revelação cósmica t19, Robert Wood, William Tompkins

S19E09 Segredos das Missões Apollo (Revelação Cósmica)

Partilhar:

Desde os símbolos misteriosos ao contacto alienígena na lua, há muitos segredos das missões Apollo.
O Dr. Robert Wood e Emery Smith revelam que William Tompkins foi convidado para o lado secreto deste projeto, onde ganhou uma perspetiva única da tecnologia, dos segredos guardados, e do que os astronautas realmente experimentaram ao pisarem a lua.

Ele foi fundamental na conceção do centro de comando e das missões Nova, que deveriam continuar a exploração humana mais profundamente no espaço.

S19E09 Segredos das Missões Apollo (Revelação Cósmica ~ Robert Wood)
S19E09 Secrets of the Apollo Missions (Cosmic Disclosure)

revelação cósmica temporada 19 episódio 9

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Episódio legendado (traduzido por oevento.pt e verificado por Lídia Ferreira):

EMERY SMITH: Hoje em “Revelação Cósmica”, estamos com o Dr. Robert Wood. Bob, bem-vindo ao programa.

Robert Wood – Emery Smith

ROBERT WOOD: Bom dia.

EMERY: Bem, há rituais e símbolos que sempre estiveram associados às missões espaciais. Porque é que acha que isso acontece? E o que William Tompkins disse sobre isso?

WOOD: Bem, os rituais e símbolos começaram quando começámos os nossos primeiros lançamentos, porque cada lançamento de cada vaivém teve o seu próprio nome. Endeavor, por exemplo, seria um.
E à medida que o tempo foi passando e tivemos mais e mais lançamentos, todos procuravam algo para recordar esse evento em particular. E assim as missões Apollo eram… na verdade, estavam numeradas, mas além disso, creio que cada uma tinha outra designação.
Do que me lembro, o Bill não falava muito da nomenclatura. Mas estava claramente envolvido na ideia de rituais na medida em que o seu pai era um maçon.
E ele estava muito consciente de algum do simbolismo que acompanha a ordem maçónica. Por isso estava à vontade, penso eu, com a ideia de que haveria nomes e rituais especiais associados aos lançamentos espaciais.

EMERY: Lembro-me da bandeira, a bandeira americana não foi a primeira coisa que saiu daquele módulo lunar.

WOOD: O que é realmente notável é que um dos primeiros trabalhos que Bill conseguiu quando foi para a TRW foi ver a aterragem lunar com Lance Armstrong num local fora do local que a TRW tinha montado.
Ali estava ele, a olhar para um monitor de televisão e a ver tudo e a ouvir tudo o que se passava ao vivo. Disse-me que o que viu foi Neil Armstrong a sair da nave espacial com um avental maçónico e uma placa maçónica.
Ele desceu, disse algo, plantou a placa. E depois voltou a subir. E depois desceu com a bandeira americana. E, é claro…

EMERY: A câmara começou então a filmar.

WOOD: É isso mesmo.

EMÉRIA: Para os civis.

WOOD: Bem, sim, sim, a câmara para o público começou a filmar.

EMERY: Os rituais e símbolos estiveram sempre associados a estas missões. Porquê? Porque estes rituais são tão importantes?

WOOD: Bem, o facto de Neil Armstrong ter descido com os emblemas maçónicos é um bom exemplo disso, porque é evidente que os maçons querem poder afirmar que foram os primeiros a estar na lua.

EMERY: O Bill era maçónico?

WOOD: Não, mas o seu pai era.

Maçonaria: Um maçónico?

WOOD: E ele percebeu depois do pai ter falecido que ele… aparentemente encontraram o anel que mostrava que ele era um maçon de 33º grau. Isso foi muito impressionante para ele. Portanto ele tinha crescido sabendo que havia algo chamado os maçons, mas nunca foi um.

O Neil Armstrong era maçon?

WOOD: Presumo que sim. Na verdade, pertenço a alguns clubes de serviço. E uma vez houve uma pessoa que falou connosco que era maçon. Depois da conversa, fui ter com ele em privado e perguntei-lhe.
Perguntei-lhe se alguma vez soube que Neil Armstrong desceu com uma bandeira maçónica? Ele olhou para mim por um momento e disse que sim, que sabia disso.

S15E03 Os seres que vivem em Marte (Revelação Cósmica)

EMERY: Ele deixou apenas a placa na superfície lunar ou… e a bandeira?

WOOD: O Bill nunca descreveu esses detalhes. Ele disse que tinha descido com a placa e o avental. E, obviamente, não a podia ter deixado na lua porque não a mostrou mais tarde.

EMERY: Acha que esses vídeos ainda existem? Ou estão guardados no Templo Maçónico em DC?

WOOD: Bem, não está claro para mim que os Maçons tenham realmente recebido o vídeo. Tudo o que sei é que Bill viu este vídeo no ecrã. E como era um grande artista, conseguiu desenhar um esboço do que estava na cratera, que eram seis naves alienígenas com reptilianos de pé por baixo delas.
Portanto essa foi a outra coisa que ele viu ao mesmo tempo, logo a seguir ou antes. Não sei se ele viu estas naves alienígenas juntamente com o Neil Armstrong a descer.

EMERY: Acha que talvez isto seja algum tipo de declaração para reivindicar a lua?

WOOD: Sim, penso que é exatamente isso. No entanto, o que os maçons não sabiam, a meu ver, era que a lua já estava ocupada.

EMERY: Mm-hmm, sim. Não creio que apreciassem não só jogar golfe na lua, mas também deixar cair lixo e rotulá-lo como meu.

WOOD: Certo, certo.

EMERY: Para qualquer organização ou nação – bem, temos… vamos ver um destes vídeos com William Tompkins.

WOOD: OK.

William Tompkins

WILLIAM TOMPKINS: Se considerarem o meu trabalho na think tank secreta na Douglas, as únicas duas pessoas que sabem que isso está lá na Douglas são o vice-presidente de engenharia e o Dr. Klemperer.
Quando tínhamos reuniões com almirantes da marinha sobre os programas, ou quando tínhamos reuniões com outros altos funcionários, ou quando fazíamos reuniões de revisão de design com o nosso próprio pessoal – porque tínhamos muitas pessoas nesse grupo – o assunto chegava a um ponto em que não havia resposta.
E depois eu encontrava uma resposta. O vice-presidente de engenharia comentava sempre isto. Ele dizia, Bill, você encara tudo, ou seja, este assunto e outros assuntos, como se… como se não fosse de todo daqui. Isso já me foi dito centenas de vezes por pessoas diferentes.
Tudo o que posso dizer é que o meu pai era um Maçon de 33º grau. O meu tio Harding era cirurgião-chefe do Hospital Santa Monica. Muito dinheiro, casa grande, gastou cada cêntimo que ele tinha a escavar pelas entranhas das pirâmides, tentando decifrar os hieróglifos.
É isso que ele está a tentar fazer. Ele tem três filhas, as minhas tias. Vivemos naquela casa durante quase um ano. E o que estamos nós a fazer? Há uma cadeira que ele tem ao lado da lareira naquela casa.
A cadeira tem quase um metro e meio de largura, feita de madeira, toda coberta de hieróglifos. E algumas pessoas disseram que era a cadeira do Rei Tut. Bem, esse é um bom nome. Mas sim, veio de um dos reis.
Não sei como ele contrabandeou-a para fora do país, mas ele contrabandeou muitas coisas para fora daquele país. E partilhou-as com pessoas de topo da investigação nos Estados Unidos.
Portanto, mais uma vez, quem é o tio Harding? Um Maçon de 33º grau. Tudo o que estou a dizer é que há imensas coisas em que não… não estamos envolvidos, não compreendemos.

O controlo da mente através da religião no império draconiano

EMERY: Interessante. Quero dizer, esta cadeira enorme, logo começo a pensar em gigantes, nos Nefilins. Alguém maior do que um humano de tamanho normal estava a utilizar esta cadeira.
E o que também me surpreende é que um maçon de 33º grau que está a estudar hieróglifos nesta altura já devia saber decifrar muitos desses hieróglifos, porque eles têm uma enorme biblioteca sobre isso. Em que ano foi isso, pensas tu?

WOOD: Bem, o primeiro livro que Bill escreveu falou bastante sobre as relações da sua família e o facto de estarem envolvidos e interessados no Egipto, tudo sobre isso. De facto, há uma fotografia no primeiro livro que mostra alguns dos seus familiares com um OVNI a voar por trás, o que é uma notável coincidência.
Mas ele fala que, quando era pequeno, as suas irmãs corriam pela casa com togas, tentando imitar os egípcios. Eles eram muito orientadas para o Egipto durante a sua adolescência.

EMERY: Certo. Ele mencionou alguma coisa sobre as pirâmides?

WOOD: Sim, em alguns contextos, um no contexto do interesse do seu pai e do seu tio por elas, mas também no contexto de quando ele estava na TRW, essa ser uma das tarefas. Eles tinham um laboratório inteiro para ver se conseguiam reconstruir as pirâmides.
Por isso, contrataram o EG&G para esse fim. E gastaram milhares de dólares, talvez milhões, para tentarem construir uma.

EMERY: Não foram bem sucedidos.

WOOD: Não foram bem sucedidos. Não o conseguiram fazer. Disseram que não sabíamos como a tecnologia atual poderia ter construído estas pirâmides.

EMERY: Isso é incrível. Conheço tantas organizações e agências governamentais diferentes que tentaram fazer isso, mesmo em pequena escala, e ainda não o conseguem fazer. A dada altura, Bill Tompkins trabalhou com Wernher von Braun.

Wernher von Braun

Ele é o cientista nazi que veio para a América como parte da Operação Paperclip após a Segunda Guerra Mundial. Ele foi diretor do recém-formado Centro de Voo Espacial Marshall na NASA. O que tinha ele a dizer sobre a sua experiência com Wernher von Braun?

WOOD: Bem, ele teve uma experiência dramática com Wernher von Braun quando concluiu que lhe foi dada a informação para sugerir uma mudança de design no processo de verificação da nave espacial e também na conceção do complexo.
Assim, sem a aprovação da empresa, ele fez uma apresentação a von Braun como resultado de ter sido estimulado, diz ele, pelo seu secretário nórdico para definir os pormenores. Isto foi claramente descrito no livro como um processo de comunicação psíquica durante esta visita.
Mas ele foi lá. Ele foi às instalações de Huntsville. E reparou que a bandeira americana tinha uma suástica nazi na parte inferior…

EMERY: A sério?

WOOD: …o que eu achei… isso foi novo para mim. Nunca tinha visto isso antes. Mas posteriormente vi uma fotografia disso. Mas de qualquer modo, o processo foi todo automatizado. Ou seja, os guardas não o impediram. Ele não tinha um cartão.
Desceram e levaram a sua exposição, que já está montada numa mesa, lá para cima. Ele entrou na sala de conferências, havia muitas pessoas lá sentadas. O von Braun veio apertar-lhe a mão. E Kurt Debus, o assistente de von Braun, também da Alemanha, entrou pelo outro lado.
Sem grandes comentários, encorajaram-no a começar a sua apresentação, que, segundo ele, durou 40 minutos. No final, aplaudiram-no e agradeceram-lhe imenso. Mais tarde, ele foi despedido pela empresa, claro, porque tinha feito esta apresentação sem aprovação.

EMERY: Lembro-me disso. Falou-me sobre isso.

WOOD: Acontece que o que ele estava a propor era que Douglas, McDonnell Douglas, poderia ter sido o grupo de apoio para toda o cabo. E isso teria sido um contrato de 100 milhões de dólares ao longo dos anos. Acontece que a Boeing ganhou o contrato e acabou por comprar a Douglas.

EMERY: Dr. Wood, não estava a trabalhar lá na altura em que ele foi despedido?

WOOD: Sim, por acaso, estava. Tinha ouvido um rumor de que havia um tipo da eletrónica de apoio terrestre que tinha ido fazer uma apresentação a von Braun e que foi despedido porque não tinha a aprovação da direção.
E isto estava relacionado com o facto de que a manufatura e a engenharia também estavam sempre um pouco à garganta do outro.
Mas de qualquer modo, as pessoas de topo decidiram despedi-lo porque não podiam dar-se ao luxo de abrir um precedente e permitir que qualquer engenheiro que tivesse uma boa ideia pudesse descer e fazer uma apresentação sem aprovação.

EMERY: Acha que poderia haver outra agenda nos altos escalões que não quisessem que ele lhe expusesse alguma dessa tecnologia?

WOOD: Não, penso que não. Penso que foi uma decisão que foi tomada pela departamento de manufatura. Eles disseram que não somos uma organização de serviços. A engenharia também tinha muitas coisas para… que tinha construído.
O vice-presidente que tomou esta decisão foi o meu chefe mais tarde, aquele que decidiu não prosseguir com uma opção. Em resposta a esta apresentação, a NASA ofereceu-nos uma opção para irmos ver o contrato. Mas recusámo-lo.

E depois ele… depois disso e ainda o fez de qualquer forma.

WOOD: Pois.

Caramba. Bem, posso ver como isso poderia acontecer. Sabemos que Wernher von Braun era o chefe do programa Apollo. Vamos ver um vídeo de Tompkins quando ele trabalhava no programa Apollo.

WOOD: OK.

Para onde vai a nossa consciência quando dormimos? Onde estão os mortos?

TOMPKINS: Sou Chefe da Secção de Engenharia da Douglas no programa Apollo. Tinha uma equipa de 173 engenheiros, designers e cientistas, na verdade 11 doutoramentos. E faço a sugestão. Estes tipos pegam nela e correm com ela. O melhor grupo de engenheiros do planeta, os melhores.

W. Tompkins – Apollo

Criámos um novo programa da NASA para a Lua… deitámos fora tudo o que a NASA tinha feito e criámos um programa totalmente novo. Submeti-o aos chefes de engenharia. Eles submeteram-no ao marketing.
E o marketing fala com o pessoal da manufatura e eles tentam despedir-me. Porque a manufatura quer manufaturar. Eles não querem de todo fazer estas coisas de engenharia. Eu não sou despedido. Sou autorizado a avançar e a fazer isto.
Mas o marketing, nós… eles não queriam fazê-lo. Por isso o vice-presidente de engenharia disse secretamente, vamos fazer isto nós próprios. Por isso, preparei tudo. Tenho um modelo de seis pés por seis pés do novo centro de comando da missão da NASA.
Parece uma grande sala de teatro, com degraus para baixo, telas na parede. Por isso coloquei-o num D… DC-7 novinho em folha e toda a minha documentação. E voei para a… a Estação Espacial Secreta Redstone Arsenal, onde estão todos os Alemães e onde se encontra a NASA.
E alugo um camião. E estou com um fato de três peças. Alugo este camião. E tem todas estas engrenagens que eu nunca conduzi. E conduzo esta coisa com uma caixa lá dentro para esta área secreta.
Mas o que é interessante é que a minha secretária escreve-me uma carta que me levará ao homem de topo da NASA… em Redstone Arsenal. Mas ela diz-me que não vou precisar da carta.
E à medida que me aproximo, ela diz-me telepaticamente para não me preocupar. Os portões vão abrir-se. Chego lá e estes grandes portões abrem-se.
E entro e passo ao lado de uma enorme área com dezenas e dezenas de camiões e carros e automóveis e equipamento onde todos têm de passar pela segurança para verificar tudo o que têm no camião, obter autorização para o levar, e todas essas coisas. Eu endro diretamente.
O portão abre-se. Eu entro lá e começo a procurar o escritório de von Braun. Atravesso o trânsito da base. Finalmente chego à base, à torre. Os quatro guardas de segurança do edifício descem. Colocam as suas espingardas junto à porta do edifício.
Descem as escadas com uma carreta enorme. Esta carreta tem quatro rodas. Eles descem pelos degraus com a carreta. Levam-na até ao meu camião e retiram as barras… as barras laterais, as barras de madeira da lateral do camião. Pegam no meu modelo e levam-no para a carreta.
De onde veio a carreta? Porque é que estava lá? Eles levaram o modelo na carreta de volta para um edifício de escritórios, por um corredor. A porta do elevador, um elevador com uma porta bastante grande, abre-se com outros três elevadores na lateral do elevador central.
As portas abrem-se. Empurram a carreta para dentro. Eu entro com a minha mochila cheia dos meus dados. Subimos ate ao último andar. A porta está aberta. Sem dizer uma palavra, eles empurram a carreta para a área do átrio. Essas portas abrem-se.
Entrámos na primeira grande área de escritórios com todo o pessoal de von Braun deste lado e com o pessoal do Dr. Debus daquele lado. As portas desta grande sala de conferências abrem-se. Eles estacionam a carreta. Abrem a caixa.
Levantaram o modelo que tem… está coberto com um pano azul suave. Colocaram-no sobre o pano azul na sala de conferências. A secretária do Dr. Debus e a secretária do Dr. von Braun vêm ter comigo. Os quatro guardas levam a carreta. Levam-na de volta para fora da sala.
Juntam os calcanhares. Fazem continência. E levam a carreta de volta para baixo. Agora lembrem-se, eu não disse uma palavra a ninguém. Entrei nesta instalação sem qualquer pedaço de papel. Entrei. Não falei com ninguém. E ambos já sabem que estou aqui agora.
A secretária de Debus disse que o Dr. Debus estará aqui dentro de momentos. E o Dr. von Braun também vai estar. O Debus saiu da sua sala de conferências e apresentou-se. E von Braun saiu da outra sala de conferências e também se apresentou.
Agora tenho esta grande coisa azul no meio da sua mesa de conferências brilhante. Disse que sou William Tompkins. Que venho da Douglas. E tenho uma proposta que gostaríamos de vos apresentar sobre algumas mudanças que consideramos necessárias para que o Apollo chegue à lua.
Ninguém me impede. Algum pessoal de von Braun entra e senta-se atrás deles na mesa. O pessoal de Debus senta-se com ele. Ambos as secretárias sentam-se. E começo a falar. E, no momento certo, retiro o pano e mostro… mostro-lhes o que você e todos os outros no planeta viram, que é o sistema de controlo de lançamento do Complexo 39, onde já viu o Dr. von Braun sentado no topo e todos os engenheiros e toda a gente a olhar para as coisas no ecrã.
Por isso, continuo. E o que se passou foi que ambos ouviram a minha apresentação. Demorei cerca de 40 minutos na apresentação. von Braun apertou-me a mão e disse que precisávamos de nos reunir. E Debus apertou-me a mão, pôs os braços à minha volta, e levou-me a conhecer todos os tipos de topo da NASA lá, apresentou-me como uma espécie de génio.

EMERY: Lindo mas trágico ao mesmo tempo, porque sabemos o que aconteceu logo a seguir a isso. E ele descobriu isso, é claro, depois de ter regressado à base?

WOOD: Oh, essa é uma boa pergunta. Recordo-me que foram apenas alguns dias. Não foram horas, mas antes dias. Não foram semanas.

EMERY: Mm-hmm. Será que ele ficou realmente magoado com isto? Ou para onde foi a partir desse momento?

WOOD: Bem, ele achou que era uma loucura.

Certo, foi uma loucura.

WOOD: Mas Debus, que tinha acabado de conhecer, esforçou-se por lhe arranjar um emprego na North American, Rocketdyne.

EMERY: E acabaram por utilizar a sua tecnologia?

WOOD: Bem… uma das principais coisas que ele estava a propor era certificar-se de que eles estavam a colocar os veículos na posição vertical em vez de horizontalmente. E dessa forma sim, eles usaram essa técnica.
Ele tinha muitas outras ideias relacionadas com os sistemas eletrónicos de checkout, utilização de diferentes tipos de suportes e coisas do género.
Os detalhes que tinha nos seus apontamentos para os desenhos da Apollo eram bastante extensos em termos do que fez… ou seja, redesenhou os suportes para reduzir o espaço, o volume e o peso. E ele era muito bom nisso.
E isso, na verdade, não está em nenhum dos livros, agora que penso nisso.

EMERY: Bem, talvez no terceiro livro.

WOOD: Talvez. Mas foi espantoso para mim ver aquele vídeo. Ele já me tinha contado essa história cara a cara. E batia tudo certo.

EMERY: Em retrospetiva, quero dizer, o facto de ele ter ido a esta base altamente classificada sem quaisquer problemas, será que ele alguma vez descobriu isso, como aconteceu? Será que os secretários nórdicos estavam coniventes com os seus secretários, talvez?

WOOD: Falámos pessoalmente sobre essa questão. E fiz-lhe essa pergunta, não exatamente com essas palavras. Mas ele acabou de concluir que se tratava de ações psíquicas da sua secretária que deve ter influenciado todas estas outras pessoas a fazerem o que lhes compete.
Ele não sabia… não lhe foram dadas quaisquer instruções enquanto conduzia o camião ou sobre as coisas que aconteceram.

EMERY: Então estes alegados extraterrestres nórdicos tinham essa capacidade…

WOOD: Sim, a capacidade de…

EMERY: talvez controlar a mente dessas pessoas para que isso acontecesse?

WOOD: Foi a essa conclusão que cheguei. Pensei que esta era realmente uma história notável. Penso que foi na mesma altura em que ele mencionou ver a bandeira com a suástica.

EMERY: Certo. E por falar em extraterrestres, houve muitas histórias ao longo dos anos dos astronautas da Apollo, claro, e do pessoal de apoio, de terem visto embarcações extraterrestres…
Refiro-me a cúpulas de luz na superfície da lua e outras provas de vida extraterrestre. Qual é a experiência de Bill Tompkins a este respeito?

WOOD: Bem, quando estava na TRW, o Bill teve acesso a alguns dos sobrevoos da lua. E na verdade, eles estavam envolvidos em conversas em tempo real com os astronautas que reportavam o que viram quando estavam na parte de trás da lua.
Estavam a ver estruturas a serem construídas de uma passagem para a outra, um número muito elevado em termos de múltiplos pés por passagem, o que sempre me intrigou.
Questiono-me se isso era realmente verdade ou… era quase inacreditável que pudessem construir estruturas que subiriam centenas de pés numa só passagem à volta da lua.

S01E03 Na Lua, há bases de ETs cobertas por um escudo holográfico que nos impede de vê-las

EMERY: Ele aludiu a quem eles eram? Ou será que ouviu os astronautas a falar sobre isso?

WOOD: Não, os astronautas não tinham dados reais sobre quem eles eram. E ele não sabia mais do que eles sabiam.

EMERY: Ele foi capaz de ouvir as cassetes áudio dos astronautas durante esta descoberta?

WOOD: Sim, conseguiu. E os astronautas estavam a falar uns com os outros e com outros na lua.

EMERY: Ele lembra-se de alguma coisa do que eles disseram?

WOOD: Bem, o tipo de coisas de que estavam a falar era a evidência de algumas estruturas e o facto de que estavam a mudar e a ficar diferentes em cada passagem, o que era notável. Penso que também havia alguns casos de luzes. Mas isso está no segundo livro.
E talvez seja apenas uma página e meia deste diálogo com os astronautas. O que me impressionou foi que o Bill estava em tempo real com os astronautas.

EMERY: Certo. Bem, vamos ver este pequeno vídeo.

TOMPKINS: A primeira fase foi chegar lá, apanhar as pedras, tirar as fotografias, e voltar. Então, chegamos lá. Temos todos estes veículos à volta da borda. E um desses quase nos empurrou para fora da órbita para tentarmos sequer lá chegar.
A meio caminho da lua, ficou mesmo ao nosso lado. E assim nós não… o público não ouviu a conversa. A maldita coisa quase nos vai atingir. Comunicação, controlo da missão mesmo fora do veículo. E assim chegamos lá, mas já demos várias voltas.
Tirámos todas as fotos de todas as coisas que já lá estão. Sabe onde quer estar. E depois, à medida que faz a sua primeira corrida, chegam todos estes veículos, veículos enormes.

Neil Armstrong, Apollo

E estacionam à volta da borda onde tentamos aterrar. Meu Deus. Aterramos. Temos de fazer o nosso trabalho. E depois o gajo diz OK, sigam em frente e apanhem mais pedras. E sei que têm um problema, por isso façam mais duas ou três missões e não voltem, ponto final.

EMERY: O controlo da missão estava a dizer-lhe para fazer isso? Ou foram os seres?

WOOD: Bem, na minha opinião, foi a sua interpretação do que os seres queriam e o controlo da missão não estava envolvido nesse tipo de observação. O que estava publicamente disponível e o que o controlo da missão viu ao nível ultrassecreto são duas coisas diferentes.
Mas na minha opinião, o Bill inventou essas palavras com base no que pensava que os reptilianos estavam a tentar dizer.
Penso que não encontrará isso em nenhuma comunicação da NASA, mesmo ultrassecreta, que eles tenham um registo dos reptilianos a dizer alguma coisa. Esse seria o meu palpite.

EMERY: O Bill sabia de alguma outra missão secreta da Apollo?

WOOD: O Bill nunca me falou de outras missões exceto dos planos que foram feitos em Rocketdyne quando foi a Rocketdyne, que eram muito extensos e de longo alcance.
Eles iam utilizar as naves Nova, que eram basicamente veículos de hidrogénio-oxigénio, para tentar ir até às estrelas mais próximas. Mas isso, na minha opinião, não faz sentido.
Ele não me deu a entender que a NASA tinha missões Apollo secretas que desconhecia ou que existiam. A sua opinião era que ele sabia tudo sobre o programa Apollo e que não havia nenhuma parte ultrassecreta do programa em termos de quem ia para onde.

EMERY: Teria ele conhecimento de alguma embarcação antigravítica que estivesse a ser usada secretamente na altura?

WOOD: O que me intrigou sobre o planeamento da missão Apollo de longo alcance do Bill era que não havia qualquer indicação de que houvesse unidades antigravidade envolvidas.
E não se podia ter feito as missões de que falava para tentar ir aos planetas das 12 ou 11 estrelas mais próximas sem algum tipo de dispositivos antigravidade. E os detalhes de planeamento em que ele estava envolvido na Rocketdyne não tinham nada disso.
Assim, concluí que ou este planeamento de longo alcance era intencional, ignorando dissimuladamente o facto de que iriam utilizar antigravidade e esperavam que as pessoas não fizessem os cálculos e concluíssem que não poderiam fazê-lo com nitrogénio líquido, hidrogénio e oxigénio.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.
Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

Author: Krystal

colaborador

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

3 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments