Randy Veitenheimer, revelação cósmica t19

S19E12 Se eu introduzir a cura do cancro (câncer) amanhã, eu seria morto

Partilhar:

Randy Veitenheimer e Emery Smith discutem a paisagem em constante mudança do sigilo e a tecnologia proibida de libertação lenta. Pouco a pouco, a revelação está a acontecer, de forma subtil através dos meios de comunicação social e das redes sociais. Eles analisam questões como, porquê agora? O que mudou e o que está a causar tudo isto? Discutem também o que será necessário para contornarmos os controlos corporativos e trazer mais desta tecnologia à opinião pública.

S19E12 Divulgação: Porque Não Agora? (Revelação Cósmica ~ Randy Veitenheimer) S19E12 Disclosure: Why Not Now? (Cosmic Disclosure)

revelação cósmica temporada 19 episódio 12

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Episódio transcrito (traduzido por oevento.pt e verificado por Lídia Ferreira):

EMERY SMITH: Hoje em Divulgação Cósmica, vamos a falar de divulgação com Randy Veitenheimer. Randy é um explorador, e um investigador da consciência e existência humana, e um mentor e colega meu durante muitos anos. Randy, bem-vindo ao programa.

Randy Veitenheimer / Emery Smith

RANDY VEITENHEIMER: Olá, Emery.

Randy, a divulgação tem vindo a decorrer desde os anos 50. Onde é que isso nos levou? Desde os anos 50 até aos nossos dias, qual foi a estratégia?

RANDY: A ideia é interromper uma narrativa perturbadora ou um corpo de conhecimento perturbador. Pense nisso como introduzir uma nova religião, e os efeitos disso, e o que isso faria à sociedade. Se estivesse preocupado com isso – e o governo dos EUA estava. Havia vários programas e artigos… investigação que foi feita. O que aconteceria se os alienígenas aterrassem no relvado da Casa Branca? E como isso iria destruir as narrativas das nossas religiões. Destruiria a narrativa da nossa existência, de onde viemos, de qual é o nosso lugar no universo, esquecer o nosso lugar na sociedade. E, claro, estas são as questões básicas que tentamos responder através da Divulgação. As coisas que o governo pesquisou nos finais dos anos 30, 40 e 50 foram, como integraria esta informação? As pessoas responsáveis por esses projetos de investigação descobriram que seria prejudicial para os humanos saber que havia vida extraterrestre, ou que havia outras existências ou aspetos do universo. E, por isso, tornou-se um grande problema. A ação imediata foi a de negar tudo isto. Sabemos isto através dos nossos pilotos de linha aérea. Durante 50 anos foi-lhes dito que não tinham visto um OVNI. É como voltar à Guerra das Estrelas. “Estes não são os dróides que procura”. Estes não são os OVNIs que viu. E não os denuncie. Não diga nada ou iremos silenciar-vos. E pode encontrar toda esta informação. É como se isso indicasse algum tipo de programa ou esforço coordenado para limitar o conhecimento que está disponível para nós. Houve pessoas que disseram, não, não, não, a humanidade pode lidar com a resposta de que não estamos sozinhos. Podem lidar com a resposta de que há capacidades para avançarmos na ciência e na tecnologia muito para além de onde estamos agora. E eu tive a sorte de trabalhar com alguns desses cientistas ao longo dos anos. Nos anos 70, estávamos a fazer coisas que agora começam a admitir que talvez seja possível. Em última análise, diríamos que o governo está a controlá-lo. Mas nós temos influenciadores. E por isso, qualquer informação que se torna social torna-se algo que ou precisa de ser acentuado ou algo precisa de ser controlado ou eliminado. E podemos encontrar todo o tipo de tecnologias onde isto tenha acontecido. Nos anos 60, eu estava a conduzir um carro que fazia 40 milhas por galão. E agora dizem, este carro faz 36 milhas por galão.

EMERY: Que pechincha.

RANDY: Sim.

E estamos a falar de 50 anos de avanço. Isso não é nenhum avanço. Bem, o mesmo se aplica na geração elétrica. Historicamente, o que eles permitem – e isto é o que a maioria dos cientistas e qualquer pessoa lá fora sabe – é que se pode apresentar algo que é 10% melhor do que o que existe. É possível apresentar algo que é 15%. Mas não se pode apresentar algo, ou desenvolver uma tecnologia, e apresentá-la à sociedade, que vá além do paradigma atual, como 100%. É como se, não.

EMERY: O que acontece quando os países e a política se envolvem? A China acaba de anunciar que vai ter uma base em Marte em 2025. Elon Musk está a dizer que vai demorar um pouco mais. Quando se tem este controlo de poder de, quem vai chegar primeiro a Marte, usando estas novas tecnologias que vão ter de sair para o fazer, que jogo final é esse?

RANDY: Bem, é o conceito de hierarquia. Depende de quem vai à frente. Aqui vamos nós.

EMERY: Aqui vamos nós outra vez.

RANDY: Certo? Quem é o número um? Bem, depende de onde se está. Se eu for alemão, chinês, indiano, Estados Unidos – basta escolher alguém, e nós somos o número um. Toda a ideia de hierarquia nesse aspeto é exatamente como o que fizemos com os soviéticos. Os soviéticos colocaram o Sputnik e disseram: “Somos os primeiros. Somos os primeiros a ter algo no espaço. Na verdade, tivemos um alguns anos antes disso, mas não falamos sobre isso. Lembrem-se, do sequestro e da negação. Depois, bem, precisamos de chegar à lua antes deles. O que o leva a pensar que não houve uma aterragem russa antes da nossa? Porque os russos não falam dos seus erros. E nós também não, a propósito. Portanto, o que têm é este sequestro contínuo, negação, e contínuo, “agora, vamos desenvolvê-lo”. E é a mesma coisa com as pessoas que chegam com fluxos de informação tangenciais que são contra-inteligência. Estão a falar dessa informação ou dessas pessoas para que comece a duvidar de si, ou comece a duvidar da tecnologia, ou que ninguém acredite em si, ou que encontrem falhas consigo porque não teve boas notas no liceu ou algo assim. Quer dizer, é sempre… eles fazem algo. Porque eles têm de atacar o indivíduo. Eles não podem atacar a informação. Quando não podem atacar a informação, então, basicamente, eu sou um idiota, ou tu és um idiota, ou algo se está a passar.

EMERY: É do interesse das empresas revelar?

RANDY: Não.

EMERY: Porque elas não beneficiariam, certo?

RANDY: Certo. Então o que aconteceu é que, nos Estados Unidos, fizemos das corporações indivíduos. Tudo isto pode ser encontrado. E assim uma corporação tem direitos individuais, tal como definidos pela Constituição, digamos. E se, como proprietário de uma empresa, tenho acionistas, tenho uma intenção benéfica para os meus acionistas. Essa é a linguagem. Se não o fizer, então estou a agir de má fé e sou culpado de responsabilidades fiduciárias. Assim, se uma empresa se dedica à investigação tecnológica, tem uma responsabilidade fundamental para com os seus acionistas. Se não for um acionista, eles não têm uma responsabilidade para consigo. Se dissermos que o governo dos Estados Unidos, ou qualquer governo, tem responsabilidade perante os seus acionistas, perante os seus cidadãos, então cada indivíduo tem as suas próprias responsabilidades, também, para o seu próprio bem-estar. Não se trata apenas dos governos. Mas as empresas estão num lugar único para poderem determinar não só o que é benéfico para os seus acionistas, mas mais uma vez, a que ritmo é que querem alimentar este material? Eles podem dizer, no próximo trimestre, que vou ganhar um pouco mais de dinheiro. Daqui a três trimestres, vou apresentar um carro elétrico e ganhar uma tonelada a mais de dinheiro, e depois… entendem o que quero dizer?

EMERY: Como é que conseguiria algo não revelado e divulgado ao público, uma vez que não podemos usar as empresas? O que eu faria é desenvolver algo que eu sabia que ia ser um problema, que o governo e as empresas têm um problema. E então eu encontraria uma organização realmente boa.

Illuminati ou Cabala Escura ou Estado Profundo

RANDY: OK. Sim. Eu gosto disso. E mais algumas coisas. Número um, o seu exemplo de telemóveis. A tecnologia dos telemóveis… A Apple acaba de apresentar o seu último telemóvel. O que o leva a pensar que o próximo telemóvel não existe? E o que se segue a ele, e o que se segue a esse? E assim dizemos, em quantos módulos estão a liderar? E a resposta é, provavelmente são sete, pelo menos sete, iterações à frente de onde estão agora. Agora, se introduzirem a sétima iteração agora mesmo, amanhã, o que aconteceu ao 10, 11, 12, 13, 14, 15, e 16? Cada uma delas é capaz de ganhar muito dinheiro. Portanto, não há vantagem em saltar por cima e fazer avançar a tecnologia tão rapidamente, de um ponto de vista financeiro, mas não de um ponto de vista benéfico. Porque a tecnologia beneficia o ser humano. E quando se perde isso de vista, é quando se criam os problemas. Portanto, a tecnologia de telemóveis é muito apropriada. É isso que se passa com as empresas, com a sua responsabilidade fiduciária, e é por isso que é aí que está a ação. É quem o estava a contratar para fazer o trabalho nos projetos, ou Los Alamos, ou onde quer que tenha estado. A segunda parte disso é que trabalhei com outros cientistas, e literalmente há 15, 20 anos atrás, surgiu uma nova tecnologia de ponto zero. E é tão simples que é estúpido. E é assim que a maioria dos avanços são. Porque é um momento “a-ha”. É apenas a captura do campo da energia que flui através de uma armadura ou que flui através de um fio elétrico. Essa é a maneira mais fácil de ver as coisas. A energia flui através de um humano, obtemos um campo energético. A eletricidade flui através de um fio e obtemos um pequeno campo eletromagnético. E podemos aproveitar isso. E nós fazemos isso. E os pássaros fazem-no. Não é, ó, meu Deus, algum conhecimento secreto. Foi uma das coisas que abordámos com os físicos com quem trabalhei, e os matemáticos, introduzimo-la na Universidade de Pittsburgh, creio eu. E eles disseram que não é possível porque não se encaixa na teoria atual da termodinâmica e da eletricidade. E depois apresentámo-la a uma empresa japonesa. E vou mencioná-los. Eles tinham, digamos, 1.000 7-Elevens. Nós explicámos: colocamos este dispositivo e ele reduz o seu consumo de energia para cerca de 20%. E eles passaram-se. Agora, se lhes disséssemos que podíamos cortar 20%, provavelmente teríamos conseguido o financiamento. Mas quando lhes dissemos que o podíamos cortar para 20%, isso não é possível. Está a ver? Entra a negação. Se não se consegue compreender a tecnologia, não a deve condenar. E é isso que nós temos. Temos todos estes especialistas para condenar qualquer nova tecnologia, qualquer nova ideia, porque se não o fizer, se sair demasiado depressa, então impediu que alguém obtivesse os seus lucros empresariais. Essa é uma forma de ver as coisas. E é todo esse grupo de negação, os que sequestrariam tudo. E tornou-se muito poderoso. E é por isso que é tão bem financiado, e é por isso que não vemos os avanços que deveríamos ver. O tratamento do cancro tem sido o mesmo durante os últimos sessenta anos. Se pensarmos na quantidade de dinheiro que tem sido gasto na investigação do cancro, e me disser que não tem havido progressos? Quimioterapia e radioterapia. Não dá sequer para imaginar.

EMERY: Isso é terrível.

RANDY: E isso é apenas em relação à investigação sobre o cancro. Pense nisso… poderíamos mencionar muitas outras coisas. E isso não faz sentido. É um disparate.

EMERY: Quem está a reprimir isso?

RANDY: E é isso que estamos a ver. Pois é.

EMERY: Quem está a reprimir isto, então? Tudo isto, sabemos que as empresas não querem que estes avanços saiam demasiado depressa porque vão perder dinheiro. Ou, se revelarmos esses avanços, elas vão usá-los e não vamos conseguir poupar dinheiro. Nós, como utilizadores finais não o recebemos.

RANDY: Pois. Nós não beneficiamos. O benefício é distribuído como se alimentasse o cão.

EMERY: E quem é esse? Quem é que pensa que…

RANDY: Bem, penso que é uma amálgama de uma mentalidade. Penso que, uma vez atingido um certo ponto na estrutura empresarial, e… o que dizemos? Recebe-se tantos seguidores ou algo assim. Mas depois de ter tantas pessoas envolvidas, se se tornar destrutivo vai-se prejudicar. E as empresas não o farão. Elas não estão interessadas. As pessoas perguntam porque é que esta tecnologia não está disponível? Bem, é muito simples. As pessoas viriam e diriam, bem, eu gostaria de ter um destes dispositivos. E eu respondo, bem, só há um ou dois. Temos protótipos. E eles libertem-no para o mundo. Adoro essa linguagem. Porque não o libertamos para o mundo?

EMERY: Certo. Isso acontece-me muito.

RANDY: Aqui estão 250 mil dólares. E a resposta é, OK. Tenho 100 milhões de dólares em investigação e desenvolvimento não financiados. Preciso de cerca de… a General Motors gastou 3,5 mil milhões de dólares para desenvolver cinco fábricas para produzirem carros. E querem que eu produza dispositivos que a Westinghouse produzia, ou outra empresa, a General Electric… a infra-estrutura para desenvolver isso é fenomenal. Veja isto. Vou levantar-me amanhã e entrar na Bolsa de Nova Iorque. E eu disse, tenho uma empresa que tem a capacidade de reduzir as necessidades energéticas de qualquer tipo de dispositivos elétricos em 80%. E tudo o que preciso é de cerca de 300 milhões de dólares para a trazer ao mercado. E eles vão perguntar, quem é você? E depois respondo: bem, eu sou uma dessas pessoas marginais. Construí o dispositivo, mas não tenho a formação académica necessária para o tornar válido. E é assim que eles o controlam.

EMERY: Essa é uma grande verdade.

RANDY: É triste.

EMERY: É verdade. É muito triste. E ambos já passámos por isso.

RANDY: Sim.

EMERY: Muitas vezes. Mas voltando aos OVNIs, às naves, isto encaixa-se neste tipo de energia. Eles utilizam esta energia de que estamos a falar. Penso que o público deveria saber, se revelarmos a verdade sobre naves anti-graviticas, ou se a nave que encontrámos chega à superfície e mostramos a todos, a primeira coisa que vão perguntar é, como é que chegou até aqui? Que unidades de propulsão? Porque não foi gás, carvão e petróleo, certo? Por isso, penso que se está a provar essa existência. Penso que será realmente problemático para as grandes empresas de gás, carvão e petróleo, porque já não vamos precisar deles, certo?

RANDY: Bem, a um certo nível, não precisamos deles neste momento.

EMERY: Certo. Não precisamos deles. Claro que não.

RANDY: Pois. A tecnologia que existe, neste momento, é… tudo pode ser convertido. Quais são as ramificações disso? Basicamente, destruiria a economia dos EUA durante a transição durante um período de cerca de quatro anos. E isso vai ser feio. Há um interesse declarado em não dar a tecnologia demasiado depressa ou demasiado tarde.

EMERY: Mas se amanhã revelassem o ET, fenómeno OVNI, poderiam fazê-lo lentamente, não poderiam?

RANDY: Sim.

EMERY: Porque não poderiam… deveria ser uma escolha deles.

RANDY: Bem, isso seria uma sociedade livre e aberta. Portanto, a resposta é sim. Essa tecnologia existe. Porque não… bem, agora temos o interesse fiduciário. E o ideal de, como posso ganhar dinheiro com ela, como é suposto? Bem, aqui está.

EMERY: Claro que sim.

RANDY: Aqui está uma célula solar, ou aqui está outra coisa para esse efeito. O problema é que as perguntas que devem ser feitas, ou que serão feitas, ficam sem resposta pelo nosso modelo socioeconómico atual. Essa é a resposta. E ninguém sabe como resolvê-lo. Ninguém sabe como fazê-lo avançar, introduzir novos temas, novos ideais como esse. Se eu introduzir a cura do cancro amanhã, provavelmente seria alvejado, porque há muito dinheiro envolvido. As pessoas não querem aceitar isso. Pensam que é uma teoria de conspiração. Bem, experimentem esta. Todas as sociedades do mundo, nos últimos 2.000 anos, têm tido um tratamento para o cancro. Mas não é permitido praticá-lo. Se se inventa um motor de esterlina, se se inventa um motor do tipo Tesla, não se pode apresentar isso ao mundo, porque seria demasiado perturbador. Quem diz que é demasiado perturbador? Mais uma vez, penso que é mais uma… há uma supressão que existe em virtude dos seus próprios benefícios. Uma vez atirado pela janela o benefício próprio, então a ideia beneficiaria toda a gente. E, claro, chama-se a isso uma sociedade livre e aberta, onde todos são capazes de desenvolver isso e apresentá-lo à sociedade e ver se o querem. Mas se hoje saíssem e dissessem que temos informações que invalidam todas as religiões do mundo que existiram até este momento, e que são cerca de 4.600. Eles não querem isso. E então perguntamos, porque é precisa invalidá-las? Pode-se acreditar no que se quer. É como ter a liberdade de ir ao médico que se quer. Podemos ter o sistema de crenças que quisermos. Mas não negue o que está disponível porque entra em conflito com o seu sistema de crenças.

Códigos de Cura

EMERY: Vemos a informação a ser revelada lentamente e pensamos que estamos a chegar a algum lado, e depois encobrem-na com alguma outra desinformação. E depois encobrem isso com desinformação. Depois confundimo-nos com o que realmente se passa lá fora. Mas o que é essa distração?

RANDY: Bem, chama-se desvio. Digamos que me coloco no caminho da perseguição de um certo corpo de informação, ou conhecimento, ou tecnologia. E se eu puder desviá-lo, se eu puder criar um problema financeiro para si, ou económico, se eu puder criar um perigo para a sua saúde, dar-lhe uma constipação, se me perguntar como o faria, como gostaria de ter uma constipação durante dois meses, induzida quimicamente? Como gostaria de ter as suas finanças perturbadas? Como gostaria de obter uma multa por excesso de velocidade, sem nem sequer ter passado por esse estado? Está a perceber o que quero dizer? Há todo o tipo de coisas em que posso prejudica-lo. E quando o faço, estou apenas a atrasá-lo. Penso que o problema que ocorre nesse sequestro e negação de informação e avanço é atrasar tudo isto. Esse é o único ponto. Porque vai ser tudo revelado. A densidade de informação, mais uma vez, de todas estas coisas está a tornar-se demasiado grande. É como tentar tapar os buracos no dique. Torna-se impossível, a determinado ponto. Basicamente derrubam o muro e dizem, OK, aí tem. E é como se dissesse, esperem aí. Durante 30 anos, houve ali um maldito muro, e só agora é que me dizem? Oh, não há problema. Podemos ir para trás e para a frente. Já experimentámos isso. Pense nisso de um ponto de vista tecnológico. Agora podemos lá ir. Portanto, as pessoas que querem fazer avançar tudo isto, façam as vossas próprias pesquisas, e dediquem-se a um projeto. O que vão fazer é perder o vosso tempo e gastar o vosso dinheiro. Eu digo às pessoas, não entrem em bancarrota, como já fizemos várias vezes. Haverá êxitos e falhanços. Como os dispositivos na Carolina do Norte que vimos, e na Florida, e na Virgínia. E esses não funcionaram. Foi apenas um esquema. Agora, aparece alguém e diz, oh, sim, eu sei como fazer isto, e aqui está o meu dispositivo. Mas não funcionou. O esquema é, dê-me muito dinheiro. E o que eu fiz foi tirar dinheiro do “saco” que teria estado disponível para as pessoas que o teriam feito. E é isso que vemos na investigação do cancro e… Como disse, há muitas tecnologias por aí.

Frequência 432 Hertz – 432 Hz – A frequência do Som com propriedades de Cura!

EMERY: Os orçamentos são maiores para a supressão do que a investigação propriamente dita?

RANDY: Sim, sim. Porque foi assim que chegamos ao ponto atual. Agora, temos um enigma. Agora, temos um problema. O orçamento sequestrador tornou-se tão grande que eles alteraram o lado do desenvolvimento – o lado da investigação e desenvolvimento. A investigação e desenvolvimento está a levantar o inferno. Eles querem trazer a tecnologia ao de cima. E isto é qualquer empresa. Qualquer departamento de I&D quer trazer à tona o que sabe. Eles estão entusiasmados com o que descobriram. E depois temos o aspeto jurídico, e o financeiro, e todos dizem, não, nós decidimos. Nós é que decidimos quando essa tecnologia… Quando eu estava na Edwards, nos anos 70, os aviões que estava a ver lá fora, e a tecnologia de voo, é como se, há 10 anos atrás, eu finalmente tivesse visto um desses. E digo às pessoas, acha que em 40 anos não houve nenhum avanço? O SR-71 foi supostamente construído em 112 dias, ou 104 dias, algo do género, do princípio ao fim.

Lockheed SR-71 Blackbird

Também posso dizer muitas mentiras. Mas este é o primeiro exemplo de uma tecnologia que veio à existência onde não houve paragens. Não havia ninguém a dizer, não podemos fazer isto, ou não se deve fazer isto. Mas vejam quanto tempo demorou a revelar essa tecnologia, 30 anos, 40 anos? E aqui estamos nós outra vez. Vendemos aviões aos sauditas, e em todo o mundo, e agora este é o mais recente, o maior caça a jato. Lembra-se dos telemóveis? Onde está a iteração 42, 3, 4, 5, 6? Acha que esses não existem? Aquele orçamento de I&D, agora sabemos porquê o défice federal, ou porquê todas estas corporações… porque se fez contabilidade forense sobre algumas destas empresas, sobre JPL e General Dynamics… Vou à Rand Corporation na Hughes Air. Em primeiro lugar, nunca se chegaria a lado nenhum com ela, porque eles nunca iriam querer que esse conhecimento fosse conhecido.

Randy, porque achas que tem havido mais pequenas divulgações nos últimos dois anos do que nunca?

RANDY: Se pensarmos em suprimir a tecnologia e o esforço necessário, e se olharmos para a expansão do conhecimento nos últimos 30 anos, nos últimos 20 anos, nos últimos 10 anos, e depois apenas nos últimos 5, esqueça a duplicação. Está fora das malditas tabelas quanto ao nível de conhecimento que está em jogo. E se pensarmos em tentar esconder esse conhecimento, já não o podemos fazer. Agora, não há outra escolha senão a divulgação. Não há escolha nenhuma.

EMERY: Não acredita que o governo vai ter um enorme evento de divulgação?

RANDY: Não. Eu não… estás a procurar no sítio errado.

EMERY: Sim. Não vejo isso a acontecer.

S02E14 A Ameaça da IA, Inteligência Artificial (Rev. Cósmica)

RANDY: Não. A difusão dessa informação é o que dizemos em todas as direções. Temos algumas. Os chineses têm algumas. A Inglaterra tem algumas. Desenvolvimento da IA. Estados Unidos, IBM, e todas estas pessoas, a onda DU5. A Inglaterra tem um programa de IA. A China tem um programa de gripe aviária. Hong Kong tem, Taiwan tem. Eles estão por todo o lado. E quando o gato tem o rabo de fora, quando alguém chega realmente ao evento, então toda a gente vai saltar e ir, ó, sim, eu também. Ah, sim. Eu sei que sim. Ó, sim. Já o fizemos. E até esse evento acontecer, toda a gente vai dizer que não sabiam nada sobre isso. Mais uma vez voltamos ao argumento, quando os alienígenas aterram no relvado da Casa Branca, todos vão dizer, ó, sim, eu sabia disso. Acho que eles estão contra a parede. Penso que já temos divulgação. É que esta narrativa de querer que outras pessoas a verifiquem é ridícula. Eu já vi OVNIs. Viu?

EMERY: Uns poucos, no meu tempo.

RANDY: Sim. Não é verdade? Ninguém pode negar isso. Podem gozar contigo por os ter visto. Mas a realidade é que eu já os vi. É isso mesmo. É algo que não precisa de ser verificado. Não precisa de ter um certificado do governo dos EUA que diga que vi ou não vi. Isso é simplesmente errado. Agora dizemos que temos um grupo de entusiastas, entusiastas de OVNIs. Tínhamos um culto, mas agora somos entusiastas. Portanto, há algum avanço.

EMERY: Bem, porque acha que o governo agora está a entretê-lo? Porque não é apenas algumas pessoas. Eles fazem declarações, a Marinha está autorizada a fazê-lo, e os pilotos estão agora autorizados a relatar estas coisas. O que é triste, saber que eles admitiram que não tinham autorização para tal. As empresas, isto é. E agora está tudo bem.

Eshed, antigo chefe da segurança espacial diz que os alienígenas existem

RANDY: OK. Se for ao governo dos EUA e disser, fale-me dos OVNIs, quem vai responder? Quem tem o… como lhe chamam? Há uma política. Não me lembro da língua.

EMERY: Não, eu sei o que estás a dizer. Sim.

RANDY: Eu tenho a capacidade de responder a isso. E vê-se isso na nossa política… Não posso responder a isso.

EMERY: Certo.

Adoro isso.

RANDY: “Não posso confirmar nem negar”. Ouvimos tudo isso. Aqui está o acordo. Em 1947, quando esses ofícios foram encontrados pela primeira vez… se houvesse… o general do Exército recolheu os destroços, ou recolheu…

EMERY: A folha de alumínio e outras coisas.

RANDY: Sim. Eles entraram no jogo, vamos dizer. Para onde é que o transferiram? Transferiram-no para a Marinha no Illinois ou Indiana. O Gabinete de Inteligência Naval é quem perguntaria sobre os OVNIs. É isso mesmo. Agora, acha que o ONI vai, bem, Emery, fico contente por ter perguntado. Nada. Não tem direito a essa informação. Não tem acesso a essa informação. Isso é um programa de acesso secreto. Isso é da CIA… Quer dizer… certo? Eles não lhe vão dizer. E nós vamos, bem, eu não estou autorizado a dizer-vos… se eu fosse eles. E depois perguntamos, bem, quem está autorizado? E lá se fala da existência pura de buracos negros no universo.

EMERY: Certo. Tente aquela porta ali. Não, aquela. E corre-se de uma porta para outra.

RANDY: Sim. A ONI tornou-se o repositório dessa informação, dessa investigação, desse desenvolvimento. E depois tem o DARPA a surgir, ARPA antes disso. DARPA. E assim tem todo um grupo de interesse em manter um fluxo suave, não perturbador, uma sociedade homogénea. E não funciona para os humanos. Estamos muito mais vocacionados para estes enormes saltos de progresso. E não os tem visto nos últimos 30 anos. Isso é o que eu diria.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos. Este site publica artigos próprios e de outros informantes em que se limita a publicá-los: quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1 Comentário
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments