revelação cósmica temporada 06

S06E03 Viagem a Vénus, Marte e Júpiter

Partilhar no Facebook

Os Anshar (humanos que habitam o interior da Terra) convidam Corey Goode para uma visita pelo Sistema Solar. Em primeiro lugar, visitam os Sentinelas Antigos em Vénus. Depois passam por Marte onde Corey recebe memórias do que sucedeu neste planeta (já foi um planeta habitado à superfície, mas foi destruído; atualmente é habitado abaixo da superfície). Também passam por Júpiter.

Este é um episódio repostado com informações valiosas para quem busca informação.

S06E03 Encontros com os Sentinelas Antigos (Revelação Cósmica ~ Corey Goode)
S06E03 Encounters with Ancient Sentinels (Cosmic Disclosure)

Assista ao episódio clicando no link abaixo, usando o browser chrome (watch the episode by clicking on the link below, using the chrome browser):
https://drive.google.com/open?id=1_OKR-ZHDk9x_m83yNTJq6RNASrr2Slji

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário para indicarmos outro link.

Episódio com legendas em português do Brasil (para quem não deseja assistir ao vídeo):

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO COM COREY GOODE E DAVID WILCOCK

Este episódio é a continuação do episódio anterior:

S06E02 O critério para a Ascensão: basta 51% de serviço a outrem

Sou o seu apresentador, David Wilcock. Estamos aqui com Corey Goode. Corey, bem-vindo de volta ao programa. O que acontece em seguida na nossa grande história?

Em seguida, finalmente pude repetir a minha viagem a Vênus, a mesma que tinha feita antes, mas que não conseguimos concluir porque havia algum tipo de conflito de programação com outro grupo que estava visitando Vênus.

Além disso, você também teve um tipo de confronto, certo? Havia naves orbitando Vênus. Tenho a impressão de que elas não queriam que vocês se aproximassem, foi quase um impasse militar ou algo do tipo.

Uma delas estava nos bloqueando, mas suponho que houve comunicação entre a Kaaree e as naves. Ela ficou sentada, em silêncio, e depois me disse que teríamos que retornar.

Então, você mencionou na sua atualização de 3 de agosto de 2016 que lhe pediram que você se preparasse, mas isso foi meio que uma forma de prepará-lo.

Certo.

Então, como você se preparou para isso?

Esforcei-me para meditar e entrar no estado mental certo, pois o Gonzales havia sido mandado embora.

A Kaaree forneceu-lhe alguma instrução específica sobre como preparar-se para essa viagem?

Não, ela só me pediu que me preparasse, pois a viagem ocorreria em breve.

E você sabia que o Gonzales havia sido levado. O que a sentinela disse ao Gonzales naquele momento sobre o motivo pelo qual ele não poderia ir?

Que lhe faltava humildade.

Faltava-lhe humildade.

Quando você realmente teve a chance de visitar Vênus? Quando isso aconteceu?

Cerca de uma semana mais tarde. Estava deitado na cama quando surgiu um clarão, como da primeira vez que fui transportado ao domínio dos Anshar. Após o clarão, quando minha visão ficou clara novamente, eu estava ao lado da Kaaree e de mais dois Anshar em um tipo de saguão que levava à área onde eles guardavam suas naves, o seu hangar.

Isso tudo ainda no interior da Terra.

Sim.

Certo.

Eles me guiaram para dentro.

Entramos em um dos ônibus (autocarros) espaciais dos Anshar, o que tem assentos azuis.

Então, uma luz azul girante abriu-se acima de nós, longitudinalmente, assim. Subimos diretamente até ela. Quando subimos dentro dela, ficamos acima do oceano, com outra luz azul girante abaixo de nós.

Interessante.

A nave não se movia longitudinalmente. Ela ainda estava paralela ao solo. Ela disparou direto para o espaço através de uma pequena área pela qual eles têm permissão de entrar e sair da atmosfera. Uma vez fora da atmosfera, não aconteceu nada demais. Não tivemos nenhum problema para sair e mover-nos como da primeira vez.

Em outras palavras, ninguém atirou em vocês.

Mas isso aconteceu no meio de um conflito que estava ocorrendo no Polo Sul.

Certo.

CHEGADA A VÉNUS

Desta vez, ela nos levou a Vênus. Eles nos levaram a Vênus. Desta vez, a viagem durou cerca de 10 minutos. Foi muito mais rápida que da primeira vez. E paramos mais ou menos na mesma posição de antes. Ficamos parados lá por um tempo, e ela ficou sentada como se estivesse fazendo algo em sua mente.

Então, ela disse: “Muito bem, recebemos a autorização. Você está pronto?” Respondi que estava pronto, na medida do possível.

Havia alguma nave na atmosfera nesse momento?

Não. A única coisa que aparecia na tecnologia dos Anshar era algo parecido com um asteroide e destroços que o acompanhavam, mas em um ponto distante da atmosfera de Vênus, presos no seu campo gravitacional.

Interessante.

Certo. Assim que respondi que estava pronto, movemo-nos na direção de Vênus a uma velocidade altíssima, perfurando as nuvens espessas. Eu mal pude notar a cor amarelada, pois passamos por elas muito rapidamente. Então, paramos a cerca de 300 metros do solo.

Olhei à minha volta e vi um trem que parecia ter sofrido erosão causada por muito vento e chuva, como observamos na Terra. Era como se houvesse montanhas antigamente que sofreram erosão, e parecia que pessoas… Era quase como se tivessem sido esculpidas por uma mão inteligente.

Eu estava reparando nisso, quando, de repente, o teto e o chão ficaram transparentes, como havia acontecido no nosso voo de reconhecimento na Antártica. Quando olhei para baixo, vi um edifício gigantesco, em formato de H, dentro de uma cratera.

Aproximamo-nos o bastante para ver que havia uma linha que atravessava o edifício, uma linha que atravessava todo o comprimento do H, dividindo-o em dois edifícios.

Ficamos sentados lá. Através do solo da nave, pudemos ver um clarão por meio da tecnologia. Depois disso, descemos a uma velocidade altíssima.

Você sentiu a aceleração?

Não. Não senti nenhuma inércia, mas acho que a minha mente estava brincando comigo, e senti aquela sensação de queda que sentimos no estômago. Porém, não senti nenhuma inércia. Paramos no solo, e só o tamanho desses dois edifícios que eram… Eles não eram conectados.

Edifícios com quilómetros de Altura

Não há nada com que eu possa compará-los.

Como você disse, esses edifícios eram enormes.

Sim, maiores que qualquer coisa… Não há nada feito por humanos com que eu possa compará-los.

Você diria que eles tinham quilômetros de altura?

Quilômetros.

Sério?

Eram enormes.

Eles pareciam ter sido esculpidos?

Pareciam ter sido feitos de algo…

Plano.

Então, era uma estrutura plana com arestas afiadas.

Certo. Sua aparência era de nova e bem acabada? Ou parecia algo quebrado e degradado?

Sim, parecia algo muito antigo.

Certo.

Nossa.

E desgastado. Disparamos até o solo, onde estava o clarão, e, quando olhei para cima, mal conseguia ver o topo do edifício.

Nossa.

Era enorme. Voamos para dentro de uma caverna no solo e pousamos na área aonde o Gonzales havia ido antes. Era como uma gruta não muito grande. As paredes brilhavam como se, sei lá, sua natureza fosse cristalina.

Havia duas coisas parecidas com obeliscos em ambos os lados de… Certo, havia uma porta aqui, uma porta enorme que levava a uma parte maior da caverna. A nave dos Anshar estava aqui, e havia um tipo de obelisco em cada lado da entrada para a porta, mas não diretamente na entrada.

Havia letras H neles, mais ou menos como um totem virado para cima. E eles ficavam cada vez menores.

Entendi.

Quando olhei à minha volta e notei isso, estava olhando através da abertura, e pude ver um pedacinho da estrutura à qual estávamos indo. Parecia vidro escurecido.

Os obeliscos que você viu também pareciam ser de vidro?

Pedra. E eles pareciam mais recentes. Não pareciam tão antigos assim. Mas talvez seja porque eles foram protegidos.

A letra H estava talhada na pedra? Ou estava gravada em alto-relevo?

Estava talhada.

Certo.

Sentinela

De repente, bum! Sem nenhum aviso, surgiu um ser branco de mais de 4 metros de altura. Ele estava vestindo trajes que pareciam ser feitos de plástico brilhante e branco.

Sentinela

Nossa.

Sim. E o mais interessante é que eles tinham olhos pretos, mas seu nariz… O dorso do nariz voltava-se para baixo e depois subia de novo. Como se parte do nariz estivesse apontada para baixo, mas outra parte bem aqui apontava para cima. Sua aparência era muito estranha.

Quando você disse olhos pretos, você quis dizer que havia uma parte branca ou o olho era totalmente preto? A íris era preta?

A íris.

Certo.

Então, eles têm um nariz muito estranho.

Certo.

Uma estrutura óssea bem delineada, com linhas bem retas nas bochechas, e cabelos brancos, ou o que chamaríamos de cabelos. Fiquei meio chocado quando ele apareceu, mas ele não se comunicou. Ele só olhou para nós e fez assim com a cabeça, virou-se e entrou na passagem.

Você teve a impressão de que ele era um ser físico vivo ou um bio-holograma ou algo do tipo?

Parecia ser um tipo de holograma inteligente.

Certo.

Então, ele acenou com a cabeça e guiou-lhes até onde?

Para dentro da caverna maior, onde ficava uma estrutura da qual só vi um pedaço.

Quando você viu essa estrutura, como ela era?

Quando entrei, as estruturas pareciam crescer. À medida que eu entrava e observava, parecia uma pirâmide, embora a base não fosse quadrada. Os cantos curvavam-se e uniam-se.

Então, era uma estrutura côncava.

Certo.

Torre com formato de Pirâmide

E em cada ponto, em cada canto, havia uma área aberta e muito alta, que depois descia, curvava-se e juntava-se no topo. Tinha uns 90 metros de altura. Era muito alta.

E você disse que parecia uma pirâmide?

Sim.

Porém, parecia uma pirâmide e uma torre. Era como a Torre Eiffel, mas no formato de uma pirâmide.

Tinha um ângulo inclinado e íngreme assim, como as pirâmides russas.

Sim. Tinha mais de 300 metros de altura. E ia até quase o topo da caverna.

Qual era seu estado de conservação? Ela parecia antiga e desgastada?

Era nova em folha, novinha em folha.

Nova em folha.

Sim.

E o ambiente no qual se encontrava tinha paredes de pedra?

Sim.

Era uma caverna gigante.

Nossa.

Certo.

Deve ter sido algo incrível de ver. Digo, você obviamente nunca tinha visto algo assim.

Eu quase caí de costas. Entrei e quase… Digo, se você olhasse para cima, você quase cairia de costas.

Nossa.

SÍMBOLOS

Então, seguimos esse ser que os Anshar chamam de sentinela até um dos cantos arqueados. Caminhamos e, de repente, todos nós nos viramos e olhamos para a parede de um dos cantos. Vimos um símbolo grande que o Gonzales havia descrito. Parecia um E invertido, que era como um G, com a parte inferior plana.

E havia outros símbolos nos outros três cantos que eu não consegui identificar. De repente, o vidro escurecido ficou claro, e vários outros símbolos diferentes começaram a aparecer. E eles começaram a mover-se. Moviam-se em ambos os sentidos, atingindo os cantos em todas as direções. Moviam-se por toda a área.

E era como se emitissem todas as cores diferentes do espectro. Também ouvi alguns tons, uma escala completa de tons, seguindo a escala de oitavas. Não estava entendendo nada. Olhei para a Kaaree, que levantou seu dedinho fino e disse: “Observe”.

É como ler a correspondência de outras pessoas.

Sim. Eu não fazia ideia do que estava acontecendo. Observei tudo isso que estava ocorrendo. E comecei a fazer perguntas. Ela disse: “Só observe, preste atenção”.

Então, prestei atenção e continuei observando, mas a sentinela comunicou-se comigo, e isso foi mais poderoso que o incidente com o Draco Branco, pois ele entrou violentamente e tomou conta de mim.

Eu podia sentir a comunicação em todo o meu corpo ao mesmo tempo.

Nossa.

E ele só me perguntou: “Você gostaria de saber quem você foi, quem você é e quem você será?” A mesma pergunta que já me haviam feito.

A mesma pergunta que você disse que fizeram ao Gonzales. E ele respondeu que sim.

Certo. Mas eu me senti obrigado a dizer não. Captei um movimento com o canto do olho, a Kaaree fez assim e olhou para baixo, com um grande sorriso no rosto, como se não estivesse surpresa.

Por que você sentiu de forma empática que não deveria responder que sim?

A mesma sensação que senti quando me explicaram que isso mudaria a natureza de todas as minhas relações pessoais. Só pensei nos meus filhos e na minha família.

Então, quando você aceita esse tipo de download, se você recupera essas memórias, por que isso seria algo ruim para a sua família e para os seus filhos?

Não sei.

Foi a sensação que senti.

Então, talvez você só tenha essa ansiedade em relação a algo que pode mudar quem você é lá na sua essência.

Ou talvez, lá no fundo, eu saiba algo que não sei conscientemente.

Certo. Vamos falar sobre o que aconteceu depois que você disse não.

O ser desapareceu e todos os símbolos sumiram. Os únicos símbolos que permaneceram foram aqueles que descrevi antes.

O símbolo do E com o G na parte inferior, o E invertido?

Certo.

Certo.

Enquanto os símbolos voavam por todo o ambiente, uma das perguntas que fiz à Kaaree foi: “Isso é matemática?” E antes de ela me pedir para virar-me e olhar novamente, ela disse que se tratava de uma linguagem matemática dos antigos.E acabou. O ser desapareceu sem dizer uma palavra.

Saída de Vénus

E a estrutura escureceu-se novamente. Enquanto saíamos, comecei a perguntar à Kaaree o que havia acontecido. Pensei comigo mesmo: “Foi só isso?” Eu estava esperando um grande tour das ruínas dos Construtores Antigos, mas fiquei decepcionado, frustrado.

Ela me disse que as informações haviam sido transmitidas a mim e recebidas por mim.

Então, o que você viu talvez tenha sido como atender ao telefone em um modem de internet discada antigo. Ou algo do tipo. E, de alguma forma, talvez você consiga descodificar esses dados, mas talvez o que você viu não seja a solução.

Talvez fosse só o código ou algo do tipo. Seja lá o que me foi transmitido, senti como se um arquivo “zip” gigante tivesse sido colocado no meu disco rígido. Senti que estava tomando espaço, mas eu não tinha a senha. Eu não tinha acesso às informações. Eu disse a ela que aquilo não fazia sentido.

Por que eu teria essas informações sem poder acessá-las? Ela disse que tudo faria sentido no futuro próximo.

Você acha que algumas das respostas a essa pergunta também estão aí dentro, em relação a quem você foi, quem você é e quem você será?

Tenho a sensação de que, se tivesse respondido que sim àquela pergunta, provavelmente teria ganho acesso às informações ali mesmo.

Certo.

Em seguida, voltamos à nave dos Anshar. Os dois pilotos já estavam de volta na nave. Eles haviam saído conosco e permaneceram em frente à porta da caverna. Quando voltamos, eles já estavam na nave, prontos para partir.

Todos eles estavam vestindo as túnicas cerimoniais que estavam vestindo da primeira vez?

Não.

Eles estavam vestindo macacões azuis. Ela indicou que iríamos à estação de Saturno.

Certo.

Então, entramos na nave dos Anshar e decolamos a uma velocidade altíssima pelo mesmo caminho da ida.

Paramos dentro de instantes e eu vi Saturno, do tamanho de uma moeda. Também vi uns pontinhos brancos ao redor dele. Não consegui identificar o que eram. Provavelmente eram as luas ou algo assim.

Certo.

Júpiter

Ficamos sentados lá, paramos por um momento, e, em seguida, entramos em um desses espaços temporais anômalos, como o que havia perto de Júpiter, por meio do qual viajamos para ir às reuniões da Super Federação, no qual temos que entrar e sair do mesmo jeito.

Então, entramos nessa bolha temporal e, novamente, as estrelas e todo o resto sumiram. Ficou tudo escuro. Tudo o que víamos era a estação, mais ou menos deste tamanho. Ela é arredondada deste lado, e alongada com algo assim na ponta e nas áreas longas, onde todas as naves da Super Federação pousam.

Em seguida, eles entram e chegam a uma área maior e redonda, onde as reuniões acontecem. Mas não havia nenhuma nave. Parecia um lugar desolado.

O quanto era uma estação similar ao espaço de reuniões da Super Federação?

Uma cópia perfeita.

Sério?

Era uma cópia perfeita.

Mas não havia ninguém lá.

Ninguém.

A sua nave era capaz de verificar se havia sinais de vida ou algo assim?

Sim.

Não havia nada.

Certo.

Então, pousamos e saímos, passando pelos corredores, com tetos muito altos, paredes estreitas com tetos altos, pois muitos dos seres que utilizam essas instalações têm tamanhos diferentes do nosso. Então, atravessamos o longo corredor.

Entramos no saguão, que era exatamente igual ao saguão decorativo da outra estação, a estação de Júpiter. Mas não havia ninguém. Nunca tinha visto nenhum desses lugares completamente desolado.

Interessante.

Entramos no corredor principal, mas não havia todos os assentos, as áreas em formato de ferradura onde as pessoas se sentam. Era apenas uma área vazia. Entramos nela e uma sentinela apareceu novamente.

O mesmo cara de antes?

Sua aparência era idêntica.

Nossa.

Então, sem dizer nada, ele entrou na minha mente e imediatamente começou a mostrar-me várias cenas. Eu vi um tipo de… Eram como clipes de vídeo. Mas alguns deles duravam menos de um segundo. Alguns deles duravam cerca de quatro ou cinco segundos. Mas eles voavam a minha volta loucamente.

Cenas do quê, exatamente?

Eu vi a minha vida, e comecei a ver as minhas memórias que se estendiam até o ponto inicial da minha infância.

Então, começou de onde você está agora e foi voltando?

Sim.

E eu vi pequenos… Digo, vi meu pai em sua antiga cadeira de balanço azul que tínhamos quando eu era criança. Essa é uma das memórias das quais me lembro. Mas tudo aconteceu muito rápido.

Esses eventos tinham alguma relevância emocional ou comovente para você? Eles eram significativos de alguma forma?

Não.

Foi só um clarão.

Sim. E foi um tipo de… As imagens piscavam. Consegui captar uma ou outra aqui e ali. Então, começamos a passar por memórias que não eram minhas, cenas de tempos passados, coisas muito indefinidas, mas que me pareciam familiares.

Você notou algo que pudesse ser algum tipo de prédio medieval ou algo assim?

Não, as cenas eram dentro de prédios, dentro de residências, era como ver pessoas e clarões muito rápidos. Não era algo que eu pudesse pegar e analisar todos os detalhes da imagem.

Quando isso terminou, comecei a ver cenas cósmicas que se passavam no espaço, com esferas gigantes, físicas e tangíveis que pareciam ser extremamente grandes, do tamanho de uma lua, e que descarregavam raios imensos de eletricidade e destruíam naves grandes que estavam chegando ao Sistema Solar, destruindo outras esferas grandes que estavam chegando e que pareciam tecnológicas.

Centenas dessas cenas diferentes foram reproduzidas.

lua Jápeto

Certo. Deixe-me interrompê-lo por um instante. No segundo episódio de “Deep Space”, aqui na Gaia, falamos sobre os mistérios do Sistema Solar. Falamos sobre Jápeto e a ideia de que a lua Jápeto tem uma cumeada muito grande.

Ela tem características geométricas estranhas, e a ideia de que alguém possa tê-la construído como uma forma de plataforma armada. Foi mais ou menos isso que você viu?

Sim, mas aconteceu tão rápido, que não consegui absorver todos os detalhes.

Então, essas luas eram armas.

Certo.

Nossa. E você viu, como disse, diversas cenas de tentativas de invasão e…

Certo.

As luas estavam atirando em objetos que se pareciam com luas?

Não, eram esferas gigantes que pareciam tecnológicas, como espaçonaves. Mas eram muito grandes.

Nossa. Isso é impressionante.

Sim, mas foi muito perturbador vê-las em funcionamento. Senti muita ansiedade. Meu coração estava batendo muito rápido. Eu estava respirando cada vez mais rápido enquanto tudo isso ocorria.

Vamos fazer uma breve pausa. Acho que esta é uma questão muito importante: muito tempo atrás, você me disse que os Construtores Antigos aparentemente construíram essas esferas para formar uma grade de proteção unificada em volta da nossa nuvem estelar local, para que ninguém conseguisse entrar e invadir-nos, certo?

Certo.

E você também disse que havia um portal imenso nas proximidades através do qual era possível passar para ir a outras galáxias, o que também geraria uma rota de invasão. Ou seja, na verdade, estamos muito vulneráveis a invasões porque estamos bem na porta de entrada da ponte levadiça que leva ao castelo.

Certo.

E parece que era isso que estava acontecendo. Ou seja, todas essas invasões sendo repelidas por essas tecnologias inteligentes localizadas nessas luas.

Certo.

Nossa. Isso é incrível.

Marte

As duas cenas seguintes que ocorreram foram… Elas me perturbaram muito. Eu vi Marte, que tinha nuvens, oceanos, ilhas enormes, ou continentes, aqui e no topo. Eu vi uma vegetação verde.

Como você sabia que era Marte, se parecia com a Terra?

Eu simplesmente sabia.

Certo.

Sim.

Muito bem.

Então, vi Marte e, em seguida, vi uma dessas esferas movendo-se assim. À medida que se movia, ela atirava eletricidade nele, gerando um grande rasgo no planeta enquanto passava. Toda a água virou vapor, e havia muitos destroços sendo expelidos pela superfície de Marte, expelidos para a atmosfera, indo para longe do planeta.

E outras partes dos destroços ficaram quentes, avermelhadas, e caíram de volta no planeta.

Então, você provavelmente viu bilhões de pessoas morrendo nesse processo, certo?

Sim. Foi uma sensação muito perturbadora. E havia uma área… Acho que era área pela qual o raio havia entrado na atmosfera. Todo aquele vapor estava saindo da atmosfera e congelando-se no espaço, como poeira congelada no espaço. E isso começou a cair no planeta.

Super Terra

Você já especulou, tanto neste programa quanto em discussões privadas comigo, que havia uma Super Terra, ou sabemos que havia uma Super Terra graças ao Brilliant Pebbles, certo?

Havia um Super Terra que foi explodida e, aparentemente, de acordo com o que o Gonzales lhe contou, eles achavam que isso havia sido feito por uma dessas luas armadas. Havia algum indício do envolvimento da Super Terra nesse desastre em particular que você viu?

A Super Terra, por algum motivo… Nada disso apareceu em nenhuma das cenas mostradas. Não vi a Super Terra. Não vi a destruição de um planeta. Parece que o foco era só Marte porque, depois de ver essa cena, eu vi Marte novamente, mas sua aparência era mais similar à de agora. E eu vi clarões na superfície, explosões nucleares que iam muito alto, com uma nuvem em formato de cogumelo no topo e grandes anéis ao redor delas.

Anéis de fumaça, você quer dizer?

Anéis que pareciam… Sim, eram como fumaça saindo delas, com naves ovais espremidas que saíam em todas as direções. Algumas delas vieram à Terra, algumas delas foram para fora do Sistema Solar. Nesse momento, meu coração estava batendo muito pesado. Comecei a hiperventilar.

Então, a cena parou imediatamente. E a sentinela desapareceu. Olhei para a Kaaree, que me devolveu o olhar com um semblante preocupado. Ela me perguntou se eu precisava de um tempo, se eu estava bem.

Ela conseguia sentir o que você sentia?

Não sei.

Anteriormente, havíamos especulado sobre como a Super Terra foi destruída. E parece que, quando você perguntou ao Gonzales, o palpite dele era que a Super Terra havia sido atingida por uma dessas luas armadas. Você acha que tanto a Super Terra quanto Marte foram atingidos por uma lua armada durante a mesma guerra, que esses dois eventos ocorreram simultaneamente? Porque, no passado, parece que a informação que você obteve foi de que isso aconteceu ao mesmo tempo.

Foi essa a informação que obtive, mas, como já disse, a Super Terra não foi mostrada nesse caso. Parece que o foco estava todo em Marte.

Então, é possível que a Super Terra tenha sido destruída, mas que Marte não foi destruído nessa mesma catástrofe, como havíamos pensado.

Certo.

Não temos informações suficientes para dizer ao certo o que aconteceu.

Não havia nenhum contexto real nem incidentes lineares ocorrendo. Só esses clarões. Então, não consegui identificar com exatidão. Fiquei muito perturbado.

Certo.

Muito bem.

Isso faz sentido.

E eu não tenho muitas emoções relacionadas a Marte. Porém, por algum motivo, fiquei muito emotivo em relação ao que estava ocorrendo.

Certo.

Foi muito perturbador. Depois de a Kaaree perguntar-me se eu estava bem, voltamos à nave dos Anshar para partir. Não me lembro direito de voltar à nave. Não me lembro mesmo da viagem de volta, porque fiquei sentado lá, pensando e visualizando o que havia visto. Perguntei a ela novamente o que tudo aquilo significava. Qual era o propósito de tudo aquilo? Ela disse que aquilo era um repositório dos Construtores Antigos que me havia sido transferido. Respondi-lhe: “Não consigo reter todo esse conhecimento. Não consigo recuperar nenhuma memória desse tal repositório. De que adianta tê-lo, se não consigo me lembrar dele e relatá-lo?” Ela sorriu e me disse que tudo aquilo faria mais sentido no futuro próximo.

Se ligarmos alguns dos pontos relativos às coisas que aconteceram nessas atualizações, parece que tudo se resume à ideia de que, se não conseguirmos nos unir como um planeta, vamos nos destruir novamente. Você também viu seres com crânios alongados, você ouviu do Gonzales sobre o congelamento instantâneo, os blocos na superfície. Em seguida, você viu essa catástrofe que ocorreu lá. Você viu que o Sol poder fazer algo que poderia destruir a vida na Terra, a menos que entremos na linha do tempo ideal. Então, por que você acha que todas essas catástrofes do passado foram-lhe mostradas agora?

Também gostaria de saber. Não tenho nenhum contexto. Digo, é como se eu recebesse várias informações, mas sem saber exatamente como aplicá-las.

Você acha que pode ser uma advertência para nós no presente? Você acha que essas visões foram-lhe transmitidas para que você nos contasse que essas coisas ocorreram e que precisamos nos esforçar mais?

Pode ser, mas seria útil ter mais detalhes para avisar as pessoas.

Muitas vezes, esses seres trabalham com mistérios. Nem todas as respostas são dadas. Mas, com certeza, parece-me que isso foi um aviso.

Regresso a casa

Sim. Mas realmente não me lembro da jornada de volta. Não me lembro de atravessar a luz azul girante para voltar ao grande hangar. Eu cheguei lá e a porta abriu-se. Preparamo-nos para sair. Eu me sentia sem energia, exausto, tanto emocional quanto fisicamente. Tive dificuldades para andar. Eu estava caminhando atrás da Kaaree. Logo depois disso, ele me enviaram de volta ao meu quarto, pelo mesmo método do clarão. Eu ainda estava vestido. Estava exausto. Deitei-me na cama e dormi.

Então, quando acordei, antes de começar a interagir com a minha família, antes disso, sentei-me e fiquei pensando em tudo isso por muito tempo, pensando em tudo o que havia acontecido, tentando acessar essas informações que eu conseguia… Quando você tem informações que não consegue acessar, a sensação é a mesma de ter um problema neurológico. É uma sensação estranha.

Mesmo assim, eles lhe deram um tour rápido das suas vidas passadas, aparentemente. Então, talvez isso tenha sido como uma acelerada ou rebobinada por esse arquivo de dados.

Certo. E foi assim que terminou. Desde então, tive mais reuniões com a Kaaree no constructo. A maioria delas foi de caráter pessoal, ou sobre como eu deveria interagir com as pessoas a minha volta da melhor forma possível.

Ou seja, sendo legal (simpático)?

Sim.

Certo. Essa foi uma jornada fascinante e vertiginosa. Eu só queria fazer um comentário pessoal aqui, sobre o quão impressionante é a interligação desses elementos. Obviamente, alguém quer que a gente monte e entenda as peças dessa história.

Concordo.

Gostaria de agradecer-lhe por continuar esse trabalho. Sei que tem sido difícil para você e sua família. E gostaria de agradecer-lhe por assistir-nos. Este é o ”Revelação Cósmica”. Sou o apresentador, David Wilcock. Estou aqui com Corey Goode. Agradecemos toda a sua ajuda em espalhar a mensagem para a revelação total.

Partilhar no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.