo, há um laço cósmico perceptível, embora muitas vezes muito fraco. Quando o Eu se torna consciente de sua força criativa para converter energia de suposições e sugestões através de sistemas de crenças existentes, ela desperta. Quando essa conversão de energia leva a um modo de vida que segue suavemente a existência da grande visão, ela se torna o portador da realidade da consciência cósmica e o arquiteto de um novo princípio de existência.

Na combinação de corpo e consciência, o Eu explora princípios da evolução na Terra e espera encontrar o conhecimento da existência por um salvador.

O alinhamento de um eu com as circunstâncias externas e o desejo assegura, de fato, a existência física e o esforço para o bem-estar físico e a integridade, mas também é a fonte do drama humano, dos mal-entendidos e falibilidades. E a expectativa de obter uma salvação confortavelmente entregue de outra pessoa, de um salvador está, de fato, enraizada no mito antigo, mas não leva o ego à experiência esperada. Seria como se uma receita fosse colocada ao lado dos ingredientes, na expectativa de que a comida tão prestigiosa se cozinhasse sozinha.

O Objetivo da consciência e, portanto, também a razão para mergulhar através de uma realidade física em um corpo é fazer uma experiência especial. Uma experiência que vai muito além do que um líder espiritual chamaria de iluminação ou ascensão. É a experiência da transformação de uma consciência separada para a consciência da totalidade. Para consegui-lo, a ativação dos códigos-fonte da consciência que permitem essa transformação são necessários.

O código-fonte não é o DNA, porque o código-fonte é parte da consciência, ele programa a matriz de DNA do corpo no momento da fusão para reunir informações específicas antes da mesclagem (mistura) especificada de experiências, entre outras coisas. E o DNA (ADN) é o manifesto da instrução de execução interativa para um corpo físico e sua existência limitada no tempo e no espaço. Assim, o próprio corpo humano não pode executar a ativação do código fonte, é possível através da consciência. Apenas lá, onde o código-fonte está localizado.

Uma experiência transformadora em direção à totalidade não pode ser alcançada por uma vida dirigida para o exterior. A ligação aos externos, aos objetos de desejo ou influência através do poder e do controle impede um alinhamento do eu pelas tentações externas. Isso especialmente porque uma separação de fatores externos é avaliada com a contribuição de energia que está sendo consumida. Dá a impressão de perder alguma coisa e desistir do que já foi uma amada necessidade, um desejo e onde a energia foi investida. Isso leva a uma conexão, cuja separação seria um grande esforço. Neutralmente, a obtenção e separação das coisas desejadas é também uma experiência importante que leva à totalidade.

A verdadeira história do planeta Terra

Além disso, quase todas as estruturas sociais da Terra promovem a orientação para o externo. Para um melhor status, o melhor carro, os salários mais altos e um posto mais alto. Essa é a mecânica da sobrevivência de uma estrutura que depende da orientação de um Eu nas coisas externas. Assim, a visão dos olhos para o mundo é sedutora e fácil, e encoraja a estrutura. A visão para o interior parece ser sem forma e até inexistente. Pelo menos à primeira vista. E aprender a perceber o interior não é suportado pela estrutura.

Também uma vida ao longo de um sistema de crenças que consiste apenas em suposições e sugestões de uma evolução e libertação através de um salvador, não pode criar essa experiência específica, mas é também uma importante contribuição para a experiência da totalidade.

É relativamente fácil reconhecer a consciência de um Eu. Olhe para as mãos, movendo a visão para cima, para o ombro, para cima e depois mentalmente para cima, até a cabeça e perguntando a si mesmo, por que estou fazendo isso? Por que eu quero identificar o eu? Essas questões já estão chegando ao interior do eu. E se o externo não incomoda mais a consciência – com os olhos fechados, por exemplo – quando se joga a imaginação, fantasia e afetações pessoais, essa é a contribuição interna da consciência para o concerto da vida do “eu”. Lá o interior é experimentar e somente aí a experiência transformadora da totalidade pode ser percebida na atemporalidade. É tão direto e esta permanentemente disponível, porque faz parte do eu.

Os sinais desses personagens chegam à mente do corpo através dos olhos ou ouvidos e são processados com base no contexto local de um conhecimento da língua. Eles ficam enriquecidos com impressões para entender exatamente isso aqui no agora. Essa composição enriquecida é o sentido descodificado dessa sentença que é sintetizada e será transmitida para o local mais alto e frequente em que a consciência esta localizada neste momento específico. Essa é a conexão com a consciência imortal atemporal do eu.

Para entender melhor o eu, é útil observar o eu. Antes da fusão, a consciência esclareceu as circunstâncias do que deveria ser experimentado através do corpo. Antes da fusão, ele modulava o DNA por meio de seu código-fonte e codifica talentos e preferências nele. Juntamente com a observação de como posicionar nas situações da vida, essas são as boas dicas, mesmo quando são adquiridas e condicionadas nesta vida no ambiente da Terra no tempo e no espaço.

Encontrar o sentido mais profundo da existência e elevar-se à totalidade é a experiência transformadora à qual a consciência se esforça. E isto, porque a consciência é realmente emergida dessa totalidade a partir de uma inteligência inesgotável, imortal, igual e da mesma coisa de totalidade que é conhecida como a fonte de toda a criação. Uma vez nascida dessa fonte, a consciência nunca pode morrer. Também não é possível recusar ou retirar-se da frequência mais alta que é a identidade central da consciência. No fundo deste conhecimento esta disponível e, pelo menos, resta apenas a questão da razão da individualização.

Esta primeira parte foi traduzida por Juliana Oliveira

Aqui tem a 2.ª parte do livro:

SEJA – Chaves da Vida (2.ª parte do livro)

Partilhar no Facebook

2 Comments on “SEJA – Chaves da Vida (1.ª parte do livro)

  1. Tenho de partilhar aqui algo: não sei se foi apenas um sonho mas hoje tive um sonho interessante. Estava como que assistir a um aperto de mão entre um humano (isto no espaço) e um amigo e.t. a seguir como que vendo um vídeo n YouTube há uma mensagem a dizer que vamos ganhar a batalha e no final uma voz feminina a medida que apareciam símbolos, referia numa linguagem estranha mas linda o nome de todos aqueles que ajudaram na batalha. Foi muito estranho mas acordei c sensação de que era uma mensagem real e não sonho

  2. Ja ouviu falar dos “,drops” do @qanon? Já li alguns e acho que sobre o Papa há ainda dúvidas embora muitos o designem como maléfico e parte integrante do deepstate. Descobri um perfil Twitter muito interessante ” I AM” que analisa todos os drops do Anon. Achei muito interessante

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.