Alimentação

A guerra contra a vitamina D ~ Uma ameaça à Indústria Farmacêutica

Partilhar no Facebook

A vitamina D é um nutriente essencial que os seus ossos, músculos e sistema imunológico precisam e existe forma de a obter gratuitamente: SOL.

A Indústria Farmacêutica, por sua vez, gasta verdadeiras fortunas em encomendar estudos que provem o contrário e em perseguir quem ouse falar a verdade!

Substâncias naturais com tremendas capacidades de cura que não podem ser patenteadas, são uma enorme ameaça para a Indústria Farmacêutica e para os seus medicamentos aprovados e certamente a vitamina D está no topo desta lista.
Por exemplo, a literatura científica publicada mostra que a vitamina D é mais eficaz na prevenção da gripe anual do que a vacina contra a gripe . Veja:

Estudo: A vitamina D é mais eficaz que a vacina contra a gripe

Como a melhor e principal fonte de vitamina D é o sol, a maioria das pessoas na América do Norte e Europa do Norte é deficiente em vitamina D, mesmo durante os meses de verão, quando nos é dito para bloquearmos os raios do sol devido ao medo do cancro (câncer) da pele.

Quando uma substância natural como a vitamina D pode curar e prevenir tantas doenças, geralmente de forma muito superior às drogas e vacinas aprovadas pela FDA, não é de surpreender que a indústria farmacêutica faça todos os esforços para desacreditar a ciência por trás dessas substâncias naturais, uma vez que afetam os lucros dos seus produtos farmacêuticos.

Isso é feito rotineiramente, financiando os seus próprios estudos tendenciosos e, em seguida, atacando médicos e cientistas que promovem curas naturais.

oevento.pt/2018/04/07/o-que-nos-faz-subir-ou-descer-a-nossa-energia-frequencia-e-vibracao/

No final deste artigo também é recomendado que tome vitamina D como suplemento: 1 comprimido vitamina D3 2200IU por dia à refeição

Uma das áreas de deficiência de vitamina D que afeta muitas das famílias com as quais trabalhamos aqui na Health Impact News , é na área do sequestro médico e da amplamente desacreditada teoria da Síndrome do Bebê Sacudido (SBS) que é usada para sequestrar crianças medicamente.

A deficiência de vitamina D pode levar a que bebés e crianças tenham ossos frágeis, onde múltiplas fraturas ocorrem, dando a aparência de “abuso” de acordo com os defensores da teoria médica da Síndrome do Bebê Sacudido. Um médico que é uma autoridade de renome mundial em vitamina D e que testemunhou em tribunal em nome de pais falsamente acusados ​​de SBS, é o Dr. Michael Holick. Recentemente, ele foi criticado e foi atacado na mídia “mainstream” patrocinada por corporações que obtém grande parte da sua receita de publicidade da Indústria Farmacêutica.

William B. Grant, PhD, diretor do Centro de Pesquisas de Saúde, Nutrição e Luz do Sol, e ex-pesquisador sénior do SRI International, do Jet Propulsion Laboratory e do Centro de Pesquisas Langley da NASA, publicou recentemente um comentário com a  Orthomolecular Medicine – Serviço de notícias  expondo o “manual de desinformação” da Indústria Farmacêutica e como eles atacam as curas naturais e os benefícios para a saúde da vitamina D. O Dr. Grant é autor ou co-autor de mais de 60 artigos em periódicos revisados ​​por pares.

nota: não se esqueça de ler o artigo “O que é O Evento?”, tudo que sabe ou pensa saber irá mudar brevemente:

oevento.pt/2017/05/06/o-que-e-o-evento/

Aceitação de vitamina D atrasada pela Indústria Farmacêutica seguindo o Manual de Desinformação

Comentário de  William B. Grant, Ph.D. Serviço de Notícia de Medicina Ortomolecular

Um “Manual de Desinformação” tem sido usado há décadas pelas corporações para atrasar a ação do governo em questões de interesse público que afetariam significativamente as suas receitas e lucros.

Alguns exemplos bem conhecidos incluem as grandes empresas de tabaco, as indústrias de carvão e petróleo, a indústria do açúcar. A União de Cientistas Preocupados delineou cinco “pilares” do Manual de Boas-Vindas [Alvord 2017].

A Indústria Farmacêutica pode estar usando o Playbook para retardar a adoção de um forte apoio à vitamina D.

Este artigo é o produto da minha análise posterior.

 

oevento.pt/2017/05/09/dieta-de-alta-vibracao/

O manual de desinformação

1.  O Falso
Promovem a ciência falsa e tentam passá-la como uma pesquisa legítima.

2.  Ataque Repentino
Assediam cientistas que falam com resultados ou visões inconvenientes para a indústria farmacêutica.

3.  O desvio
Fabricar incerteza sobre a ciência onde pouco ou nada existe de concreto.

4.  O Cenário
Comprar credibilidade através de alianças com universidades/academias ou sociedades profissionais.

5.  A Correção
Manipular funcionários do governo ou processos para influenciar a política de forma inadequada.

oevento.pt/2017/05/06/o-que-e-o-evento/

Antecedentes e evidências de que a vitamina D melhora os resultados de saúde

A Indústria Farmacêutica e os seus aliados nos EUA e talvez também na Europa estão-se opondo às principais recomendações para o aumento da ingestão de vitamina D e maiores níveis séricos de 25-hidroxivitamina D [25(OH)D] [acima de 30 ou 40 ng/ml (75-100 nmol/l)], aparentemente porque tais medidas podem reduzir significativamente o fardo das doenças humanas e, portanto, reduziriam a receita e o lucro dos tratamentos da doença.

Os cuidados de saúde nos EUA consomem hoje quase 20% do produto interno bruto.

Historicamente, a vitamina D foi associada à prevenção e cura de raquitismo e osteomalacia e, posteriormente, à absorção de cálcio e à saúde óssea.

note que: Osteomalacia (osteo- osso, -malacia amolecimento) é o enfraquecimento e desmineralização de ossos maduros, geralmente devido a uma deficiência de vitamina D e cálcio (na criança essa mesma situação causa raquitismo).

Nas duas últimas décadas, evidências demonstraram que os níveis séricos de 25(OH)D mais elevados da dieta, suplementos e/ou exposição solar UVB estão associados e ligados mecanicamente a uma melhor saúde e maior expectativa de vida.

Em 2009-2010, o Institute of Medicine (IOM) revisou as evidências relativas à vitamina D, e foi instruído pelos patrocinadores do estudo, pela Agência de Alimentos e Medicamentos, pelos Institutos Nacionais de Saúde e pelo Ministério da Saúde do Canadá a usar apenas as evidências publicadas dos ensaios clínicos de alta qualidade randomizados e controlados de vitamina D (RCTs).

No entanto, nesse tempo, tais ensaios só encontraram benefícios para a saúde óssea. A partir desses estudos, sabia-se que a saúde óssea “normaliza” acima de níveis de 25(OH)D de ~ 20 ng/ml (50 nmol/l).

No entanto, eles também usaram evidências de estudos puramente observacionais para sugerir que havia riscos associados a suplementos de vitamina D que elevou os níveis séricos de 25(OH)D acima de 30 ng/ml.

Esta foi a base para a hipótese de um nível sérico de 25 (OH) D em forma de U versus relação de desfechos de saúde (maior risco para níveis baixos e altos).

No entanto, essa preocupação mostrou-se mais tarde infundada, já que a maioria dos estudos que relataram risco em níveis séricos, não tinha dados para o suplemento de vitamina D, ou para quando ela começou, confundindo a estratificação do sujeito.

Nas últimas duas décadas, evidências acumularam que a exposição UVB e a vitamina D têm muitos benefícios para a saúde não esqueléticos, principalmente a partir de estudos ecológicos e observacionais e de evidência mecanicista.

Evidências recentes acumulam-se com estudos de suplementos de vitamina D, especialmente aqueles que apresentam uma correção de deficiência [Martineau, 2016].

Tal evidência é agora forte para o cancro (câncer) [Moukayed, 2013], [Grant, 2017], [Grant, 2018], [McDonnell, 2018], doença cardiovascular [Zhang, 2017], [Wimalawansa, 2018], infecções do trato respiratório [Martineau , 2017], taxas de mortalidade por todas as causas [Grant, 2011], [Garland, 2014], [Grant, 2016], [Lindqvist, 2016], e resultados de gravidez e nascimento, como parto prematuro [McDonnell, 2017], [Wagner , 2018] e agora amplamente revisado [por exemplo, Holick, 2007; Pludowski, 2013; Baggerly, 2015; Grant, 2018; Page 2018; Sorenson e Grant, 2018].

A ingestão recomendada de vitamina D e os  “target” do nível serum de 25(OH)D aumentaram desde o relatório do IOM.

Por exemplo, a Endocrine Society recomendou a ingestão de suplementos de vitamina D 1000-4000 IU/d (25-100 mcg/d) e níveis séricos de 2 (OH)D> 30 ng/ml (75 nmol/l) para pacientes com insuficiência de base.

Uma revisão mais recente das diretrizes de suplemento de vitamina D também recomendou >30 ng/ml.

No entanto, tais recomendações podem ser substituídas em breve por aqueles que recomendam >40 ng/ml com base em estudos como os relatados recentemente para nascimentos prematuros [McDonnell, 2017] e cancro (câncer) de mama [McDonnell, 2018].

Uma razão para as baixas recomendações anteriores foi a grande subestimação feita pelo IOM no cálculo da ingestão para a população média (isto é, em 50% da população) e não para 97,5% da população para quem se presumia que as recomendações fossem direcionadas.

É claro que a Indústria Farmacêutica e os seus aliados devem seguir as descobertas atuais da pesquisa da vitamina D com receio, pois também percebem que o público em geral também segue a pesquisa e aumentou as suas taxas de auto-suplemento com> 1000 IU/d de vitamina D de 0,2% da população em 2001-2002 para 18,2% em 2013-2014, e que o suplemento com >4000 IU/d também aumentou de 0,2% em 2007-2008 para 3,2% em 2013-2014.

oevento.pt/2017/05/09/agua-pura/

Exemplos do uso dos cinco pilares do “The Disinformation Playbook” sobre a vitamina D, isto é, técnicas empregues pela Indústria Farmacêutica para desacreditar os benefícios da Vitamina D

1. O falso

Abaixo estão alguns artigos relatando nenhum benefício de suplemento de vitamina D devido a falhas metodológicas. Estes exemplos são para resultados de saúde para os quais estudos bem desenhados e conduzidos mostraram benefícios.

JAMA publicou recentemente os resultados de um ensaio clínico de vitamina D mais cálcio usando 2000 IU/d vitamina D3 mais 1500 mg/d de cálcio.

O ensaio não encontrou uma redução significativa do risco de cancro (câncer) com base na intenção de tratar (ou seja, comparar os resultados naqueles que receberam os suplementos versus aqueles que receberam o placebo).

No entanto, o estudo encontrou uma redução significativa na incidência de todos os cancros (cânceres) para aqueles que atingiram um nível >50 ng/ml 25(OH)D, apesar do estudo ser um pouco fraco.

Mas a revista não permitiu que os autores apresentassem ou discutissem essa descoberta em documento impresso, relegando a última análise a assuntos que alcançaram a reposição de um suplemento on-line para o jornal, que poucas pessoas leram, e emitiram um comunicado à imprensa afirmando que o suplemento de vitamina D não reduziu o risco de cancro (câncer) [JAMA Media Advisory, 2017].

Foram realizadas revisões sistemáticas da Cochrane que omitiram alguns ensaios clínicos com resultados positivos.

Assim, uma revisão da Cochrane sobre o suplemento de vitamina D durante a gravidez, publicada em novembro de 2017, concluiu que “as evidências até o momento parecem insuficientes para guiar as recomendações clínicas ou políticas”. [Roth, 2017].

Negligenciado nesta revisão foi menção de um artigo publicado em julho de 2017, que encontrou uma redução de 60% nas taxas de nascimento prematuro para aqueles num estudo de suplemento que atingiram > 40 ng/ml [McDonnell, 2017].

2. Ataque Repentino

O  New York Times  publicou um artigo sobre Michael Holick por Liz Szabo, da Kaiser Family Foundation, em 18 de agosto de 2018.  “A vitamina D, o Suplemento Sunshine, tem um dinheiro sombrio por trás disso:  o médico recebeu centenas de milhares de dólares da indústria da vitamina D.”[Szabo, 2018]

Este artigo de opinião teve como objetivo o Dr. Holick, porque ele é considerado a pessoa mais responsável por aumentar a consciência pública sobre os benefícios da exposição UVB e vitamina D.

O artigo de opinião concordou com o relatório do IOM de que a vitamina D era boa para a saúde dos ossos, mas rejeitou outros benefícios através de citações de três membros do comité do IOM [JoAnn Manson, Clifford Rosen e Catherine Ross].

Também afirmou: “Uma pílula milagrosa perde o seu brilho; O entusiasmo pela vitamina D entre os especialistas médicos diminuiu nos últimos anos, uma vez que ensaios clínicos rigorosos não confirmaram os benefícios sugeridos pelos primeiros estudos preliminares ”.

No entanto, ele relatou que algumas pessoas no “complexo industrial de bem-estar”, como o professor Walter Willett, de Harvard, apoiam o suplemento com vitamina D.

O principal objetivo do artigo de opinião era atacar o Dr. Holick por receber várias centenas de milhares de dólares da indústria de vitamina D, incluindo a indústria de bronzeamento artificial, as empresas farmacêuticas e a Quest Diagnostics, importante fornecedor de ensaios de 25(OH)D.

Não é anti-ético ser pago pelo trabalho de alguém. No entanto, é anti-ético não divulgar em publicações de jornais quaisquer interesses concorrentes, como financiamentos da indústria que podem beneficiar da publicação.

O Dr. Holick reconheceu livremente o seu apoio da indústria da vitamina D, como fez no documento sobre diretrizes de vitamina D da Sociedade de Endocrinologia [Holick, 2011].

Enquanto vários pesquisadores de vitamina D enviaram cartas ao editor sobre a publicação acima, nenhuma foi publicada. As cartas enviadas apoiaram o suplemento de Dr. Holick e vitamina D.

Aqui está o texto de um enviado por Cedric F. Garland, Dr. PH e Camillo Ricordi, MD:

O New York Times é o farol da verdade. Mas ficamos chocados com um artigo (18 de agosto) de Liz Szabo.

Masquerading como exposé, injustamente acusou o Dr. Michael Holick, que ajudou a descobrir uma forma de vitamina D, principalmente de motivação monetária.

A descoberta do Dr. Holick de um importante biomarcador permitiu milhares de estudos epidemiológicos.

Usando este biomarcador, membros do nosso grupo descobriram que a vitamina D3 ajuda a prevenir o cancro (câncer) colorretal e, junto com pesquisadores britânicos, que também reduz os riscos de cancro (câncer) de mama.

Recentemente, outros pesquisadores também descobriram que a vitamina D reduz o risco de diabetes e doença coronária e reduz a prematuridade.

Esses achados convincentes sugerem uma “síndrome” de deficiência de vitamina D baseada em dados convergentes de centenas de estudos.

O custo de corrigir a deficiência de vitamina D subjacente seria minúsculo comparado ao custo do tratamento medicamentoso para cancros (câncer) e diabetes.

Este artigo é, portanto, enganoso. Dr. Holick é um pesquisador honesto e amplamente respeitado.

Se os leitores pararem de tomar vitamina D com base neste artigo, isso causaria um grande dano à saúde pública.

Cartas ao editor são uma importante via para combater preconceitos , distorções e omissões em jornais e revistas profissionais.

Negar a publicação de tais cartas é uma má prática jornalística e, neste caso, considerando a importância da vitamina D para o público, é imoral.

A razão mais provável pela qual o Times não publicou nenhuma carta em resposta, é que a receita das Grandes Farmacêuticas para anúncios é uma grande parte da sua receita.

Michael Holick não é estranho a controvérsias.

Em 2004, ele foi demitido do departamento de dermatologia da Universidade de Boston pela Dra. Barbara Gilchrest, que era chefe do departamento.

“Ela me chamou no seu escritório e disse que não poderia ter alguém no seu departamento recomendando a exposição ao sol” [Saul, 2006; Solomon, 2010].

Os dermatologistas defendem a prevenção de aparelhos de bronzeamento artificial e o uso de filtro solar como forma de reduzir o risco de cancro (câncer) de pele e melanoma. Eles raramente consideram o papel da exposição UVB na produção de vitamina D3, ou, se o fazem, afirmam que a pequena quantidade de vitamina D necessária (para ossos) pode ser obtida através de alguns minutos de exposição solar UVB da cabeça e braços ou dieta.

Isso, é claro, é conhecido por ser inadequado, especialmente durante os meses de inverno e para aqueles que têm pele escura. Essa é a justificativa para a necessidade de tomar suplementos.

3. O Desvio

Essa abordagem foi explorada em detalhes por Naomi Oreskes e Erik M. Conway no seu livro  Merchants of Doubt  [Oreskes & Conway, 2011].

Também foi dito que os estudos observacionais sobre 0 suplemento de vitamina D são inválidos, uma vez que não são apoiados por ensaios clínicos randomizados.

Por exemplo, a hipótese não testada vai, isso deve significar que a baixa 25(OH)D é um resultado da doença, ao invés de uma causa [Autier, 2014, Autier, 2017].

No entanto, esta hipótese foi desmascarada.

“Os RCTs publicados foram realizados principalmente em populações sem baixos níveis de 25OHD. O facto de que a maioria das meta-análises sobre os resultados dos ECRs não mostrou um efeito benéfico, não desmente a hipótese sugerida pelos achados observacionais sobre desfechos adversos à saúde dos níveis baixos de 25OHD. ” [Rejnmark, 2017]

Além disso, muitos ensaios clínicos de vitamina D, incluindo os principais atualmente em andamento, não foram baseados em medições do nível de 25(OH)D, mas sim no uso de uma dose única de vitamina D.

A razão para isso é que eles são baseados nas diretrizes para ensaios clínicos de agentes farmacêuticos, que assumem que 1), o ensaio é a única fonte do agente; e 2), que existe uma relação dose-resposta linear.

No entanto, nenhuma suposição é satisfeita para a vitamina D. Existem várias fontes de vitamina D, incluindo exposição a UVB, dieta e suplementos.

Também os efeitos à saúde não estão diretamente relacionados à dose de vitamina D (que é inerte), mas derivam do nível sérico de 25(OH)D, com grandes variações nos resultados com inícios baixos de níveis 25(OH)D, mas reduzizda variação nos resultados com mudanças nos níveis mais elevados de 25(OH)D.

Assim, os ensaios clínicos devem basear-se em medições dos níveis séricos de 25(OH)D, não em dosagem de vitamina D [Heaney, 2014], [Grant, Boucher 2018], e ensaios abertos em busca de benefícios significativos à saúde em que os participantes saibam que estão tomando vitamina D e têm medidas séricas sequenciais de 25(OH)D [McDonnell, 2017, McDonnell, 2018].

Outros autores sugeriram que a “vitamina D” é apenas mais uma vitamina ao projetar estudos como se fosse uma vitamina verdadeira [Fortmann, 2013], [Misotti, 2013] quando, de facto, a vitamina D é um precursor hormonal fornecido na dieta ou feito na pele através da ação do UVB no 7-dehidrocolesterol, embora a definição de vitamina seja uma substância necessária para a vida que NÃO é produzida no corpo.

No entanto, a definição de hormona é uma substância reguladora produzida num organismo e transportada em fluidos de tecidos para estimular células ou tecidos específicos em ação.

Quase todas as células têm um receptor de vitamina D acoplado aos cromossomos. Quando o metabolito hormonal da vitamina D, 1,25(OH)2D, se liga ao recetor da vitamina D, a expressão genica pode ser regulada para cima ou para baixo.

4. A tela

A ‘Indústria Farmacêutica’ contribui para todas as principais organizações de doenças, e nenhuma delas endossa o suplemento de vitamina D. Em apoio a essa declaração, foram realizadas buscas no Google para patrocinadores corporativos de algumas das principais organizações centradas na doença nos EUA.

Nenhuma dessas organizações tem declarações de posição sobre o suplemento de vitamina D, com base numa recente revisão das diretrizes para o suplemento de vitamina D [Pludowski, 2018].

Organizações de doenças e corporações farmacêuticas que não endossam o suplemento de vitamina D:

American Academy of Dermatology 2018 Parceiros Corporativos:

Os parceiros corporativos são ordenados pelo valor dado à Academia de Diamond (alta) a Bronze (baixa). [American Academy of Dermatology, 2018]

Diamante

AbbVie, Lilly EUA, LLC, Pfizer Inc., Sanofi Genzyme e Regeneron

Safira

Companhia Bristol-Myers Squibb, Celgene Corporation, Novartis

Rubi

Allergan, Amgen, Galderma Laboratories, LP, LEO Pharma Inc., Merz América do Norte, Inc., Ortho Dermatologics, Dermatologia SUN, UCB Inc

Esmeralda

Bayer HealthCare | Coppertone, Janssen Biotech, Inc

Bronze

Aclaris Therapeutics, Inc., CareCredit, Dermira Inc., Endo Pharmaceuticals, Grupo Ferndale Pharma, ZO Skin Health, Inc. por ZeinObagi, MD

Apoiadores até $ 24.999

Almirall, Amazon, EltaMD, Inc., Genentech, consultores Great Lakes, JP Morgan, La Roche-Posay, SkinFix, Suneva Medical, UniteRx, revista de saúde feminina

American Cancer Society

Anthem BlueCross, BlueShield, CVS Health, Laboratórios Abbott, Avon, Lilly, Merck, United Health Group, Walgreens, Walmart. [American Cancer Society, 2018]

March of Dimes

A March of Dimes é bem conhecida por ter desempenhado um papel no fim da epidemia de poliomielite nos EUA. Depois desse papel, voltou sua atenção para a redução das taxas de defeitos congénitos e partos prematuros.

GrassrootsHealth.net e pesquisadores de vitamina D da Universidade de Medicina da Carolina do Sul mostraram que aumentar as concentrações séricas de 25 (OH) D de gestantes no início da gravidez reduziu a taxa de nascimento pré-termo multirracial em Charleston County, SC (7,3% comparado a 13,4% [Wagner, 2016].

Carole Baggerly, do GrassrootsHealth.net, disse recentemente que a March of Dimes não está disposta a discutir 0 suplemento de vitamina D para mulheres grávidas.

Grande parte do seu apoio vem da Indústria Farmacéutica: em 2012, os patrocinadores nacionais do March for Babies incluíram o seu principal patricinador corporativo, Kmart, juntamente com os principais apoiadores do Farmers Insurance Group, da Cigna, da Sanofi Pasteur, da FedEx, da Mission Pharmacal e da Watson Pharmaceuticals. , First Response e United Airlines [March of Dimes, 2012]

Uma notícia na Science,  a 10 de agosto de 2018, informou que a March of Dimes reduziu o apoio a 37 dos 42 beneficiários de bolsas individuais de pesquisa devido à redução da renda [Servick, 2018].

Associação Médica Nacional

Abbott Laboratories, Amag Farmacêutica, Arbor Pharmaceuticals, Boehringer Ingelheim, Celgene, Gilead, Lilly, Merck, Novo Nordisk, Pfizer, UnitedHealth Group [Associação Médica Nacional, 2018]

Escolas médicas

A Indústria Farmacêutica também oferece milhões para pesquisas em faculdades de medicina. Como resultado, professores e alunos dedicam muito do seu tempo e esforço para pesquisar e promover medicamentosIsto significa que a manutenção adequada da saúde e a prevenção de doenças por meio de escolhas de estilo de vida, nutrição e vitaminas raramente são ensinadas.

“Historicamente, a educação nutricional tem sido sub-representada em muitas escolas de medicina e programas de residência. Nossas pesquisas de mais de uma década mostram que a maioria das escolas de medicina nos Estados Unidos ainda não está garantindo educação nutricional adequada, e não estão produzindo graduados com as competências nutricionais exigidas na prática médica. Médicos, residentes e estudantes de medicina claramente precisam de mais treinamento em avaliação e intervenção nutricional. ”  [Adams, 2010].

Revistas médicas

A Indústria Farmacêutica também publica muitos anúncios em revistas médicas e outras mídias, comprando assim a aceitação do modelo de drogas farmacêuticas. Alguns periódicos manifestam um viés anti-vitamina D:

JAMA;  os editores do JAMA fizeram os autores do artigo relatar resultados de vitamina D mais suplemento de cálcio para reduzir o risco de câncer [Lappe, 2017], discutidos acima, enterrar suas descobertas mais importantes em um apêndice on-line com a desculpa de avaliar os resultados em termos dos níveis de 25 (OH) D não foi especificado no protocolo do estudo, ele não pôde ser incluído na versão impressa. Este artigo também sugeriu que o público estava sendo prejudicado ao tomar grandes doses de vitamina D. Mas tal evidência não existe.

The Lancet;  A Lancet Diabetes & Endocrinology publicou dois artigos sugerindo que, como os ensaios clínicos não encontraram reduções no risco de doenças decorrentes do suplemento de vitamina D [Autier, 2014], “o baixo nível de vitamina D é consequência de problemas de saúde e não de causas”. [Autier, 2017]. No entanto, esta hipótese foi testada e não comprovada.

O New England Journal of Medicine (NEJM)  publicou este artigo por autores do relatório do IOM [Ross, 2011b] questionando se existe uma deficiência generalizada de vitamina D.

Um artigo recente não encontrou nenhum benefício da suplementação de vitamina D para gestantes [Roth, 2018], embora a suplementação tenha começado bastante tarde na gestação (média de 20 semanas) e leva muitas semanas para o aumento de 25 (OH) D em platô.

No entanto, o NEJM se recusou a publicar um artigo relatando os benefícios de medir o nível sérico de 25 (OH) D e suplementar com vitamina D3 no Irã [Rostami, 2018], que encontrou benefícios significativos da suplementação de vitamina D em gestantes. [B. Hollis, comunicação privada]

O fato de os principais periódicos não publicarem documentos que parecem válidos e úteis sobre os benefícios não-esqueléticos da vitamina D dá aos editores da página da Vitamina D, na base da Wikipedia.org, a negação de que a vitamina D tem muitos benefícios esqueléticos.

5. A Correção

A Indústria Farmacêutica exerce controle significativo sobre os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a Food and Drug Administration (FDA) e os Institutos Nacionais de Saúde (NIH). A evidência é a seguinte.

CDC

“Muitos altos executivos e líderes do CDC também deixam a agência para assumir posições muito lucrativas com empresas farmacêuticas, revelando uma política de portas giratórias entre o governo e a Indústria Farmacêutica .”  [Shilhavy, 2018]

Um exemplo é que a Dra. Julie Gerberding aprovou a vacina Gardisil e tornou-se chefe da divisão de vacinas da Merck. [Inglaterra, 2018]

A revisão do CDC sobre os efeitos da vitamina D antecede o relatório do IOM [Ross, 2011a] com as referências mais recentes de 2007. Ele não faz quaisquer recomendações sobre a suplementação de vitamina D ou os níveis desejáveis ​​de 25 (OH) D.

No entanto, ele encaminha os leitores para outros sites que fornecem recomendações inadequadas para a suplementação de vitamina D [CDC, 2018]:

Para obter mais informações sobre a vitamina D, consulte os relatórios de Ingestão de Referência Alimentar do Institute of Medicine (Institute of Medicine 1997), fichas de informações dos Institutos Nacionais de Saúde, Escritório de Suplementos Dietéticos ( http://ods.od.nih.gov/Health_Information /DS_WhatYouNeedToKnow.aspx ), bem como informações da American Society for Nutrition (http://jn.nutrition.org)

FDA

A FDA é controlada pela Indústria Farmacêutica através da nomeação de seus líderes pelo Governo Federal e pelo facto de que a Indústria Farmacêutica financia muitas revisões de medicamentos para aprovação.

Conforme observado nas notícias, há uma porta giratória entre a Indústria Farmacêutica e a FDA. Assim, aqueles que entram no FDA nos níveis de políticas muitas vezes vêm da Indústria Farmacêutica e sabem que se eles fizerem as ofertas da Indústria Farmacêutica enquanto estiverem no escritório, eles serão recompensados ​​com um emprego bem remunerado na Indústria Farmacêutica depois de deixar a agência.

(Um olhar sobre como a porta giratória gira do FDA para a indústria – NPR [Lupkin, 2018])

Os conselheiros da FDA são frequentemente recompensados ​​financeiramente após novas aprovações de drogas, uma prática chamada “incentivos atrasados”, mas a FDA não fez nada para restringir essa prática. [Piller, 2018a, b]

Informações da FDA sobre a vitamina D:

Vitamina O que faz Onde é encontrado Valor diário
Vitamina D Nutriente de preocupação para a maioria dos americanos Regulação da pressão arterial
Crescimento ósseo
Equilíbrio de cálcio
Produção de hormônios
Função imunológica Função do
sistema nervoso
Ovos
Peixe (por exemplo, arenque, cavala, salmão, truta e atum)
Óleo de fígado de peixe
Cereais
fortificados Produtos lácteos
fortificados Margarina
enriquecida Suco de laranja
fortificado Bebidas de soja fortificadas (leite de soja)
400 UI

[FDA, 2018]

“A autorização de taxas para usuários em 1992 transformou as empresas farmacêuticas em clientes importantes da FDA, aprofundando a captura regulatória e cultural da agência. A indústria exigiu tempos de revisão médios mais curtos e, com menos tempo para revisar completamente as evidências, houve aumento nas hospitalizações e mortes. Atender às necessidades das empresas farmacêuticas tem prioridade sobre o atendimento das necessidades dos pacientes. ”[Light, 2013].

NIH

A Indústria Farmacêutica foi indiscutivelmente capturada pelo One Percent [Zaitchik, 2018].

O NIH publicou um folheto informativo para profissionais de saúde sobre a vitamina D. Basicamente endossa o relatório do IOM [Ross, 2011a]. As referências mais recentes (duas) são de 2014, mas estudos mais recentes mostram que altos níveis de 25 (OH) D são benéficos na promoção da saúde. [NIH, 2018]

Um ex-trabalhador da Indústria Farmacêutica de 1984-95, que foi co-fundador da Nordic Cochrane Collaboration em 1993 e atualmente é professor da Universidade de Copenhagen, publicou um livro examinando como a Indústria Farmacêutica corrompeu a saúde [Gotzsche, 2013].

Em 2009, o Instituto de Medicina foi dada a tarefa de rever as diretrizes para suplementos de vitamina D e cálcio.

O estudo foi financiado pela Food and Drug Administration, o National Institutes of Health e Health Canada. Entre as diretrizes estava a exigência de que a única evidência de efeitos benéficos tivesse que vir de ensaios clínicos publicados no momento em que o relatório foi publicado (final de 2010) [Chung, 2009].

Naquela época, ensaios clínicos randomizados mostraram apenas efeitos benéficos para a saúde óssea. O relatório recomendou 600 UI/dia de vitamina D para aqueles com até 70 anos de idade, 800 UI/dia para aqueles com mais de 70 anos de idade.

As atas das reuniões nunca foram divulgadas, portanto, provavelmente nunca saberemos quais outras considerações foram usadas para fazer essas recomendações.

Curiosamente, vários dos membros deste comité continuaram a publicar artigos sugerindo que há pouca evidência de benefícios da vitamina D, por exemplo, contestando as recomendações do 2011 da vitamina D da Sociedade de Endocrinologia [Holick 2011, 2012] e questionando se existe uma pandemia de vitamina D [Rosen, 2012a, b; Manson, 2016].

Jornais

Pharma possui LA Times

O jornal foi comprado por um bilionário da biotecnologia, fortalecendo ainda mais o controle da mídia pela Indústria Farmacêutica (ANH-USA, 2018).

Do LA Times:

O bilionário da biotecnologia Dr. Patrick Soon-Shiong assumirá na segunda-feira o controle do Los Angeles Times e San Diego Union-Tribune, dois jornais históricos baseados na vida civil do sul da Califórnia por mais de 135 anos? que agora deve se adaptar para a era digital.

Soon-Shiong está gastando US $ 500 milhões para adquirir as organizações de notícias, juntamente com Hoy, de língua espanhola, e um punhado de jornais comunitários, da Tronc, de Chicago.

Comentário:  “Normalmente, a Indústria Farmacêutica  influencia a mídia através dos biliões (bilhões) que a indústria gasta em propaganda, mas desta vez a tática é propriedade total.

Note também que o Dr. Soon-Shiong está no negócio de vacinas, então podemos esperar que o LA Times seja um defensor vocal do que o Estado da Califórnia está fazendo para tornar impossível que os pais se desviem do cronograma de vacinação.

Não só o estado eliminou todas as isenções não médicas à vacinação; eles estão reprimindo os médicos que oferecem isenções médicas também ”.

artigo completo em inglês:

prepareforchange.net/2018/10/21/the-war-against-vitamin-d-a-threat-to-big-pharma/

artigos relacionados:

oevento.pt/2018/04/07/o-que-nos-faz-subir-ou-descer-a-nossa-energia-frequencia-e-vibracao/
oevento.pt/2017/05/09/dieta-de-alta-vibracao/
oevento.pt/2017/05/09/agua-pura/
oevento.pt/2017/05/06/o-que-e-o-evento/

Partilhar no Facebook

8 Comments on “A guerra contra a vitamina D ~ Uma ameaça à Indústria Farmacêutica

  1. Ridículo isso! Quem tem deficiência severa pode ter câncer, pode ter filhos com Autismo entre outras coisas. É preciso muuuuita ingenuidade para achar que somente o sol é capaz de regular os índices de D3 e ter ainda mais ingênuidade para acreditar que se toma D3 por causa de gripe. Tomamos para que o cérebro funciome direito, para diminuir risco de cancer de colo do útero e intestino, para comtrolar a produção dos hormônios da tireóide. Bem vindo à realidade.

    1. ridículo é o seu comentário porque está a acusar o artigo de coisas que não são ditas. Basicamente o que o artigo diz é que faz bem apanhar Sol (Vitamina D) e que ajuda a ter uma vida mais saudável.

  2. Sou a prova viva disso. Durante os anos que usei protetor fator 60 três vezes ao dia e evitei exposição ao sol, tive 3 cânceres de pele. Depois que parei de usar e passei a tomar sol com equilíbrio, nunca mais tive nada.

  3. Sócrates o pai da medicina já dizia: Faça de seu alimento seu remédio seu remédio seu alimento.Nutrição deveria ser matéria obrigatória nas escolas,o Sol é fonte de saúde use – o com moderação sem protetor químico.

  4. A verdade pura e dura é que o negócio da saúde ou melhor dizendo O NEGÓCIO DA DOENÇA enche o bolso a muita gente sem qualquer espécie de escrúpulos e compaixão pelo seu semelhante! É mais que óbvio e evidente quem está por trás e controla tudo isto (teoria da conspiração?) mas infelizmente ainda há muitas pessoas que preferem viver adormecidas e em baladas pelas doces melodias da mentira do que viver a REALIDADE INCÓMODA da VERDADE e enquanto assim for a humanidade vai continuar a viver na ignorância e no sofrimento !!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.