revelação cósmica temporada 18

S18E05 Estação Espacial de Júpiter (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Na órbita de Júpiter existe uma estação espacial gigantesca construída por uma comissão intergaláctica de comércio para manter operações de comércio galáctico.
É um lugar onde muitas espécies se reúnem para partilhar as suas mercadorias, tecnologia e informação. Randy Cramer acompanha-nos através das suas experiências a bordo desta estação.
Ele descreve a sua dimensão, a tecnologia, e as acomodações para diferentes civilizações que aí conduzem negócios.

S18E05 Estação Espacial de Júpiter (Revelação Cósmica ~ Randy Cramer)
S18E05 Jupiter Space Station (Cosmic Disclosure)
Foi a tradução possível:

revelação cósmica temporada 18 episódio 5

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Olá eu sou Emery Smith e hoje, em “Revelação Cósmica”, vamos falar com Randy Cramer.

Randy Cramer / Emery SmithE.S.: Hoje no programa Revelação Cósmica vamos falar sobre a estação espacial intergaláctica, localizada perto de Júpiter. Randy, bem-vindo ao programa.

R.C.: Obrigado por nos ter convidado, Emery.

E.S.: Partilhou connosco que existe uma estação espacial intergaláctica perto de Júpiter. Poderia dizer-nos mais sobre o assunto?

S11E07 ETs Colegas de Trabalho (Emery Smith)

R.K.: Oh, este é um dos meus lugares favoritos em que já estive. Uma espécie de comissão intergaláctica de comércio é responsável pela construção, manutenção e funcionamento da estação, bem como de outras estações semelhantes em toda a galáxia.
Basicamente, uma estação é um ponto de encontro em território neutro. Qualquer grupo, qualquer tipo de criatura, qualquer representante militar e diplomático que queira encontrar-se com alguém de outro lugar pode lá ir.
As negociações decorrem num local absolutamente seguro, onde nada de estranho ou invulgar nunca acontece. Eu estava…

E.S.: Algum tipo de zona neutra?

R.K.: Sim. Muitas vezes eu… A razão pela qual estive envolvido em tais missões é que quando voei no Nautilus, fui muitas vezes o único piloto com experiência na infantaria. As equipas da embaixada foram formadas com base no corpo diplomático. Queriam ter um soldado com eles só por precaução. A minha experiência de combate nunca veio a calhar porque era uma zona completamente neutra.

Mas sabe como somos. Ficamos paranóicos, e gostamos de ter alguém com experiência em combate no caso de algo acontecer. De qualquer modo, fui levado com um propósito completamente desnecessário.
Basicamente, o meu papel era apenas o de me sentar nas negociações. A própria sala principal… Deixe-me ver se consigo descrevê-la.

E.S.: A estação está no espaço ou num planeta?

R.C.: Oh, orbita à volta de Júpiter. Está a uma certa distância. Júpiter é um planeta muito grande. O objectivo é que a estação espacial esteja numa órbita estável, mas não sujeita a uma atracção gravitacional.
Porque, repito, Júpiter é um corpo celestial muito grande, tem uma forte atracção gravitacional. É uma estação de vários níveis.

O nível superior é ocupado por uma sala de vidro gigante, com quase 1,6 km de diâmetro, com janelas de chão ao tecto com mais de 24 m de altura.

Eu chamo-lhes janelas, embora não tenha a certeza se são feitas de vidro de silicone. É provavelmente algum tipo de policarbonato ou algo assim. Eles têm uma vista espectacular de Júpiter.
As fotografias não são nada parecidas. Mas a capacidade de ver as coisas pessoalmente é algo com alguma coisa.

E.S.: Quão diferente é a visão sobre o que a televisão e os meios de comunicação nos oferecem?

R.K.: As cores são mais ricas. Isso é o melhor que posso dizer. É como olhar para uma imagem e olhar para a própria natureza. A natureza é muito mais expressiva e mais brilhante. As cores são muito mais claras.
Pode apanhar muito mais detalhes do que numa fotografia, por mais espantosa que seja. A experiência pessoal é muito mais impressionante do que qualquer fotografia.

E.S.: O que está aí dentro? A estação é sólida, sem descontinuidades? Nenhuma cara de fim? Curvo?

R.C.: É uma sala redonda, ou seja, completamente curvada. O interior da sala… Na minha opinião, é uma sala plana gigante, um espaço aberto gigante. Possui hologramas de luz estáveis que podem criar as chamadas “condições para negociações”.
Estes últimos podem ser tão simples que representam uma mesa com cadeiras em todos os lados.

Dependendo das condições específicas exigidas por algumas espécies, poderá ter uma mesa com cadeiras de um lado, e do outro lado da mesa poderá haver um grande cubo com diferentes conteúdos gasosos ou mesmo líquidos adequados para uma variedade de espécies.
As criaturas vêm em fatos ecológicos. Por vezes são tele-portados. Os fatos ecológicos mantêm um rico conteúdo de oxigénio, uma vez que se verifica que muitas espécies respiram oxigénio. É claro que não é universal, mas há tantas espécies.

Como disse anteriormente, hologramas estáveis por toda a sala criam as condições para a negociação. Sabem, nunca estive nesta sala onde em determinado momento não houvesse menos de algumas centenas de negociações ao mesmo tempo.
Lembre-se, o diâmetro da sala é de 1,6 quilómetros. É enorme. Tem a mais pequena espécie que já vi negociar com alguém… A maior espécie tem entre 18 a 20 metros de altura.

E.S.: Como é que são as criaturas?

R.C.: Humanoides. Foi-me dito que quase todos eles são geneticamente combinados com a nossa própria estrutura genética biológica humana, excepto o facto de os seus planetas serem muito maiores, daí a outra escala.
De alguma forma, existe uma ligação genética. Tanto quanto fui informado, isso pode acontecer por duas razões.

Um, a presença de um antepassado biológico comum ou de um manipulador biológico comum de espécies. Sabemos que existem espécies avançadas manipulando planetas e genética de espécies em todo o universo. Estão sempre a deixar algum tipo de vestígio.

Em segundo lugar, acontece que por alguma razão desconhecida o universo está a reproduzir o sucesso.
Portanto, é possível encontrar espécies biológicas num planeta localizado na outra extremidade da galáxia ou mesmo noutra galáxia, que estão intimamente ligadas entre si, mas não têm antepassados comuns.
Os nossos melhores cientistas chegaram à conclusão de que isto pode acontecer porque a natureza replica padrões de sucesso em todo o lado. A natureza decidiu: “Bem, há aqui um padrão de sucesso, vamos colocar para outro lugar para o desenvolvimento?”

Não tenho a certeza se tem algo a ver com campos morfogenéticos ou qualquer outra coisa. Não é a minha área de especialização.

E.S.: Na minha experiência, tenho notado que a maioria das criaturas parecem uma estrela de cinco pontas – dois braços, duas pernas e uma cabeça. Embora, claro, o aspecto das raças seja muito diferente umas das outras.
Já reparou, bem, pelo menos no exemplo das criaturas altas de 18 m de altura, que aqui na Terra as nossas raças são muito diferentes. Temos um aspecto muito diferente. Já alguma vez viu tal diversidade numa estação espacial?

R.K.: Incrível diversidade, claro. É claro que, na maioria dos casos, é definitivamente visível uma expressão biológica sob a forma de dois braços, duas pernas, mas mesmo assim há diversidade.
Tudo depende do ambiente e de quem lidou com a genética da espécie. Uma coisa é clara: algumas espécies ancestrais que criaram os humanos foram guiadas por um programa para criar certas semelhanças – dois braços, duas pernas e assim por diante.

E.S.: Estou a ver. E quanto à própria estação espacial? Quem o construiu? E para quê?

R.K.: A estação foi construída por algum tipo de associação comercial intergaláctica. Não tenho a certeza qual é o lema dessa organização, mas ela é responsável por tudo.
Na sua essência, a estação foi construída para criar condições para o comércio positivo dentro do universo conhecido. Tais estações existem sempre que possível. Oferecem às espécies uma oportunidade de se encontrarem e negociarem em benefício dos fluxos comerciais na galáxia e no universo conhecido.

E.S.: Quando é que a estação foi construída? Quem o controla? Humanos?

R.C.: Oh, a estação é gerida por um consórcio estrangeiro, uma associação comercial. Creio que foi construída em 1979-1980s.

E.C.: O nosso povo da Terra ajudou a construí-la?

R.K.: Penso que os alienígenas poderiam ter contratado alguns empreiteiros, e algum tipo de trabalho poderia ter sido feito por nós. Os que conhecemos. Embora, na sua maioria, tais estações sejam construídas noutro lugar, e depois ou são rebocadas para o local certo ou saltadas através do portão de salto.

E.S.: Que construtor está a bordo? Humanos? extraterrestres? De onde são?

R.C.: Um consórcio de alienígenas de todo o lado. Entendo-o como um comité comercial ou algo do género. Representa centenas e centenas de espécies que estão envolvidas no processo de criação do melhor ambiente para todos os que querem fazer comércio.

E.S.: Porque pensa que a estação está localizada perto de Júpiter? Porque não noutro lugar?

R.K.: Perguntei a alguém sobre isso. Foi-me dito que este local é o ponto de referência mais fácil e mais conveniente. Se explicar a alguém como chegar à estação espacial no sistema Sol, diz: “Oh, sim, há um grande gigante de gás morto no meio, por isso a estação está ao seu lado. É apenas o maior marco que se pode apontar.

E.S.: É o maior planeta aqui. Encontramo-nos lá.

R.C.: É isso mesmo. É o maior ponto de referência.

E.S.: Como chegou à estação? Numa nave espacial? Ou utilizou um buraco de verme? Como é que isso funciona?

R.C.: Tudo aconteceu quando eu estava a voar no Nautilus.

IG highliner

Equipas do corpo diplomático vinham a bordo do Nautilus. Na nave espacial, chegaríamos e pararíamos a uma distância segura da estação. Normalmente essa distância era apenas de um par de quilómetros. Depois entrávamos no vaivém, aterrávamos.
E depois de terminada a missão, regressávamos. Claro que havia um sistema Jump Gate, mas havia algo sobre esta tecnologia que eles utilizavam, e nós preferíamos o vaivém à sua tecnologia Jump Gate. Porquê? Não tenho a certeza quanto a isso.

E.S.: Quando se aproxima desta estação espacial gigantesca, como é que se parece? Quais são os verdadeiros… Já falámos um pouco sobre o tamanho antes. Como seria para alguém aqui na Terra? Habitual?

R.K.: Sim e não. É definitivamente uma forma típica da ficção científica. Não é branco, não é prata, não é metal brilhante.

Na verdade, é feito em tons de vermelho e laranja. Parece pintado no exterior. Há luzes acesas. À medida que nos aproximamos, a estação parece bastante atraente. Diz-se: “Oh, como ela é bela”. Sim, até se poderia olhar para as qualidades estéticas.

E.S.: Qual é a forma exacta da estação?

R.C.: Parece um sino gigante. A parte superior é feita sob a forma de uma cúpula, um monte de luzes de sinalização. Parte inferior plana. Em geral, a forma é como um sino gigante.

S10E06 A Chegada dos Novos Guardiões (episódio importante)

E.S.: Como é que a gravidade funciona aí? Sabe como funciona?

R.K.: Tem o seu próprio revestimento de gravidade artificial, ajustável. A forma como a cobertura por gravidade será regulada para criar condições para negociações dependerá da proveniência das espécies e do seu nível confortável de gravidade.

E.S.: Então, quer dizer que cada espécie tem a sua própria densidade, o seu próprio ambiente, e exactamente as mesmas condições são formadas à sua volta?

R.C.: Sim, é criado um ambiente adequado para cada espécie individual de criatura. Embora, também acontece que algumas espécies vêm com os seus próprios fatos ecológicos.
Pode sentar-se à mesa com alguém vestido com um fato ecológico, dentro do qual se mantém o ambiente gasoso ou líquido específico para essa espécie em particular.

E.S.: Como é que as espécies líquidas se movimentam na estação? Para onde quer que vão, estão rodeados por um campo de forças e estão encerrados nele como uma cápsula?

R.C.: De diferentes maneiras. Na maior parte das vezes, em tais situações são criadas primeiro as condições para as negociações. Depois, do seu ambiente, através dos portões saltadores, espécies de criaturas entram directamente nas condições de negociação. Para cada espécie aquática, é criado o seu próprio ambiente. Com a Tecnologia Jumping Gate… Quando se passa de um ambiente aquático sustentável para outro ambiente aquático sustentável, não é que a água flua para o outro extremo, de um ambiente para outro.

E.S.: Quando visita a estação, veste alguma roupa especial? Ou anda com a sua roupa habitual?

R.C.: Nenhuma roupa especial, uniformes normais normais. De vez em quando, havia reuniões de natureza mais cerimonial e diplomática, como a assinatura de um contrato ou algo assim, pelo que tínhamos de usar o uniforme cerimonial.
Mas na maioria dos casos, usaríamos um uniforme padrão.

E.S.: Havia um lugar especial para comida na estação? Por favor, fale-me sobre a cafetaria.

R.C.: Não, nada de comida. É bastante interessante, porque tem a ver com a variedade de hábitos alimentares de diferentes tipos. Nunca se sabe se se magoaria alguém ao comer. Pode-se comer algo que eles pensam ser seu amigo, parente ou algo do género.
Por isso, pode ser muito embaraçoso. Seja como for, não há comida. Mas há bebidas. Normalmente são água e/ou principalmente bebidas de fruta. Sem bebidas alcoólicas. Sem substâncias intoxicantes. É apenas água e sumos de fruta.

E.S.: Qual é o tamanho dos óculos gigantes?

R.C.: Vi uma bebida gigante do tamanho de um caixote do lixo. Envolveu a sua mão à volta do recipiente e bebeu dele. Para ser honesto, parecia um pouco irrealista. Nunca vi ninguém beber algo de um caixote do lixo deste tamanho. Basta segurá-lo com uma mão.

E.S.: Como é que a administração apoia a estação? Existe algum tipo de equipa de manutenção? Quem limpa o lixo quando um gigante atira um caixote de sumo de mirtilo?

R.C.: A equipa de limpeza são robots. Há pequenos robôs que fazem a limpeza. Aparentemente, há um estado que cuida dos robots. Nunca vimos ninguém. Suponho que todo este tipo de trabalho foi feito quando não havia ninguém na sala, ou quando ninguém conseguia ver.

E.S.: Quão avançados estavam os robôs que observou?

R.K.: A maioria deles apenas rolou no chão e recolheu o lixo. Eles aspiram-no como um aspirador. Ou apareciam com as mãos pequenas, pegavam no lixo e colocavam-no num contentor lá em cima.
Em geral, os robôs eram pequenos limpadores funcionais. Quem me dera ter um desses em minha casa.

E.S.: Existe um sistema de perfil de segurança na estação que teve de passar? Inspecção de bagagem ou algo do género? Estava autorizado a trazer animais de estimação consigo? Malas? É possível ficar na estação? Ou foi limitado ao tempo de negociação?

R.C.: Só estivemos na estação durante a própria reunião. O vaivém aproxima-se, atracado num compartimento especial para vaivéns, e depois cada membro da delegação passa por uma célula especial.
As portas são fechadas em ambas as extremidades, o conteúdo da célula é exposto à radiação UV e algo mais acontece. Formula a pele durante alguns segundos. Depois a porta abre-se na outra extremidade e é-lhe permitido entrar.
Este scan de limpeza expõe-o a tudo para se certificar de que não traz armas, contrabando, bactérias nocivas, vírus e todas essas coisas.

E.S.: As esquadras têm a sua própria polícia, forças de segurança?

R.C.: Existem forças de segurança. Mas repito, este é um ambiente em que todos querem ser simpáticos e jogar limpo. Ninguém quer ser privado da oportunidade de lá estar e negociar. Assim, todos se comportam de uma forma decente.

E.S.: Já ouviu falar de alguém que tenha atacado a estação?

R.C.: Nunca.

S13E10 Eles dominam a levitação, sabem como mover uma rocha gigante

E.S.: Como é que se deslocou 1,6 km de diâmetro? Existiu algum transporte? Estava acompanhado?

R.C.: Podia-se conseguir uma escolta, mas normalmente todos se deslocam sozinhos e a pé. Por vezes, uma pequena linha no chão podia indicar exactamente para onde se ia. Por vezes, foi escoltado.
Mas nunca houve uma situação em que alguém não estivesse a ver tudo o que estava a fazer. Quer seja uma câmara, um scanner ou algo do género. Está sempre sob vigilância. Alguém o acompanha pessoalmente ou apenas lhe sugere que siga, digamos, a linha amarela.
De qualquer modo, está sempre a ser vigiado.

E.S.: Quando se está numa estação espacial, os seus sinais vitais são seguidos, a sua frequência de ADN?

R.K.: Sei de fonte segura que o nosso pessoal na nave espacial está a seguir toda a gente. Foram-nos fornecidos auscultadores especiais para que as pessoas na nave espacial pudessem falar connosco, se necessário.
Eles seguem os seus sinais vitais importantes, a atmosfera e outros tipos de criaturas. Por isso, mantemos sempre os olhos abertos.

E.S.: Diferentes tipos de criaturas… Mencionou um tipo de grande e um tipo de pequeno. Houve outras espécies que capturou na sua mente e que achou espantosas?
Estavam eles na sua própria atmosfera especial, a que não está habituado a ver? Por exemplo, em algum tipo de campo de plasma?

R.K.: Lembro-me de uma conversa muito interessante com espécies anfíbias. A sua aparência física… Suponho que evoluíram de uma espécie de sapo de água, em oposição aos sapos de floresta. Já vi espécies que evoluíram de rãs de floresta que eram diferentes das rãs de água.
Tenho a certeza absoluta de que essas criaturas evoluíram de um sapo de água porque usavam um fato ecológico cheio de água.

Olha, estás sentado à mesa, à tua frente está uma criatura com um fato eco-cósmico. Em vez de ar, o fato está cheio de ambiente líquido. Comunicam através de um sistema ligado a um tradutor que faz uma tradução bidireccional.
Portanto, este foi um daqueles eventos surrealistas que me pediu para recordar. Imagine um homem sapo com um fato ambiental cheio de água. Ele poderia estar num ambiente arejado, um ambiente de oxigénio. Não é de todo como usar um fato de mergulho. Foi muito interessante para mim.

E.S.: Óptimo. Claro que, como sabem, nos nossos projectos tínhamos câmaras ambientais especiais com criaturas aquáticas. Quer fossem golfinhos, sapos ou talvez tivessem vindo de um lugar cheio de lava derretida quente.
Estava muito interessado em vê-los caminhar entre nós usando os seus “trajes atmosféricos” pessoais. Acho que era assim que chamávamos a estes fatos na altura?

Diga-me, que outros problemas encontrou quando esteve na estação espacial?

R.K.: O problema número um na estação espacial é que o sistema de reconhecimento de padrões no seu cérebro tenta manter-se a par de todos os padrões que observa. Vou tentar explicar.
Aqui no planeta Terra, quando se olha para outros seres humanos, embora cada um tenha a sua aparência única, ainda se olha para pessoas que têm o mesmo corpo. Dois braços, duas pernas, dois olhos, reconhecimento de padrões semelhantes de estrutura facial.
Ou seja, o reconhecimento de padrões não requer qualquer trabalho adicional, porque o próprio sistema analisa tudo através do padrão a que está habituado.

Quando se encontra numa sala com dezenas ou mesmo centenas de outros tipos de criaturas, o sistema de reconhecimento de padrões no seu cérebro sobrecarrega e funciona como se fossem horas extraordinárias.
Sempre que vê algo mais, o seu cérebro tenta decifrar o que vê com base no reconhecimento de padrões. A tensão pode causar enxaquecas, dores de cabeça, tonturas e visão turva.

Há alturas em que se pode olhar para alguém e não se pode vê-lo claramente como o próprio cérebro se sobrecarrega literalmente a tentar reconhecer tudo num padrão. É incapaz de decifrar correctamente o padrão. Assim, só verá o olhar desfocado de quem é certo para si.

Ou algo ainda mais estranho está a acontecer. Já me aconteceu uma ou duas vezes. O cérebro vai apenas dizer: “Sabe que mais? Não consigo sequer tentar decifrá-lo. Por isso vou tirar algo do banco de memória e projectá-lo em algo aqui”. A projecção será o que se vê.

Houve um caso de algum grupo diplomático a passar pela mesa em que estávamos sentados. Lembro-me de quando me virei e os meus olhos expandiram até ao tamanho de um pires. Havia um coronel sentado ao meu lado.
Perguntou-me ele: “O que é que viu? Não, não e não, não viu para o que estava a olhar. O que é que viu”? Senti-me como o Feiticeiro da Cidade Esmeralda. O coronel riu-se e disse: “E por vezes vejo Mohammed Ali ou a minha tia Tilly.
Se o seu cérebro não consegue compreender algo, será apenas enganador. Vai puxar algo para fora e projectar esta imagem no que estás a ver”.

Esse é provavelmente o maior problema. Por vezes, chegávamos à estação espacial, parávamos fora da entrada e sentávamo-nos… Havia bancos macios. Sentávamo-nos sobre eles e esperávamos que os nossos cérebros e os nossos olhos se ajustassem.
Sabe, alguma combinação de estarmos sentados e a observar e a analisar a sala, desde que estivéssemos tontos. Depois olha para o chão até a sua cabeça parar de girar. Depois volta a olhar à volta até a sua cabeça começar a girar novamente.
E depois volta-se a olhar para o chão até parar de girar.

Após 15-20 minutos está num estado em que se pode levantar e ir a algum lugar sem sentir uma terrível dor de cabeça. Também se aprende a não olhar à volta. Porque quanto mais se olha à volta, mais stress é colocado no sistema de reconhecimento de imagem no cérebro.
Lembro-me de eventos individuais e tipos de criaturas, mas admito sempre que talvez estejam apenas esticados da minha cabeça e que há muitos pontos desfocados.

É o meu cérebro que diz: “Sim, não sei bem o que tirar e depois o que fazer com ele”. É por isso que talvez o maior problema seja que o padrão de reconhecimento de padrões no seu cérebro está fortemente sobrecarregado e quase incapaz de processar as diferentes formas que está a tentar compreender.

E.S.: Tive muito pouca experiência com isto nos meus projectos. Fomos sempre informados antes de encontrarmos qualquer novo tipo de alienígenas. “Aqui está a sua imagem. Aqui está um vídeo. É isso que eles são. É assim que eles se parecem. Prepara-te”.
Também nos foi dito sobre os costumes por trás não olhar para eles, não sorrir. Porque cada espécie tinha uma diferente… É claro que não falavam. A comunicação era telepática e através de expressões faciais.

Quando se olha alguém na cara que nunca se viu antes, é difícil julgar como se sente. Por isso, só tinha de passar por ela. Recebeu alguma informação antes de se encontrar com diferentes tipos de criaturas? Já lhe falaram dos seus costumes e tradições? Disse-lhe o que dizer e o que não dizer? Em que pensar e o que não pensar? Como esconde os seus pensamentos? Vamos falar sobre isso.

R.K.: Felizmente ou talvez infelizmente, nunca me foi fornecida tal informação útil. Normalmente foi assim que aconteceu. Sentei-me num vaivém, fazia parte de uma caravana armada. Eu perguntei: “O que estamos a fazer hoje?”
O embaixador diria: “Isso e aquilo”. Depois, durante toda a viagem no vaivém, ele dizia… Tinha uma espécie de comprimido que podia puxar, mostrar fotografias e outras coisas. “Não diga olá às suas mãos, apenas com a mão esquerda, nunca com a mão direita”.
Quando se encontra pela primeira vez, olhe nos seus olhos, e depois quando alguém se aproxima de si, nunca olhe nos seus olhos, porque é um gesto de desafio.

É claro que tinha de saber muito. Então, disseram-me algo. Seja como for, nunca estive em apuros. Houve alturas em que quis estragar alguma coisa, mas sempre me contive. Evidentemente, foi muito interessante observar costumes e tradições diferentes, por vezes semelhantes aos nossos. Eram surpreendentemente semelhantes e por vezes 180° diferentes. Noutros casos, não eram compatíveis com os nossos.

Em alguns casos, as negociações foram as mais estranhas, porque tiveram de seguir regras muito invulgares. Havia também protocolos. Normalmente não se pode dar a volta à sala e ter conversas ” como está”.
Ou pode ter uma conversa com alguém por quem passa. Para todos os seus protocolos. Houve alguns casos em que nos sentámos a uma mesa e tivemos conversas, e alguém nas proximidades estava claramente interessado exactamente nas mesmas conversas.
Alguém estava de passagem, a dizer algumas palavras, e depois partiu. Mas isso aconteceu muito raramente.

S14E02 A Lua é uma espaçonave. Foi construída em Júpiter há 38 milhões de anos

E.S.: Já alguma vez viu algum tipo de dispositivo ou tecnologia que corresponda a qualquer coisa que vejamos aqui no planeta Terra?

R.K.: Aqui está algo interessante. Eu estava a falar com alguém, e o meu interlocutor foi ao meu bolso por alguma coisa. Ele era “um pouco” mais alto do que eu, apenas 8 metros. Assim, a outra pessoa tirou algo do seu bolso que a princípio parecia uma carta de jogar.
Ele manteve-o perto de mim, muito perto. Quando olhei para ela, pensei ter visto um cartão de figura. Então percebi: “Oh, isso não é um cartão de peça. “É um ser humano. É uma pessoa em movimento”.

Acontece que o interlocutor estava a mostrar-me um ecrã de telecomunicações para que eu pudesse falar com essa pessoa. Ele apenas puxou o ecrã e entregou-mo. Em geral, o dispositivo tinha cinco centímetros de espessura e 15 cm de comprimento.
Foi uma das coisas mais espantosas que alguma vez vi. Imagine, o homem no ecrã estava do outro lado da galáxia. Mas de alguma forma conseguem estabelecer comunicação áudio e vídeo através de um pequeno dispositivo que pode facilmente levar no seu bolso.

E.S.: Sem linha de visão. Tudo através do infra-espaço?

R.C.: Algo do género.

E.S.: Randy, diz-me, existe algum campo de forças de protecção à volta da estação, apenas em caso de qualquer incidente ou quando os proprietários não queriam ninguém a bordo?

R.C.: Absolutamente, sim.

E.S.: O que são esses campos? Que tipo de ciência está por detrás deles?

R.C.: Não tenho 100% de certeza. Tanto quanto sei, a estação está rodeada de camadas de protecção. A blindagem é colocada a uma certa distância. Por exemplo, existe um chamado campo de camuflagem, que não se verá até se aproximar da estação a uma distância de 160 km.

E.S.: Então não podemos ver a estação daqui até aos nossos telescópios?

R.C.: Não. Não se pode ver a estação em si até se estar a 17 km de distância. À medida que se aproxima da estação, vai passando por diferentes camadas de protecção. Tivemos de parar e esperar pela permissão.
Estávamos a obter autorização de estacionamento, bem como permissão para aterrar o vaivém no parque de estacionamento. Os pilotos do vaivém pareciam estar a olhar para os seus scanners, à espera que as camadas de blindagem se desligassem.
Depois de o vaivém ter passado, as camadas de blindagem foram de novo ligadas. De qualquer modo, era como um portão; só através dele se podia chegar à estação espacial.

E.S.: Que tal uma cooperação comercial com Júpiter? Podemos esperar que aqui na Terra faça parte dela?

R.C.: Bem, nós já fazemos parte dela. É por isso que somos convidados para a estação espacial, para fazer parte da câmara intergaláctica de comércio.

E.S.: Quer dizer agora mesmo na terceira dimensão ou noutro campo, noutra dimensão?

R.C.: Neste momento, na terceira dimensão.

E.S.: Quem é responsável pelo comércio intergaláctico aqui na Terra?

R.K.: Eu não sei o nome, tal como não sei quem é esta pessoa. E mesmo que o soubesse, não poderia dizê-lo.

S11E07 ETs Colegas de Trabalho (Emery Smith)

E.S.: Pode ao menos nomear uma organização ou uma corporação? Ou isto, também…

R.K.: Penso que, sem citar nomes, seria um gestor de topo de uma das três maiores empresas bancárias mundiais.

E.S.: Então isto não é o governo ou o exército?

R.C.: Como vê, o corpo diplomático é uma organização militar. Quer dizer, os diplomatas fazem todas as negociações, toda a comunicação. Todas as reuniões têm lugar apenas através do corpo diplomático.
Por detrás das negociações há pessoas que, em primeiro lugar, as tornam possíveis, em segundo lugar, investem dinheiro, e em terceiro lugar, autorizam os diplomatas a fazer concessões ou a oferecer bens com base em contratos.
Claro que se trata de pessoas com dinheiro. São os banqueiros que decidem como tudo vai acontecer e com que finalidade.

E.S.: Então está a dizer que eles dirigem o governo e o exército e tomam decisões?

R.K.: Sabe, eu não diria que é exactamente assim. Colocá-lo-ia desta forma: quando se trata de comércio, são os banqueiros que desempenham o papel principal no processo de tomada de decisões, e como tudo irá acontecer.
Mas em muitos casos é o exército que tem a última palavra. Porque se as negociações ameaçarem a segurança, nos tornarem indefesos, se forem arriscadas ou perigosas do ponto de vista militar, o exército pode dizer: “Não. Não o faremos. Porquê colocar-se nesta posição”?

O exército tem o veto para dizer: “Não. A reunião pode ser boa para as vossas contas bancárias, mas má para a nossa segurança. Deve fazer um compromisso que não ameace a nossa segurança e, ao mesmo tempo, deixar-nos obter o que deseja”.
O exército não se arrepende dos que estão no poder. Essencialmente, desempenha o papel de, digamos, um mediador. Faz o seu trabalho de fixar os planetas dentro do sistema solar e ao mesmo tempo proteger o comércio.

O exército tem protegido o comércio durante séculos. Continuamos a fazê-lo. Mas os banqueiros não nos podem dizer o que fazer e o que não fazer. A decisão final continua a ser do exército. É feita por oficiais superiores e oficiais superiores.

E.S.: Diga-me, aqueles três principais banqueiros… Eles são pessoas?

R.C.: Sim.

E.S.: Há mais alguém a controlá-los?

R.C.: Que eu saiba, não. A sua principal motivação é o comércio. A ganância. Gostamos de pensar que podemos usar esse tipo de motivação para o bem comum. Mas isso é apenas enquanto conseguirmos conter os elementos insalubres da ganância bancária.

E.S.: Como funciona o comércio intergaláctico? Com que é que negociamos?

R.C.: Tudo e tudo o que temos. Tudo e tudo o que precisamos.

E.S.: Porque é que nos preocupamos tanto com o que os alienígenas têm? Porque é que se preocupam tanto com o que temos? Não podem produzir algo por si próprios?

R.K.: Bem, aqui vem a análise custo-benefício de tudo o que existe em qualquer mundo que possa ser comercializado ou utilizado como recurso. Sejam minerais, matérias-primas, peças de máquinas, motores, electrónica, e assim por diante.
Para tudo, existe uma relação custo-benefício. Existem simplesmente bens específicos que são produzidos por diferentes tipos de criaturas, com base nos seus recursos. O preço desses bens é muito mais baixo do que nos custaria produzi-los.
E vice-versa, o que nós produzimos… Algumas pessoas acham mais rentável comprar-nos determinados bens do que produzi-los elas próprias. A produção custar-lhes-ia muito mais.

Em geral, isto é o que se chama comércio. Olha, digamos que tenho um excesso de algo por 50 cêntimos no dólar. Pode comprá-lo porque é mais rentável. E tem um excesso de mineral a alguns cêntimos por dólar.
Se nós próprios minerássemos esse mineral, isso custar-nos-ia muito mais. Em termos de benefícios, é muito mais barato para nós comprá-lo a si do que perfurarmos nós próprios a rocha. Esse é o objectivo do comércio.

Podemos obter algo de outro lugar, e isso custar-nos-ia menos? Seremos capazes de obter um produto melhor por menos dinheiro? Esta é a base fundamental de todo o comércio.

Spoiler
Desculpe, apenas utilizadores com sessão iniciada podem ver spoilers.

E.S.: Fantástico. Randy, é sempre um prazer recebê-lo no programa. Mais uma vez obrigado.

R.C.: Obrigado por me ter convidado.

E.S.: Eu sou Emery Smith. Vemos-nos da próxima vez.

https://drive.google.com/file/d/1XxAvT4CEgcm2rHC9KWfeAKQMWfWHi2bh/view?usp=sharing

FIM

[\spoiler]

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

Author: Krystal

colaborador

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
Sara

Olá a todos!
Ficarei muito feliz no dia em que eu for convidada para participar de uma reunião intergaláctica! Mas não sobre comércio, porque não me interessa. Prefiro um simpósio científico, acadêmico! Um intercâmbio cultural! Tantas novidades! Vou fazer uma grande coleção de rochas e minerais! E outras coisas mais! E nas horas vagas, artesanato intergaláctico!