Patrick Slattery

Patrick Slattery ~ Trump vence todos os rivais Republicanos

Partilhar:

Nota: por opção nossa, adicionámos alguns links além daqueles que constam originalmente no artigo por forma a contextualizar a informação.

Que raio se está a passar aqui, afinal? Trump a vencer todos os seus rivais do Partido Republicano.

Este site, oevento.pt limita-se a fazer a tradução dos artigos. A escolha desta e de outras matérias servem o propósito de levar ao leitor mais informação sobre os assuntos da atualidade. Use o seu discernimento, visto que algumas vezes as informações podem ser conflitantes com outras narrativas.

23 de janeiro de 2024

Caros leitores,

Esta é a segunda parte do que poderá vir a ser uma coluna semanal chamada “Que raio se passa aqui, afinal?” ou talvez “Que raio está a acontecer?”, dependendo da opinião editorial.

A nossa principal notícia da semana: Trump a vencer todos os seus rivais do Partido Republicano.

Sei que este é um tema sobre o qual praticamente qualquer pessoa pode falar, por isso vou tentar evitar ser demasiado pedestre, o que quer que isso signifique, e tentar concentrar-me nas implicações gerais. Na segunda-feira, 15 de janeiro, realizaram-se as Caucuses (n.t.: convenção de partidos) do Iowa e Trump recebeu mais votos do que todos os seus rivais republicanos juntos. A sua margem de vitória estabeleceu um novo recorde. Dois dos seus três restantes rivais de relevo, o empresário Vivek Ramaswamy e o governador da Florida Ron DeSantis, suspenderam as suas campanhas e apoiaram Trump, ao mesmo tempo que criticaram a sua rival restante, a ex-governadora da Carolina do Sul Nikki Haley, como uma ferramenta do establishment. Hoje são as primárias de New Hampshire. Haley tem sido beneficiária de um financiamento maciço do establishment republicano, e tem-no investido em publicidade paga em New Hampshire. Haley teve o que pode parecer um resultado respeitável, com mais de 40% dos votos, e nesta altura diz que vai continuar a sua campanha, mas não há um caminho realista para ela derrotar eleitoralmente Trump.

https://www.wsj.com/politics/elections/iowa-caucus-aftermath-trump-desantis-9a76f6ca

Digo isto como um eterno aficionado das eleições presidenciais. Só para vos manter, meus caros leitores, um passo à frente, as próximas eleições serão no Nevada. Devido a uma luta entre as forças pró-Trump e anti-Trump, o Nevada vai realizar tanto umas primárias (a 6 de fevereiro) como um caucus (a 8 de fevereiro). As primárias são obrigatórias por uma nova lei estadual, mas o caucus decidirá os delegados. Os candidatos tiveram de decidir entre ter o seu nome no boletim de voto das primárias ou no boletim de voto do caucus. Haley escolheu as primárias e Trump escolheu as caucus. Por isso, Trump ganhará a caucus e todos os delegados. Haley provavelmente ganhará as primárias, mas o Nevada permite que os eleitores seleccionem “nenhuma das opções anteriores”, por isso, quem sabe? A próxima disputa republicana depois disso serão as primárias da Carolina do Sul, em 24 de fevereiro (os democratas do estado realizam suas primárias em 3 de fevereiro). Embora Haley tenha sido governadora, as autoridades eleitas do estado apoiaram Trump de forma esmagadora, pelo que Haley será provavelmente derrotada nas urnas. Além disso, ao contrário de New Hampshire, a Carolina do Sul só permite que os republicanos votem nas primárias republicanas. A única questão é saber durante quanto tempo os doadores estarão dispostos a financiar uma campanha Quixotesca de Haley como uma espécie de Plano B para Trump.

Uma palavra sobre Haley antes de continuarmos. Ela tem um historial de homens que afirmam ter tido casos com ela. (SC Gov. Nikki Haley Named As Other Woman In Divorce Case | Crooks and Liars https://crooksandliars.com/susie-madrak/sc-gov-nikki-haley-named-other-woman-). Claro que já ninguém se interessa por estas coisas… Haley, já agora, pouco difere de Biden em termos de imigração, anti-branquismo e várias questões sociais, e é ainda mais beligerante e guerreira na sua política externa.

As forças anti-Trump vão continuar a fazer as suas brincadeiras e manobras contra o antigo presidente, mas é provável que esses esforços continuem a ser ineficazes, pelo menos no que diz respeito a privá-lo da nomeação Republicana. Levá-lo a tribunal deu um novo significado à expressão “acusações de Trump” e só fez aumentar a sua popularidade. Mantê-lo fora de algumas eleições primárias, por si só, não vai fazer nada para parar o comboio de Trump que se dirige para a convenção republicana este verão. Mesmo mantê-lo fora dos boletins de voto para as eleições gerais pode sair-lhes o tiro pela culatra, uma vez que exala injustiça e desespero, e há formas de o contornar recorrendo a candidatos por procuração e ao colégio eleitoral. Haverá, sem dúvida, um esforço para utilizar a fraude eleitoral maciça nas eleições gerais de novembro para roubar as eleições, o que funcionou em 2020. Poderá funcionar em 2024, mas o facto de muitos dos seus métodos serem agora bem conhecidos deverá torná-lo, pelo menos, um pouco mais difícil.

https://foreignpolicy.com/2024/01/31/europe-trump-second-term-russia-ukraine-biden-military-aid/

O que é que significaria uma segunda administração Trump? Esta é uma questão muito em aberto. Trump fala em público durante horas e horas todas as semanas nos seus comícios de campanha, mas mesmo que sintamos que compreendemos as suas palavras, elas não nos permitem prever as suas acções futuras. Trump fala de forma muito pouco clara. Deixa propositadamente muito à imaginação, na esperança de que os seus ouvintes imaginem as coisas de uma forma positiva. Um bom exemplo disto é a sua afirmação, muitas vezes repetida, de que a guerra da Ucrânia nunca teria acontecido se ele fosse presidente. Normalmente não explica porquê. Quando o oiço dizer isso, imagino que ele quer dizer que Victoria Nuland (que ele despediu no dia da tomada de posse) não teria sido autorizada a voltar ao Departamento de Estado para implementar o seu plano para derrubar Putin. Imagino que ele queira dizer que nunca teria provocado Putin ao ponto de Putin se sentir compelido a invadir a Ucrânia. Afinal de contas, votei em Trump em 2016 porque ele disse que achava que se podia dar bem com Putin. Mas o típico apoiante de Trump provavelmente imagina que Putin teme a força de Trump e a sua vontade de libertar o poderio militar dos Estados Unidos para colocar Putin no seu lugar.

Ainda assim, Trump disse algumas coisas interessantes em comícios recentes. Por exemplo, disse que não haveria moeda digital de um banco central sob a sua administração. Disse que iria recusar financiamento federal às escolas que implementassem máscaras ou vacinas obrigatórias. Fala abertamente sobre a discriminação contra os brancos. Diz que a única forma de evitar a Terceira Guerra Mundial é elegê-lo. Compromete-se a terminar o muro e a deportar os estrangeiros ilegais. Todas estas são posições que a sua base quer ouvir, com a possível exceção da Terceira Guerra Mundial, sobre a qual os americanos em geral são bastante ambivalentes. Os americanos passaram a acreditar que a guerra é apenas algo que se vê na televisão, como o futebol. É certo que as pessoas se magoam e morrem na guerra, mas também se magoam e morrem a jogar futebol, especialmente depois das vacinas. Ainda assim, é bom que ele esteja a falar sobre estas questões. Em geral, ele é uma boa influência para as pessoas. Além disso, é engraçado. É claro que tem um historial de falta de vontade e/ou incapacidade de seguir as suas posições de campanha.

Entretanto, a posição americana no sistema internacional está a deteriorar-se rapidamente. Há notícias vindas da Ucrânia de que o Presidente Zelensky demitiu ou está prestes a demitir o seu principal comandante militar, o General Zaluzhny. Zaluzhny declarou recentemente que Zelensky enfrentaria consequências se fosse demitido, e Zaluzhny aparentemente tem o apoio dos militares. Zaluzhny terá sido substituído por Kyrylo Budanov, de 38 anos, chefe dos serviços secretos militares da Ucrânia. Budanov nunca comandou tropas em combate, sendo antes um oficial de operações especiais. Embora Zaluzhny tenha discutido com Zelensky sobre a vontade do presidente de lutar até ao último ucraniano e tenha preferido uma estratégia mais defensiva, não deixa de estar profundamente empenhado na proposta irrealista de que a Ucrânia poderia enfrentar militarmente a Rússia. No entanto, Budanov é completamente delirante, insistindo que Putin está a morrer de cancro e que a vitória está mesmo ao virar da esquina. O seu ganha-pão tem sido as operações secretas, o que torna ainda mais possível qualquer tipo de operação de bandeira falsa, como um ataque a uma central nuclear que poderia ser atribuído à Rússia e justificar a mudança do governo para oeste, para Lvov, a fim de evitar a capitulação e adiar o inevitável. (Ukraine: Zelensky may soon oust military chief Zaluzhny – Asia Times https://asiatimes.com/2024/01/ukraine-zelensky-may-soon-oust-military-chief-zaluzhny/). Mas Zelensky está a ser atacado por outros rivais, incluindo o antigo Presidente e oligarca de chocolate Petro Poroshenko, o Presidente da Câmara de Kiev e antigo campeão de boxe de pesos pesados Vitali Klitschko, e a antiga Primeira-Ministra e gostosa Yulia Tymoshenko. É difícil pensar que os dias de Zelensky não estejam contados.

https://www.zerohedge.com/news/2024-01-31/ukraine-war-hawks-get-reckless-desperation-sets

Em Israel, a situação do Primeiro-Ministro Netanyahu também se está a deteriorar. Um ministro do gabinete de guerra de Israel, Gadi Eisenkot, afirma que o objetivo declarado de eliminar o Hamas não é realista.

(US Intelligence Says Israel Nowhere Close to Its Goal of Eliminating Hamas – News From Antiwar.com https://news.antiwar.com/2024/01/21/us-intelligence-says-israel-nowhere-close-to-its-goal-of-eliminating-hamas/). Eisenkot é um general cujo filho morreu nos combates em Gaza. Agora, familiares de prisioneiros judeus detidos em Gaza interromperam os trabalhos da Knesset (n.t.: Knesset é a assembleia legislativa unicameral de Israel), exigindo que os seus entes queridos sejam trazidos de volta. No mês passado, durante um cessar-fogo, foram libertadas dezenas de prisioneiros, mas nenhum foi solto e muitos foram mortos durante os bombardeamentos e das operações militares. É evidente que a libertação dos prisioneiros não é uma prioridade para Netanyahu e, de facto, há amplas provas de que, em 7 de outubro, os militares israelitas mataram talvez centenas de israelitas para evitar que fossem levados em cativeiro. Israel tem um historial de libertar prisioneiros palestinianos às dezenas ou mesmo às centenas para garantir um único prisioneiro judeu, o que resulta do facto de a opinião pública ter forçado o governo a agir. Netanyahu teria maior liberdade de ação se todos os prisioneiros estivessem mortos. Netanyahu pode assim desviar-se de Gaza e dirigir-se ao Hezbollah. Boa sorte com isso. O Iémen, dominado pelos Houthi, já declarou guerra a Israel e está a bloquear a entrada de navios com destino a Israel no Mar Vermelho. Uma guerra com o Líbano, dominado pelo Hezbollah, faria com que a derrota de 2006 para a milícia parecesse um passeio no parque. Desde então, muita coisa mudou.

Patrick Slattery ~ Geopolítica: Que raio se está a passar no mundo?

Em 2006, os Estados Unidos eram reconhecidos como a única superpotência do mundo e tinham um grande exército estacionado nas proximidades, no Iraque. O apoio público a Israel nos Estados Unidos era elevado. Em 2024, pelo contrário, os Estados Unidos estão cada vez mais isolados, enquanto o sistema internacional se reorganiza em torno da Rússia e da China. A elite política americana ainda está do lado de Israel, mas há grandes manifestações anti-Israel nas cidades e nos campus universitários, numa base contínua. E a oposição a Israel está a vir precisamente dos eleitores/manifestantes de que Biden precisa para roubar mais uma eleição.

O que é notável é o contraste entre as posições políticas dos líderes dos países ocidentais, por um lado, e o alinhamento recentemente emergente centrado nos BRICS, por outro. Enquanto Putin e Xi Jinping usufruem do apoio popular e estão completamente seguros nas suas posições, é duvidoso que Biden, Netanyahu, Zelensky, o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak ou o chanceler alemão Olaf Scholtz sobrevivam sequer ao ano. Além disso, com a possível exceção de Biden, não parece haver muitas hipóteses de qualquer um deles ser substituído por um novo líder que possa mudar de direção. E não se enganem, o rumo que o Ocidente está a tomar é o do declínio, da desindustrialização, da substituição populacional pela vaga maciça de imigrantes, e da degeneração.

E isso leva-me à última história desta semana. Elon Musk, o homem mais rico do mundo, participou num ritual humilhante no campo de Auschwitz, na Polónia. Para piorar a situação, fez a viagem com o comentador “conservador” Ben Shapiro. Para os meus leitores que não sabem quem é Ben Shapiro, invejo-vos. Shapiro é um pequeno idiota que usa yarmulke (n.t.: yarmulke ou quipá é a touca tradicional usada pelos judeus como sinal de temor a deus) e parece um adolescente, apesar de ter acabado de fazer 40 anos. Há mais de uma década que é promovido pelo sistema mediático sionista como a nova voz da direita. Ele orienta os ouvintes do seu enorme podcast no que só pode ser chamado de direção kosher (n.t.: tal como produtos kosher, são todos aqueles que obedecem à lei judaica), enfatizando objectivos como a proibição do aborto e criticando a fraqueza da esquerda, ao mesmo tempo que retira a ênfase de questões potencialmente raciais como a imigração de substituição. Ele afirmou que “a raça não importa, a ideologia sim”, o que significa que não há problema se metade da América Latina se mudar para os Estados Unidos, desde que votem nos Republicanos. Se o homem mais rico do mundo se submete voluntariamente à humilhação pública de um ativista judeu raivoso que apoia a transformação de Gaza num parque de estacionamento, devido ao facto de Musk ter retuitado pessoas que apontavam exemplos do poder judaico, o que é que isso nos diz sobre a verdadeira estrutura de poder nos Estados Unidos?

https://www.theguardian.com/technology/2024/jan/22/elon-musk-visits-auschwitz-antisemitism-twitter-x

Com os melhores cumprimentos,
Patrick Slattery

Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos. Este site publica artigos próprios e de outros informantes em que se limita a publicá-los: quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

3 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments