2021 Artigos B.F., Benjamin Fulford

BF~ Envolvi na guerra secreta (pt2) ~ Conhecendo os Norte Coreanos

Partilhar:

Aviso aos leitores. Para que eu possa tirar o meu sabático anual no deserto canadiano, os próximos relatórios serão pré-escritos. Centrar-se-ão na história de como me envolvi na luta contra a Máfia Khazariana. Espero que isto ajude os leitores a compreender melhor o que está a acontecer agora. Claro que, se algo realmente grande acontecer, emitiremos um relatório de emergência. BENJAMIN FULFORD

Conhecendo os Norte Coreanos

Este site, oevento.pt limita-se a traduzir o relatório semanal do jornalista Benjamin Fulford que usa fontes. Use o seu discernimento.

este relatório é a continuação do anterior:

BF ~ Como me envolvi na guerra secreta que está agora a terminar

As tentativas de assassinato contra mim e o assassinato de muitos dos meus colegas fizeram parte de um golpe de Estado nazi que teve lugar nos Estados Unidos após 9.11.2001. Esta facção nazi, liderada pelo Führer George Bush Sr., era um subgrupo da Máfia Khazariana. Eles matavam jornalistas como parte de uma tentativa de controlar a narrativa, a história pela qual a sociedade ocidental era liderada. No entanto, só percebi isso quando uma princesa norte-coreana me mostrou as provas.

Eis como isso aconteceu. Estava a deparar-me com uma censura séria na Forbes. Isto começou depois de eu ter relatado a história sobre o assassinato do banqueiro, que detalhei no relatório da semana passada, que me chamou a atenção das pessoas que deram ordens à família Forbes.

Por exemplo, uma história sobre o Citibank (uma empresa Rockefeller) ter sido expulso do Japão por ser lavagem de dinheiro para gangsters foi morto, apesar de a minha fonte ser o Ministério das Finanças japonês a falar oficialmente. A última gota para mim veio quando descobri que uma empresa de software anti-vírus estava a fazer vírus. A Forbes matou a história, dizendo-me que eu não era “confiável”, quando na verdade a história foi morta porque Steve Forbes tinha recebido 500.000 dólares pela empresa de antivírus, de acordo com um denunciante da Forbes.

Em todo o caso, estava farto de escrever pornografia comercial e decidi que a minha próxima medida de carreira era passar a escrever livros. A esperança era transformá-los em filmes de Hollywood. Assim, enviei dois capítulos e um esboço de um livro planeado ao meu agente nos Estados Unidos. O livro teria descrito um padrão sistemático do assassinato de políticos, jornalistas, industriais, etc. por políticos e gangsters que faziam parte do governo secreto corrupto que realmente governava o Japão.

Um dia depois de ter enviado a proposta do livro, recebi uma chamada de Kaoru Nakamaru, que disse ser uma princesa e prima em primeiro lugar do Imperador Hirohito. Ela disse-me que seria uma má ideia publicar o livro. Obviamente, ela estava ligada a pessoas que estavam a ler o meu correio, por isso decidi conhecê-la. Quando lhe perguntei como sabia o que estava na minha proposta de livro, ela respondeu: “Uma Deusa disse-me”. (Que a Deusa seria Amaterasu, a divindade reinante da polícia de segurança japonesa).

Mortes por Gripe 2020/2021 foi de 0 mortes em Portugal. Europa caiu 99%

Quando conheci Nakamaru, ela disse: “Compreende tudo sobre a corrupção no Japão, mas não sabe nada sobre a verdadeira fonte, que está no Ocidente”. Ela deu-me então um vídeo da verdade de 9.11. Na altura, pensei “Oh meu Deus, este é um daqueles filmes anti-semitas sobre o 9.11 que li no New York Times”. Não tinha qualquer intenção de o ver, mas ela continuou a importunar-me até eu o fazer. Era a verdadeira pílula vermelha para mim. Não foi preciso muita verificação de factos para perceber que o 9.11 era um trabalho interno. Desde um míssil que atingiu o Pentágono sem partir as janelas do segundo andar e sem deixar resíduos de avião, até um repórter da BBC com o Edifício #7 visível no fundo dizendo que já tinha caído, 20 minutos antes de cair à velocidade de queda livre, as provas eram inegáveis.

11 Setembro 2001 – o dia em que as torres vieram abaixo por detonação nuclear e não pelo embate dos aviões

O verdadeiro problema estava a envolver-me em como seria necessário um grupo incrivelmente grande para levar a cabo uma campanha como esta. As implicações eram verdadeiramente espantosas. Foi apenas olhando para acontecimentos históricos que percebi que tais bandeiras falsas estavam a ser comummente usadas como desculpas para iniciar guerras.

Por exemplo, o afundamento do “navio de passageiros inocente” Lusitânia em 1914 foi usado como desculpa para demonizar os alemães e levar os americanos a juntarem-se aos britânicos na Primeira Guerra Mundial. Os historiadores notam que os anúncios nos jornais avisavam os passageiros antes de o navio ser enviado para as proximidades dos submarinos alemães como um sacrifício.

Em 2001, as pessoas que controlavam os EUA utilizavam o 9.11 como desculpa para invadir o Médio Oriente (mais uma vez).

11 Setembro 2001 (documentário Zeitgeist a partir do minuto 42)

Na minha ainda ingénua visão do mundo, percebi que se as pessoas descobrissem a verdade, haveria uma revolução. Depois de ter publicado artigos de primeira página para as principais revistas japonesas listando provas de que o 9.11 era um trabalho interno, dei uma conferência de imprensa no Foreign Correspondent’s Club of Japan para apresentar as provas aos meios de comunicação social internacionais.

Só quando nenhum deles (com algumas pequenas excepções como os jornais rurais australianos) noticiou as provas é que percebi que a liberdade de imprensa tinha sido extinta dos meios de comunicação social ocidentais.

Ninguém na FCCJ ou na imprensa ocidental me debateu ou apresentou provas que mostrassem que eu estava errado. Em vez disso, todos os tipos de pessoas que nunca conheci iniciaram subitamente uma campanha sistemática de assassinato de carácter contra mim. A história geral era que eu estava a tomar drogas, acreditava em OVNIs, e tinha perdido a cabeça. Fui colocado numa lista negra e ninguém na imprensa de língua inglesa iria trabalhar comigo. Muitos editores disseram-me que tinham recebido ordens dos seus chefes para não publicarem as minhas histórias.

Felizmente, eu tinha publicado livros em japonês que vendiam bem e me proporcionavam um rendimento. Fui também apresentado a um autor japonês com o nome de Ohta Ryu. Ele explicou-me que tinha sido abordado por um grupo de japoneses que tinha estudado as estruturas do poder ocidental antes e durante a Segunda Guerra Mundial. Ele utilizou o material que eles tinham fornecido para publicar os seus livros.

O que Ohta disse foi espantoso na altura. Falava de como o Ocidente tinha um governo secreto dirigido por famílias como os Rothschilds e os Rockefellers. Isto pode ser do conhecimento geral agora mas, na altura (por volta de 2005-6), quando fiz uma pesquisa na Internet sobre os Rothschilds, encontrei exactamente uma frase sobre eles em toda a web. Era de uma sala de chat israelita onde um participante mencionou um rumor de que os Rothschilds estavam envolvidos na formação de Israel.

No que diz respeito ao nosso reputado senhor sobredotado David Rockefeller, ele era o número 300 da lista mais rica de Forbes e considerado como uma pessoa do passado. Tive de voltar à edição de 1918 da Forbes para descobrir a verdadeira história. Acontece que John Rockefeller o primeiro tinha-se tornado subitamente pobre da noite para o dia ao doar toda a sua fortuna (cerca de 300 mil milhões de dólares em dinheiro actual) a uma fundação. Uma vez que o dinheiro estava numa fundação, os proprietários não pagavam imposto sobre a herança e não tinham de divulgar muita informação.

Um rasto de papel levou a mais de 200 fundações controladas pelos Rockefellers que, por sua vez, controlavam a maioria das empresas da Fortune 500.

O que comecei a perceber foi que todos os assassinatos de políticos japoneses, etc., faziam parte de uma aquisição hostil da Rockefeller & Co. pela Japan Inc. (Japan Inc.). Um homem-chave que eles usaram para realizar esta operação foi Heizo Takenaka, que foi o Ministro das Finanças e Economia de 2002-2005. Enquanto exercia esta função, desmantelou o sistema de participações cruzadas em que os bancos e as empresas possuíam as acções uns dos outros. Takenaka forçou todos os bancos a vender as suas acções nas empresas japonesas cotadas em bolsa a fundos estrangeiros, tais como Vanguard, Blackrock, e State Street & Banking. Quando o confrontei sobre a entrega de todas as empresas japonesas cotadas na bolsa aos Rockefellers, etc., ele contorceu-se visivelmente na sua cadeira e foi evasivo.

No entanto, no dia seguinte à entrevista, recebi um telefonema de um funcionário do banco de desenvolvimento japonês que me disse que havia alguém que Heizo Takenaka queria que eu conhecesse. Assim, fui a um quarto de hotel no centro de Tóquio onde conheci uma pessoa chamada Shiramine que se chamava Ninja.

Gravei com a sua permissão uma conversa em que ele me ofereceu o cargo de Ministro das Finanças do Japão, desde que eu alinhasse com um plano para matar 90% da humanidade.

As Alterações Climáticas são um embuste

Ele disse que era necessário para “salvar o ambiente”. Uma vez que a guerra não matou pessoas suficientes, o plano era usar a doença e a fome para matar toda a gente, disse ele. Shiramine acrescentou que se eu recusasse a oferta, seria morto.

Para seu crédito quando Shiramine me conheceu e me deu esta proposta, também me entregou uma cassete e disse-me para a ouvir em algum lugar privado. Nesta cassete, ele disse que o problema eram os “anciãos de Sião”. Foi-me também dito por outro enviado de Takenaka que ele entregou o controlo de todas as empresas do país porque o Japão tinha sido “ameaçado com uma máquina sísmica”.

BF ~ CONFRONTO FINAL COM OS ANCIÕES DO SIÃO

No dia seguinte, outra pessoa telefonou-me e disse que queria encontrar-se comigo. Mais uma vez, o encontro teve lugar dentro de um quarto de hotel no centro da cidade. Desta vez foi alguém de uma sociedade secreta asiática conhecida como O Vermelho e O Verde. Ele disse que tinham 8 milhões de membros, incluindo 200.000 assassinos que podiam ajudar. Este grupo também sabia do plano de matar 90% da humanidade porque tinham registado secretamente uma reunião no Bohemian Grove, onde discutiram tudo isto.

Os membros deste grupo há muito que trabalhavam com sociedades secretas ocidentais, por exemplo, fornecendo-lhes heroína do triângulo dourado. No entanto, foi a tentativa de os matar com a SARS, uma arma biológica concebida para matar asiáticos, que finalmente os colocou em pé de guerra.

Podem imaginar o meu choque e desorientação ao correr para tudo isto no espaço de apenas uma semana. Como alguém que tinha vivido toda a sua vida no mundo oficial aberto, como se viu no registo público, isto foi, no mínimo, espantoso. Em qualquer caso, uma vez que não podia concordar com um plano para matar 90% da humanidade, decidi alinhar com a sociedade secreta asiática.

No início, sendo um jornalista amante da paz, pensei em ideias como talvez a sociedade secreta asiática pudesse mostrar verdadeiros filmes sobre o 11 de setembro nos cinemas de Chinatown.

Contudo, eventualmente, tive aquilo a que chamo o meu momento “Kill Bill”. No filme Kill Bill, há uma cena em que uma mulher assassina (representada por Uma Thurman) está numa luta desesperada pela sua vida com um adversário de um olho só. Quando Uma Thurman arranca o olho do seu oponente, de repente a luta termina.

O que eu percebi foi que a maioria dos ocidentais (como eu) não fazia ideia do que os seus líderes secretos andavam a tramar e ficariam horrorizados se descobrissem. A falha do governo secreto ocidental era que ele era altamente centralizado. Por isso, aconselhei a sociedade secreta asiática a “arrancar o olho”. Dei-lhes uma lista de todas as pessoas que eram membros do Bilderberg, do Conselho de Relações Exteriores, e da Comissão Trilateral. Disse-lhes que se os visassem, poderiam parar o genocídio planeado.

Mais tarde, quando a ameaça da máquina sísmica foi feita directamente a mim, respondi que “não se pode parar os assassinatos com uma máquina sísmica”.

A outra coisa que sugeri à Sociedade Secreta Asiática foi que comprar títulos do governo dos EUA era pior do que comprar ópio. “Pelo menos o ópio dá-lhe prazer, mas agora está a pagar-lhes para o matarem”, foi o que eu disse a um conselheiro de topo da Politburo chinesa.

Em todo o caso, a Sociedade Secreta Asiática foi mobilizada. Eles ameaçaram matar a elite ocidental e também deixaram de comprar títulos do governo dos EUA. Assim, a tentativa de matar 90% da humanidade foi paralisada. Este foi o verdadeiro pano de fundo do chamado “choque Lehman”, da crise financeira de 2008, e do nascimento da administração Obama.

império Americano

No entanto, a guerra secreta tinha apenas começado. Muitos novos jogadores emergiram das sombras na sequência destes acontecimentos.

Na próxima semana vou falar sobre como conheci David Rockefeller. Também vou discutir o encontro com grupos como o Sol Negro, os Illuminati (em dois sabores).

Por favor, fiquem atentos…

Artigo completo traduzido de Benjamin Fulford de 2 de agosto de 2021. Uma pequena revisão da tradução poderá ser colocada na quinta-feira, se necessário.

FIM

 

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 2 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

2 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments