revelação cósmica temporada 18

S18E06 Guerras da Linha do Tempo (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Imagine acordar, todas as manhãs, para descobrir que o mundo à sua volta mudou. Esta é uma realidade para os membros do Serviço de Tempo, que estão envolvidos numa guerra que só vivemos através do Efeito Mandala.
O Serviço de Tempo (Time Corp) é uma organização que não responde a ninguém, mas eles fazem o que devem para assegurar que o fluxo de tempo da humanidade corre limpo e livre de influências malévolas de E.T.s.
Randy Cramer fala-nos da sua experiência com os membros do Serviço de Tempo, da forma como funcionam, e das teorias subjacentes às viagens no tempo e às linhas do tempo que se fundem.

S18E06 Guerras da Linha do Tempo (Revelação Cósmica ~ Randy Cramer)
S18E06 Time Wars (Cosmic Disclosure)
A legendagem possível:

revelação cósmica temporada 18 episódio 6

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Olá eu sou Emery Smith e hoje, em “Revelação Cósmica”, vamos falar com Randy Cramer.

Randy Cramer / Emery Smith

Guerras de Linha do Tempo

E.S.: Hoje no programa Revelação Cósmica estamos a falar com Randy Kramer, um veterano da unidade SSP conhecido como a Força de Defesa Terrestre. Randy, bem-vindo!

R.K.: Obrigado.

E.C.: As pessoas estão a falar de viagens no tempo. O que poderia partilhar exactamente sobre este tópico?

R.C.: Bem, de um ponto de vista técnico e científico, é um dos tópicos mais difíceis que os SSPs militares secretos estão a tratar.

E.S.: Concordo.

R.C.: Tanto quanto sei, o pessoal seleccionado para o chamado Serviço de Tempo… Acho que vamos começar por aí. Em primeiro lugar, existe um Serviço de Tempo. Regula todas as viagens no tempo.

E.S.: Quem o controla?

R.C.: Ela controla-se a si própria.

E.S.: E ainda assim, quem o controla?

R.C.: O Serviço de Tempo está ligado aos militares, mas os seus empregados não se reportam aos militares. Também não se reportam a quaisquer órgãos políticos ou governamentais.
Trabalham de acordo com os mandatos que protegem o fluxo espaço-tempo. O pessoal fará o que for necessário ou requerido para manter a pureza do fluxo de tempo.

E.S.: São pessoas?

R.C.: Sim, todos eles são pessoas da Terra. Algumas das pessoas mais inteligentes do planeta. A fim de pelo menos compreender a mecânica do tempo, é necessário ter um certo QI. Assim, apenas os mais inteligentes dos mais inteligentes são seleccionados para tais actividades.
Não se pode ser voluntário. Não se pode simplesmente entrar e dizer: “Quero inscrever-me no Serviço de Tempo”. Normalmente o pessoal é seleccionado de outros programas de acordo com as suas capacidades.

E.S.: Então eles encontram-no?

R.K.: É encontrado, convidado para o programa, e depois passou por programas de formação – aulas de mecânica do tempo, etc., para que as pessoas possam compreender o que fazem e como funciona. Como lidam com as viagens no tempo, e o que é preciso fazer.

E.S.: Quando estive envolvido em projectos, foi-me mostrado um monte de ficheiros classificados, que o meu nível de acesso me permitiu familiarizar-me. Mesmo nessa altura, no início dos anos 90, tudo parecia estar muito longe de ser perfeito. Qual é a situação actual? Qual é a razão para viajar no tempo?

R.C.: Como com todas as outras tecnologias de que falamos… Em geral, quando tocamos em qualquer uma das tecnologias dos programas secretos do espaço militar, há definitivamente uma curva de desenvolvimento, uma curva de avanço e progresso.
Portanto, isto não é o que era há 10 ou 20 anos atrás. A situação não é a mesma que era há 10 anos, porque há avanços contínuos.

E.S.: De quanto é que tem conhecimento quando a viagem no tempo foi descoberta pela primeira vez?

R.C.: Pela primeira vez, as viagens no tempo foram conduzidas pelos nazis e forças aliadas durante a Segunda Guerra Mundial. Não creio que tivéssemos tido sucesso neles nessa altura.
No entanto, “bem sucedido” não é a palavra certa. Eu diria que talvez não conseguíssemos arranjar um dispositivo funcional até aos anos 60. E mesmo depois da construção do dispositivo, as primeiras pessoas que passaram por ele perderam-se.
Perderam-se algures no tempo, e não tínhamos a certeza de onde exactamente. De qualquer modo, desde o início, perdemos algumas pessoas.

Havia definitivamente programas iniciais. Parte do Projecto Pegasus foi Andrew D. Basiago.

Andrew D. Basiago

Andrew D. Basiago, líder da equipa do Projecto Pegasus.

Ele disse muito sobre o Projecto. Falei com ele sobre o assunto. Suponho que ele poderia ser considerado uma fonte legítima de informação. Assim, Basiago contou-me como eles testaram os programas, enviando crianças em viagens no tempo, para a frente e para trás.
As coisas são muito mais complicadas hoje em dia. Mas a resposta é sim, é um processo em constante mudança. Penso que é muito mais complicado agora do que costumava ser.

Talvez uma das suas actividades neste momento seja regular as viagens espaciais, onde as viagens no tempo são o factor decisivo. Por exemplo, agora sabemos… Eu participei pessoalmente em programas de formação.
É bastante comum partir para o período de preparação e depois regressar 15 minutos após a saída. Portanto, todas essas saídas são necessariamente coordenadas com o Serviço de Tempo.

Da mesma forma, quando se quer ir a algum lugar de avião, não se pode simplesmente entrar no avião, saltar para o céu e ir para onde se quer. É necessário apresentar um plano de voo.
Deve notificar a Autoridade Federal de Aviação Civil, bem como os controladores de tráfego aéreo.

S13E13 Corpo humano muda energeticamente e fisicamente a cada sete anos

E.S.: Portanto, o Serviço de Tempo é uma espécie de controlador de viagens espaciais.

R.C.: Sim, controla o tráfego espacial. Assim, se alguém quiser ir a algum lugar, e esse tipo de viagem no espaço inclui sempre a viagem no tempo, tem de registar um plano de voo. E o Serviço de Tempo deve aprová-lo.
O Serviço de Tempo deve certificar-se de que as pessoas não colidem umas com as outras em locais onde não deveriam estar.

Nos briefings que tenho recebido… Não sei se a informação era exacta, porque penso que algo poderia ter sido apenas o pó nos olhos.
Mas quando se trata de viagens no tempo, o pessoal do Serviço de Tempo sempre me avisou: “Se te encontrares a ti próprio, nunca te aproximes. Esconder. Não entre em qualquer contacto físico consigo mesmo.
Porque se entrar em contacto físico com outra versão de si próprio no passado, presente ou futuro, podem potencialmente ocorrer flashes quânticos. Sob nenhuma circunstância, não diga olá a si próprio à mão; pode fazer um buraco na tela do tempo e do espaço.

E.S.: De facto, foi-me dito que nesses casos, podem ser formadas novas linhas de tempo que não o incluam.

R.C.: É verdade. Pode prejudicar seriamente o tempo. Portanto, há uma série de protocolos, o que pode e não pode fazer se estiver envolvido em viagens no tempo, pelo menos no menor grau.

E.S.: Alguma vez participou em algum destes programas?

R.C.: Viajei pelo tempo no sentido de que cada vez que fui levado para um programa de treino, a viagem terminou com uma viagem no tempo, 15 minutos depois de ter partido. Este é o limite da minha experiência de viagem no tempo.

E.S.: Estou ciente da existência de diferentes níveis de viagens no tempo; ainda podemos abordar este tópico. Tem a ver com o facto de que só por viajarmos no espaço, perdemos sempre tempo.
Existe também tecnologia de portal, tecnologia de buraco de verme, tecnologia de buraco negro. Existem também dispositivos que criámos e que utilizamos nas nossas missões. Diga-me, alguma destas coisas é controlada por TKP?

R.C.: Bem, todo o desenvolvimento tecnológico, seja ele programas de investigação ou desenvolvimento dentro do TKP, acaba por ir para o Serviço de Tempo. Levam tudo e tudo o que é útil para a gestão de viagens no tempo.

E.S.: O que acontece quando pessoas diferentes da Terra viajam através do tempo para outros planetas, outros destinos, ou mesmo dentro do período de tempo existente na Terra?

R.C.: Como disse antes, há instruções estritas sobre o que se pode e não se pode fazer. Assim, qualquer pessoa envolvida no programa de viagens no tempo recebe sempre instruções claras sobre o que é possível e o que não é. Que interacções são possíveis e quais não são.

E.S.: Porque é que o Serviço de Tempo envia alguém para o futuro ou para o passado?

R.C.: Bem, é tudo uma questão de guerras de linhas do tempo. Também há conflitos ao longo do tempo, quando outras pessoas ou espécies tentam manipular momentos na linha do tempo. O Serviço de Tempo intervém imediatamente, regressa e corrige as violações.

E.S.: Então, existem outros Serviços de Tempo que estão em guerra com o nosso Serviço de Tempo?

R.C.: Digamos que há outras espécies que têm acesso à tecnologia de viagens no tempo que estão a tentar manipular a nossa linha do tempo. Em tais casos, o Serviço de Tempo tem de parar qualquer tentativa de alterar a nossa própria linha de tempo. Eles têm de lidar com…

E.S.: Com o Departamento de Defesa do Serviço de Tempo?

R.C.: Sim, essa é a sua jurisdição.

E.S.: Uau! que tipo de competição existe entre nós?

R.C.: Sabemos que os Zetas foram os primeiros a manipular a janela temporal, que podiam invadir a nossa linha do tempo, subir e descer na tentativa de influenciar a nossa história e os nossos assuntos. Eles foram definitivamente os primeiros.
Os draconianos estavam a brincar com ela, mas não por muito tempo. No início houve algum tipo de confusão e desorientação porque não fomos capazes de voltar atrás e ajustar tudo nós próprios. Para nós foi feito por outras espécies avançadas.

Então, depois de as outras espécies terem tido de intervir várias vezes, voltaram-se para o pessoal envolvido na tecnologia e mecânica das viagens no tempo e disseram: “Olha, só este ano tivemos de ‘arranjar’ a tua linha do tempo oito vezes.
Detestaríamos fazer o seu trabalho por si. Deixe-nos ajudá-lo a descobrir como fazer o trabalho por si próprio, para não termos de continuar a fixar a sua linha temporal. Depois pode consertá-lo quando alguém quiser vir e fazer uma confusão do seu mundo.

S06E04 Tecnologia de Regressão da Idade

E.S.: Randy, a pergunta que me interessa muito é: “Se alguém viaja no tempo e alguém mata, digamos, ou apenas volta atrás no tempo e move a sua chávena de café, será que saberíamos disso?”

R.C.: Não necessariamente. Acontece que existe um conjunto complexo de algoritmos que se pode executar para determinar se a mudança de alguma coisa vai importar. Por exemplo, sem insultar o ego de algumas pessoas, algumas pessoas têm muito pouco ou nenhum efeito sobre a linha do tempo. Se desaparecessem ou simplesmente caíssem de um penhasco, a linha do tempo não seria afectada de forma significativa.

Estamos a falar de pessoas que têm uma grande influência na vida, figuras políticas, figuras sociais, pessoas que têm uma grande influência na sociedade ou na civilização, potencialmente capazes de mudar rapidamente as linhas do tempo. Há também cálculos como, e se eu mover a minha taça de lá para lá? Ou daqui para ali, e depois precisa de alguns minutos extra para o recuperar?

Mais uma vez, existem algoritmos para o pessoal do Serviço de Tempo fazer os cálculos, processar os dados e determinar o número de opções e o seu significado. As opções podem fazer a diferença, digamos, se utilizar a casa de banho às 2:45 ou 2:57. Não pode afectar nada. Ou talvez se às 2:50 tocar uma chamada telefónica importante e não a puder atender, algo importante mude.

Mais uma vez, existem algoritmos para calcular tudo. Não é preto e branco quando se muda alguma coisa, e depois a mudança muda radicalmente o tempo. O efeito borboleta… Piso numa borboleta, e depois encontramo-nos numa realidade em que os nazis ganharam a Segunda Guerra Mundial ou algo do género. Por isso, não funciona. São algoritmos complicados. Algo pode definitivamente ter um efeito e algo não pode.

E.S.: Encontrou o efeito Mandela ou outra coisa que parece completamente diferente aos olhos do público na terceira dimensão, e diz: “Espere um segundo, foi completamente errado”?

R.K.: Sim. Uma vez reparei num amigo que nunca tinha encontrado o efeito Mandela (1). Até demorámos algum tempo a fazer isso. Tirava alguma informação da Internet e perguntava: “Como é que se lembra disto? O que é que isso significava?
Como é que se lembra disso”? Depois ia à Internet e dizia: “Foi assim que realmente aconteceu”. Um amigo tiraria dezenas de eventos diferentes da web que nós e os nossos colegas de quarto discutimos.
Todos os tipos de diferenças foram revelados: lembrámo-nos do evento à nossa maneira, depois observámo-lo online e vimos que tudo estava a correr muito diferente.

(1) O efeito de Mandela é de que várias pessoas têm coincidências de memórias que contradizem os factos reais. Trata-se de um fenómeno associado a uma falsa memória colectiva.

Sem entrar em detalhes, explicaria brevemente desta forma: a razão de tais fenómenos é a coagulação de linhas de tempo, colapso. Há linhas de tempo que entraram em colapso, fundiram-se com outras linhas de tempo. Ou seja, as linhas de tempo em que estamos a ficar não são um acorde temporal singular. É uma fusão de múltiplos acordes temporais, e o resultado é realidades diferentes.

Isto é, numa linha temporal, o evento acontece de forma bastante diferente de noutra linha temporal, e depois as linhas fundem-se. É por isso que se verifica que as pessoas se lembram dos mesmos acontecimentos de forma diferente. É que eles estavam numa linha temporal diferente.

E.S.: Então, as linhas de tempo fundiram-se umas com as outras?

R.C.: Sim, eles fundiram-se.

E.S.: Fizeram fusão?

R.C.: É isso mesmo.

E.S.: Pela história, vemos que as pessoas têm experiências semelhantes, mas não exactamente. E é nisso que todos estão interessados.

R.C.: Sim, há discrepâncias que podem ser definidas. Há muitas coisas que se podem dizer: “Olha, ou te lembras do evento assim ou sentas-te. Como era realmente”?
Normalmente não é sequer uma terceira ou quarta versão. Diz: “Não, não, eu lembro-me assim”, ou “Oh, sim, ou é isso ou a sitcom”. E quando se encontra a confirmação, verifica-se que no momento da nossa existência tudo parece apenas uma certa forma.
Mas muitas outras pessoas têm uma experiência comum de que foi bastante diferente. E isso é super espectacular.

E.S.: Sim, é.

R.C.: É isso mesmo. E indica definitivamente como o tempo é líquido e fluido. Não é um conceito rígido. E não é de todo uma constante matemática. Em mecânica e física, a realidade em que vivemos é uma variável flexível e fluida, uma variável incrivelmente complexa.

E.S.: Em relação às viagens no tempo, tem conhecimento da existência de algum programa negativo que outras espécies levam a cabo nas costas do Serviço do Tempo?

R.C.: Oh, claro. Há outras espécies que utilizam o tempo para manipular as linhas de tempo de outras espécies, o seu passado. A fim de tornar as espécies mais controláveis. Para os desestabilizar. Ou contribuir para o desvio dos caminhos evolutivos e tudo isso.
É um fenómeno muito comum. Uma vez que uma espécie abominável obtenha esta tecnologia, se puder, começam imediatamente a utilizá-la para fins nefastos.

S06E04 Tecnologia de Regressão da Idade

A propósito, essa é uma das razões pelas quais, a dada altura, tivemos de desenvolver o nosso próprio programa a fim de encontrar a nossa própria rede de defesa. Os extraterrestres não querem cuidar de nós como crianças.
A razão pela qual nos ajudaram a desenvolver o nosso próprio programa espacial militar é porque não têm de cuidar de nós.

A razão pela qual nos ajudaram a desenvolver o nosso próprio Serviço de Tempo é a mesma. Tudo o que eles querem fazer é ajudar-nos a crescer e a avançar. A principal razão é que não querem gastar o seu tempo e energia a olhar por nós. É assim que é.

E.S.: Funciona definitivamente para nós. Diga-me, as viagens no tempo têm algum outro benefício para nós como humanidade?

R.C.: Absolutamente. Vejo as coisas dessa forma. Sabe, uma vez, há alguns anos, tive uma conversa muito interessante com um oficial do Serviço de Tempo e ele explicou-me um pouco como eles funcionam. Acontece, de facto, que a sua sede está no futuro.
Portanto, se quiser ir à sua sede e ir a um local físico onde pensa que poderá estar, não há lá nada. A questão é que eles não estão no presente, estão no futuro. Repito, as suas sedes estão no futuro.

Como já fui explicado, ela existe dentro de uma chamada bolha temporal. Agora tenho a certeza de que é muito mais complicado do que isso. O oficial avisou-me: “Olha, vou tornar isto tão simples quanto possível para que possas compreender”.
Foi assim que recebi o aviso. Agora, por sua vez, estou a avisá-lo da mesma coisa: “Vou simplificar ao máximo a explicação para que possa compreender”.

O oficial disse: “Pense na bolha no tempo e no espaço. Há um quartel-general militar dentro da bolha. Todos os dias quando se acorda e se olha para o mundo à sua volta, ele existe independentemente da sua bolha. Por vezes, de manhã, acordamos e vemos o planeta queimado quase até ao chão. Isto indica que na véspera não fizemos bem o nosso trabalho.

Nos outros dias, acordamos de manhã e tudo brilha.

Cidades com carros voadores e uma atmosfera verde limpa. E então percebemos que fizemos o nosso trabalho da melhor maneira possível.

Aparentemente, o Serviço de Tempo faz o que faz para empurrar a linha do tempo o mais próximo possível de onde eles se encontram no futuro. Desta forma, são capazes de dirigir o resultado completo da civilização para um lugar melhor.
O seu objectivo: uma cidade brilhante do futuro com carros voadores, não um planeta quase queimado até ao chão.

Obviamente, assim que nos aproximarmos a tempo de onde eles estão, e dentro de alguns anos, eles avançarão mais 50 anos e farão o mesmo trabalho. Empurrando-nos nessa direcção.

A minha resposta à pergunta é a seguinte: o maior benefício das viagens no tempo é que há pessoas que, digamos, “consertam” e empurram a civilização para que os eventos de extinção não aconteçam, para que a Terceira Guerra Mundial não deflagre.
Dia após dia, empurram as linhas de tempo para o seu resultado preferido, em vez de simplesmente “testar o destino e ver ao que chegaremos dentro de 20-30 anos”.

E.S.: Então, está a dizer que eles não podem simplesmente desabar as linhas do tempo, mas conseguem sair da linha do tempo que os conduz.

R.C.: Bem, na verdade, se a linha temporal em que nos encontramos levar a um colapso, eles têm de recalcular os seus algoritmos. “Temos mais variáveis que são específicas da linha do tempo em que nos encontramos.
Por isso, agora temos de recalcular os nossos algoritmos para descobrir como levar a civilização para onde queremos que ela esteja”.

E.S.: Ficamos sempre numa linha temporal em colapso? Ou somos nós…

R.C.: Não que eu compreenda. O colapso da linha do tempo é o resultado de algumas outras experiências em curso para abrir algo mais. Em alguns casos, portais muito grandes, portais multidimensionais, suficientemente grandes para que uma nave espacial possa voar através deles.
Em alguns destes portais, há, digamos, incidentes ao longo do tempo em que alguém se magoa. O universo inteiro está envolto em si mesmo. Para que o universo inteiro não deixe de existir, a linha do tempo que conduz à destruição está ligada a outra linha do tempo.
Funde-se e avança. Ou seja, torna-se apenas parte de outra linha temporal, não desaparece simplesmente da existência.

E.S.: Uma vez ensinaram-me que durante as viagens no tempo, o próprio tempo muda de alguma forma. Descobriu-se que, qualquer que seja o programa, é criada outra linha temporal.
É assim que aparecem as versões multi-populares e múltiplas de si mesmo, que agora também têm de “consertar”. Alguma vez isto aconteceu?

R.K.: Sim. Se alguém comete um erro, faz asneira, e cria 10 linhas de tempo alternativas diferentes, então os tipos do Serviço de Tempo têm um trabalho enorme para atar as pontas às extremidades.
Ou trazer a linha do tempo de volta à unidade, ou amarrar as pontas às extremidades para que haja linhas de tempo que não perturbem a ordem no universo.

E.S.: É possível dizer que existe um número infinito de linhas de tempo e multi-populações?

R.C.: Em teoria. Foi-me explicado que tal coisa só existe em teoria. Foi-me dito que há um número infinito de probabilidades que existem num determinado momento. Mas na realidade, apenas um certo número de realidades aparece. Sei que isso é difícil de compreender.

Olha, por um lado, só de pensar… Como posso pôr isto melhor? Digamos que estou aqui sentado a pensar, o que comeria eu hoje: comida chinesa, mexicana ou pizza? A própria ideia de tais opções cria três linhas de tempo prováveis, possíveis mas não muito reais.
E todos eles se tornam parte de um fluxo infinito de probabilidades possíveis. Na verdade, só há uma possibilidade que se tornará realidade, a que eu escolho.

Numa outra linha temporal, poderá haver outra versão de mim que fará uma escolha completamente diferente. Na realidade, todas estas escolhas não existem. Há oportunidades e probabilidades, no entanto, e não existem até que apareçam. Se fizer algum sentido.

E.S.: Absolutamente. Também me fazem muitas perguntas sobre quando, digamos, a Divulgação vai acontecer? Ou quando é que haverá uma falsa invasão alienígena? Quando vai acontecer a próxima grande ameaça do asteróide? Respondo sempre que estas possibilidades existem sempre.
Há sempre a possibilidade das três possibilidades. Vou ganhar a lotaria no próximo ano? Bem, essa é uma possibilidade.

R.C.: Absolutamente.

S13E07 Memórias Fragmentadas do Programa de 20 anos (Revelação Cósmica)

E.C.: É uma das linhas do tempo. O que está a fazer este ano, e o que faz o mundo ao mesmo tempo, é isso que o leva a realidades diferentes na linha do tempo?

R.C.: Bem, as coisas mudam a toda a hora, a toda a hora. Mesmo que fique no futuro e volte no tempo aqui, o futuro pode mudar de acordo com as escolhas e decisões aqui tomadas. Portanto, não há um futuro fixo. Tal como não há passado fixo ou presente fixo.

E.S.: Bem, não se diria.

R.K.: Mas de alguma forma… E isso é parte do que me deixa louco. Tudo funciona por si só, sem que o tempo e o espaço deixem de existir. O facto é que existem as mais importantes leis que regem a física. São eles que decidem e definem como tudo funciona.
É que eles vão além do nosso entendimento. E estas não são necessariamente perguntas simples como: “Porque cai a rocha”?

Olha, nós compreendemos a gravidade. Mas porque é que ela existe sequer? Naturalmente, podemos fazer-nos perguntas sobre o tempo. Porque é que existe? Porque é que funciona assim e não assim? Não temos respostas. A única coisa que compreendemos é que o tempo apenas existe.
Este é o nosso entendimento e o de outros tipos: é apenas a forma como funciona. E é tudo o que há a dizer. Obviamente, teremos de nos tornar muito mais inteligentes e muito mais desenvolvidos para fazer perguntas mais complicadas ou conhecer as respostas a perguntas mais complicadas.

E.S.: Em ligação com outros grupos alienígenas que conhecem as tecnologias de viagem no tempo, e talvez até as utilizem com boas ou más intenções… Será que mudam as linhas do tempo para o seu próprio bem?

R.C.: Bem, depende dos seus padrões éticos e morais, se os houver. Algumas espécies podem manipular o tempo apenas para seu próprio benefício. Outros tentam manipular o tempo com a esperança ou crença de que ele irá beneficiar outra pessoa.
Outros estão algures no meio entre os seus interesses e o seu desejo de ajudar outra pessoa.

E.S.: É possível dizer com certeza que as guerras ao longo das linhas do tempo surgem como resultado de ter diferentes programas disponíveis para diferentes tipos de pessoas? Disse que é possível. Sabe, ouviu ou leu alguma coisa que possa ajudar a esclarecer esta situação?

R.C.: A resposta básica é sim. Compreendemos que algumas espécies… Algumas espécies estão a tentar regressar a conflitos militares, durante os quais os acontecimentos decisivos determinaram se iríamos por este caminho no tempo ou por aquele caminho.
E de facto, ao manipular guerras e conflitos militares, é mais provável que se mude alguma coisa, ou pelo menos quando isso acabar, para se fazer a pergunta: “Quem é o culpado?” Porque depende de quem é o culpado se estamos numa linha temporal histórica ou noutra.

E.S.: São viajantes do tempo do Serviço do Tempo aqueles a quem é dito: “Você e só você será a pessoa responsável pela prevenção do caos. Porque se tem a impressão de que se trata de um evento extremamente caótico.

R.C.: Sim. Parte das suas actividades são as seguintes: enquanto viajam no tempo, os representantes do Serviço de Tempo reúnem-se com figuras-chave e empurram-nas. Literalmente, eles sentam-se e dizem: “Sei o que pensam sobre esta escolha. Deixe-me recomendar-lhe que o faça”.

E.S.: Por não se mostrarem?

R.C.: Por vezes revelando-se totalmente, sendo extremamente honesto. Foi o que aconteceu quando um oficial do Serviço do Tempo veio ter comigo e falou comigo. Estava vestido com um fato ambiental que o protegia e ao ambiente em que vivia.
Graças ao fato, ele não conseguiu espalhar as suas bactérias ou apanhar as nossas bactérias.

Quando viaja no tempo, pode levar consigo vírus e bactérias, dos quais ninguém no seu tempo se pode defender. Quando se viaja para trás e para a frente através do tempo, é preciso ser estéril.

Estamos a ter uma conversa franca. Por isso, não estou a esconder nada. Uma vez numa posição muito difícil, tive a opção de fazer um, outro ou terceiro. Eu estava extremamente hesitante. Foi aí que o oficial do Serviço de Tempo apareceu.

Ele veio e disse: “Olha, eu sei que tens estado hesitante. Decida-se. Faça o que mais gosta, e tudo correrá bem. Mas deixe-me aconselhá-lo: Com base na linha temporal maior, escolha aquilo a que a sua alma reside.
O melhor para nós é sermos nós próprios, isso vai ajudar a longo prazo. Ao permanecer você mesmo, tomará a decisão certa e encontrar-se-à no lugar certo. Mas se permanecer hesitante, inseguro e sem saber o que fazer, então…”.

E.S.: Vai acabar por destruir o mundo?

R.C.: “…não há nada que possa fazer por nós. Preferimos que faça o seu trabalho e nos ajude”. De qualquer modo, foi uma conversa franca e honesta, com todas as cartas em cima da mesa. Sem agenda escondida.
O objectivo do oficial era para mim compreender o grande quadro e fazer tudo o que fosse necessário para o benefício deste grande quadro.

E.S.: Visitam apenas pessoas importantes, digamos, figuras políticas? Ou visitam outras pessoas? Digamos, virão eles ter com um cientista que tem agora 18 anos e que está destinado a inventar um dispositivo sobre a unidade para salvar o planeta do esgotamento das reservas de gás, petróleo e carvão? Irão trazer consigo um pequeno chip secreto e dizer-lhes para o usarem?

R.C.: Não. Eles não trariam uma peça de tecnologia nem a transmitiriam a ninguém. Seria uma violação das leis do tempo. Mas se aos 18 anos um jovem é indeciso, então haverá definitivamente alguém que aparecerá e dirá: “Ei, eu sei que estás a hesitar entre arquitectura e física. Aconselho-o a escolher a física. Esta forma funcionará melhor para si”.

Na sua maioria, os convidados querem apelar a um sentido mais sincero de si próprios. Não lhe pedirão que faça nada que vá contra a sua natureza, nem o aconselharão a violar a si próprio.
Normalmente, eles simplesmente encorajam as pessoas a serem elas próprias tanto quanto possível, uma vez que isto conduzirá a um resultado mais desejável que gostariam de alcançar. Depende da situação.

Se em algum momento crucial alguém estiver apenas sentado numa vedação, e isso criar uma linha temporal dividida em duas opções, então sim, o Serviço de Tempo pode enviar alguém para fora e dar um pequeno empurrão.
Empurrar os cientistas, figuras políticas, pelo menos um condutor de automóveis. “Assegura-te que amanhã estás nesta esquina, e serás apanhado pelo mesmo tipo. “Ou certifica-te de que não estás lá e que não te encontras com aquele tipo”. Isso pode ser importante”.

Como eu disse, os algoritmos alertam o Serviço de Tempo com antecedência sobre eventos importantes em que um pequeno evento chave pode ocorrer de uma forma ou de outra.

S03E07 Anshar, os humanos do interior da Terra são seres de quarta densidade

E.S.: Tem conhecimento de algum tempo em particular ou programa dentro ou fora deste planeta?

R.K.: Bem, repito, tenho a certeza de que certos tipos de seres tentaram manipular a nossa própria linha do tempo. Se necessário, o Serviço de Tempo corrige a linha do tempo. Eu sei que isto acontece em todo o lado.
Mas não tenho a certeza de ter lido nada que possa servir de bom exemplo: “Sei exactamente o que este ou aquele programa está a fazer.
Suponho que a resposta poderia ter sido a seguinte: fui informado sobre certos acontecimentos e que de vez em quando surgem conflitos relacionados com os mesmos. Que há uma série de…

Bem, digamos, durante a Segunda Guerra Mundial, houve uma série de tentativas de sabotagem de missões marítimas, de ambos os lados. Um dia, a partir de outro espaço-tempo ou lugar estranho, alguém apareceu e colocou bombas concebidas para detonar submarinos ou navios marítimos.
Se isto tivesse podido acontecer, as coisas poderiam ter corrido de forma muito diferente durante o conflito. De qualquer modo, tivemos de enviar pessoas para desactivar estas bombas.

E.S.: Porque não pensa que impediram Hiroshima e todas as invasões subsequentes?

R.C.: Porque algo faz parte da linha do tempo natural. O Serviço de Tempo não vem e tenta estragar algo. É a nossa confusão e as nossas falhas.

E.S.: Penso que por vezes só temos de passar por incidentes terríveis para nos tornarmos mais conscientes. Caso contrário, simplesmente não estaremos nesse futuro. É possível que os alienígenas também não o estejam.

R.C.: Sim, há alguma verdade nisso. Se voltássemos à história e eliminássemos todos os acontecimentos mais traumáticos para a civilização, não seríamos a espécie que somos agora. Seríamos muito diferentes. Assim, há certos acontecimentos que apenas temos de passar como planeta e como espécie, aprendendo a crescer.

E.S.: Então a minha próxima pergunta é esta: É possível que outras espécies que tentam ajudar-nos a desenvolvermo-nos mais conscientemente possam agora voltar e provocar guerra ou cataclismo para nos unir ainda mais?

R.C.: É claro que podem tentar. Mas sem cooperação com o Serviço de Tempo… Ele intervirá e ajustará a situação.

E.C.: Quantas pessoas estão envolvidas no Serviço de Tempo? Quantas pessoas estão a viajar através do tempo neste momento?

R.C.: Milhares, compreendo. O pessoal é de milhares de pessoas. Em qualquer altura, em qualquer dia, podem envolver milhares de agentes que viajam no tempo.

E.C.: O que dá ao Serviço de Tempo o poder e o direito de decidir o que é melhor para nós? Ou será que apenas controlam constantemente as violações?

R.C.: Bem, o poder e o direito de decidir o que é melhor para nós dá-lhes aquilo que eles entendem melhor do que ninguém. Assim, quem aparecer e perguntar quem lhes dá o direito, responderá com uma pergunta.
“Compreende como funciona a mecânica do tempo? Compreende como funciona o colapso das linhas do tempo? Compreende como funcionam os algoritmos”? E se a pessoa que entra diz não, então ser-lhe-á educadamente pedido para se calar e deixá-la fazer o seu trabalho.
Portanto, a principal autoridade é o facto de saberem fazer o seu trabalho melhor do que ninguém. Consequentemente, ninguém mais tem autoridade para trabalhar ao longo do tempo.

E.S.: Bem, isso falaria muito. É claro que compreendo que por detrás de tudo isto há uma ciência que não está disponível para mim. É por isso que eu gostaria de confiar plenamente naqueles que são responsáveis por ela.
E ainda assim, acha que se a ideia de publicidade surgisse, a informação seria divulgada para que as pessoas pudessem saber mais sobre ela? Sei que qualquer pessoa pode compreendê-lo se tiver bons professores.

R.C.: Sim, absolutamente. Eu diria que isto é o que inevitavelmente irá acontecer após o evento de Divulgação. Só não posso dizer ao certo se isso irá acontecer 5 anos após a Divulgação, ou 10 anos, 15 ou 20 anos, quando as pessoas estarão interessadas em viajar no tempo.
Suponho que tudo dependerá de quão bem assimilarmos uma enorme quantidade de outras informações.

E.S.: Pensa que o Serviço de Tempo está a seguir-nos para ver o quão bem estamos, como civilização, a ficar prontos para usar esta tecnologia?

R.C.: Não pode haver dúvidas quanto a isso.

E.S.: Parece que neste momento eles estão em pleno controlo da situação. Eles estão a lutar. Poderia ter havido um desastre, e nem sequer o saberíamos. Estamos apenas a rolar na nossa linha do tempo, desculpem o trocadilho.

R.C.: Sim, acho que sim. A situação é que temos uma escolha. Ou temos de confiar neles, porque não temos nem a capacidade nem a forma de interferir no processo. Não podemos entrar e dizer: “Ei, achamos que não estás a fazer tudo bem.
Queremos fazer as coisas de forma diferente, temos o direito, a autoridade e o poder”. Portanto, não nos resta mais nada para fazer a não ser confiar no Serviço de Tempo. Ou para perder muito tempo a questionar a sua competência.

A experiência tem-nos ensinado a confiar neles. Até agora, tudo o que fizeram e cada intervenção tem sido honesta e sincera. A fim de obter o melhor resultado para nós, não por qualquer outro motivo.

Quando me encontrei pela primeira vez com o oficial do Serviço de Tempo, tudo era novo para mim. Explicou tão bem e claramente quanto pôde: como conduziam as suas operações, como lidavam com tudo o que precisavam.
Tive uma sensação de completa segurança: “Estou contente por alguém muito inteligente estar no controlo de tudo isto”. Porque caso contrário, quem sabe o que aconteceria.

Pessoalmente, penso que escolhemos as pessoas mais inteligentes e as melhores para se ocuparem das linhas de tempo. Neste momento, são mais capazes de lidar com problemas do que qualquer outra pessoa.
E até que algo mude ou nos dêem razões para duvidar, vou tratá-los com total confiança e respeito.

E.S.: Se as guerras ao longo do tempo mudam sempre a realidade, para onde pensa que vamos como humanidade e como uma consciência colectiva?

R.K.: Num futuro melhor, se os tipos do Serviço de Tempo tiverem algo mais a dizer sobre o assunto. O seu objectivo é conduzir-nos a um futuro onde consigamos energia gratuita, carros voadores e finalmente acabar com a pobreza.
O transporte, terrestre, aéreo e espacial, também se enquadrará perfeitamente na civilização do futuro. Aparecerá a tecnologia informática mais avançada. Tudo isto já existe, simplesmente não o utilizamos.

A nossa civilização dispõe agora de todas as ferramentas necessárias, e ainda usamos martelos e chaves de fendas para construir edifícios de tijolo com reforço de aço.
Quando tivermos a melhor tecnologia, seremos capazes de criar melhores infra-estruturas, construir melhores edifícios, melhores esgotos, melhores condutas de água, melhores linhas eléctricas. Mesmo que utilizássemos pelo menos a tecnologia actualmente disponível, poderíamos criar uma infra-estrutura mais civilizada.

E.S.: Qual é a sua opinião sobre como as viagens no tempo serão utilizadas em benefício de todo o mundo?

R.C.: Se os nossos mais avançados amigos e vizinhos alienígenas nos oferecerem a sua experiência, exemplos de acções e eleições, então as viagens no tempo funcionariam da melhor maneira que podemos esperar.
Depois poderíamos escolher o resultado final para os próximos 1000 ou mesmo 10.000 anos, simplesmente compreendendo como manipular e empurrar as linhas de tempo.

Uma vez dominada esta tecnologia, estaremos na mesma posição que muitas outras espécies, ou seja, poderemos ajudar outros mundos no nosso canto da galáxia e do universo.
Quanto melhor dominarmos esta tecnologia, tanto mais bem sucedidos seremos capazes de fazer o que outras espécies estão a fazer por nós agora.

E.S.: Randy, muito obrigado mais uma vez. É uma conversa maravilhosa.

R.C.: Obrigado por nos ter convidado.

E.S.: Eu sou Emery Smith, este é o Revelação Cósmica. Vemo-nos da próxima vez.

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os autores não usam facebook, portanto se tiver alguma pergunta, coloque aqui no site, na secção dos comentários (não do facebook)
3. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

16 Comments

  1. Episódio muito importante, não sei qual a data desta entrevista, mas deixa algumas questões em aberto…

    Como por exemplo “onde fica a ascensão do planeta nisto tudo?”; apesar de estarem (o ST) a trabalhar para uma sociedade livre e tecnologia avançada, este Serviço de Tempo ainda tem orientação militar, mas quem nos garante que não estão a ir “contra a evolução do humano em direção ao angélico e estarem a dirigi-lo para um humano galático?”
    Há alguém que inspecione/audite o próprio Serviço de Tempo?
    Também temos as linhas de tempo artificiais criadas pela I.A. que, felizmente, também estão a ser eliminadas.

    São apenas questões em aberto, para nos fazer pensar e cada um decidir se quer fazer (pelo coração) o seu próprio caminho de ascensão… sem interferências de outrem. 😉

    Abraço de luz,
    Anabela

  2. E como lidam com a morte?…o que acontece quando deixamos o corpo fisico, pegamos alguma linha do tempo ou mudamos de universo?….como funciona a teoria do tempo com a morte?

  3. Olá!

    Dos 4 episódios desta temporada 8 postados recentemente, aparentemente só para o episódio 4 há vídeo disponível de momento.

    Tencionam colocar vídeos para os restantes?

    Obrigado!

  4. A tecnologia em si não tem poder para nada, assim como qualquer outra ferramenta. O poder vem de dentro de cada um de nós na decisão de como usar essas ferramentas. É a nossa consciência e coração elevados que determinam o verdadeiro poder da criatividade do AGORA (ponto-zero) 🙂

    Amor e luz,
    Anabela

  5. O mundo Material e o mundo Espiritual co-existem paralelamente, se entrelaçam e interagem o tempo todo. Ao desencarnar o Espirito passa a fazer parte do mundo Espiritual na mesma linha de tempo, dando continuidade sem interrupção à sua existência uma vez que o corpo físico é apenas um estágio por que passa o Espírito, como uma mera roupa que este veste e usa por algum tempo, portanto, quem habita uma linha de tempo é o Espírito e não necessariamente o corpo, ou melhor, o corpo habita a mesma linha de tempo do Espirito por consequência.

  6. TEXTO EM PORTUGÊS FALADO NO BRASIL, ACONTECE QUE ESTAMOS SOBRE CONTROLE, NÃO EXISTE DEUS COMO NÓS IMAGINAMOS DEUS É UM TÍTULO, DUMA PESSOA OU ENTIDADE, LOGO A QUE ADMINISTRA UM SISTEMA SOLAR É UM DEUS PARA AQUELAS QUE NÃO TEM O MESMO CABEDAL DE ENTENDIMENTO E SE ACORDARMOS DE REPENTE E PERCEBER, QUE NOSS ESPAÇO DE TEMPO DE VIDA É TAMBÉM MONITORADO POR TAIS SERES, O PERÍODO QUE NÓS VAMOS VIVER , MONITORAMENTO DA NOSSA SAÚDE E O CICLO PREVISTO EM CONTRATO PARA CONTINUAR VIVENDO.

  7. Caríssimo, grato por continuar com esta saga de entrevistas embora seja de lamentar a dificuldade na apresentação dos videos legendados que podiam ser baixados e guardados como fiz com todos os da série. Não estando portanto a haver essa possibilidade resta a leitura da legendagem mas com o inconveniente de não permitir a sua cópia, como acontecia com os videos. Minha sugestão era portanto que esse texto pudesse ser disponibilizado em formato pdf, colmatando assim essa falta, que poderia até se manter mesmo que os videos retornassem.
    Saudações e até…

  8. Interessante… Eles são muito inteligentes, capazes … devemos confiar nas decisões deles e também estar contentes porque temos estas pessoas muito inteligentes no controle de tudo!
    Verdade isso?
    Agora nem precisamos nos preocupar com o livre-arbítrio da humanidade!
    Tenho a sensação de que o Randy Cramer falou direitinho o que foi mandado, o típico garoto de recado!
    Seria bom se soubéssemos quem está por trás disso tudo, além da informação de que eles têm um QI muito alto.
    Mas ficam ainda algumas questões: o povinho das trevas, aqueles que a gente sabe o nome, acompanha de perto essas viagens no tempo? Eles não interferem nunca? Como conciliar isso? Pelo que foi falado, só ETs interferem negativamente, mas acho que não.
    Lembro-me inclusive que Corey Goode mencionou certa vez que alguns militares estavam fazendo viagens no tempo para resolver problemas particulares.
    Sinceramente. não gostei de como a conversa foi conduzida.

    1. como postado no site ontem, houve um ataque/quebra do site. Foram excluídos artigos inteiros e também comentários ao qual somos alheios a essa situação.
      o servidor principal ficou offline

  9. O Dr. Sam, um astrônomo, salvo engano, da Síria, sempre dava palestras e divulgava informações no YouTube acerca do planeta Nibiru, teve que parar com as palestras e com toda informação que vinha dando porque o seu irmão foi morto e ele ameaçado de morte.

  10. Krystal,

    Porventura poderão dizer quais foram os artigos eliminados? Foram só os últimos, ou outros específicos como por exemplo os que tinham mais visualizações ou comentários?

  11. os artigos já foram todos repostos.
    os comentários que existiam é que podem ter sido perdidos.
    o site já está 100% operacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.