Forum

Por favor ou Registo para criar artigos e tópicos

Gostaria que pensamentos, ideias, vontades, sonhos. Enfim tudo o que nos une e paradoxalmente nos diferencia tivesse aqui um espaço por exemplo, partilhar, desabafar. Uma vez que tantas vezes buscamos nos outros porque não nós , sem julgamentos

12

 

Anna reagiu a este artigo.
Anna

Primeiro Natal a sério,  sem data. Sem prendas e prendinhas. Os que vierem abraços  uns aos outros. O que o covid me fez.....despertei para a prática  de só  estar e querer estar entre risos e risadas. Aqui as prendas somos nós  e com isso aqui o Natal acabou, para ser todos os dias. Agora à  séria , sem clichês. A questão  é  mesmo essa o que fazer de algo negativo, senão  malabarismo.  Namaste irmãos

Anna, Carlos_c e Ricardo Brandão reagiram a este artigo.
AnnaCarlos_cRicardo Brandão
Citação de Carla Mota em 30 Novembro, 2020, 14:44

Primeiro Natal a sério,  sem data. Sem prendas e prendinhas. Os que vierem abraços  uns aos outros. O que o covid me fez.....despertei para a prática  de só  estar e querer estar entre risos e risadas. Aqui as prendas somos nós  e com isso aqui o Natal acabou, para ser todos os dias. Agora à  séria , sem clichês. A questão  é  mesmo essa o que fazer de algo negativo, senão  malabarismo.  Namaste irmãos

Ora aqui estou começando minha ronda por estes espaços virtuais e só tenho a parabenizá-la (adotei este termo lá dos 'brazis' a que acho piada, rs), por abrir um tópico cujo título é só por si um 'statement'. Valeu!.

E o que me apraz adiantar-lhe é isto:

Aderi a este fórum com alguma ´gana' pois, como já fui dizendo aos 'soluços' nos comentários do site (um bocado aqui, outro ali....) e o repeti a si nem há muito, eu já estou num adiantado estado de desprendimento e despojamento das coisas deste mundo, antecipando  e vivenciando um tipo de 'evento' à minha maneira, isto é, fazendo de conta que muito do que se prevê vir a acontecer seja já realidade para mim, procurando agir e tirar partido do muito que há por aí já disponível e acessível. Simbolicamente o nome que estava dando a este meu canto era 'balão' por o considerar condizente com esses sentimentos, mas agora o 'balão' foi promovido a 'nave', dada a premente necessidade de mais e melhor me expandir e afastar desta civilização que absolutamente já se esgotou e deu o que tinha a dar.

Portanto, caríssima repito aqui o que o Mestre Aïvanhov (agora Ascenso) declarou, que tudo neste mundo está definitivamente consumado, já foi dito e redito e está prestes a ser consumido, importando apenas e tão só perservar nosso veículo carnal o mais sustentada e equilibradamente possível para que o veículo espiritual se vá desprendendo e elevando das malhas deste mundo, sem atritos de maior. É o que o Rodrigo Romo define como 'verticalização'.

Assim sendo, resumindo e terminando, o que me cabe aqui fazer e dizer é apenas partilhar-me por via das partilhas que faça aproveitando as 'entrelinhas' dos assuntos postados. E mais não digo aqui reservando-me para as ditas, portanto.

E entretanto, dado o fluxo que o fórum está a ter e ainda bem, estou em vias de proceder a algumas alterações na arrumação dos meus tópicos para tornar mais fácil o acesso e procura dos conteúdos e disso vou dar conhecimento ao administrador, lá no site.

Saudações e até...

Carla Mota, Anna e 3 e outros utilizadores reagiram a este artigo.
Carla MotaAnnabruno2000Ricardo BrandãoLuisPina

Maninha,

No momento o que mais gostaria para além das med beds ( sabes porquê...) Era que nesta altura delicada das nossas vidas, sentissemos todos mais empatia pelo Outro. Podemos senti-la nós e isso já de si só deveria bastar...mas humanos que somos...queremos sentir do Outro. E há momentos que por mais que saibamos de coisas, precisamos disto.

Porque há afastamentos que tem de existir por força do covid , mas há outros que poderiam não acontecer se ao menos nos colocássemos nos pés ( pés e nao sapato porque só com a pele é que se sente) do outro.

Era só isto.

Amém mais e não tenham medo. Não sabemos se vamos ter uma próxima Vida.

 

Abraços

 

Carla Mota, Carlos_c e Ricardo Brandão reagiram a este artigo.
Carla MotaCarlos_cRicardo Brandão

Caro Álvaro o referido tradutor Mauro B. Que descasca seriamente a bíblia,  e limita-se a somente traduzir, tarefa muito dificil dos textos originais, ou os mais perto de o serem. Trás  uma lucidez e a eterna questão,  quem são  aqueles que realmente de dizem que são  e os seus reais objetivos  Ele  fala dos assuntos dogmáticos, das velhas crenças  e por aí,  de um Ser a que chamam Deus ( até  diz que deveriam ser julgado) e de seus enviados, que não  vieram para libertar a humanidade, mas sim a tribo de Israel. Não  faças  ao próximo...frase tão  bonita, que quando descascada se limita não  faças  à  tua tribo, porque aos outros mata se for preciso. Então  aqui estamos pegados a " coisas" e a salvadores que na sua mensagem de amor, só  nos querem bem. Será? Porque o amor é  a droga mais poderosa e com ela se pode fazer muito....a questão  não  é  os maus, como o lobo do capuchinho  e para mim mesmo o dito, bem, porque  a ideia de o lobo com pele de cordeiro, pode ser somente um lobo mascarado, agora o cordeiro que acreditamos ser cordeiro é  que é  extremamente  perigoso. Quem está  realmente atrás  disto tudo? Esta é  a pergunta? Mauro chega tão  perto de tanta coisa, limitando-se a pensar, a unir pontas e a sabedoria que o permite actualizar uma palavra antiga que não  tem tradução . ( pontas) Que não  batem certo. Leu o retrato de Dorian Gray....talvez por aí.

AlvaroBarriaMaio reagiu a este artigo.
AlvaroBarriaMaio

Tens razão  mana do meu coração.

Todos os natais( dias) passo contigo porque entras-te para sempre dentro de mim. Estamos as duas na mesma margem do rio, com afastamento covid ou não . Seja lá  para onde isso vai. Amo-te

Citação de Carla Mota em 1 Dezembro, 2020, 7:15

Caro Álvaro o referido tradutor Mauro B. Que descasca seriamente a bíblia,  e limita-se a somente traduzir, tarefa muito dificil dos textos originais, ou os mais perto de o serem. Trás  uma lucidez e a eterna questão,  quem são  aqueles que realmente de dizem que são  e os seus reais objetivos  Ele  fala dos assuntos dogmáticos, das velhas crenças  e por aí,  de um Ser a que chamam Deus ( até  diz que deveriam ser julgado) e de seus enviados, que não  vieram para libertar a humanidade, mas sim a tribo de Israel. Não  faças  ao próximo...frase tão  bonita, que quando descascada se limita não  faças  à  tua tribo, porque aos outros mata se for preciso. Então  aqui estamos pegados a " coisas" e a salvadores que na sua mensagem de amor, só  nos querem bem. Será? Porque o amor é  a droga mais poderosa e com ela se pode fazer muito....a questão  não  é  os maus, como o lobo do capuchinho  e para mim mesmo o dito, bem, porque  a ideia de o lobo com pele de cordeiro, pode ser somente um lobo mascarado, agora o cordeiro que acreditamos ser cordeiro é  que é  extremamente  perigoso. Quem está  realmente atrás  disto tudo? Esta é  a pergunta? Mauro chega tão  perto de tanta coisa, limitando-se a pensar, a unir pontas e a sabedoria que o permite actualizar uma palavra antiga que não  tem tradução . ( pontas) Que não  batem certo. Leu o retrato de Dorian Gray....talvez por aí.

Caríssima Carla, grato pelo comentário expressivo quanto ao contributo que esse autor está a ter na desmontagem de toda essa trama e é pena que toda a sua extensa obra nesse sentido não seja conhecida por aqui, como deveria ser. A ajuda de Jussara é preciosa mas o que expõe e disseca nos seus livros vai muito mais além. Breve darei conta de um texto que traduzi duma resenha literária italiana aquando da publicação no princípio deste ano, de mais uma das suas obras polémicas, 'Os deuses bálticos da Bíblia. O Israel que não se espera', que escreveu em parceria com outra autora, Cinzia Mele'. A capa original vai em anexo.

Saudações e até...

Ficheiros carregados:
  • Tem de iniciar a sessão para ter acesso aos carregamentos.
Carla Mota reagiu a este artigo.
Carla Mota

Álvaro  ainda hà  pouco tive a ler um manuscrito  enviado pela Ana

Estou a escrever para si, porque através  das provas dadas, julgo que é  uma mais valia incontornável  aqui e onde estiver.

Durante algum tempo li wes e ariel glad, que afirmam que o Universo  é  feminino. Aparte de todo o estudo que os levou aí.  Eu sei que é  e que é  isso que está  no epicentro  desta guerra de Deuses. Sei porque sinto e não  tenho porque ( estou mais ou menos evoluída, depende da perspectiva), isolada, com quem me expressar pois aquilo que acredito é  porque sinto. Mauro aborda um desses deuses, que só  nos fez mal. E o Álvaro  sabe. Assim como sabe que muito poucos estão  realmente a sair da matrix, pois a maioria dita desperta está  a entrar noutra. Porque afinal o que é  uma matrix? E até  onde ela vai, já  que lidamos com algo finito, mas infinito nas suas propabilidades.

Um japonês  escreveu um livro sobre a urinoterapia.  Na capa pôs  um cálice,  que simboliza  o santo graal. Encheu-o de urina. Pois conforme explicou o valioso é  o que é  que la pões....muito profundo.  Sinceramente  prefiro -o cheio de urina (rs) sei que me entende. Obrigada  irmão.  Gosto de si à brava. Principalmente  aquela parte do desenrasque. Sem ídolos  e ilusões.

 

 

 

Anna reagiu a este artigo.
Anna
Citação de Carla Mota em 2 Dezembro, 2020, 19:56

Álvaro  ainda hà  pouco tive a ler um manuscrito  enviado pela Ana

Estou a escrever para si, porque através  das provas dadas, julgo que é  uma mais valia incontornável  aqui e onde estiver.

Durante algum tempo li wes e ariel glad, que afirmam que o Universo  é  feminino. Aparte de todo o estudo que os levou aí.  Eu sei que é  e que é  isso que está  no epicentro  desta guerra de Deuses. Sei porque sinto e não  tenho porque ( estou mais ou menos evoluída, depende da perspectiva), isolada, com quem me expressar pois aquilo que acredito é  porque sinto. Mauro aborda um desses deuses, que só  nos fez mal. E o Álvaro  sabe. Assim como sabe que muito poucos estão  realmente a sair da matrix, pois a maioria dita desperta está  a entrar noutra. Porque afinal o que é  uma matrix? E até  onde ela vai, já  que lidamos com algo finito, mas infinito nas suas propabilidades.

Um japonês  escreveu um livro sobre a urinoterapia.  Na capa pôs  um cálice,  que simboliza  o santo graal. Encheu-o de urina. Pois conforme explicou o valioso é  o que é  que la pões....muito profundo.  Sinceramente  prefiro -o cheio de urina (rs) sei que me entende. Obrigada  irmão.  Gosto de si à brava. Principalmente  aquela parte do desenrasque. Sem ídolos  e ilusões.

Caríssima Anna, grato por este seu desabafo fluido ao qual não sei bem como responder a não ser estender-me a partir do que diz para que melhor me faça entender, pois noto alguma baralhação na arrumação do texto. E assim começarei, sem saber quando terminarei...

Álvaro  ainda hà  pouco tive a ler um manuscrito  enviado pela Ana  Seria possível saber qual 'teve' a ler, pois, isso ajudaria, caso, claro, não seja algo que diga apenas respeito a vocês.

Estou a escrever para si, porque através  das provas dadas, julgo que é  uma mais valia incontornável  aqui e onde estiver. Gostei essa das ´provas dadas' mas a verdade é que não estou dando aqui prova de nada e sim dando conta de tudo... o que por via de mim possa interessar a vocês e isso é a mais valia que importa partilhar e não eu. E estou sempre aqui do mesmo jeito que estou onde estiver pois não tenho outro sítio para estar...

Durante algum tempo li wes e ariel glad, que afirmam que o Universo  é  feminino. Aparte de todo o estudo que os levou aí.  Eu sei que é  e que é  isso que está  no epicentro  desta guerra de Deuses.

Não estou a reconhecer esses autores e quanto ao Universo eu não afirmo ser ele Feminino nem Masculino nem Híbrido, pois reconheço que ele simplesmente É. Essa diferenciação existe nos mundos de manifestação, sobretudo nos de baixa vibração como o nosso. E o que está no epicento desta guerra dos Deuses transcende essas dicotomias embora tenham a sua influência, dependendo da origem dos 'Deuses'.

Sei porque sinto e não  tenho porque ( estou mais ou menos evoluída, depende da perspectiva), isolada, com quem me expressar pois aquilo que acredito é  porque sinto.

Esta é uma frase em que se nota alguma baralhação embora dê para entender o que quer dizer, acho. E quanto a estar mais ou menos evoluída, isso talvez dependa do hora do dia pois há hora para se estar dum jeito e outra para simplesmente não se estar de jeito nenhum...! Agora se dissesse 'sou' em vez de 'estou', a resposta seria outra, assim...!

E isolada não creio que esteja, pelo menos não tanto como eu, embora comigo isso só aconteça em sentido físico pois ESTOU sempre em boa companhia e que resulta tanto melhor quanto menos gente houver à volta. E termino dizendo-lhe que 'crença' não rima lá muito bem com 'sentimento', pois não faz grande sentido dizer que sente no que acredita. Ou não foi isso que senti da frase que li?!...

E continuarei desenvolvendo amanhã pois outros assuntos a requerer atenção me aguardam ainda hoje.

Saudações e até...

(Relembro que só estou por aqui 'conectado' (deste jeito, claro) apenas a partir do final do dia, no restante tempo as 'conecções' são outras e das mais variadas origem.)

 

 

Anna reagiu a este artigo.
Anna

É  a carla que lhe escreveu.

O manuscrito é  somente um texto que aborda o poder do feminino e como foi perdido em nome do patriarcado.

Quando digo feminino, não  o faço  por comparação  ao masculino. Faço-o porque o sinto como um útero.  Onde abunda o vácuo,, onde a terra não  tem valor, mas sim a paisagem.

Wes e ariel glad são  dois estudiosos , que têm  se debruçado  sobre o gnosticismo

Sim, gosto de si porque o considero um espírito  livre. E tem sido uma mais valia aqui.

A separação   entre masculino e feminino,  foi uma das grandes chagas. Porque atribuiu-se qualidades a um e a outro que são  unas.  Mas vou escrever menos, porque todas as palavras levadas á  letra,  murcham o todo. Assim é  preferível  somente observar. Namaste irmão

Anna reagiu a este artigo.
Anna
Citação de Carla Mota em 3 Dezembro, 2020, 6:59

É  a carla que lhe escreveu.

O manuscrito é  somente um texto que aborda o poder do feminino e como foi perdido em nome do patriarcado.

Quando digo feminino, não  o faço  por comparação  ao masculino. Faço-o porque o sinto como um útero.  Onde abunda o vácuo,, onde a terra não  tem valor, mas sim a paisagem.

Wes e ariel glad são  dois estudiosos , que têm  se debruçado  sobre o gnosticismo

Sim, gosto de si porque o considero um espírito  livre. E tem sido uma mais valia aqui.

A separação   entre masculino e feminino,  foi uma das grandes chagas. Porque atribuiu-se qualidades a um e a outro que são  unas.  Mas vou escrever menos, porque todas as palavras levadas á  letra,  murcham o todo. Assim é  preferível  somente observar. Namaste irmão

Caríssima, grato pelo pronto retorno nem me deixando terminar a resposta ao seu desabafo anterior. E agora já não interessa retomá-la pois já se explicou q. b. agora. E o que importa reter do que diz é a intenção de passar a escrever menos e somente observar, o que me parece acertado no que toca a escrever menos e não tanto com 'somente' observar, pois, como seres 'quânticos' tanto somos observadores como objectos a observar, isto é, observamo-nos a nós mesmos como experiência passageira neste palco sendo 'algo' que está para além dela, que é perene e imortal. E mais não adianto quanto a isso neste momento, pois esse será desenvolvimento a fazer ao longo deste intercâmbio partilhado e sobretudo por via do contributo dos 'partilhados' seleccionados pois a palavra e testemunho deles é que importa reter, não o que eu diga que eles disseram!. E um deles (mais um) seguirá ainda hoje, ok? Saudações e até...

Carla Mota e Anna reagiram a este artigo.
Carla MotaAnna
Citação de Carla Mota em 1 Dezembro, 2020, 7:15

Caro Álvaro o referido tradutor Mauro B. Que descasca seriamente a bíblia,  e limita-se a somente traduzir, tarefa muito dificil dos textos originais, ou os mais perto de o serem. Trás  uma lucidez e a eterna questão,  quem são  aqueles que realmente de dizem que são  e os seus reais objetivos  Ele  fala dos assuntos dogmáticos, das velhas crenças  e por aí,  de um Ser a que chamam Deus ( até  diz que deveriam ser julgado) e de seus enviados, que não  vieram para libertar a humanidade, mas sim a tribo de Israel. Não  faças  ao próximo...frase tão  bonita, que quando descascada se limita não  faças  à  tua tribo, porque aos outros mata se for preciso. Então  aqui estamos pegados a " coisas" e a salvadores que na sua mensagem de amor, só  nos querem bem. Será? Porque o amor é  a droga mais poderosa e com ela se pode fazer muito....a questão  não  é  os maus, como o lobo do capuchinho  e para mim mesmo o dito, bem, porque  a ideia de o lobo com pele de cordeiro, pode ser somente um lobo mascarado, agora o cordeiro que acreditamos ser cordeiro é  que é  extremamente  perigoso. Quem está  realmente atrás  disto tudo? Esta é  a pergunta? Mauro chega tão  perto de tanta coisa, limitando-se a pensar, a unir pontas e a sabedoria que o permite actualizar uma palavra antiga que não  tem tradução . ( pontas) Que não  batem certo. Leu o retrato de Dorian Gray....talvez por aí.

Carla,

Os questionamentos são necessários pois na verdade, são as molas que impulsionam o conhecimento. Aí de nós se não fosse a Filosofia. Porém amiga, gostaria de alertar-lhe para o fato de que o excesso de questionamentos nos leva automáticamente ao ateísmo, impulsionado ainda pela ação de espiritos trevosos que se aproveitam desses plugs mentais para agirem.

Como diria Buda: "Escolha o caminho do meio", do equilíbrio.

Muita Paz.

Carla Mota e Anna reagiram a este artigo.
Carla MotaAnna
Citação de AlvaroBarriaMaio em 1 Dezembro, 2020, 18:55
Citação de Carla Mota em 1 Dezembro, 2020, 7:15

Caro Álvaro o referido tradutor Mauro B. Que descasca seriamente a bíblia,  e limita-se a somente traduzir, tarefa muito dificil dos textos originais, ou os mais perto de o serem. Trás  uma lucidez e a eterna questão,  quem são  aqueles que realmente de dizem que são  e os seus reais objetivos  Ele  fala dos assuntos dogmáticos, das velhas crenças  e por aí,  de um Ser a que chamam Deus ( até  diz que deveriam ser julgado) e de seus enviados, que não  vieram para libertar a humanidade, mas sim a tribo de Israel. Não  faças  ao próximo...frase tão  bonita, que quando descascada se limita não  faças  à  tua tribo, porque aos outros mata se for preciso. Então  aqui estamos pegados a " coisas" e a salvadores que na sua mensagem de amor, só  nos querem bem. Será? Porque o amor é  a droga mais poderosa e com ela se pode fazer muito....a questão  não  é  os maus, como o lobo do capuchinho  e para mim mesmo o dito, bem, porque  a ideia de o lobo com pele de cordeiro, pode ser somente um lobo mascarado, agora o cordeiro que acreditamos ser cordeiro é  que é  extremamente  perigoso. Quem está  realmente atrás  disto tudo? Esta é  a pergunta? Mauro chega tão  perto de tanta coisa, limitando-se a pensar, a unir pontas e a sabedoria que o permite actualizar uma palavra antiga que não  tem tradução . ( pontas) Que não  batem certo. Leu o retrato de Dorian Gray....talvez por aí.

Caríssima Carla, grato pelo comentário expressivo quanto ao contributo que esse autor está a ter na desmontagem de toda essa trama e é pena que toda a sua extensa obra nesse sentido não seja conhecida por aqui, como deveria ser. A ajuda de Jussara é preciosa mas o que expõe e disseca nos seus livros vai muito mais além. Breve darei conta de um texto que traduzi duma resenha literária italiana aquando da publicação no princípio deste ano, de mais uma das suas obras polémicas, 'Os deuses bálticos da Bíblia. O Israel que não se espera', que escreveu em parceria com outra autora, Cinzia Mele'. A capa original vai em anexo.

Saudações e até...

Caríssima Carla, aqui venho para cumprir o prometido, que foi o de lhe dar conta da tradução que fiz da resenha do livro de Mauro e Cinzia 'Os Deuses Bálticos da Bíblia', que se encontra aqui: https://www.libreidee.org/2020/01/biglino-e-lisraele-del-nord-la-bibbia-ambientata-nel-baltico/)

Usei o tradutor 'DeepL' que é bem mais fiável que o google e fiz uns simples ajustes. A vantagem é que o italiano é bem mais fácil de traduzir para a nossa língua por serem ambas latinas.

Quanto ao conteúdo desse artigo, não adianto nada pois o essencial já está aí exposto. Só constato que tudo quanto tem vindo a ser desconstruído e desmascarado por via do empenho e determinação de pessoas como Mauro, está gradual e inexoravelmente a acontecer. E isso não seria para que eventualmente se reescrevessem os livros ou se refizesse a história. Seria sim para de tudo isso se descartar, ressalvando apenas o que importe preservar. Que será, quanto a mim, a opção mais acertada.

Estamos assim, em tempos de todas as desconstruções e por conseguinte na eminência de tudo se 'resetar', mas é ao nosso particular 'reset' que devemos dar mais atenção para que as melhores e mais sustentadas e equilibradas escolhas se possam manifestar e exteriorizar. E mais não adianto, reiterando apenas o que expus nesse sentido, hoje, no 'novo' BF, lá no site.

Saudações e até...

Ficheiros carregados:
  • Tem de iniciar a sessão para ter acesso aos carregamentos.
Carla Mota reagiu a este artigo.
Carla Mota

Obrigada  tanto ao Jorge como ao Álvaro.

Álvaro  é  possível  pôr  nas séries  e filmes o filme - O pianista.

Grata por tudo e como não  celebro o Natal  convencional, a não  ser armazenar até  rebentar azevias. Um bom dia para todos, como outro qualquer.

Anna reagiu a este artigo.
Anna
Citação de Carla Mota em 25 Dezembro, 2020, 18:05

Obrigada  tanto ao Jorge como ao Álvaro.

Álvaro  é  possível  pôr  nas séries  e filmes o filme - O pianista.

Grata por tudo e como não  celebro o Natal  convencional, a não  ser armazenar até  rebentar azevias. Um bom dia para todos, como outro qualquer.

Caríssima, conforme já deixei dito ao administrador, estou de novo na 'base', único sítio aonde me conecto por esta via, embora tenha dado conta de mais este seu pedido, ontem. E claro que posso 'pôr' esse filme, que deduzo seja o do Polanski, pois há mais dois com esse título original. Mas antes estão na fila alguns outros sugeridos, dos quais se destacam 'Les Innocents' e 'Into the Wild', que seguirão para o 'cardápio' breve e que também merecem atenção acurada, como aliás os que já estão disponíveis. 

Quanto ao natal, também não festejo, nem o convencional, nem outro que tal, como, aliás, qualquer outro evento do calendário religioso. Quanto às azevias, nem conhecia esse nome, que por aqui parece que são simplesmente tratados por frituras de abóbora. Mas eu não lhes toco pois frutas para mim só ao natural e fritos (apenas nestas épocas) só rabanadas e acabadinhas de fazer. Hábitos...! (eh)

Saudações Luminosas e até...

.

Carla Mota reagiu a este artigo.
Carla Mota

Azevias é  uma doçaria  alentejana, feita curiosamente  com grão.  Agora há  quem ponha batata doce. Mas essas dispenso. São  a minha perdição,  aliás  como taurina a comida é  um dos meus prazeres. Assim como filmes, que sem me considerar uma expert e sendo tudo relativo tenho a minha quota. Quanto aos livros , olhe esta cretinice, a maior parte não  os li, mas tenho paredes cheias deles. Confortam-me. Cada um com as suas....sim é  esse pianista. Porque olhe a minha sorte o realizador que sempre me satisfez além  do tarantino, foi ou é  o woody Allen,  e está  na lista dos que já  foram. Caramba espero que ele não  tenha ido para o tal lugar no inferno que vão  os jornalistas  rs rs.

Citação de Carla Mota em 27 Dezembro, 2020, 18:24

Azevias é  uma doçaria  alentejana, feita curiosamente  com grão.  Agora há  quem ponha batata doce. Mas essas dispenso. São  a minha perdição,  aliás  como taurina a comida é  um dos meus prazeres. Assim como filmes, que sem me considerar uma expert e sendo tudo relativo tenho a minha quota. Quanto aos livros , olhe esta cretinice, a maior parte não  os li, mas tenho paredes cheias deles. Confortam-me. Cada um com as suas....sim é  esse pianista. Porque olhe a minha sorte o realizador que sempre me satisfez além  do tarantino, foi ou é  o woody Allen,  e está  na lista dos que já  foram. Caramba espero que ele não  tenha ido para o tal lugar no inferno que vão  os jornalistas  rs rs.

Caríssima, estava a chegar para mais umas postagens e que têm a ver consigo e Anna, mas antes aproveito para dar um troco aqui. Quanto a doçarias estamos conversados, então. Eu já abusei delas e agora como vegetariano assumido estou mais comedido. Filmes é comigo, como já sabe, e livros dos milhares que por aqui andam já poucos faltam para ler. É que vá para onde for, um livro tem que estar sempre ao dispor. E quanto ao Woody não sei para onde foi mas deve andar ainda lá pela sua querida Manhattan. Já está entradote (85) mas ainda não recebeu 'guia de marcha' (rs). E vamos lá para o tópico 'Relig...'

Saudações luminosas e até...

Há  um filme, chamado Lola. É  a história  de duas mulheres já  como se costuma  dizer velhas.

Lola vive numa casa que flutua  no rio encostada a outras casas, só  se podendo deslocar de barco. Seu neto é  assassinado e no pais de lola  as famílias  resolvem entre elas como vai ser a indemnização  entre o agressor que fica a dever à  família  da vitima. Então  o enredo centraliza-se nas duas avós, ( agressor/ vitima) e no seus códigos  de honra. A avó  do agressor vende tudo para pagar a lola.

Nas reviravoltas da vida, acabam a falar as duas, sobre os maridos falecidos, o trabalho árduo  para alimentar as respectivas famílias  e das dores que uma tem nas costas e outra nas mãos.  Que filme tão  belo. Que nos mostra que mesmo nas agruras da vida, há  mais o que nos une do que nos separa.

Ontem tive a rever o filme thriller  -O segredo dos teus olhos,que é do mesmo realizador -O filho da noiva. Juan Campanella. Maravilhoso .

Entendo muito bem esta procura por filmes de " ficção  científica " e tbm gosto. Meu pai chamava à  humanidade-O POVO DOS CORREDORES. Por isso gosto tanto da variedade que isso trás.  Para hoje escolho os vigaristas do bairro do Allen, não  aguento de tanto rir e o blue jasmine para contrabalançar.  Namaste

Citação de Carla Mota em 31 Dezembro, 2020, 10:45

Há  um filme, chamado Lola. É  a história  de duas mulheres já  como se costuma  dizer velhas.

Lola vive numa casa que flutua  no rio encostada a outras casas, só  se podendo deslocar de barco. Seu neto é  assassinado e no pais de lola  as famílias  resolvem entre elas como vai ser a indemnização  entre o agressor que fica a dever à  família  da vitima. Então  o enredo centraliza-se nas duas avós, ( agressor/ vitima) e no seus códigos  de honra. A avó  do agressor vende tudo para pagar a lola.

Nas reviravoltas da vida, acabam a falar as duas, sobre os maridos falecidos, o trabalho árduo  para alimentar as respectivas famílias  e das dores que uma tem nas costas e outra nas mãos.  Que filme tão  belo. Que nos mostra que mesmo nas agruras da vida, há  mais o que nos une do que nos separa.

Ontem tive a rever o filme thriller  -O segredo dos teus olhos,que é do mesmo realizador -O filho da noiva. Juan Campanella. Maravilhoso .

Entendo muito bem esta procura por filmes de " ficção  científica " e tbm gosto. Meu pai chamava à  humanidade-O POVO DOS CORREDORES. Por isso gosto tanto da variedade que isso trás.  Para hoje escolho os vigaristas do bairro do Allen, não  aguento de tanto rir e o blue jasmine para contrabalançar.  Namaste

Caríssima Carla, puxa vida, estou apreciando essas suas relembranças saltitantes sobre cinematografias que vão das Filipinas à Argentina, passando por alto pela FC e terminando com o novaiorquino de brooklyn, Allen. Não há dúvida de que está a fazer jus a este seu tópico. Sim senhor!
E posso adiantar-lhe que todos esses filmes foram vistos, alguns nos cinemas e outros só aqui, que é agora aonde tenho minha 'sala privativa', pois faço questão de os ver tal como se estivesse num cinema a sério. E pode ser que pelo menos alguns deles os venha a rever embora isso cada vez se esteja a tornar mais difícil pois não param de ´pipocar' (como eu gosto de dizer), para mais estando em vésperas dos óscares sobretudo no que toca aos filmes estrangeiros (internacionais, como agora são referidos) que neste momento já estão disponíveis 13 (França/CoreiaSul/Polónia/Suécia/Noruega/Guatemala/Sudão/Singapura/Dinamarca/Chile/Malásia/Hong-Kong e Portugal, que até tém direito a legendagem em 'brasileiro' pois o filme é co-produção luso-moçambicana, aonde ele se passa e nossos irmãos brazucas não entendem o nosso português. E talvez neste caso tenham razão só que não sei quando o irei confirmar.
Portanto, como vê, a 'situação' está complicada (rs) e com essas chamadas aos arquivos ainda fica pior, no bom sentido, claro. Tenho é mesmo que alargar a minha 'nuvem' em contraponto às nuvens (clouds) aonde agora se guarda tudo e mais alguma coisa (rs). Mas, a verdade é que alguns deles acabarão mesmo por ficar no 'limbo' como geralmente acontece e logo para mais nestes tempos em que 'tsunamis' de toda a ordem nos estão sacudindo (para já ainda bem suavemente) avisando-nos de que é hora de concentração e não de dispersão. Pois é isso que desde há muito venho fazendo limitando estas conexões com o 'mundo' apenas a partir do final da tarde ficando o restante dia e noite para conexões com outros 'mundos, embora, tal como já confessei, terei eventualmente de alargar este meu tempo, dado que me comprometi a esta colaboração, ainda por cima, tripartida (rsrs).
Mas caríssima, continue assim pois é imaginando e relembrando que se consegue energizar nossos neurónios terráqueos para que na hora certa eles nos ajudem a alcançar mais suavemente os de outras dimensões (rs).
Saudações Luminosas e até.

Carla Mota reagiu a este artigo.
Carla Mota

É,  saltito.  Há  filmes inesquecíveis,  como o trilogia das cores. BRANCO, AZUL, VERMELHO, dos anos 90. Eu nessa altura passava a vida no cinema king triplex, em Lisboa  onde conheci o César  Monteiro. Faço  isso para equilibrar os meus avanços  espirituais. Senão  o fisico não  aguenta, uma vez que praticamente  levito rs rs

Sabe outro ser que por cá  andou e já  voou, foi o Leonard Cohen, cujas músicas  têm  uma profundidade  inexplicável.  Há  uns 10 anos, sem razão  aparente, estava sempre a ouvir o hallelujah. Hoje entendo que era de "cima" que me ponham a  ouvir. E entendo finalmente as mensagens codificadas  naquela música.

Ora as coisas a que chamamos divagar, às  vezes têm  suas razões  e mais tarde percebemos que é nessa divagação  que nos encontramos . Namaste irmão

 

 

Anna reagiu a este artigo.
Anna
12