A Lei do Uno - livro 3

LEI DO UNO ~ sessão 72 e 73 ~ serviço a outro, invocação ~ Cristo

Partilhar:

Sessão 72

14 de Outubro, 1981

72.4 QUESTIONADOR: Você pode me dizer o que fez com que o instrumento ficasse em uma condição próxima da inconsciência durante as últimas duas meditações anteriores a esta, ao ponto de nós a descontinuarmos? RA: Eu sou Ra. Nós podemos.

72.5 Você poderia me dizer isso? RA: A entidade que saúda este instrumento, do grupo de Orion, primeiro tentou fazer com que o complexo mente/corpo/espírito, que você pode chamar de espírito, deixasse o complexo físico de raio amarelo, na crença deludida de que ela estava se preparando para o contato com Ra. Vocês estão familiarizados com esta tática e suas consequências. O instrumento, sem pausa, ao sentir esta saudação, chamou pelo aterramento dentro do complexo físico com a requisição de que a mão fosse segurada. Assim, o maior objetivo da entidade de Orion não foi alcançado. Entretanto, ela descobriu que aqueles presentes não eram capazes de distinguir entre inconsciência com a mente/corpo/espírito intacta e o estado de transe no qual o complexo mente/corpo/espírito não está presente. Portanto, ela aplicou, à máxima extensão, a saudação que causa a tontura e, em meditação sem proteção causou, neste instrumento, inconsciência simples como no que você chamaria de desmaio ou vertigem. A entidade de Orion consequentemente usou esta tática para impedir que o contato com Ra tivesse a oportunidade de se concretizar.

72.7 Nós temos aqui, eu acredito, um princípio muito importante com relação à Lei do Uno. Você declarou que a atitude do indivíduo é de máxima importância para a entidade de Orion ser capaz de ser efetiva. Você poderia, por favor, explicar como este mecanismo trabalha com relação à Lei do Uno e por que a atitude da entidade é de máxima importância e por que isto permite a ação da entidade de Orion? RA: A Lei da Confusão ou Livre Arbítrio é totalmente soberana nos trabalhos da infinita criação. Aquilo que é desejado tem tanta intensidade de atração para o polo oposto, quanto a intensidade da intenção ou desejo. Assim, aqueles cujos desejos são superficiais ou transitórios experienciam apenas configurações efêmeras do que pode ser chamado de circunstância mágica. Há um momento decisivo, um fulcro que oscila enquanto um complexo mente/corpo/espírito sintoniza sua vontade para o serviço. Se esta vontade e desejo é por serviço a outrem, a polaridade correspondente será ativada. Na circunstância deste grupo, existem três tais vontades agindo como uma com o instrumento na, digamos, posição central de fidelidade ao serviço. Isto é como deve ser para o balanceamento do trabalho e a continuidade do contato. Nosso complexo vibratório está centrado também nestes trabalhos e nossa vontade de servir é também de algum grau de pureza. Isto criou a atração do polo oposto que vocês experienciam. Nós podemos notar que tal configuração de livre arbítrio, centrada no serviço a outrem, também tem o potencial para o alerta de uma grande massa de força de luz. Esta força de luz positiva, entretanto, opera também sob livre arbítrio e deve ser invocada. Nós não poderíamos falar sobre isto e não devemos guiá-los, pois a natureza deste contato é tal que a pureza de seus livres-arbítrios deve, sobre todas as coisas, ser preservada. Assim, vocês seguem seus caminhos através das experiências, descobrindo aquelas tendências que podem ser úteis.

72.8 As entidades negativamente orientadas que nos contatam e outras neste planeta são limitadas pela primeira distorção. Elas têm obviamente sido limitadas pelo ritual de banimento recém-realizado. Você poderia descrever, com relação ao livre arbítrio, como elas se limitam a fim de trabalharem dentro da primeira distorção e como o ritual de banimento em si funciona? RA: Esta questão tem diversas porções. Primeiramente, aqueles da polaridade negativa não operam com relação ao livre arbítrio a não ser que seja necessário. Eles se chamam e infringirão sempre que acharem ser possível. Em segundo lugar, eles estão limitados pela grande Lei da Confusão no sentido de que, na grande maioria das vezes, eles são incapazes de entrar nesta esfera de influência planetária e são capazes de usar as janelas de distorção tempo/espaço apenas até o ponto onde há algum chamado para balancear o chamado positivo. Uma vez estando aqui, seus desejos são conquista. Em terceiro lugar, no caso deste instrumento ser permanentemente removido deste espaço/tempo, é necessário permitir que o instrumento deixe seu complexo físico de raio amarelo, de acordo com seu livre arbítrio. Dessa forma, trapaças foram tentadas.

O uso das formas de luz sendo geradas é tal que faz com que tais entidades descubram uma parede através da qual elas não podem passar. Isto é devido aos complexos de energia dos seres de luz e aspectos do Uno Infinito Criador invocado e evocado na construção da parede de luz.

72.9 Tudo que nós experienciamos com relação a este contato, nossa distorção na direção do conhecer a fim de servir, a distorção da entidade de Orion na direção da tentativa de tentar reduzir a efetividade deste serviço, tudo isto é um resultado da primeira distorção, como eu a vejo, ao criar uma atmosfera totalmente livre para o Criador se tornar mais conhecedor de si mesmo através da iteração de suas porções, uma com relação a outra. Minha visão está correta com relação ao que eu acabei de dizer? RA: Sim.

72.10 Na última sessão, você mencionou que se o instrumento usasse qualquer parte da energia vital aumentada, que ela experimenta agora, para atividade física, ela pagaria um “alto preço”. Você poderia me dizer a natureza daquele alto preço e por que ele seria experienciado? RA: O nível de energia física é uma medida da quantidade de energia disponível do complexo do corpo de um complexo mente/corpo/espírito. A medição da energia vital é uma que expressa a quantidade de energia do ser do complexo mente/corpo/espírito. Esta entidade tem grandes distorções na direção da atividade do complexo da mente, atividade do complexo do espírito e aquele grande conduíte para o Criador, a vontade. Portanto, a energia vital deste instrumento, mesmo na ausência de qualquer reserva física mensurável, é bem substancial. Entretanto, o uso desta energia de vontade, mente e espírito para as coisas do complexo físico causa uma distorção muito maior na redução da energia vital do que causaria o uso desta energia para aquelas coisas que estão nas vontades e desejos mais profundos do complexo mente/corpo/espírito. Nesta entidade, estes desejos são por serviço ao Criador. Esta entidade vê todo serviço como serviço ao Criador e este é o porquê de nós termos alertado o grupo de apoio e ao próprio instrumento com relação a isto. Todos os serviços não são iguais em profundidade de distorção. O uso exagerado desta energia vital é, para ser literal, a rápida remoção da força vital.

72.11 Você mencionou que a grande quantidade de luz está disponível. Eu, ou este grupo, poderia, através de ritual apropriado, usar isto para recarregar a energia vital do instrumento? RA: Isto está correto. Entretanto, nós alertamos contra qualquer trabalho que eleve qualquer personalidade; preferivelmente é bom serem meticulosos em seus trabalhos.

72.12 Você poderia explicar o que quis dizer com “elevar qualquer personalidade?” RA: Dicas nós podemos oferecer. Explicação é infringimento. Nós podemos apenas pedir que vocês percebam que todos são Uno.

72.13 Nós incluímos “Shin” no ritual de banimento, “Yod Heh Vau Heh” tornando-o “Yod Heh Shin Vau Heh.” Isto é útil? RA: Isto é útil especialmente para o instrumento, cujas distorções vibram grandemente em congruência com este complexo de som vibratório.

72.16 É possível energizar em exagero o instrumento com transferências de energia sexual? RA: Não.

72.17 Por que não há proteção no chão, ou no fundo, no ritual de banimento, e deveria haver? RA: O desenvolvimento da saudação psíquica é possível apenas através dos centros de energia, começando de uma estação, que você poderia chamar de dentro do raio violeta, se movendo através do centro de energia do adepto e, a partir dali, em direção ao alvo de oportunidade. Dependendo da natureza vibratória e propósito da saudação, seja ele positivo ou negativo, a entidade será energizada ou bloqueada da forma desejada. Nós de Ra abordamos este instrumento em contato de banda estreita, através do raio violeta. Outros podem trespassar, através deste raio, para qualquer centro de energia. Nós, por exemplo, fazemos grande uso do centro de energia do raio azul deste instrumento, já que estamos tentando comunicar nossa distorção/entendimentos da Lei do Uno. A entidade de Orion trespassa o mesmo raio violeta e se move para dois lugares para tentar a maioria de suas oportunidades não-físicas. Ela ativa o centro de energia do raio verde enquanto bloqueia, além disso, o centro de energia de raio índigo. Esta combinação causa confusão no instrumento e subsequente atividade exagerada, em proporções imprudentes, em trabalhos do complexo físico. Ela simplesmente busca as distorções pré-encarnatórias programadas e desenvolvidas em estado encarnatório. As energias da própria vida, sendo o Uno Infinito Criador, fluem a partir do polo sul do corpo, visto em sua forma magnética. Assim, apenas o Criador pode, através dos pés, entrar no casulo de energia do corpo para qualquer efeito. Os efeitos do adepto são aqueles a partir da direção de cima e, assim, a construção da parede de luz é bem oportuna.

Sessão 73

21 de Outubro, 1981

73.3 Você declarou que o livre arbítrio, centrado no serviço a outrem, tem o potencial de alertar uma grande massa de força de luz. Eu suponho que o mesmo é precisamente verdade para a polaridade do serviço a si. Isto está correto? RA: Isto está incorreto, mas apenas sutilmente. Na invocação e evocação do que pode ser chamado de entidades ou qualidades negativas, a expressão alerta o equivalente positivamente orientado. Entretanto, aqueles no caminho do serviço a outrem esperam ser chamados e podem apenas enviar amor.

73.4 Onde eu estava tentando chegar era que esse alerta da força da luz é, como eu vejo isso, um processo que deve ser totalmente uma função do livre arbítrio, como você diz, e, na medida em que o desejo, a vontade e a pureza do desejo do adepto, ou operador, aumenta, o alerta da força da luz aumenta. Isto é assim para ambos os potenciais positivo e negativo e eu estou correto nessa declaração? RA: Para evitar confusão, nós vamos simplesmente reformular, por clareza, sua correta suposição. Aqueles que estão no caminho do serviço a outrem podem chamar pela força da luz em proporção direta à força e à pureza de suas vontades de servirem. Aqueles no caminho do serviço a si podem chamar a força da escuridão em proporção direta à força e à pureza de suas vontades de servirem.

73.5 QUESTIONADOR: Eu indubitavelmente cometerei muitos erros em minhas declarações hoje, por que o que eu farei é tentar adivinhar como isto funciona e deixarei você me corrigir. Ao considerar o exercício do Pilar do Meio, eu achei que ele estivesse errado, no sentido de que o adepto vê ou visualiza a luz se movendo para baixo do chakra da coroa até os pés. Ra declarou que o Criador entra a partir dos pés e se move para cima, e que esta luz espiralante entra a partir dos pés e se move para cima. Parece-me que um adepto alertando a força da luz, ao visualizar o uso disto, a visualizaria entrando na direção dos pés e energizando primeiro, o centro de energia vermelho e se movendo para cima, através dos centros de energia, desta forma. Isto está correto? RA: Não.

73.6 Você poderia me dizer como eu estou errado nesta declaração? RA: Sim.

73.7 Você faria isso por favor? RA: Há dois conceitos com os quais você lida. O primeiro é o grande caminho do desenvolvimento da luz na mente/corpo/espírito microcósmica. Pressupõe-se que um adepto terá seus centros de energia funcionando suavemente e de forma balanceada, a seu melhor esforço, antes de um trabalho mágico. Todos os trabalhos mágicos são baseados em evocação e/ou invocação. A primeira invocação de qualquer trabalho mágico é aquela invocação da personalidade mágica, como vocês estão familiarizados com este termo. No trabalho do qual você fala, a primeira estação é o início da invocação desta personalidade mágica, que é invocada pelo movimento de se colocar alguma vestimenta. Já que vocês não têm um item de vestimenta ou talismã, o gesto que vocês fizeram é apropriado. A segunda estação é a evocação da grande cruz da vida. Esta é uma extensão da personalidade mágica a se tornar o Criador. Novamente, todas as invocações e evocações são realizadas através do centro de energia violeta. Isto pode, então, ser continuado na direção de qualquer centro de energia que se deseja usar.

73.8 Então você falaria sobre a diferença entre a luz espiralante que entra através dos pés e a luz invocada através do chakra da coroa? RA: Eu sou Ra. A ação da luz espiralante para cima, atraída pela vontade de se encontrar a luz interior do Uno Infinito Criador, pode ser comparada à batida do coração e ao movimento dos músculos em torno dos pulmões e todas as outras funções do sistema nervoso parassimpático. A chamada do adepto pode ser comparada àquelas ações nervosas e musculares sobre as quais o complexo mente/corpo/espírito tem controle consciente.

73.9 Anteriormente, você declarou – eu acredito que estou correto ao dizer isso – que onde as duas direções se encontram, tem-se uma medida, digamos, do desenvolvimento de qualquer complexo mente/corpo/espírito em particular. Estou correto? RA: Isto está correto.

73.10 Ao invocar a luz alertada, então, me pareceria que a visualização da invocação seria dependente de qual seria o uso da luz. O uso poderia ser para cura, poderia ser para comunicação ou ele poderia ser para a percepção geral, podemos dizer, da criação e do Criador. Você poderia, por favor, falar sobre este processo e minha exatidão ao fazer esta suposição? RA: Eu sou Ra. Nós ofereceremos alguns pensamentos, apesar de ser duvidoso que nós pudéssemos exaurir este assunto. Cada visualização, sem importar o ponto do trabalho, começa com algum trabalho dentro do raio índigo. Como você pode estar ciente, o ritual que vocês iniciaram está trabalhando completamente dentro do raio índigo. Isto está bem, pois ele é o portal. A partir deste início, a luz pode ser invocada para comunicação ou para cura. Você pode notar que, no ritual que nós oferecemos a vocês para iniciar apropriadamente os trabalhos com Ra, o primeiro foco é sobre o Criador. Nós poderíamos ainda notar um ponto que é tanto sutil como de algum interesse. A luz espiralante para cima, desenvolvida em seu caminho pela vontade, e finalmente atingindo um alto lugar de encontro com o fogo interior do Uno Criador, é ainda apenas preparação para o trabalho sobre a mente/corpo/espírito, que pode ser feito pelo adepto. Há alguma cristalização dos centros de energia usados durante cada trabalho, de forma que o mago se torna mais e mais aquilo que ele busca. Mais importantemente, o análogo da mente/corpo/espírito em tempo/espaço, que é evocado como a personalidade mágica, tem sua única oportunidade de ganhar rapidamente a partir da experiência da ação catalítica disponível para a mente/corpo/espírito em espaço/tempo de terceira densidade. Assim, o adepto está auxiliando grandemente o Criador, pela oferta de grande catálise a uma porção maior da criação, que está identificada como a totalidade da mente/corpo/espírito de uma entidade.

73.11 Desejo e vontade são fatores-chave no processo. Isto está correto? RA: Nós adicionaríamos uma qualidade. Na personalidade mágica, desejo, vontade e polaridade são as chaves.

73.12 Eu iria então supor que os muitos, assim chamados, evangelistas, que nós temos em nossa sociedade no presente, muitos têm grande desejo e uma vontade muito grande, e possivelmente grande polaridade. Parece-me que, em alguns casos, há uma falta de informação, ou percepção, que cria um trabalho menos que efetivo no sentido mágico. Estou correto nesta análise? RA: Você está parcialmente correto. Ao examinar a polaridade de um trabalho de serviço a outrem, o livre arbítrio deve ser visto como soberano. Aquelas entidades, das quais você fala, estão tentando gerar mudanças positivas na consciência, enquanto limitam o livre arbítrio. Isto causa o bloqueio da natureza mágica do trabalho, exceto naqueles casos onde uma entidade deseja livremente aceitar o trabalho do evangelista, como você o chamou.

73.13 Qual era a orientação com relação a este tipo de comunicação para aquele conhecido como Jesus de Nazaré? RA: Você deve ter lido alguns trabalhos desta entidade. Ela se ofereceu como professor àqueles complexos mente/corpo/espírito que se reuniam para escutar e, mesmo então, falava como através de um véu, de forma a deixar espaço para aqueles que não desejavam escutar. Quando esta entidade era solicitada para cura, ela frequentemente o fazia, sempre finalizando o trabalho com duas admonições: primeiramente, que a entidade curada foi curada por sua fé, ou seja, sua habilidade de permitir e aceitar mudanças através do raio violeta para o portal da energia inteligente; em segundo lugar, dizendo sempre, “Não diga a ninguém.” Estes são os trabalhos que tentaram uma qualidade máxima de livre arbítrio enquanto mantendo fidelidade à pureza positiva do trabalho.

Os 3 Krystos ~ Jesheua-12 e Jeshewua-9 não foram crucificados

73.14 Uma observação do trabalho em si, por outra entidade, me pareceria uma limitação parcial do livre arbítrio, no sentido de que uma ocorrência aparentemente mágica ocorreu como um resultado do trabalho de um adepto. Isto poderia ser estendido para qualquer fenômeno que não seja normalmente aceitável. Você poderia falar sobre este paradoxo, que é imediatamente o problema para qualquer um realizando cura? RA: Nós somos humildes mensageiros da Lei do Uno. Para nós, não há paradoxos. Os trabalhos que parecem mágicos e, portanto, parecem infringir sobre o livre arbítrio, não o fazem em si mesmos, pois as distorções de percepção são tantas quantas as testemunhas e cada testemunha vê o que ela deseja ver. Infringimento sobre o livre arbítrio ocorre, nesta circunstância, apenas se a entidade realizando o trabalho atribui a autoria deste evento a si mesma ou às suas próprias habilidades. Aqueles que declaram que nenhum trabalho vem deles, mas apenas através deles, estão infringindo sobre o livre arbítrio.*

*Ra quis dizer “não estão infringindo sobre o livre arbítrio”. Veja a próxima pergunta e resposta.

73.15 Você disse que se a entidade diz que nenhum trabalho vem dela, mas apenas através dela, ela também está infringindo. Isto está correto? RA: Isto está incorreto. Nós dissemos que neste evento não há infringimento.

73.16 Aquele conhecido como Jesus acumulou doze discípulos. Qual era seu propósito ao ter estes discípulos com ele? RA: Qual é o propósito de ensinar/aprendendo se não houver aprendizes/professores? Aqueles atraídos a esta entidade foram aceitos por esta entidade sem consideração por qualquer resultado. Esta entidade aceitou a honra/dever colocada sobre si por sua natureza e seu sentido de que falar era sua missão.

73.17 No exercício do fogo então, eu suponho que o curandeiro trabalharia com a mesma energia, que nós falamos a respeito, entrando através do chacra da coroa. Isto está correto? RA: Isto está correto com alguma notação adicional necessária para seu pensamento ao continuar nesta linha de estudo. Quando a personalidade mágica tiver se assentado no centro de energia de raio verde para trabalho de cura, a energia então pode ser vista como sendo o centro cristalino, através do qual a energia corpórea é canalizada. Assim, esta forma em particular de cura usa tanto a energia do adepto quanto a energia da luz espiralante para cima. Na medida em que o centro do raio verde se torna mais brilhante, e nós notaríamos que este brilho não significa ativação exagerada, mas sim cristalização, a energia do centro do raio verde do complexo do corpo se espirala duas vezes; primeiramente, no sentido horário a partir do centro de energia do raio verde em direção ao ombro direito, através da cabeça, do cotovelo direito, abaixo através do plexo solar, e até a mão esquerda. Isto varre toda a energia do complexo do corpo para um canal, que então rotaciona o grande círculo no sentido horário novamente, a partir da direita – nós corrigimos o instrumento – a partir da esquerda, para os pés, para a mão direita, para a coroa, para a mão esquerda, e assim em diante. Assim, a energia corpórea entrante, cristalizada, regularizada, e canalizada pela personalidade do adepto, alcançando o centro de energia do raio verde, pode então derramar as energias combinadas do adepto que está encarnado, assim oferecendo o serviço de cura a uma entidade requerendo este serviço. Esta situação básica também é efetivada quando há uma entidade que está trabalhando, através de um médium, para curar.

73.18 Você poderia me dizer como esta transferência de luz, eu acredito que seria isso, afetaria o paciente a ser curado? RA: O efeito é aquele de polarização. A entidade pode ou não aceitar algum percentual desta energia vital polarizada que está sendo oferecida. Na ocasião da colocação das mãos, esta energia é mais especificamente canalizada e a oportunidade para aceitação desta energia, similarmente mais específica. Pode ser visto que o efeito da Câmara do Rei não é tentado nesta forma de trabalho, mas sim a adição a alguém, cujas energias estão baixas, de uma oportunidade para o desenvolvimento destas energias. Muitas de suas distorções, chamadas de doenças, podem ser auxiliadas por tais meios.

73.19 Eu farei uma declaração geral que você pode corrigir. A forma que eu vejo o cenário geral do curandeiro e do paciente é que aquele a ser curado tem, devido a um bloqueio em um dos centros de energia ou mais, mas nós consideraremos apenas um problema em particular… Por causa deste bloqueio do centro de energia, a luz espiralante para cima, que cria um dos sete corpos, foi bloqueada para a manutenção daquele corpo, e isto resultou em uma distorção na perfeição daquele corpo, que nós chamamos de doença ou anomalia corpórea que é imperfeita. O curandeiro, tendo apropriadamente configurado seus centros de energia, é capaz de canalizar luz, a luz derramante para baixo, com sua situação de energia apropriadamente configurada, àquele a ser curado. Se aquele a ser curado tem a configuração mental de aceitação desta luz, a luz então entra no complexo físico e reconfigura a distorção que foi criada pelo bloqueio original. Estou certo de ter cometido alguns erros nisso. Você poderia por favor corrigi-los? RA: Seus erros foram pequenos. Nós não tentaríamos, nesse momento, uma grande quantidade de refinamento desta declaração, pois há material preliminar que indubitavelmente se apresentará. Nós podemos dizer que existem várias formas de cura. Em muitas, apenas a energia do adepto é usada. No exercício do fogo, alguma energia do complexo físico também é canalizada. Nós podemos ainda notar que, quando aquele desejando ser curado, apesar de sincero, permanece doente, como vocês chamam esta distorção, você pode considerar escolhas pré-encarnatórias e seu melhor auxílio, útil para tal entidade, pode ser a sugestão de que ela medite sobre os usos afirmativos de quaisquer limitações que ela possa experienciar. Nós também notaríamos que, nestes casos, os trabalhos de raio índigo são, com frequência, úteis. Outras, além destas notas, nós não desejamos comentar mais sobre sua declaração, neste trabalho.

73.20 Me parece que a coisa de mais importância, para aqueles no caminho do serviço a outrem, é o desenvolvimento de uma atitude que eu posso apenas descrever como vibração. Esta atitude seria desenvolvida através da meditação, do ritual, e do desenvolvimento da apreciação da criação ou do Criador, que resulta em um estado mental que pode apenas ser expresso por mim como um aumento na vibração ou unicidade com tudo. Você poderia expandir e corrigir esta declaração? RA: Nós não corrigiremos esta declaração, mas a expandiremos com a sugestão de que, àquelas qualidades, você pode acrescentar o viver do dia a dia e do momento a momento, pois o verdadeiro adepto vive mais e mais como ele é.

73.21 Você poderia me dizer o número de transferências de energia possíveis entre dois ou mais complexos mente/corpo/espírito. É muito grande, ou existem poucas? RA: O número é infinito, pois não é cada complexo mente/corpo/espírito único?

73.22 Você poderia definir esta declaração “transferência de energia entre dois complexos mente/corpo/espírito”? RA: A transferência de energia física pode ser feita de inúmeras formas. Nós daremos dois exemplos. Cada um começa com algum tipo de sentido do self como Criador ou de alguma forma, a personalidade mágica sendo evocada. Isto pode ser feito consciente ou inconscientemente. Primeiramente, aquele exercício, do qual nós falamos, chamado de exercício do fogo: isto é, apesar da transferência de energia física, não é aquela que está profundamente envolvida nas combinações do complexo do corpo. Dessa maneira, a transferência é sutil e cada transferência única no que é oferecido e no que é aceito. Neste ponto, nós podemos notar que esta é a causa para a lista infinita de possíveis transferências de energia. A segunda transferência de energia, da qual nós falaríamos, é a transferência de energia sexual. Isto ocorre em um nível não-mágico em todas aquelas entidades que vibram em raio verde ativo. É possível, como no caso deste instrumento, que se dedica em serviço ao Uno Infinito Criador, refinar ainda mais essa transferência de energia. Quando o outro self também se dedica em serviço ao Uno Infinito Criador, a transferência é duplicada. Então, a quantidade de energia transferida é dependente apenas da quantidade de energia sexual polarizada criada e liberada. Existem refinamentos deste ponto em diante que levam ao domínio da alta magia sexual. No domínio dos corpos mentais, existem variações de energia mental transferida. Isto é, novamente, dependente do conhecimento buscado e do conhecimento oferecido. A transferência de energia mental mais comum é aquela do professor e do pupilo. A quantidade de energia é dependente da qualidade de sua oferta, por parte do professor, com relação à pureza do desejo de servir e da qualidade da informação oferecida e, por parte do estudante, da pureza do desejo de aprender e da qualidade do complexo vibratório da mente que recebe conhecimento. Outra forma de transferência de energia mental é aquela do ouvinte e do orador. Quando o orador está experienciando distorções do complexo mental/emocional na direção da angústia, sofrimento ou outra dor mental, a partir do que nós dissemos anteriormente, você pode talvez acumular conhecimento das variações possíveis nesta transferência. As transferências de energia espiritual estão no coração de todas as transferências de energia, já que o conhecimento do self e do outro-self como Criador é soberano, e este é o trabalho espiritual. As variedades da transferência de energia espiritual incluem aquelas coisas das quais nós falamos neste dia, quando falamos do assunto do adepto.

Eu sou Ra. Eu os deixo glorificando no amor e na luz do Uno Infinito Criador. Sigam adiante, portanto, se regozijando no poder e na paz do Uno Infinito Criador. Adonai.

nota: a expressão Self refere-se ao Eu (pessoa), que nem sempre foi traduzido nos livros.

A Lei do Uno – os 5 livros e o resumo

Próxima sessão:

LEI DO UNO ~ sessão 74 ~ vibrações de som com poder

FIM

Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos. Este site publica artigos próprios e de outros informantes em que se limita a publicá-los: quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

5 1 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

9 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments