revelação cósmica temporada 09

S09E06 Tecnologias da Base Secreta (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

S09E06 Tecnologias da Base Secreta (Revelação Cósmica ~ Emery Smith)
S09E06 Technologies of the Secret Base (Cosmic Disclosure)

Assista ao episódio clicando no link abaixo, usando o browser chrome:
https://drive.google.com/file/d/1lSddPelSlbel36PI9-fm5c7vVTYkFeTN/view?usp=sharing

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário (não no facebook), para indicarmos outro link.

Episódio com legendas em português do Brasil (para quem não deseja assistir ao vídeo):

revelação cósmica temporada 9 episódio 6

REVELAÇÃO CÓSMICA

POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO
COM DAVID WILCOCK

Tecnologias da Base Secreta

Bem-vindos ao
”Revelação Cósmica”.

Sou o apresentador, David Wilcock.
Estou aqui com um convidado especial,

Emery Smith,

que está nos trazendo
informações incríveis.

Ele corre muitos riscos ao revelar

o que vai compartilhar hoje.

Bem-vindo, Emery.

Obrigado, David.

É bom estar aqui.

-Que bom!
-Sim, é legal.

Que bom que finalmente
decidiu fazer isto!

-Já estava na hora.
-Eu sei.

Faz 10 anos que você está
tentando me convencer.

Porém, certos eventos
recentes convenceram-me

que talvez seja mais
seguro fazer isto

e informar o público.

As pessoas merecem saber.

Sempre achei isso,

mas também sei que tudo
vem na hora certa.

Sim.

No caso de vários informantes

com os quais já falei,
na parte de suas vidas

anterior ao exército, coisas
estranhas já aconteciam

mesmo antes de servirem.

Eu gostaria de saber se você
já teve experiências estranhas

antes do seu serviço militar

que podem ser relevantes hoje?

Com certeza. É muito pessoal,

mas posso revelar que o
meu avô era do exército

e o meu pai era da marinha.

Quando nasci, ele já
havia saído da marinha.

Eu sempre quis
entrar no exército.

Acho que a minha primeira visita de
extraterrestres ocorreu em 1979.

Foi na nossa fazenda de dois
hectares em Fort Myers, Flórida.

Esse foi o meu primeiro contato.

Foi um contato muito agradável.

Nunca esquecerei.

Não tive nenhum outro contato depois
disso até meados de mil novecentos…

Por volta de 1999 ou 1998.

Vi uma nave pousando.

Esse evento foi mais assustador,
porque eu estava acampando

e não estava preparado para o
que aconteceu no meio da noite.

Eu havia acabado de me deitar

quando ouvi pegadas
aproximando-se.

Acontece que…

Essas foram as duas experiências.

Aliás, a segunda foi
depois do exército,

mas foi só um pouco assustadora.

A primeira ocorreu quando
eu era muito pequeno.

Depois disso, fiquei
obcecado com as estrelas.

Eu devo ter dormido
mais vezes fora de casa

que dentro, observando
as estrelas.

Você poderia falar
mais sobre o contato

em Fort Myers, Flórida?

Você viu uma nave pousando?

E depois?

Descreva a nave.

Descreva o que aconteceu.

Eu havia me deitado para dormir

no meu saco de dormir,
quando olhei para cima.

-Você estava fora de casa.
-Sim, fora de casa.

Tínhamos uma fazenda grande.

Eu estava no meio do campo,

no meio do nada.

Então, um disco em chamas,

em um ângulo de 45 graus,

simplesmente apareceu no céu,
mas estava voando lentamente.

Estava flamejando.

Dava para ver o brilho alaranjado.

De que tamanho era?

De onde eu estava, eu
diria que ele estava

a pelo menos dois mil…

Talvez mil metros de distância.

Vi e ouvi quando ele
entrou na mata.

Eu achei que fosse só um meteorito.

Pensei: “É o meteorito
mais brilhante

que já vi”.

Porém, também notei que ele
tinha um formato estranho.

Não achei que fosse nada demais.

Ele pousou mais perto
que eu pensava,

no vizinho, a alguns
hectares de distância,

uns dois ou quatro hectares,
no pântano deles.

E um dos extraterrestres saiu da nave
e veio andando na minha direção.

Eu estava ao lado de uma
cerca de arame farpado,

dessas que usamos
para prender o gado,

de quatro linhas,
às vezes cinco.

Havia cercas de…

Sabe esses ganchinhos?

Nas cercas de arame,

tem um prego que prende

a cerca na madeira,
um ganchinho.

Alguns deles estavam frouxos.

Eu sempre usava uma lona

e colocava o saco de
dormir sobre a lona.

Então, eu me deitei
dentro do saco de dormir.

Sendo como sou,
sempre muito tático,

estava com a minha arma.

Ela estava dentro
do saco de dormir.

O saco de dormir era
estilo sarcófago.

Estava muito frio.

Eu ouvi um ruído…

Como se estivessem pulando a cerca.

Quando alguém pula uma cerca,

ela tem que ser abaixada,
passando pelo arame

-e pelos ganchos.
-Certo.

Fez um barulho assim…

E depois assim…

No chão.

Eu pensei: “Tudo bem.

Certo.

Macaco?

Urso? Pantera?

Pensei: “Qual é?”

Logo depois, comecei
a ouvir pegadas.

Eu sou muito antenado
com coisas desse tipo.

Fiquei um pouco inquieto.

Eu não sabia se era eu mesmo
ou se realmente havia um ser.

Então, segurei o
zíper imediatamente

e peguei a arma.

Abri o zíper, segurando a arma
e a lanterna, e levantei-me.

Havia um ser de 90
cm olhando para mim.

Como ele era?

Era azul e cinza, e tinha
olhos grandes e azuis.

Ele tinha uma coisa na cabeça,

como vemos em personagens de filme

ou desenho animado.

-Tipo uma antena?
-Sim, tipo uma antena.

Você disse que ele tinha olhos
azuis, ou seja, não era um Gray?

Não, não.

Ele era esquelético e azul.

Que tom de azul?
O da sua camisa?

Sim, era este tom.
E com a luz acesa…

Eu ainda estava preso
no saco de dormir.

Ele olhou para mim. Acho que a
luz machucou os olhos dele.

Acho que ele pensou: “Isto
aqui não vai terminar bem.

A minha nave acabou
de sofrer uma queda.

Só estou procurando
ajuda ou assistência.”

Sinto vergonha de dizer,
mas saí do saco de dormir

e fui atrás dele.

Ele saiu correndo,

e eu corri atrás dele.

Ele entrou em uma moita.

Minha intenção não era matá-lo.

Eu queria que ele voltasse.

“Vem aqui, cara!”

Eu correi atrás dele.

Ele entrou na moita.

Era muito densa, não
tinha como eu entrar.

Eu tentei entrar.

Fiquei todo arranhado.

Então, ouvi um barulho

e olhei para a cerca.

Eu estava ao lado da cerca.

Cheguei muito perto.

Ele pulou a cerca de novo,

voltando para a outra fazenda.

Eu estava cheio de adrenalina.

Estava no meio da noite,
mas eu fui mesmo assim.

Eu explorei um pouco aquela área,
seguindo a direção em que ele havia ido,

mas não vi mais nada.

Não houve nenhuma interação.

Acho que só assustamos
um ao outro.

Foi isso que aconteceu.

O rosto dele era parecido
com o de uma pessoa normal?

Ele parecia uma
pessoa de pele azul?

Ou o rosto dele era diferente?

Sim, o rosto era mais cheio
e um pouco mais oval,

tipo uma bolha.

Se você pegar uma bolha…

Se pegar uma bola de plástico

e apertá-la assim…

Mas ele também tinha traços.

Havia orifícios nas laterais.
Não eram orelhas, mas ouvidos.

E ele estava totalmente
consciente e era muito ágil.

Os olhos eram maiores
que os de um humano?

Sim, com certeza.

-Quão maiores?
-Umas três vezes.

E os olhos…

E olhos e a parte superior
do crânio eram maiores.

-Você disse que os olhos eram azuis?
-Sim, eram azuis.

Não eram pretos
como os dos Grays?

Eram totalmente azuis,
sem a parte branca.

Eram olhos azuis.

Não vi nenhuma pupila,

mas talvez fosse uma
camada de proteção.

Vários extraterrestres usam
lentes de proteção nos olhos.

Era um azul sólido?

-Sim.
-Sério?

-Sim.
-E ele tinha nariz ou…?

Sim, tinha um nariz pequeno.

Nariz e boca pequenos?

-Sim, boca pequena.
-Certo.

Parecia um desenho animado.

Era estranho.

Chegava a ser cômico,
de certa forma.

Quantos anos você tinha?

Eu devia ter uns…

1998, 1990… 18
anos… Uns 28 anos.

Certo. Vamos voltar
ao primeiro caso,

que pode ser muito relevante

-no seu serviço militar.
-Claro.

O que aconteceu
no primeiro caso?

Passo a passo.

Ocorreram vários
eventos depois desse,

mas eu não entendia o que eram.

Eu sonambulava muito

quando era menor.

Eu sempre saía de casa em
um estado hipnagógico,

mas eu sempre voltava.

Meus pais viam que meus pés
estavam sujos no outro dia,

mas eu não sabia por quê.

Eles me viram entrando
e saindo várias vezes,

mas nunca me feri
nem nada do tipo.

Então, certa noite,

não estava muito tarde.

Disseram-me para ir lá
fora telepaticamente.

Quando anos tinha?

Estava na segunda série,
acho que foi em 1979.

Certo.

-Você sentiu o impulso de sair.
-Sim.

Mas essas coisas já
aconteciam antes?

-Não, foi a primeira vez.
-Foi a primeira.

Foi a primeira vez.

Depois disso, começou a
acontecer o tempo todo.

Eu saía sem saber por
que estava saindo,

vendo luzes e outras coisas.

Eu só seguia.

Eu saí de casa. Havia uma lago.

Eu fui até o cais e
olhei para cima.

Havia uma linda nave azul.

Não fazia nenhum barulho.

Fiquei impressionado
com o silêncio.

A nave estava lá, e eu só sorri.

Eu fiquei…

Eu comecei a cantar.

Eu estava tentando… Sei lá…

Eu estava animado.

Eu só comecei a
assobiar ou algo assim.

Foi muito estranho.

Como era a nave?

O formato dela?

Era azul, em formato de disco.

Que tom de azul?

Era um branco azulado.

Não era azul-escuro.

Havia um brilho branco,

mas dava para ver os detalhes.

Não dava para ver as
bordas. Faz sentido?

Dava para ver o contorno
de um disco comum.

Eles estavam dizendo telepaticamente:
“Estamos aqui. Nós existimos.

E apareceremos de
novo para você.”

-Nossa!
-E eu me lembro muito bem,

como se fosse ontem.

Aquilo ficou marcado em mim.

Foi tudo muito rápido.

Acho que o evento todo durou
cerca de um minuto e meio,

dois minutos.

Digo, é muito tempo.

Não seria possível hoje em dia,

pois a nave seria abatida
em dois segundos.

Naquela época, porém,
era um pouco diferente.

Acho que eles tinham
mais oportunidades

de fazer encontros desse
tipo não só comigo,

mas com várias outras
pessoas, dando-lhes esperança

e algo para ir atrás no futuro.

Foi assim que comecei a acreditar
piamente nessas coisas.

Eu não falava muito sobre isso,

a minha família também não.

Você acha que o seu pai

ou seu avô talvez estivessem
envolvidos em operações secretas?

Sim, meu avô estava.

-Sério?
-No exército.

E meu pai era piloto
desses aviões da Marinha

que procuravam
submarinos nas Bahamas

e no litoral da Flórida.

-Ele fazia isso.
-Sério?

Ele fazia outras coisas,

mas acho que não tinham nada
a ver com inteligência.

Parece que você fazia parte
de um programa de contato

com extraterrestres.

Você descreveu alguns eventos

-em que saiu de casa à
noite… -Sim, com certeza.

…e foi lá fora.

Você sente que existem lacunas
na sua memória relacionadas

a esses eventos?

O que acontecia
quando você saía?

Eu me lembro de muita coisa.

Quando era mais jovem,
eu tinha um dom.

Acho que é um dom.

Consigo controlar meus sonhos.

Eu sei quando estou sonhando.

Recentemente, isso voltou.

Recentemente, nos últimos meses,

voltei a conseguir fazer isso.

Eu havia perdido o dom
quando entrei no exército.

Não conseguia mais fazer isso
quando entrei no exército.

E eu comecei cedo.

-Tinha uns 13 anos.
-13?

Comecei como auxiliar da Patrulha
Aérea Civil da Força Aérea.

Fui levado pelo meu pai.

Eles davam licenças de
piloto às crianças de graça,

se você se classificasse
e decidisse participar.

Isso também serve
como patente extra

para quem vai entrar no exército,

-como o ROTC.
-Certo.

Que eu também fiz.

Há vários benefícios.

Obtive a minha licença
de piloto ainda jovem.

Eu fiz todos os testes,
mas sei de uma coisa.

Fiz muito mais
testes que o normal

para entrar no exército.

Não era a bateria de
testes normal do exército.

Era…

Dê-me um exemplo de
um teste incomum.

A bateria de testes do exército
serve para identificar

a sua aptidão.

Você é um bom mecânico?

Vamos ver se entende
esta roda ou corrente.

Talvez seja um bom escritor?

Sabe o que é um verbo,
adjetivo ou linguística?

E isso pode definir

a sua especialidade militar.

Define sua especialidade,

mas, no meu caso, tinha a
ver com formas geométricas.

-Sério?
-Sim, tipo mandalas.

“Entre as seis opções, de
qual você gosta mais?”

“Como assim?”

Para mim, não era um teste, mas
eles estavam testando algo.

Obviamente,

havia um tipo de
mensagem subliminar,

algo codificado que eu
nem sabia que tinha

ou que a minha linhagem tinha.

Talvez fossem logos de
grupos de ET que eles sabiam

-que tinham entrado em contato com você.
-Exatamente.

Foi assim que me tiraram
da Força Aérea,

depois que servi meus 4
anos e meio, mas mantive

o trabalho terceirizado.

Você já havia trabalhado na
Força Aérea por 4 anos e meio?

Eu servi por 4 anos e meio,
mais dois anos de reserva

e dois anos inativo.

No total, 8 anos e meio.

E foi depois dos 4 anos e meio
que você começou a receber

os filés de salmão?

O primeiro filé de salmão
foi em 8 de agosto

de 1991.

Nossa!

Você fez os testes.

Esses testes começaram
quando você tinha 13 anos?

Sim, começou na parte de auxiliar.

Em seguida…

Um deles era com
formas geométricas.

Você poderia me
dar outro exemplo

de teste bizarro?

Havia várias perguntas de
física avançada e magnetismo,

assuntos sobre os quais eu não
entendia nada naquela época,

mas minha pontuação foi boa.

Porém, não era a minha praia.

Tive grandes
oportunidades de emprego

quando entrei no exército,

mas eu queria ser piloto
de caças F-15 Eagle,

eu só queria voar,

estilo “Top Gun”.

Porém, o exército me
ofereceu uma bolsa.

Eu não podia recusar só
para pilotar helicópteros.

Tudo que tem a ver com pilotar,

indo na direção de ser
astronauta ou da NASA,

ou algo relacionado ao espaço…

A maioria dos pilotos
e astronautas…

É diferente agora,

porque eles precisam de
cientistas especialistas.

Foi assim que me tornei um
especialista terceirizado.

Voltado ao porquê.

Eu queria muito ser piloto,

mesmo tendo só 16 anos
quando me alistei.

Enquanto eu me decidia,

eles me disseram que eu podia
entrar na área médica.

E eu… Eu adorava…

Eu adorava ir ao médico
e ver aquelas coisas.

Adorava quando o médico
cortava uma unha encravada,

para que não doesse tanto
quando eu jogasse futebol.

Eu ficava impressionado.

Ele dizia: “Fique sentado.
Você não vai gostar de ver.”

Eu dizia: “Não, eu quero ver!”

Eles davam a injeção,

mas achavam que eu
era muito estranho.

E todos esses
cirurgiões e médicos

viravam meus amigos
quando eu era mais jovem.

Depois, eu virei professor deles,

pois eu obtive a minha
certificação médica

para ensinar sobre plaquetas,
plasma e células-tronco.

Isso foi engraçado.

Que certificação médica?

Médicos, enfermeiros e o
pessoal da área de saúde,

para manter sua licença, é
necessário participar de simpósios

e atualizar-se em relação às
novas propriedades educacionais.

Educação médica continuada.

Certo.

Vamos voltar a quando você
foi levado à base de Sandia.

Acho que você já me contou

sobre o processo
para entrar na sala.

Vamos começar pelo que
você via quando chegava.

Qual era a primeira
coisa que você via

que era muito diferente

de uma base normal…?

Tendo trabalhado em
salas de cirurgia

e em situações de emergência,
eu já sabia praticamente tudo

sobre o corpo humano.

No programa acelerado,
eu auxiliava cirurgiões.

Assim que entrei nesse
lugar, eu já sabia

que eles haviam investido
muito dinheiro nele.

Até mesmo as portas, os
sistemas de segurança

e os guardas.

A conduta dos cientistas e
médicos que estavam presentes,

bem como dos técnicos
e todo o pessoal,

era muito séria.

Tudo era muito organizado.

E muito limpo.

Primeiro, você recebe orientações.

Eles fazem

uma longa investigação, mas eu
já estava em serviço ativo.

Era perfeito para eles. Jovem.

Se eu errasse, quem ligaria?

Era só se livrar de mim.

“Ele morreu em um
acidente de helicóptero.”

Eu era o candidato perfeito,

com um QI muito alto.

Era perfeito.

“Já tem formação médica.
Vamos ver do que é capaz.”

Eles me levaram a uma sala.

Isso foi antes do
meu primeiro caso.

Eles colocaram tudo na mesa…

-O quê?
-Vários contratos.

Eram muitos papéis.

-E eu… -Eles esperavam
que você lesse tudo?

Não faz sentido.

É claro que não li!

Eu tinha 19 anos!

Eu passei as páginas

e fui assinando.

Já tinha sido idiota o bastante

para entrar no exército.

E era…

A propósito, eu
adoro o exército.

Eles salvaram a minha vida

e me fizeram quem eu sou hoje.
Então, sou um grande apoiador

até hoje, com outros
projetos e ações.

Não quero que achem
que eu não sou.

Sempre fui muito grato a eles.

Mas somos muito gratos à Aliança

pelo fato de estarem
virando o jogo para nós.

-É incrível.
-Sim, eu sei.

Todos o pessoal do bem.

Precisamos de gente como você.

Gente que tenha coragem

de falar a verdade e
compartilhar suas experiências.

Eu espero que…

Conheço muita gente assim.

Quando me virem vindo a público,

acho que muito mais
gente virá a público

dentro de um ano.

Vai ficar mais fácil também,

pois a Cabala está
sendo derrotada.

Você tem informações sobre isso,

-que analisaremos em outros episódios.
-Claro.

Então, você estava
com os documentos…

Eu assinei os livros… É
tudo muito autoritário.

todas as pessoas de jaleco

e todos os outros…

Os “guardas”.

Porém, não nas operações secretas.

Eles usam trajes neutros,

é tudo branco e muito prático.

Tipo macacão?

Sim, um macacão de piloto.

Ele é branco, mas tem várias faixas
muito legais e armas bem diferentes.

Acho que não podem usar armas

lá embaixo por causa da
pressurização. Foi o que me disseram.

Sempre me diziam para
não levar a minha arma

para dentro da base.

Tem um vestiário em cima.

Você veste o jaleco,

desce e troca de roupa.

-São duas estações de troca.
-Nossa!

E havia um pulseira
que era muito legal.

Ela parecia ser feita de silicone.

Depois, descobri que era
de grafeno. Ela brilhava.

Ela registrava todos os lugares
aonde eu fosse dentro da base.

Eles a tomam de você.

Ela também era ativada depois.

Eles tinham iPads àquela época
que deixariam os iPads de hoje…

Eles eram finos como…

Sabe os filmes de raio X?

Sim.

Ou os filmes que usávamos

nos projetores?

Sim.

Imagine um filme
desses como um iPad,

completamente iluminado e capaz
de acessar todo o banco de dados

da seção não qual você
estivesse trabalhando,

podendo localizar o seu
supervisor, se necessário…

Dava para saber onde
todo mundo estava.

Não havia como
esconder ou fugir.

Você sempre andava
com esse iPad.

Ele era usado para inserir
dados do seu trabalho,

pois tudo é documentado.

Se ele era mole assim,
dava para digitar nele?

Isso é fácil.

Dava para mexer com o dedo,
mas também tinha uma caneta,

que parecia um termômetro.

Ela tinha uma textura
muito antiaderente.

E dava para segurar também.
Não era tão mole assim.

Era um pouco mais
duro que um filme,

mas era um material semelhante.

Era um policarbonato especial

que eles obviamente misturavam

com grafeno ou algo fotovoltaico

que possibilitasse o aparelho.

De qualquer forma, ele sempre ficava
apoiado em alguma superfície.

Não era uma folha de papel.

Ele sempre ficava na sua mesa,

enquanto você usava algo, os
dedos ou qualquer outra coisa,

e ele também se
conectava a outros…

Cada sala tinha uma estação,
com as estações para iPhone.

Quando você coloca esse
negócio em uma mesa,

a mesa toda entende
que ele está lá.

Nossa, que legal!

É uma energia tipo Bluetooth.

E é em cores.

Sim, cores bem vívidas.

Objetos tridimensionais.
Você pode…

-Também é holográfico?
-Sim, é holográfico.

Principalmente sobre as mesas.

As mesas viram a
parte tridimensional

-da sua apresentação.
-Nossa!

Se eu recebesse um corpo

já digitalizado em 3D,

poderia projetá-lo sobre a mesa

e movê-lo com as mãos.

Alguém poderia dizer:
“Não sei o que é

esta parte do corpo aqui.

Só queremos esta parte.

Então, mexa o mínimo possível

para isolar este órgão
ou esta parte aqui.”

Era muito… Isso
me animava muito.

Eu gostava dessas
coisas. Eu era jovem

e não queria cometer
nenhum erro.

Eu queria prosseguir.

E a época, certo?

Nesse período que você
está descrevendo,

só tínhamos aquelas torres
de CPU que eram ridículas.

Minha nossa!

Tínhamos aqueles tijolos…

Nem sei se a Apple
já tinha voltado

ao mercado.

Eles eram…

A pulseira e o iPad feito
desse material mole

eram muitos importantes e
sempre estavam com você.

E…

Dava para enrolar e
colocar no bolso?

Como você carregava
esse iPad mole?

Você nunca carrega nada

além da pulseira e desse papel.

Não é permitido usar relógio

nem joias dentro dessa base.

Eles pegam tudo de você

nas duas trocas de roupa.

Neste programa, Corey já mencionou
dispositivos de vidro inteligentes.

Parece muito com o que
você está descrevendo.

Como eles chamavam esse objeto?

Ele tinha um nome?

Era chamado de pasta.

-Pasta?
-Sim, pasta.

Não tinha um nome sofisticado
como no Star Trek.

Muitas vezes, como dizem,
eles preferem reduzir

o impacto psicológico. -Sim.

Eles tentam usar
objetos convencionais.

Faz sentido.

Daí o nome “pasta”.

“Não se esqueça da sua
pasta e da sua pulseira.”

A pulseira fazia algo
além de brilhar?

Você disse que brilhava…

Sim, de vez em quando,
ela brilhava.

Acho que quando alguém

acessava a sua localização,
principalmente

no caso de violações.

Houve algumas violações

no meu tempo de serviço,
coisas que escaparam.

Também houve um técnico
cientista como eu

que tentou levar algumas
coisas para fora da base.

Quando a pulseira brilha
em uma cor diferente,

existem cores diferentes
de acordo com o evento.

Nesse caso, não se mexa
nem vá a lugar nenhum

até que resolvam

a emergência.

Como nos hospitais, temos
código vermelho e azul

e coisas do tipo.

É semelhante.

Você sabe o que fazer ou não fazer.

Você se lembra de
alguma cor da pulseira

e do que ela significava?

Vermelho significa “não se mexa”.

É melhor nem se mexer?

Azul significa que está tudo bem.

Amarelo indicava
violação em casos

de contaminação.

Não, mas não estou falando
de alguém roubando algo.

Seria alguém com um
buraco no uniforme ou…

Essas coisas carregam vírus.

Elas trazem bactérias
que nem conhecemos.

Podem ser letais.

Podem sofrer mutações.

Seria péssimo se escapassem.

Então, eles usam sistemas
de inteligência artificial

e limpadores de ponta, além de
unidades de tratamento de ar

com uma capacidade de desinfecção

que você nem imagina.

Passar por essas máquinas
durante as trocas de roupa

não doía nem era incômodo,

era só uma precaução.

E eles têm aberturas
nos sistemas

que captam partículas,
partes por milhão,

e conseguem detectar se uma
bactéria ou vírus da gripe

entrou na abertura e
atingiu o detector.

Então, tudo é fechado
imediatamente.

-Seria o amarelo?
-Sim.

-Na pulseira?
-Sim.

Amarelo não era uma cor boa.

Você acha que a pulseira poderia
eletrocutá-lo ou matá-lo,

se você se movesse
na cor vermelha?

Eu nunca me senti
ameaçado pela pulseira.

Certo.

O que seria uma violação?

O que ocorre nesse caso?

Uma vez…

Essa história é nova,
ouvi de outra pessoa.

Eu sempre vou dizer
se a história é minha

ou de outra pessoa.

De outra pessoa significa
que o alarme foi acionado.

É claro que, posteriormente,
fomos informados

que alguém havia tentado
escapar com algo.

Só isso.

Eu não sabia o que era.

Não podia perguntar o que era.

Era isso que eles faziam
para acalmar todo mundo.

Assim, todos podiam
voltar ao trabalho.

É muito angustiante quando
o alarme é acionado.

Então, você nunca descobriu
o que haviam levado?

Eles só lhe deram…

Uma vez, eu descobri o que era

porque o marido de uma amiga
era um dos seguranças.

Eles haviam feito um
urso híbrido incrível

com integração óssea.

Não sei o que isso significa.

Pode especificar?

Eles fizeram um tipo
de animal híbrido

que parecia um urso-pardo gigante.

Certo, mas ele era humano?

Mas ele tinha garras… Sim.

Mas ele tinha garras de metal
feitas de um material incrível…

Um material integrado à
estrutura óssea dele.

Isso significa que o
titânio e o tecido…

Ou seja qual for o
metal. Não sei qual era.

Só estou fazendo uma hipótese.

Só sei que, quando ele fugiu,
eles tinham um caminhão especial

para pegá-lo.

Ele chegou à superfície.

-Estava cruzando o deserto.
-Sério?

Sim, era muito rápido.

Eles tinham que
explodir esse ser,

mas ele era indestrutível,
eles só conseguiram feri-lo

e colocá-lo nesse
caminhão especial.

O aço da parede do
caminhão tinha 20 cm

-de espessura.
-Meu Deus!

E as marcas que ele fez
tinham 10 cm de profundidade.

Nossa!

Não sei o que estava
tentando fazer.

Devia estar tentando
fugir. Eles deram um jeito

de abatê-lo.

Esse cara estava presente.

Ele viu as marcas
no caminhão também.

Que loucura!

E ele…

Eu o considero uma
pessoa muito honesta.

E a notícia espalhou-se.
Todos ficaram sabendo.

Todo mundo sabia que
era algo sério.

Ele saiu de um departamento
de genealogia diferente

na base.

Perdão por deixá-los em suspense,

mas esgotamos o tempo que
tínhamos para este episódio.

História muito interessante.
Vamos ouvir mais no futuro.

Obrigado por assistirem.

Sou David Wilcock e estou aqui
com nosso convidado especial,

Emery Smith.

Obrigado por assistirem.

REVELAÇÃO CÓSMICA

POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO COM DAVID WILCOCK

 

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments