Randy Cramer, revelação cósmica temporada 24, Tim

S24E01 Reptilianos e Reptóides: Perspetivas Diplomáticas e Militares

Partilhar:

Quais são as diferenças entre os diversos tipos da mesma espécie ET?
Ao Conselheiro Táctico Tim junta-se o Capitão Randy Cramer, o porta-voz público da Secção Especial do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, para uma discussão aprofundada sobre as diferenças físicas, culturais e sociais entre tipos específicos de espécies de ET.
Cobrindo tudo desde Draco Reptilianos, Reptóides pacíficos de Marte e os objetivos dos Greys, Tim e Cramer substanciam as reivindicações um do outro a partir das suas respetivas experiências e perspetivas diplomáticas e militares.

S24E01 Reptilianos e Reptóides: Perspetivas Diplomáticas e Militares (Revelação Cósmica ~ Tim Tactical Advisor e Randy Cramer)
S24E01 Reptilians & Reptoids: Diplomatic & Military Perspectives
S24E01 Reptilianos e Reptóides: Perspetivas Diplomáticas e Militares

revelação cósmica temporada 24 episódio 1

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

A legendagem possível (não exata):

ES: Hoje na Divulgação Cósmica temos connosco o Tim, um conselheiro táctico da Alemanha. Ele analisa, prevê e sugere diferentes estratégias para lidar com grupos alienígenas em contacto com a Terra. Também hoje se junta a nós o Capitão Randy Cramer, que afirma ser um porta-voz público da Unidade Especial do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA. Cavalheiros, bem-vindos!

Tim: Obrigado pelo convite!

R.C.: Feliz por estar aqui!

ES: Não é muito frequente termos dois convidados no programa ao mesmo tempo, por isso vai ser um dia muito excitante. E quero começar por falar sobre os Draconianos Reptiloides, com quem você, Randy, tem muita experiência!

S15E01 Randy Cramer, o soldado híbrido que viveu 17 anos em Marte

R.C.: Bem, talvez quando eu soube pela primeira vez sobre eles, eram apenas rumores e mexericos e tudo isso. Mas a minha primeira experiência com eles foi quando eu estava no SPM, quando nós estávamos realmente a tentar conquistar Marte. Tivemos de entrar numa grande batalha entre um grupo de humanos da Terra, um grupo de Reptoides indígenas e um grupo de Insectoides indígenas. O módulo de aterragem aterrou e acabou por se revelar bastante dramático. Essa foi a primeira vez que os senti e vi!

ES: Para a audiência, o SPM é… !

R.C.: O poder de defesa de Marte!

ES: Estou a ver!

Tim: Você sabe, a minha função é tratar tudo de forma mais diplomática. Mas você serviu no exército e ainda está a servir. Ainda está a servir?!

R.K.: Absolutamente, sim, eu ainda tenho o meu posto de serviço e autorização. Você está certo!

Tim: Óptimo. O que pensa, neste momento, qual é a verdadeira relação entre os Draconianos e as pessoas da Terra?!

R.K.: Neste momento é mínimo. Eu diria que talvez no final dos anos 90 ou início dos anos 2000 tenhamos começado a expulsar os Draconianos do espaço terrestre. Tanto quanto sei, neste momento, restam menos de 100 na superfície da Terra. Eles foram caçados, por isso considero-os um problema antigo. Na maioria das vezes, quando as pessoas querem falar sobre eles ou sobre a sua influência, você realmente raciocina sobre o passado, e muito pouco sobre o futuro. No entanto, isso não significa que não sejam um problema no universo maior. Porque eles ainda lá estão, mas nós expulsámo-los do nosso espaço primário. Eles estão longe de ser um problema tão grande como eram no passado. Pode ter a certeza disso!

Tim: Então, pelo que entendi, e pelo que ouvi, os Draconianos ainda estão activos no universo e ainda tentam plantar o seu sistema em certos planetas!

RK: Absolutamente!

Tim: Concorda com isso?!

R.K.: Absolutamente. Eu diria que se você olhar para eles como uma ameaça intergaláctica maior, então sim, eles estão entre os dez maiores. Em termos de uma ameaça intergaláctica a qualquer pessoa e em qualquer lugar, eles estão entre os dez primeiros. Por isso eu diria que sim!

Tim: Estou a ver. Aprendi muito sobre eles em termos dos Greys. Ouvi também de várias fontes que foram eles que criaram algum tipo de instalação na Terra. O que significa que eles estão a afectar o sistema disponível na Terra. Você tem alguma informação sobre isso!

S15E03 Os seres que vivem em Marte (Revelação Cósmica)

R.K.: Bem, você deveria ter dado um pouco mais de detalhe para tentar concentrar-se apenas nisso. Infelizmente, eu não tenho nada específico para responder à sua pergunta!

Tim: Os Greys estavam a culpá-los… bem, ou pelo menos do ponto de vista dos Greys, houve algumas modificações na estrutura do sistema social da Terra!

R.K.: Você está certo. Sim, de vez em quando. Existem certas pessoas que falaram sobre a história da influência Draconiana na cultura humana. Essa é a verdadeira verdade. Eu suponho que…

Tim: Eles já se conhecem há muito tempo.

R.K.: Sim, há muito tempo. Influência ou reprodução cruzada com sangue azul ou realeza. No que me diz respeito, isso é verdade. Em geral, eles tiveram influências, definitivamente influências sociais negativas que estão, a meu ver, muito longe da norma intergaláctica de avançar para uma civilização de Tipo 1. Os Draconianos fizeram tudo o que puderam para evitar que nos tornássemos uma civilização de Tipo 1, pois isso tornou a espécie mais controlável.

Mais uma vez, sim, isso é história e definitivamente algo que nos tem influenciado desde sempre. E apesar de não terem sido um grande problema físico, deixaram, sem dúvida, as suas impressões digitais. Muitas das coisas com que temos de lidar, finanças, bancos, hierarquias, estruturas governamentais militares… Definitivamente ainda temos de lidar com a confusão que eles deixaram para trás.

Tim: Em termos de os Greys serem capazes de viajar através do tempo e se moverem através dos aspectos temporais das dimensões… Os Greys dizem que os Draconianos são capazes de fazer isso também, e estão a tirar partido disso.

R.K.: Sim, eles definitivamente têm usado viagens no tempo para influenciar de tempos a tempos. Agora eu deveria ser suficientemente corajoso para admitir que a mecânica do tempo não é claramente o meu forte. No entanto, tenho tido conversas com alguns tipos espertos do Time Corps. Por isso, espero que por vezes até compreenda algumas coisas. (Risos) Portanto, no que me diz respeito, havia janelas específicas no passado que representavam vulnerabilidades. Se quiser criar confusão a tempo, não pode simplesmente levar fisicamente uma pessoa ou uma nave consigo. No entanto, existem janelas específicas através das quais você poderia vir a um lugar muito específico. Assim, onde quer que haja um lugar assim, alguém pode vir e mexer um pouco.

Há também Senhores do Tempo intergalácticos, ou o que quer que lhes queira chamar. Agora que formamos completamente o Earth Time Corps, as guerras temporárias estão a tornar-se um problema. Neste momento, suponho… Não sei se me estou a antecipar, mas diria que neste momento temos uma fechadura suficientemente boa para evitar que os humanos interfiram com o fluxo do tempo. Dedos cruzados. Mas fique descansado que isto definitivamente aconteceu no passado.

Tim: Já assinalei que isto aconteceu há pelo menos 15.000 anos atrás.

R.C.: Sim, pelo menos. Há muito tempo atrás.

Tim: De um modo geral, você tem a mesma informação.

R.K.: Não sei exactamente há quanto tempo os Draconianos estão por perto, mas eu diria que há muito tempo. Eu devo ser apenas um idiota, mas quero dizer mais perto de 40,000, 50,000 ou talvez 100,000 anos atrás. No que me diz respeito, quando se trata especificamente de grandes números históricos… Existem hoje civilizações que não se lembram do que aconteceu há 400.000 anos atrás. Mas existe alguma compreensão dessa história.

Os cronologistas oferecem uma certa quantidade de informação precisa, mas há aqui um problema. Quanto mais longe quiser olhar, mais vaga se torna a informação. Assim, os cronovisores podem realmente recuar um certo número de milénios antes da imagem se tornar completamente desfocada porque os taquiões são demasiado ténues ou algo assim. Portanto, há algumas coisas que aconteceram há meio milhão de anos atrás que pensamos que aconteceram dessa forma. Mas até que alguém com idade suficiente para lá estar na altura chegue, só temos escritos arqueológicos ou históricos cheios de suposições sobre tudo isto.

Tim: Está ciente de que os Greys fixaram ou influenciaram as linhas do tempo da humanidade?

R.K.: Como sabemos de pelo menos cinco grupos de Zeta ou Greys, alguns estavam definitivamente a tentar fazer coisas prejudiciais, outros úteis. Mais uma vez, não sou especialista neste tipo de coisas, mas como existem cinco facções diferentes, então… Quem está a fazer coisas boas? Quem faz coisas más? Imagine que alguém diz que é seu amigo. No dia seguinte descobre que eles não são seus amigos de todo. Basicamente, nos últimos 50 ou 60 anos, a nossa relação com os Greys é, na sua maioria, com os Greys: “Oh, vocês são amigos. Oh, não, espere, você não é nosso amigo agora. Estes tipos são nossos amigos. Oh, espere, eles não são nossos amigos”.

Antes de mais, eles são muito egoístas. Vamos ser honestos. Eles são muito auto-serviço. Por isso é incrivelmente difícil levá-los a fazer o que consideramos “cumprir a sua palavra” quando se trata de um acordo. Eles mantêm os acordos baseados mais na praticidade do que qualquer outra coisa. Mas nós gostamos de pensar desta forma: “Dei a minha palavra. Portanto, pretendo mantê-lo”. Eles não fazem necessariamente o mesmo. Eles não se importam.

ES: Tim, concorda com isso?

Tim: Em termos de contratos e relações diferentes, absolutamente. Concordo 100% com o Randy, com o que ele já disse. É por isso que estou extremamente interessado em explorar esse lado, especialmente porque o Randy expressa o ponto de vista dos militares. Eu próprio sou mais competente em assuntos diplomáticos. Acho todo o cenário um pouco problemático, pois fui treinado para encontrar estratégias de saída para tais situações. Mas eu sei que os militares têm uma forma um pouco mais proactiva de fazer as coisas.

ES: Randy estava apenas a mencionar a relação entre a aristocracia de sangue azul e os reptiloides. Está ciente de algo do género?

Tim: Claro que sim. Penso que pelo menos algumas espécies de reptiloides têm influenciado as estruturas sociais dos seres humanos. Neste planeta, alguns conseguiram isto através da influência de grupos muito elite. Mais uma vez, parece que nem todos os reptiloides são maus. Pelo menos essa é a minha experiência.

R.K.: Oh, não me faça começar com isso. É discriminação de espécies. Nem todas as espécies são más.

Tim: Está bem, eu concordo. Está tudo bem?

R.K.: Sim, oh, sim.

Tim: As espécies reptiloides parecem estar a tentar manter a sua vantagem sobre os humanos neste planeta, mantendo os humanos no escuro. Eles tentam o seu melhor. Eu não sei se tem alguma coisa a acrescentar.

R.K.: Não, mas estou muito contente que tenha realmente falado nisso. Porque na minha experiência, há uma tendência para tratar as espécies reptiloides como se todas elas não fossem tão boas ou completamente antipáticas. Mas afirmar que todos eles são maus é discriminação de espécies. E fico muito zangado quando ouço muita gente dizer: “Não, todos os reptiloides são maus”. Eu acho que isso é um disparate. Basicamente, a minha experiência pessoal de passar quase 6 meses com os Reptoides indígenas em Marte é a seguinte: eles são as criaturas mais espantosas do universo que alguma vez encontrei. Eles são diferentes de qualquer outro Reptoides que encontrei.

nota oevento: Randy Cramer já participou no passado no “Revelação Cósmica” e usando o seguinte link, pode ver todos os seus episódios:

www.oevento.pt/randy-cramer

reptóides

Muito disso tem a ver com a sua cultura, a sua evolução, tudo o que aconteceu à sua sociedade, tudo o que aconteceu quando o planeta explodiu a sua atmosfera, e como eles recuperaram disso. Eles eram incrivelmente beligerantes antes disso. E francamente, eles tiveram de crescer como espécies para reconstruir e adaptar o seu planeta para a vida. Por isso penso o seguinte: dizer que quaisquer mamíferos, anfíbios e reptoides são bons ou maus é uma expressão de discriminação de espécies.

Suponho que a verdade é que o universo… Sobrevive a tudo. Ela própria é tudo. É todo o tipo de espécies, todo o tipo de civilização, todo o tipo de tecnologia que você pode imaginar. É um espectro incrível de espécies diferentes, resultante de diferentes tipos de desenvolvimento evolutivo. Eles são tão variados como os dias que temos vivido. Suponho que as pessoas tendem a pensar isso porque a maioria dos reptiloides não são muito emocionais. Sim, eles não têm muita emoção, mas têm. Pelo contrário, são mais calculistas, um pouco mais frios, e… francamente, comem quase tudo. Por isso, penso…

ES: Você está certo.

R.K.: Já falamos sobre isto antes. Eles têm tudo no seu menu. Algures na lista de alimentos que pode entrar. Eu estou no menu! Sim, para alguns deles somos muito saborosos e isso cria uma relação negativa. E ainda não, eu não acho que seja válido dizer que todo o tipo de ser é bom e o outro é mau. Em suma, é tão complicado como qualquer geopolítica aqui na Terra. Quero dizer, não quero ofender ninguém. Vamos ver se consigo encontrar um país aleatório que ninguém tenha usado antes como exemplo.

Muito bem, vamos falar sobre o Brasil, já que eu amo aquele país e tenho muitos amigos lá. Se você afirma que todas as pessoas do Brasil são boas ou todas as pessoas do Brasil são más ou são todas corruptas, você não pode dizer isso. Você não pode dizer o mesmo sobre qualquer outra pessoa, ou qualquer outra espécie, ou qualquer outro planeta. Cada um deles é realmente diferente do outro.

ES: Há pouco mencionou a existência de múltiplas espécies de reptiloides.

R.K.: Estou pessoalmente ciente de dezenas de pessoas. E eu diria que só na nossa própria galáxia temos milhares e milhares de espécies civilizadas que são reptiloides.

Tim: Em relação ao que disse sobre a discriminação de espécies, gostaria de acrescentar que há espécies com a sua própria agenda.

R.K.: Absolutamente.

Tim: Quero dizer, os programas existem em todo o lado, não é verdade?

R.K.: Absolutamente. Sim, suponho que odiar os Draconianos é óptimo, mas odiar os reptiloides não é tão fácil com isso. Deixe-me ser específico. Portanto, sim, você quer odiar os Draconianos, tudo bem. São uma porcaria, mas odiar os reptiloides só porque pertencem à mesma espécie?

Tim: Da sua perspectiva como homem militar, o que é que os Draconianos fizeram à Terra? Que sistemas é que eles implementaram? Quais são as especificidades?

RK: Bem, a estrutura empresarial… Vamos começar por aí. Essa é a estrutura dos Draconianos, afinal de contas. Toda a sua civilização é basicamente um modelo corporativo. Eles não têm necessariamente um congresso, um senado ou um conselho. Eles têm um conselho executivo, e o conselho executivo tem tudo a ver com lucros e com a obtenção de lucros antes de mais nada. Assim, essencialmente, se olharmos para a estrutura empresarial, dizemos: “Uau, às vezes as coisas parecem um pouco psicopáticas e sociopatas, e isso é porque é uma estrutura Draconiana, não o nosso próprio projecto”.

ES: E depois há o controlo secreto.

R.K.: Sempre. Sim, controlo secreto. É quando um pequeno número de pessoas controla tudo o que acontece abaixo delas. É uma pirâmide com um pequeno número de pessoas no topo.

Draconianos – Dracos

ES: Você falou sobre algumas das estruturas dos Greys que existem aqui. Como é que isso se relaciona com algumas das estruturas associadas com os Draconianos de que o Randy acabou de falar?

Tim: Eu acho que a Terra não é uma rua de sentido único. Penso que todos concordam que existem vários programas e influências a operar neste planeta que vieram à Terra de todo o universo. Eu também mencionei pelo menos 12 espécies que influenciam a genética humana. Talvez você esteja ciente deles.

R.K.: Sim. Eu diria que, tanto quanto sabemos, neste momento o número do que consideramos ser os principais progenitores genéticos está algures entre 25 e 28 espécies.

Tim: Oh, uau.

R.K.: Também os que se mexeram com o sistema genético… São pelo menos mais 100 espécies. Portanto, se quiser pensar naqueles que vieram para violinar e manipular, então nesse sentido os nossos principais progenitores podem ser considerados mais de 100 e pelo menos mais algumas dezenas de espécies. Os progenitores-chefes significam que eles simplesmente vieram e se mexeram. Eles voltaram. Eles viviam aqui. Eles intervieram. Eles realmente plantaram o seu ADN na piscina ao longo dos séculos ou centenas de anos que aqui viveram.

Tim: Alguém me perguntou: “Se os reptiloides estavam a mexer com a genética humana, porque não nos parecemos de todo com répteis”? Eu sugeri que talvez partes da genética estivessem incorporadas no código humano. Também temos diferentes partes afectadas de diferentes maneiras. O que é que você diz a isso?

R.K.: Eu concordo. Quer dizer, ainda estamos aqui sentados apesar do ADN que foi adicionado, porque os alienígenas estavam a criar ADN híbrido. Nós somos 99% chimpanzés, não somos? 99% de chimpanzés. Bem, nós não parecemos chimpanzés no exterior, porque afinal não somos os mesmos. Quer dizer, você pode ser 99% qualquer coisa e não ter o mesmo aspecto físico. Em geral, qualquer DNA reptiliano ou código que esteja ligado e desligado não tem qualquer efeito sobre a nossa aparência física. Caso contrário, não nos pareceríamos com humanos ou qualquer outra coisa.

ES: Há mais coisas biológicas a acontecerem dentro do corpo e do cérebro; é por isso que nos referimos sempre à parte reptiloide do cérebro.

R.K.: Você está certo.

ES: Pode não ter sido apenas algo físico, pode ter sido interno.

R.C.: Pode ser algo completamente invisível como uma característica visual externa, claro, mas você também poderia… Se você for um hábil faz-tudo, você poderia reduzir o número de descobertas fisicamente detectáveis, porque você não iria querer que as pessoas parecessem suspeitas ou tivessem, digamos, escalas ou qualquer outra coisa.

AS: Randy, e outra coisa de que falámos há muito tempo atrás. Você estava a falar sobre o ADN e como este tinha sido alterado de uma forma ou de outra; e você sabia disso também. Há alguma forma de eles poderem, digamos, ligar o mostrador e de repente estávamos a fazer o que eles estavam a dizer?

R.K.: Não da maneira que eu o entendo. Suponho que é o funcionamento do código genético… É um mapa de desenvolvimento físico que nem sempre segue um padrão perfeito. Assim, se está a tentar criar um clone humano, pode fazer uma dúzia de clones diferentes e cultivá-los. Então você tem que escolher aquele que tem menos mutações e deformações.

ES: Absolutamente.

R.K.: Então você usa exactamente o mesmo modelo e obtém uma dúzia de variantes diferentes. É por isso que eu não acho que o mecanismo do ADN funcione dessa forma. Suponho que deve haver algum outro mecanismo tecnológico ou algo que ignore o controlo do cérebro, um mecanismo que é super intensivo em termos de trabalho e super complexo. Consegue imaginar como é difícil controlar os cerca de 9 mil milhões de pessoas com quem temos de lidar neste momento através da electrónica ou do computador. De qualquer forma, estou menos preocupado com isso. Na minha opinião não é muito viável, no entanto, não sou um especialista.

Tim: Em alguma outra conversa sugeri que foram feitos esforços para modificar a genética humana para manter os níveis evolutivos baixos…

R.K.: Oh, nem sequer o questione.

Tim: …muito baixo.

R.K.: Sim, houve definitivamente algo a que chamamos de restrições colocadas para nos impedir de viver para além dos 50-80 anos. A implicação foi que podíamos viver pelo menos 300, 400, 500, 600 anos. Tudo para nos impedir de crescer até à idade adulta. Essencialmente, todos nós morremos como crianças, se você quiser representá-lo dessa forma. Encurtar a nossa vida, reduzir certas ambições de desenvolvimento, ajustar o cérebro para querer que façamos o que estamos mais inclinados a fazer e o que nos satisfaz mais pessoalmente é uma pequena lista de coisas que podem ser usadas como um mecanismo de controlo. E em qualquer caso, com base nos resultados que vemos, penso que estas são coisas que têm sido trabalhadas ao longo do tempo.

Tim: Como alguém que saiu da administração, estou realmente interessado em saber o que os militares vão fazer a esse respeito. E em geral, tencionam fazer alguma coisa a esse respeito?

R.K.: Bem, é um assunto complicado que pode realmente envolver demasiadas conversas sobre demasiadas nuances se você entrar em grandes detalhes. Eu colocaria as coisas desta forma. Ao longo dos últimos 20 anos, digamos, os militares, especialmente as unidades de operações militares secretas, começaram a compreender a existência de certas coisas que não têm sido tradicionalmente vistas como questões de segurança nacional e ameaças à segurança nacional. Mas agora, quando olhamos para certas coisas que ameaçam o bem-estar de todos, toda a vida civilizada e a estabilidade social…

Tim: O universo inteiro.

R.K.: Sim. Então podíamos dizer, sabe que mais? Há coisas não-tradicionais que classificamos como segurança nacional. E se estamos a olhar para os resultados, devemos considerá-los como segurança nacional. Portanto, estamos a tomar um ponto de vista ligeiramente diferente e estamos agora a falar com diferentes líderes mundiais, pessoal da inteligência militar, funcionários eleitos para dizer: “Olhe, não podemos permitir que continue a fazer isto. “Estamos a avisá-lo que isto é uma ameaça à segurança nacional. Portanto, ou está connosco ou está contra nós”. Ninguém quer ser exagerado quando você lhes diz que eles precisam de estar a bordo.

Portanto, neste momento há certas… Não sei de quantas coisas posso falar especificamente numa conversa curta, mas há certas coisas que devem ser mudadas por razões de segurança nacional e não por razões políticas, económicas ou sociais, com base na forma como afectam a segurança nacional e global. Não vamos deixar que as ondas de discórdia destruam uma civilização que tem tanto potencial, só porque algumas pessoas não estão dispostas a aceitar a responsabilidade de adultos.

Portanto, digamos apenas que alguns terão de ficar de castigo ou de pé num canto, como fazemos aqui nos Estados Unidos quando você está em apuros, se eles não estiverem dispostos a aceitar a responsabilidade de adultos. Neste momento estamos inclinados a responsabilizar toda a gente, não só porque o ditamos, mas porque algo é uma ameaça à segurança nacional. E se você não fizer isso, você torna o nosso trabalho muito difícil. Você torna as coisas mais difíceis ao tomar decisões imaturas.

Tim: Também, todos são afectados pela evolução do universo.

R.K.: Definitivamente tudo está a acontecer numa escala maior, mas algumas pessoas não conseguem compreendê-lo. Portanto, estamos apenas a tentar explicar. É isso que importa, e nós definitivamente entendemos que… A nossa interacção com a comunidade intergaláctica é muito significativa. Eu posso ter dito isto uma ou duas vezes antes. Agora, como uma espécie beligerante, entendemos que somos. Durante décadas, outras espécies quiseram jogar um jogo mais justo e disseram: “Você é demasiado agressivo. Você é demasiado violento”. Até que outras espécies beligerantes apareceram e disseram: “Não, nós achamos que você é inteligente”. Você é independente e não quer que ninguém resolva os seus problemas. Você não quer esperar que a polícia apareça nas estradas para regular o tráfego. Por isso achamos que vocês próprios são suficientemente inteligentes para o fazerem”.

Agora que aceitámos isso, aceitámos que o nosso papel neste canto da galáxia é evoluir e crescer ainda mais, na medida em que isso depende de nós. E isso significa não só a segurança global do planeta em que vivemos, mas também a segurança global do nosso canto da galáxia, que depende de fazermos o nosso trabalho com sucesso ou não. Se não estivermos a fazer o nosso trabalho correctamente, então sim, dezenas, centenas e milhares de mundos podem ser afectados. Mas se formos bem sucedidos, o mesmo número de mundos evoluirá de uma forma positiva.

Tim: Absolutamente. Isso é espantoso. Apenas uma pergunta adicional. Quão importante acha que as viagens no tempo ou a experiência do futuro é perceber o quão significativa é a Divulgação neste momento?

R.K.: Com base no que os tipos do Time Corps me disseram, eu diria que viajar no tempo é muito importante, e a sua função é a de nos empurrar na direcção de resultados positivos. Eles diriam: “Sim, existem dois caminhos. Um em que você está agora se não mudar, e um em que deve estar se não quiser morrer”.

Tim: Uma linha temporal falhada.

R.K.: Sim. Basicamente, ou você segue um caminho e morre, ou o outro caminho e sobrevive. É aí que nós realmente estamos.

Tim: Absolutamente.

ES: Randy acaba de nos explicar o ponto de vista dos militares sobre o seu funcionamento.

Tim, como o explicaria de uma perspectiva diplomática?

Tim: Eu concordo completamente. Eu penso que trazer a perspectiva do futuro, e ter experiência em primeira mão do que pode acontecer no futuro, é super importante. Como vê, a governação global deve compreender que a mudança tem de ser feita. Acho que envolver o futuro… Vamos chamá-los de “unidades de tempo”. Não sei como se chama em inglês, mas parece que envolver as unidades de tempo é super importante para estimular a consciência no sector político e governamental. Portanto, concordo plenamente.

ES: Então vai manter-nos no bom caminho com um resultado positivo?

S18E08 Contacto com Seres Interdimensionais (Revelação Cósmica)

Tim: Sim, absolutamente. Suponho que as opiniões… Penso que o envolvimento do futuro vai ser uma das características das coisas que vão numa determinada direcção, o que poderia ter sido mau. Mas eles precisam de atingir um ponto de autodestruição, o surgimento de um catalisador ou algo mais para o evitar. Lembre-se que eu disse que toda a evolução de tudo no universo depende do que está a acontecer neste momento. Em geral, a fim de prevenir uma catástrofe é super importante ter uma perspectiva do futuro.

ES: Em comparação com outros planetas, temos uma enorme variedade de raças neste planeta, e isso torna muito difícil a comunicação e certamente provoca guerras. Randy, o que precisa de acontecer para nos colocar no caminho certo?

R.K.: (risos) Oh, boa pergunta. Bem, suponho que a longo prazo é a cooperação para alcançar objectivos mutuamente benéficos e respeitar os interesses colectivos. Neste momento penso que temos de contar com o facto de que alguns conflitos muito feios estão a piorar e estamos a tentar resolvê-los através de conflitos também. Embora eu não pense que ninguém esteja a abrandar nenhum dos conflitos que estamos a ver a nível global neste momento. Eles simplesmente acrescentam óleo ao fogo. Assim, em termos de tácticas eu diria que estas coisas não vão acontecer ou não vão funcionar enquanto algumas pessoas que realmente querem magoar o nariz umas das outras, não começarem a dar murros.

ES: Pensa que se houver uma catástrofe ou uma guerra, isso irá aproximar-nos mais?

R.K.: É o que todos os peritos esperam. Eu diria que espero o mesmo. Parece que temos um padrão de aproximação perante ameaças externas ou o que parece ser uma equação não a favor dos americanos, se quiser falar de nós e deles. Portanto, a nossa esperança é que se de alguma forma conseguirmos que todos digam: “OK, são eles, aqui, não aqui” e quem pensamos que está a enlouquecer neste momento… Talvez isso nos pare e deixemos de atirar pedras uns aos outros. Dedos cruzados. Esperemos que sim.

E.S..:

Tim, o que poderia acrescentar do seu conhecimento da diplomacia?

Tim: Bem, eu apenas tenho um ponto de vista ligeiramente diferente pois insisto na negociação e não acho que os conflitos possam aproximar as pessoas. E no entanto, repito, tem havido numerosos estudos que demonstraram que algo chamado psicose colectiva global seria o pior cenário possível.

R.K.: Você não está errado. Sim, eu diria assim: quando olhamos para a contingência de que as coisas podem ficar muito, muito más, então uma cascata psicológica e psicótica pode forçar todos a ficarem realmente loucos durante mais de cinco minutos. Então muito sangue e lágrimas teriam sido derramadas antes de ter sido resolvidas.

ES: E o que devem fazer aqueles que estão no poder em tempos como este?

R.K.: Honestamente, provavelmente escondem-se nos seus bunkers. Não sei como eles se sentiriam se mantivessem mais controlo em tempos tão conturbados. Talvez você só ficaria com as autoridades locais estatais ou federais, e o exército só tentaria manter um mínimo de ordem quando pudesse utilizar recursos mais eficazes. Mas neste momento, se fizer a pergunta, o que aconteceria no caso de um episódio psicológico, psicopático global…

Tim: Fique longe, certo?

R.K.: …por isso não temos polícias, técnicos de emergência, bombeiros, pessoal de ambulância, cirurgiões, pessoal hospitalar ou soldados suficientes para lidar com 8-9 mil milhões de pessoas que estão a enlouquecer.

ES: Tim, qual seria uma possível linha temporal? Acredita na existência de outras linhas de tempo ou outros cenários que sejam mais positivos?

Tim: Bem, eu diria que o pior cenário potencial poderia ter acontecido em mais do que apenas outra linha temporal. Seria uma linha temporal infeliz, e no que nos diz respeito, teria um efeito catastrófico potencialmente em tudo no universo, uma vez que cada consciência está ligada a todas as outras consciências. Uma psicose mundial pode levar a mudanças na realidade, em direcção a outros eventos realisticamente catastróficos. E dado o acima exposto… Teria sido uma linha temporal falhada. Não iria funcionar. O meu entendimento é que nem todos os que estiveram na Terra há 10 ou 20 anos atrás fizeram contacto com seres extraterrestres.

E é claro que compreendo que existem padrões não resolvidos na Terra. E o que faz o universo em tais casos? Matematicamente, traz mais experiência para o sistema. Com que propósito? Para que possamos encontrar as melhores práticas para cooperarmos uns com os outros. Randy, como você disse. As pessoas poderiam experimentar a mudança de diferentes maneiras. Como activar a consciência da colmeia, uma consciência onde estamos todos ligados. E isso significa que os seres não terrestres… já não seriam necessários, pois todos nós concordamos que somos, digamos, um só ser.

ES: Poderia ter algo a ver com a linhagem genética das pessoas que gostariam que isso acontecesse?

Tim: Não tenho a certeza absoluta sobre isso, mas penso que tem mais a ver com o livre arbítrio e a decisão que a alma toma para descobrir em que linha do tempo você deve estar. As pessoas que estão a experimentar o tipo de mudança de realidade em que estamos neste momento, enquanto a Terra se encaminha para tal mudança, neste momento podem estar a experimentar uma realidade muito diferente, uma realidade que é pacífica e na qual todos estamos ligados. Talvez eu concorde com o Randy que existem muitos e muitos problemas não resolvidos. Então, juntar-se é uma oportunidade de encontrar soluções.

ES: Randy, você disse anteriormente que os Draconianos estavam a mexer no nosso ADN. Diga-me, porque é que os alienígenas permitiram que viessem aqui e mexessem no nosso ADN?

ANIRON ~ Plano B da Ascensão ~ Ativação DNA ~ atualização dezembro

R.K.: Eu diria que por duas das razões mais simples. A primeira é a razão táctica militar mais simples: o tipo com os músculos grandes é sempre o vencedor. Desse ponto de vista, os Draconianos têm um enorme exército intimidador. E há muitas espécies que simplesmente não conseguem responder porque não têm força para lhes fazer frente. A segunda razão é o tempo. Como vê, algumas espécies têm um sentido de tempo ligeiramente diferente, por isso para elas dezenas, centenas e milhares de anos não são os mesmos que para nós. Muitas vezes, especialmente as espécies mais antigas.

Eles vêem os projectos genéticos como projectos de jardim. Eles dizem, ‘OK, por um minuto temos estado a cuidar do jardim. Agora vamos embora, e dentro de mais um minuto vamos voltar e verificar”. Mas o seu minuto para nós pode ser um século ou 1.500 anos. Então eles voltam e nesse tempo algo mais pode ter acontecido. Então eles dizem: “Oh, agora vamos ter de nos ajustar a isto”, o que não significa que pretendem ressentir-se imediatamente, “Oh, como se atreve a vir e interferir com o nosso sistema”. É mais provável que eles digam: “Bem, o que aconteceu foi o que aconteceu. Em vez de sermos brutais, vamos apenas tentar um plano diferente, intervir desta ou daquela forma”.

Em alguns casos eles simplesmente não têm escolha. Noutros casos é outra pessoa, que tem um sentido de tempo táctico muito diferente, um período de 10, 20, 30, 40, 50 anos. Aqui eles encontram aqueles que tentam esticar o desenvolvimento durante séculos ou mesmo milénios. Isto é, se alguém quiser vir e intervir, intervém, especialmente se os sujeitos não tiverem capacidade para o confronto militar.

Ou a alternativa é: “Bem, talvez pudéssemos vir e assumi-los, mas quantas pessoas pretendemos matar no processo? Quantos da nossa própria civilização que estamos a tentar criar aqui tencionamos prejudicar”?

Basicamente, a questão é: você corta o cancro que pode matar um paciente ou tenta tratar pacientes com cancro?

ES: Estou a ver. Tim, poderia comentar sobre isso?

Tim: Concordo plenamente, 100%. A única coisa que eu posso acrescentar é que algumas espécies tendem a fazer tudo em segredo; e leva tempo a descobrir sobre isso. Especialmente quando se trata de raças reptiloides específicas que tiram partido de certas coisas. Eles não fazem as suas acções mesmo à frente dos olhos e exibem-nas. Eles fazem tudo dissimuladamente. No que me diz respeito, muitas espécies não estavam conscientes do que estava a acontecer na Terra durante algum tempo.

R.K.: É um ponto muito bom. Tenho de confessar que quando falamos com outras espécies sobre o que eles pensam que está a acontecer na Terra, a conversa normalmente termina connosco dizendo: “Sim, não está errado sobre isso. Mas nós conhecemos o nosso povo um pouco melhor do que você. Por isso pensamos que essa não é a melhor maneira de ver as coisas, porque entendemos muito melhor”.

Em geral, sim, outras espécies podem muitas vezes ser muito inteligentes, muito evoluídas. Mas isso não significa que eles compreendam outra pessoa tão bem como eles próprios. Por isso é-nos difícil compreender outras espécies da forma como nos compreendemos a nós próprios. Porque deveria ser diferente para outras espécies? Nós somos muito complexos. Somos difíceis de compreender. Eu acredito que muitas espécies simplesmente nos subestimam. Eles não compreendem totalmente a nossa psicologia ou o nosso desenvolvimento emocional. Assim, por vezes quando pensam: “Bem, devemos fazer isto ou aquilo”, raciocinam a partir da sua própria perspectiva sobre o que fariam à sua própria espécie.

E à medida que estamos a ganhar cada vez mais controlo sobre o espectáculo, podemos dizer, ‘Você não está errado sobre isso, mas pensamos que é melhor fazer as coisas de forma diferente, porque compreendemos o nosso povo melhor do que você.

Tim: 100%.

R.K.: Também, a maior parte disso é apenas conversa. Não é como se estivéssemos a gritar e a gritar e a gritar: “Não faças isso”. É mais diplomático: “Claro que é uma boa ideia, mas pensamos que talvez devêssemos fazer isto e aquilo porque o nosso povo reagirá às suas acções de uma forma diferente.

ES: Você está certo.

Tim: Excelente.

ES: Amigos, também é provável que existam espécies que secretamente partilham os seus próprios assuntos connosco e muitas vezes não sabem o que os outros estão a fazer?

R.C.: Oh, isso é realmente muito verdade. Estou contente por ter perguntado sobre isso. Não, com certeza que sim… Deparei-me com muitos casos. As pessoas vêm ter comigo com os seus problemas, quer sejam raptos, implantes, coisas assim. Alguns eu não posso ajudar. Eu tento. Quanto às outras pessoas, se elas oferecerem informação específica ou trouxerem alguma clareza à sua experiência para que possamos obter dados, então podemos responder a perguntas.

Assim, ao fazer esta pesquisa, encontrei muitos programas dispersos de outras espécies fazendo coisas que, se você se aproximasse delas através da habitual cadeia de comunicação burocrática e dissesse: “Ei, nós pensamos que a sua espécie está a fazer isto e aquilo”, eles responderiam: “Nós não estamos a fazer nada”. “Olha, nós sabemos o que estás a fazer. Podemos ver isso”. “Ei, os rapazes não deviam fazer isso”. Depois, você diz-lhes que eles têm um programa ou outra coisa que está a ser realizada em segredo e que eles nem sequer sabem o que se está a passar.

ES: É assim que as coisas são.

R.K.: Sim, é assim mesmo.

ES: Sim.

Tim, já ouviu falar disto antes?

Tim: Absolutamente. Toda a informação que tenho sobre os Draconianos vem dos Greys que estão em conflito com eles. Por isso para mim é informação em segunda mão, e é também um tópico que não me sinto realmente confortável para discutir. Por isso estou feliz, ou pelo menos entusiasmado, por discuti-lo consigo.

ES: E ainda assim, Tim, qual é, na sua opinião, a resposta a isto? Não é a morte e o desespero, pois não? Deve haver alguém a olhar por nós, certo?

Tim: Sim, certamente que há. É por isso que não estou muito feliz e não me sinto muito à vontade para falar de todos os conflitos porque, repito, estou super interessado em encontrar estratégias de saída. Estou a lutar persistentemente por um universo onde todos cooperam com base no benefício mútuo. Penso que cada vez mais pessoas estão a aperceber-se da importância de estarmos todos ligados, de nos juntarmos, comunicarmos e discutirmos os tópicos de que o Randy falou. Estou muito aliviado por as pessoas se preocuparem com isto, e também sinto a responsabilidade de curar tudo e de nos manter na linha do tempo certa.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments