revelação cósmica temporada 15

S15E03 Os seres que vivem em Marte (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Randy Cramer é novamente o convidado do 3.º episódio da 15.ª temporada de “Revelação Cósmica”. Alguns tópicos deste episódio:

  • Eles obviamente dominaram a telecinesia, porque podem mover projéteis. Isso significa que, provavelmente, eles podem mover você
  • Curiosamente, eu diria que a vida animal e vegetal é incrivelmente semelhante ao que temos aqui na Terra, como a que vimos lá em Marte.
  • Então, quando um reptoide “morre”, ou seu corpo é destruído no campo de batalha, eles podem direcionar sua consciência de volta a uma caverna de filhotes e encontrar um ovo vazio, e se alojar nesse ovo, e depois crescer e ressurgir, com a memória completa de tudo o que sabiam antes de morrer.
S15E03 Bem-vindo a Marte! (Revelação Cósmica ~ Randy Cramer)
S15E03 Welcome to Mars! (Cosmic Disclosure ~ Randy Cramer)

Assista ao episódio clicando no link abaixo, usando o browser chrome:
https://drive.google.com/open?id=1_a5k7pxdF2GzEFQrmp0z5hKOSOlZndxp

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário (não no facebook), para indicarmos outro link.

Episódio com legendas em português do Brasil (para quem não deseja assistir ao vídeo):

revelação cósmica temporada 15 episódio 3

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Bem-vindo à Marte!

Emery Smith: Hoje em “Revelação Cósmica”, recebemos Randy Cramer, que afirma ter feito parte de missões interplanetárias militares. Bem-vindo, Randy.

Randy Cramer: Obrigado, Emery.

Emery Smith: O programa espacial militar secreto tem bases em outros planetas?

Randy Cramer: Com certeza. Sim. Eu não conseguiria nomear todos elas porque existem dezenas ou provavelmente centenas a essa altura. Mas, sim. Com certeza.

Emery Smith: O que vem à mente sobre aquelas em nosso sistema solar?

Randy Cramer: Eu diria que qualquer corpo planetário que poderíamos colocar uma base, ou qualquer satélite de um planeta, que seria um bom lugar estratégico para se ter uma, é um lugar onde temos uma. Qualquer lugar que pudéssemos ou precisássemos de uma, nós temos uma neste momento no sistema solar.

Emery Smith: Como elas são construídas? Elas estão na superfície? Ou no interior? São subterrâneas?

Randy Cramer: Na maioria das vezes, a maior parte da construção é subterrânea para fins de segurança e defesa. E dependendo da instalação, isso determinará o quanto a base sobressai da rocha ou do chão. Mas eu diria que a maior porcentagem dessas instalações geralmente são subterrâneas.

Emery Smith: Pode descrever algumas de suas missões, as missões secretas em que você esteve, nesses planetas? Eu sei que você foi a muitas delas.

Randy Cramer: Sim. Na verdade, existe um conflito no sistema de Cassiopeia, onde uma espécie amigável foi invadida por uma agressora que comprou tecnologia militar de alguém, e por já termos uma relação comercial com eles, eles pegaram o telefone e nos ligaram pedindo ajuda. E enviamos algumas tropas e fomos enviados para lá.

Emery Smith: E que outros tipos de missões vocês fizeram? Qual acha que era o objetivo?

Randy Cramer: Na maioria das vezes, quando eu participava de missões fora do mundo, era para alvos de alto valor. Então era extrair alguém que quisesse manter vivo, ou matar alguém que quisesse morto.

Emery Smith: Você matou algum extraterrestre na sua vida?

Randy Cramer: Incontáveis. Sinceramente, eu não saberia te dizer o número, foram muitos.

Emery Smith: Como foi estar em guerra, em combate, contra extraterrestres?

Randy Cramer: Bem, curiosamente, sempre que eu precisava tirar a vida de outro ser humano, havia uma luta emocional, seja remorso, culpa, ou… ”Queria não ter feito isso.” Mas tenho que ser honesto. Quando eu estava em um conflito militar com outra espécie, nunca tive problema com isso. Nunca tive problemas com remorso.

Em alguns casos, é… Eu odeio dizer dessa maneira, mas, às vezes, é o mesmo que matar um monstro. Você não iria questionar ou se sentir mal por matar um monstro. Então, era algo completamente diferente de estar em um cenário militar, uma situação em que todos estão tentando se matar. É bem fácil, para ser sincero com você. Certo.

Emery Smith: É apenas um alvo.

Randy Cramer: Apenas um alvo. Apenas um alvo em movimento e respirando nesse ponto, sim.

ES: Você disse a palavra “monstro”, agora estou pensando: como eram alguns deles?

Randy Cramer: Bem… sabe… Eu diria que, às vezes, estamos lidando com espécies inteligentes. E, às vezes, você lida com espécies menos inteligentes, que pode ser descrita como animal, ou mesmo como formas de vida monstruosas, se elas são bem grandes. Se fosse muito grande, chamaríamos de monstro.

Emery Smith: Certo.

Randy Cramer: Então, você poderia estar falando de grandes insetos, répteis e anfibioides, bem como espécies semelhantes a nós, ou incrivelmente diferentes. Poderiam ser membros diferentes, cefalópodes. É uma gama bastante ampla.

ES: Você já encontrou durante o combate uma espécie extraterrestre que poderia entrar em sua mente, ou que se comunicava com as tropas? Entrar para talvez fazê-los se voltarem uns contra os outros ou para controlar sua mente?

Randy Cramer: Com certeza. Quando combatiam os reptoides nativos em Marte, eles eram uma espécie muito psiônica. E a capacidade deles de entrar em nossa mente, às vezes nos fazia ver coisas que não estavam lá, e é provável que essa seja a primeira coisa que fariam.

Várias vezes nos deparávamos com um nevoeiro que não podia ver através dele, pois era como sopa de ervilha. E os oficiais de inteligência, que olhavam por outras câmeras, diziam que não havia nada lá. Mas não conseguia ver um palmo à frente. Então estava lá, até onde eu sei. Mas eram todas ilusões psiônicas. Eles apenas colocavam as imagens em nossas mentes, e parecia tão real quanto seria.

ES: Vamos descrever psiônica ao público. Porque eu sei que muitas pessoas não sabem o que é isso.

Randy Cramer: Simples, uma definição de psiônica é que são os poderes da sua mente. Portanto, qualquer habilidade de focar energia mental, de alterar a energia da matéria, é uma habilidade psiônica.

ES: E você era equipado com dispositivos psiônicos para protegê-lo de alguns desses casos?

Randy Cramer: Não quando servia na MDF, quando eu estava em Marte. Éramos muitos vulneráveis a qualquer reptoide nativo que quisesse usar suas habilidades psiônicas. Como se viu, eles não as usavam sempre que possível. Eles pegaram leve conosco, para ser sincero com você. Se tivessem empregado todo o poder muscular deles, o conflito teria terminado bem rápido. Então eles pegaram leve conosco, com certeza.

ES: Quais são seus dons adquiridos da psiônica? Porque eu sei que você a ensina.

Randy Cramer: Eu ensino. Eu dou aula de psiônica. Eu fui geneticamente modificado para ter uma maior propensão à capacidade psiônica. Recebi um treinamento rudimentar nas forças armadas. É uma longa história, e um pequeno alerta de spoiler para o meu livro que será lançado.

Quando fomos capturados pelos reptoides nativos em Marte, uma das coisas que eles fizeram foi nos colocar em um programa de treinamento psiônico deles. Eu diria que esse foi um ponto em que minhas habilidades de combate foram bastante aprimoradas pelas habilidades psiônicas que fomos ensinados e capazes de executar.

S15E02 A tecnologia de camuflagem impedem que vejamos Naves (OVNIs)

Emery Smith: Você previa qual seria o próximo soco? Como era? Explique.

Randy Cramer: De fato, uma habilidade pré-cognitiva para sentir um ataque segundos ou um instante antes de ocorrer é algo bastante natural.

ES: Sem dúvida é um salva-vidas em nossos empregos.

Randy Cramer: Sim. Quero dizer, se souber como… se puder sentir de onde um projétil está chegando e simplesmente não estar na trajetória do projétil, então você se esquivou de uma bala, literalmente.

Existem outras coisas que poderíamos fazer em combate. Vai parecer que estou me gabando se eu entrar em muitos detalhes sobre isso. Mas eles eram proficientes em combate e podiam melhorar e/ou tirar uma vida, com certeza.

ES: O que é um reptoide nativo?

Randy Cramer: Bem, se estamos falando sobre os reptoides nativos em Marte, eles são uma espécie reptiliana evoluída derivada de um tipo de lagarto de rocha. Então eles tendem a ter tons de pele e das escamas que têm cores arenosas.

Mas eles também têm certos padrões bem brilhantes que podem aparecer nas costas, nos braços. Então pode ver padrões em amarelo, preto, vermelho, algumas cores contrastantes e muito brilhantes. Eles evoluíram, basicamente, de um lagarto de rocha. Focinho curto, alturas médias a altas. Eles podem ter entre 1,60 m e 2,10 m de altura.

Eles têm uma cauda que é utilizável em combate. Fui golpeado mais de uma vez por uma cauda. E elas machucam. É um músculo grande e forte. É um músculo grande. Pode erguer suas pernas. Deixá-lo inconsciente. Fui golpeada na cabeça uma vez. Então, sim, eles são ferozes.

Eles têm garras quando querem usá-las. E eles são muito inteligentes. Eles preferem o combate corpo a corpo. E uma das coisas que eles usam com suas habilidades psiônicas é fazer nossos projéteis se curvarem ao redor deles. Então, às vezes, à distância, não haveria muita eficácia.

E teríamos que encurtar a distância e empregar um método quase primitivo de combate terrestre no estilo dos séculos 15 ao 19, quando precisa chegar perto com uma baioneta, ou correr por um campo, trucidando um ao outro de perto.

Emery Smith: Você os viu portar alguma arma ou equipamento?

Randy Cramer: Não no campo. Quando estavam no campo, tendiam a manter tudo bem simples. Quando passamos um tempo com eles, com certeza eles tinham a capacidade tecnológica para fabricar ferramentas, itens, que eram muito sofisticados.

Mas eles não usavam muita tecnologia na vida diária. Eles optaram por viver de uma maneira muito simples, prática, em uma realidade de baixa tecnologia. Mas a capacidade deles e, tenho certeza, a tecnologia que tinham escondida era muito avançada.

Antes da destruição da superfície do planeta muitos milhares de anos atrás, eles eram obviamente muito avançados. E após a destruição da superfície, a maioria dos que restaram no subsolo assumiu uma atitude muito diferente sobre o que era a tecnologia.

E assim, alguns deles reduziram propositalmente o impacto e o uso da tecnologia na vida diária, porque eles viram no passado que isso apenas levou a um número cada vez maior de conflitos militares, e, por fim, à destruição da superfície e de bilhões de membros da sua espécie.

ES: Eles obviamente dominaram a telecinesia, porque podem mover projéteis. Isso significa que, provavelmente, eles podem mover você.

Randy Cramer: Sim. Eu observei o que eu diria ser uma pequena divisão de reptoides nativos derrubarem uma nave draconiana em alta velocidade no chão, para que assim que batesse, quebrasse em milhões de pedaços. E eles fizeram isso com uma garra telecinética psiônica e puxaram a nave até o chão como um grupo.

Emery Smith: Era o que eu ia perguntar. Foi um esforço de grupo?

Randy Cramer: Sim. Todas as mãos se levantaram ao mesmo tempo, abaixaram ao mesmo tempo. E, ao fazerem esse movimento, a nave bateu no chão. E preciso enfatizar, em alta velocidade. Eles não apenas a derrubaram no chão. Eles a jogaram no chão em alta velocidade para que, quando batesse, se partisse em milhões de pedaços.

Emery Smith: Havia pessoas dentro dela?

Randy Cramer: Sim. Com certeza. A nave que caiu já havia enviado um pequeno batalhão de draconianos, que foram dizimados por um batalhão de reptoides. E quando a nave tentou partir, eles a agarraram e a jogaram no chão.

Emery Smith: O que é um draconiano?

Randy Cramer: Os draconianos são outra espécie de reptoides. Mas eles tendem a parecer mais com um crocodilo ou um jacaré. Eles têm um focinho longo, pele verde escura. Alguns dos escalões mais altos podem ter asas, podem ser alados. Alguns deles podem ser muito altos. Como espécie, eles tendem a ser os babacas da galáxia, e são muito agressivos.

A principal tática e estratégia deles é o medo. E eles adoram fazer as pessoas sentirem que eles são muito fortes e aterrorizantes. ”Eles são tão poderosos que não podemos vencê-los.” Mas eles sangram como todo o resto. E assim que começamos a entender que a tática principal deles era nos fazer sentir intimidados, ficamos menos intimidados.

Portanto, eles não são tão problemáticos. Quero dizer, eles são militarmente desafiadores. Mas certamente os encontramos no campo de batalha e vencemos.

ES: Como esses reptoides nativos se comunicavam?

Randy Cramer: Bem, acho que a distinção mais importante é que eles têm uma língua e um palato diferentes. Portanto, os sons que produzimos, e talvez nem pensemos nisso, são muito exclusivos da nossa língua e do nosso palato.

São sons que são biologicamente distintos para a fisiologia que nossa boca, nossa língua e nossos lábios podem fazer. Então, da mesma maneira, os sons que fazem para a linguagem deles dependem dessa relação biológica entre boca, dentes, língua, palato e assim por diante.

Eu diria que boa parte da linguagem deles emprega sons guturais, um tipo de som sibilante, bem como cliques. E é importante salientar que, se eu dissesse algo na língua deles, mesmo que você não ouça, eu diria com sotaque terráqueo, porque não posso fazer os sons exatos, porque eu não tenho a mesma língua e o mesmo palato.

Açafrão-da-índia (Cúrcuma) e mel: o antibiótico mais poderoso que nem os médicos conseguem explicar

Mas eles não chamam o planeta de Marte. Nós chamamos de Marte. Eles chamam de Goluka.

ES: Nossa… Muito profundo.

Randy Cramer: Sim. Para ser sincero, me sinto muito mal por dizer isso. Se um reptoide nativo estivesse aqui, se ele me ouvisse dizer isso, ele olharia para mim de lado e faria… sabe? Porque eles odeiam quando nós pronunciamos errado as palavras deles.

ES: Você conversou e se comunicou muito com eles com sua voz?

Randy Cramer: Eles falavam principalmente inglês, para ser sincero com você, com sotaque, por causa da língua e do palato. E o inglês deles era realmente muito bom. E aprendi algumas palavras. Mas não fomos incentivados a falar a língua deles, porque eles são muito exigentes com a pronúncia. E se você não puder pronunciar a palavra corretamente, eles preferem que você não a diga. É muito ofensivo para os ouvidos deles. E eles ficam muito exaltados da maneira errada quando você diz palavras erradas.

ES: O som os afeta?

Randy Cramer: Não sei o que você quer dizer com isso.

ES: Eles são sensíveis à frequência e ao som?

Randy Cramer: Eles têm uma audição muito boa. Eu diria que eles têm uma audição como a dos cães. Eles podem ouvir frequências mais altas e baixas que não ouvimos, com certeza. Portanto, se nosso espectro auditivo é assim, o espectro auditivo deles é provavelmente isso.

ES: O que eles comem?

Randy Cramer: Os reptoides nativos comem muita cauda de salamandra. Há salamandras gigantes lá, e eles cortam as caudas delas, e depois preparam as caudas em vários pratos diferentes, que incluem fungos, líquenes, gramíneas.

Eu descrevi a comida deles tendo principalmente gosto de lama. Mas é um gosto adquirido. E é uma comida muito nutritiva. Mas não é exatamente o que nós, como mamíferos, consideraríamos saboroso.

Emery Smith: Tudo bem. Eles comem humanos?

Randy Cramer: Os reptoides nativos de Marte não. Eles não comem seres humanos. Eu ouvi histórias que os draconianos comerão qualquer coisa ou qualquer um. Qualquer comida disponível.

Você esteve em uma nave draconiana?

Randy Cramer: Eu estive dentro de uma. Eu não diria que estive em uma. Havia uma pousada. As forças que desembarcaram dela foram dizimadas. A nave foi desativada. E então invadimos a nave e matamos tudo, depois fomos embora.

ES: Poderia dizer ao público, quando você entrou nela, que cheiro sentiu?

Randy Cramer: Carne podre. Morte. Não era um cheiro agradável, com certeza.

ES: Eu notei em muitos desses locais de queda que eles têm coisas podres, diferentes espécies e carne… apodrecendo em grandes compartimentos. Você viu algo assim?

Randy Cramer: Vi. E, aparentemente, como me disseram, é assim que eles gostam da comida. Eles gostam da comida quente e podre, e… Mas é assim que eles gostam de comer.

ES: Outra coisa é, quando você entrou nela, você estava com o traje… Bem, é claro que você usava um traje, mas estava usando o capacete?

Randy Cramer: Com certeza.

ES: Porque uma das perguntas que as pessoas farão é: como você sentiu o cheiro? E há maneiras de fazer isso dentro do traje…

Randy Cramer: Certo

ES: …com audição e olfato. Talvez possa explicar isso a eles.

Randy Cramer: Bem, os trajes não são trajes espaciais. É um traje ambiental. Portanto, não é totalmente hermético. Então, odores residuais podem entrar no traje. Então, se ficar em um espaço com um odor pungente por mais de alguns minutos, é provável que consiga sentir o cheiro.

ES: Algumas pessoas falam de expedições de mineração para esses lugares, e também ir lá e controlar as civilizações extraterrestres. Você já ouviu sobre isso?

Randy Cramer: Com certeza estamos envolvidos no negócio de mineração. E já existem empresas que estão fazendo mineração de asteroides. Eu sei que há mineração em Marte. Não posso dizer que há operação de mineração em todos os lugares. Mas eu diria que onde quer uma operação de mineração seja lucrativa, as empresas de mineração irão lá.

ES: Havia forças militares destacadas nessas áreas para proteger os mineiros a qualquer momento?

Randy Cramer: Com toda a certeza.

S01E03 Na Lua, há bases de extraterrestres cobertas por um escudo holográfico que nos impede de vê-las

E por que isso?

Randy Cramer: Bem, dependendo de onde você estiver, pode ser um lugar com animais hostis ou uma espécie hostil, alguém que não o quer lá. E coisas aleatórias também podem aparecer. E se não houver alguém lá preparado, isso pode custar a vida dos mineiros, porque eles não são combatentes.

ES: Quando você é enviado a um planeta, há um confronto? Eles aceitam você? O que acontece?

Randy Cramer: Acho que vou apresentar uma referência histórica para comparação. Quando os veleiros europeus começaram a explorar o mundo, e eles começaram a se deparar com diferentes povos indígenas neste planeta, às vezes eram bem recebidos.

Às vezes, eram transformados em comida e cozidos numa panela. E dependendo da agressividade, ou do tamanho da força que tinham, haveria um conflito militar, ou seriam convidados e alimentados. As situações são as mesmas.

Depende de onde você vai, qual é a espécie, qual é o nível de tecnologia e a civilização que eles têm, e o quão difundido isso está em todo o planeta, e as atitudes deles em relação aos visitantes.

Algumas espécies são um pouco mais abertas aos visitantes do que outras, e algumas são incrivelmente hostis a qualquer coisa de fora. Portanto, é uma variação muito ampla de respostas, como poderia imaginar que sejam.

ES: Então, o que aconteceu quando você pousou em Marte pela primeira vez?

Randy Cramer: A guerra já estava em andamento. Não foi como chegar lá e decidir travar uma guerra. Ela já estava a todo vapor. Então, quando cheguei lá, fomos instruídos, treinados, e quase imediatamente colocados em operações de combate.

ES: Você sabe há quanto tempo a guerra estava acontecendo e que outras raças, além dos humanos, existiam?

Randy Cramer: Bem, o local em que estávamos ficava perto do território dos reptoides e insectoides nativos. No entanto, fui informado por pessoas que estiveram mais ao sul, que lá havia uma espécie humanoide nativa, bem como uma ou duas outras espécies menores de pigmeus, que não são nativas de lá, mas se mudaram para lá alguns milhares de anos atrás.

E agora lá é o lar delas, como das outras. Portanto, há pelo menos quatro ou cinco do que chamaríamos de espécies nativas de Marte. Mas meu encontro foi apenas com os reptoides nativos e os insectoides nativos.

ES: Você tinha que usar trajes espaciais em Marte? Ou conseguia respirar a atmosfera?

Randy Cramer: Bem, o ar era rarefeito e respirável, mas não respirável o suficiente para poder se exercitar e lutar. Então tínhamos que usar um traje ambiental. E o traje ambiental atenuava a temperatura e os níveis de oxigênio. Mas não era o mesmo que um traje espacial hermético.

ES: Como era o planeta, Randy? Poderia descrever o ambiente?

Randy Cramer: Claro. Bem, havia… Costumávamos dizer que havia apenas verão e inverno. Então, no inverno, ficava mais frio e nevava. No verão, você veria um pouco de gelo derreter e afluentes e córregos começariam a fluir.

E ficaria um pouco mais quente. Estávamos em um local muito mais ao norte, que costumo descrever quase como o Alasca. Então, no inverno, ficava frio. E mesmo no verão, não ficava muito quente. Mas era… como eu disse… você poderia abrir seu capacete e respirar o ar, contanto que não precisasse correr para algum lugar ou lutar contra alguma coisa.

Porque seria como tentar correr ou lutar a mais de 5 mil metros de altitude. Mas, como eu disse, era respirável. O que eu achei interessante sobre o cheiro é que todo aquele óxido de ferro, que está em todo lugar, emitia um odor penetrante de ferrugem.

E muitas vezes eu sentia esse cheiro no ar e lembrava como estar dentro de uma antiga fábrica abandonada, onde se sente um odor de ferrugem e metal que está penetrado no chão, nas paredes e outras partes. Mas onde estávamos, mais ao norte, a vida vegetal era razoavelmente pequena.

Eram pequenos arbustos, árvores baixas, algumas ervas, pequenos lagartos, pequenos pássaros que faziam tocas no chão.

Curiosamente, eu diria que a vida animal e vegetal é incrivelmente semelhante ao que temos aqui na Terra, como a que vimos lá em Marte.

Não eram coisas estranhamente diferentes, que talvez eu tenha visto em um ou dois outros lugares. Mas tudo era muito parecido. Assim como um ambiente desértico. Quem já esteve no Colorado ou em Utah pode saber como é.

ES: Como era o clima em Marte?

Principalmente seco. Principalmente claro. Mas, às vezes, chovia e nevava. Às vezes, vinha uma ventania bem forte. E há alguns tornados. Mas o clima não variava muito. Eu diria que era principalmente seco, frio e, às vezes, um pouco molhado ou nevado.

ES: Qual era a cor do solo? Na National Geographic, sempre vemos que é vermelho.

Randy Cramer: Na verdade, é uma ampla variedade de carmesim profundo, com amarelo acastanhado e amarelo brilhante, e um cinza esbranquiçado. Mas quando você está olhando do céu, a grande quantidade de óxido de ferro dá aquele tom vermelho. Mas se prestar atenção, poderá ver que tem vários tons de vermelho, amarelo, laranja, e até algumas cores mais brilhantes e esbranquiçadas.

ES: E como era quando olhava para o sol e a atmosfera?

Randy Cramer: Céu azul. É claramente um céu azul. Surpreendentemente, mesmo estando a uma boa distância, o sol parece um pouco menor do que daqui, mas a luz é surpreendentemente brilhante. Eu presumi que seria mais escuro porque está muito mais longe. Mas não é. Quero dizer, um dia brilhante em Marte ainda é como um dia muito brilhante.

ES: Quanto tempo duram os dias em Marte?

Randy Cramer: É quase o mesmo que um dia da Terra. São cerca de 24 horas. Eu acho que são 23 horas e alguns minutos. É bem próximo.

ES: E onde você dormia e ficava durante essas missões?

Randy Cramer: Bem, a base ficava dentro de uma montanha. E nossos alojamentos ficavam em uma seção da base que chamávamos de Ferradura, porque tinha o formato de uma ferradura. E os alojamentos dos esquadrões ficavam do lado de fora da Ferradura. E cada esquadrão tinha seu próprio alojamento, que tinha beliches, armários, chuveiro, lavatório.

ES: Temos fábricas lá agora?

Randy Cramer: Com certeza. Eu falei com pessoas que trabalharam nas fábricas, e com um cara que era criador de porcos.

ES: Você já teve alguma cooperação com ETs nessas missões?

Randy Cramer: Sim. Quero dizer, nem tanto quando eu estava na MDF. Mas houve momentos em que fomos enviados a outro lugar e, ocasionalmente, recebíamos um extraterrestre amigável. Às vezes, éramos enviados para ajudar outros extraterrestres, nesse caso, seriamos nós a espécie que os ajudaria, para ser sincero com você, mais do que qualquer outra coisa.

Mas poderia dizer, nessa situação, que eles estavam nos ajudando também. É muito parecido com os soldados que vão ao Iraque ou ao Afeganistão, que precisam da ajuda dos habitantes locais para conhecer a configuração da terra, o que está acontecendo e quem é quem. Da mesma forma, eles nos ajudavam a entender onde estávamos e qual era a situação. Mas tínhamos o poder de fogo pesado, com certeza.

ES: Obviamente, você já esteve em muitas missões em Marte. Alguma delas se destaca e gostaria de compartilhar com o público?

Randy Cramer: Sim e não.

ES: Tudo bem. Eu entendo.

Randy Cramer: Algumas que talvez eu não queria compartilhar, mas com certeza eu lembro de algumas.

ES: Porque foi horrível demais?

Randy Cramer: Algumas delas não são divertidas de lembrar. Não é divertido.

ES: Tudo bem.

Randy Cramer: Deixe-me colocar dessa forma. Em alguns casos, quanto mais eu quero lembrar, ou falar sobre isso, será quando eu terei pesadelos e noites insones pelos próximos dias. Então isso tende a me colocar em uma posição de não necessariamente querer falar muito sobre isso.

Mas… a maior parte do que fizemos foi travar, nos planaltos abertos de Marte, combates no estilo clássico do século 15 ao 19. Você pensaria que estaríamos usando muito poder aéreo, que estaríamos usando muitas armas de energia direcionada. Mas acontece que não estávamos.

E uma das razões era porque os reptoides nativos e suas habilidades psiônicas impediam algumas dessas coisas de operar. E eu soube desde então que aquele não era o equipamento que tentávamos testar. O principal motivo de estarmos lá era para testar equipamentos.

E eles queriam testar a armadura corporal. Eles queriam testar os canhões eletromagnéticos. Eles queriam testar as coisas que eram para combate pesado corpo a corpo, em terra, o que fizemos principalmente. Então, muito disso, eu diria, foi apenas embates e tiroteios.

Mas, às vezes, éramos enviados para invadir uma caverna, uma base, uma colmeia, dependendo do inimigo. Isso poderia ficar bem tenso. Porque você está em espaços confinados e escuros, às vezes. E, às vezes, você os surpreende. Às vezes, você é surpreendido. Para ser sincero, provavelmente essa foi uma das experiências mais estressantes.

Eu prefiro lutar contra algo em um planalto, onde eu posso ver em 360 graus ao meu redor, em vez de estar em uma caverna em algum lugar, onde não sei o que está por vir, ou ao virar um canto, ou em uma câmara à frente.

Mas o principal objetivo de fazer um ataque era que fosse feito como um golpe rápido. Então você quer entrar, tentar encontrar o suprimento de alimentos ou a fonte de água deles, ou onde estão seus ovos, acertar, esmagar, quebrar e depois sair.

ES: Você disse ovos. Randy Cramer: Sim.

ES: O que havia dentro dos ovos? Randy Cramer: Mais répteis. Mais reptoides.

ES: E quanto tempo eles levam para incubar?

Randy Cramer: Curiosamente, eu teria esperado que fosse bastante tempo, mas, na verdade, levava apenas duas a quatro semanas para chocar um ovo. Um ovo chegaria a ter cerca de 1,20 m de altura. E quando o ovo eclode, um reptoide de tamanho médio, totalmente crescido emerge.

ES: Esse reptoide precisa ser treinado? Ele precisa aprender alguma coisa? Ou está pronto para ir?

Randy Cramer: Curiosamente, o que foi uma surpresa para mim quando soube disso, as habilidades psiônicas deles são muito desenvolvidas.

Então, quando um reptoide “morre”, ou seu corpo é destruído no campo de batalha, eles podem direcionar sua consciência de volta a uma caverna de filhotes e encontrar um ovo vazio, e se alojar nesse ovo, e depois crescer e ressurgir, com a memória completa de tudo o que sabiam antes de morrer.

ES: Então eles são destemidos.

Randy Cramer: Totalmente destemidos.

ES: Eles não têm nada com que se preocupar.

Randy Cramer: Não.

Não.

Eles são…

No que diz respeito à morte.

Sim.

Randy Cramer: Eles são uma espécie feroz e destemida, com certeza. Eu tenho mais respeito por eles como oponente do que eu teria por qualquer outro oponente.

ES: Qual era o nosso objetivo? Você estava lá, do nosso lado, contra esses reptoides, o que queríamos?

Randy Cramer: Bem, entendo que a desculpa, ou a lógica, era territorialismo, era para dizer ”esse é o nosso território”, ”esse é o seu território”. E brigávamos pelas fronteiras. Mas agora entendo que esse não era realmente o motivo.

Como eu disse, era principalmente para testar equipamento militar. Pelo menos quando estamos falando da época na MDF. Se você está falando sobre outra missão fora do mundo, em outro lugar, isso depende. Depende se a espécie era amigável nessa situação, e qual espécie era hostil. O quanto o mundo para onde vai é desenvolvido? É um mundo natal ou é um mundo colonial?

É uma estação de mineração? Ou é apenas uma rocha que é um território conquistado de outra espécie? Quem vive lá? Que vida biológica vive lá? Eles são tribais? Eles vivem em cidades? O quanto são avançados? Isso é tudo o que eu chamaria de variáveis táticas. E assim, dependendo das variáveis táticas, determina-se como os oficiais táticos planejam a missão.

Apenas obtínhamos as informações básicas que precisávamos saber para a investida, quais eram nossos parâmetros da missão. E a maioria era de alvos de grande valor. Então, era entrar em uma situação perigosa para pegar alguém que queríamos fora de lá, ou entrar em uma situação em que precisávamos eliminar alguém específico.

ES: No Programa de 20 Anos, se você morrer lá, o que acontece como você?

Randy Cramer: Bem, se eu morresse nessas circunstâncias… quero dizer… Deixe-me responder de outra maneira. Eu certamente já sofri tantos danos no meu corpo que eu poderia dizer que tive uma morte temporária.

Ou seja, eu deixei meu corpo e entrei em um estado de consciência que as pessoas chamariam de experiência de quase morte. Mas, devido à capacidade de se recompor o corpo, e manterem o fio da vida, contanto que o fio da vida não se parta, eles podem puxá-lo de volta. Mas quando o fio da vida se parte, então você começa a vagar e se vai.

S15E01 Randy Cramer, o soldado híbrido que viveu 17 anos em Marte

Mas ouvi histórias de soldados que morreram no campo e, não muito diferente dos reptoides nativos, flutuaram até encontrar um clone deles, e depois reabilitaram o clone.

Mas não é algo que somos treinados para fazer. Mas aconteceu.

ES: Quando realizava essas missões, qual era a sofisticação desses ETs que encontrava?

Randy Cramer: Variava. Eu participei de missões em que as espécies pareciam ser bastante primitivas. E fui a lugares onde pareciam ter um nível de desenvolvimento tecnológico ou social comparável ou possivelmente um pouco mais elevado que o nosso. Nunca estive em um mundo mais avançado que o nosso que eles teriam nos enxotado.

Mas, na maioria das vezes, nas missões em que participei, elas não eram o que eu chamaria de missões de invasão. Geralmente entravamos em áreas que já eram perigosas, com alguma forma de conflito, que era geralmente sobre entrar na briga de outra pessoa, por assim dizer. Normalmente, era para ajudar um aliado, ou alguém que tínhamos algum interesse financeiro.

E, na maioria delas, eram os oficiais táticos que tomavam as decisões. E, na maioria das vezes, eles não vão querer morder mais do que podem mastigar. Então, éramos enviados para lugares que estavam dentro das nossas capacidades tecnológicas e militares para geralmente dominar, para ser sincero com você.

ES: Você já viu apenas uma raça lutando entre si? Como fazemos aqui?

Randy Cramer: Sim, com certeza. Chegamos bem no meio de algumas guerras civis antes, e, em alguns casos, escolhemos lados, e ajudamos um lado a dominar o outro lado. Isso aconteceu.

E qual foi sua posição durante essa missão?

Randy Cramer: Na maioria das vezes nessas missões, eu comandava pequenas equipes de forças especiais, com uma armadura muito mais avançada do que tínhamos na MDF. E, como eu disse, mais de 90% das missões eram para alvos de alto valor, alguém para resgatar ou matar. Houve missões ocasionais que fomos enviados para locais para recuperar artefatos ou materiais. Isso acontecia às vezes.

Que tipos de artefatos?

Randy Cramer: Éramos informados como era o artefato, nos davam as imagens digitalizadas dele, e então íamos buscá-lo. Mas, para ser sincero, muitas vezes, essas coisas pareciam rochas, pedras esculpidas, ovos de pedra com espirais em torno deles, ou arestas nelas que, se soubesse como abri-la, haveria algo dentro. Mas, na maioria das vezes, pareciam incrivelmente simples, mundanos e sem importância.

Mas, obviamente, não era esse o caso, ou não empregaríamos tempo, mão de obra, e arriscaríamos nossas vidas para obtê-los. Então, algo muito interessante estava acontecendo lá. Mas achei muito interessante que, na maioria das vezes, parecia apenas uma pedra, ou algo assim. Parecia um pedaço de pedra esculpida, uma estátua, ou algo assim.

Randy, por que eles o escolheram para essas missões? E qual era a sua posição nessas missões?

Randy Cramer: Bem, a essa altura da minha carreira, eu tinha conseguido chegar ao posto de oficial. Então eu tinha alcançado a patente de sargento-mor como um alistado. Então eu era um dos soldados mais experientes da infantaria e das forças especiais que eles tinham. E também fui treinado para piloto e oficial. Então, isso me colocou em uma posição única para poder executar ações complexas das forças especiais, manobras táticas e qualquer outra coisa que envolvesse a necessidade de entrar ou sair bem rápido, assumir o controle, ser capaz de usar a nave de outra pessoa, ou algo assim.

Então, qualquer situação que exigisse um grupo de pessoas que tinham essas habilidades, normalmente seria atribuído à minha equipe. Essa era a nossa especialidade. Minha especialidade era infantaria avançada, treinamento de forças especiais, treinamento de voo, pilotagem e, às vezes, o uso adicional de habilidades psiônicas. Então é uma área variada.

Quais tipos de aeronaves você pilotou?

Randy Cramer: Fui treinado para pilotar de tudo. Posso pilotar helicópteros, aeronaves de asa fixa, espaçonaves, espaçonaves alienígenas. Posso pilotar praticamente qualquer coisa que sabemos como pilotar.

Como eram algumas dessas espaçonaves alienígenas?

Randy Cramer: Algumas delas pareciam com as naves discoides e outras coisas que vemos em fotos e vídeos. Algumas delas são muito mais estranhas que isso. Não sei como descrevê-las. Algumas formas são muito estranhas. Uma das minhas favoritas é o formato de lágrima. Ela tem uma frente arredondada e uma cauda em forma de lágrima.

Essas parecem interessantes. Eu vi naves alienígenas que não passavam de uma enorme bola prateada. Existem cilindros, asas de morcego, discos, outras formas geométricas interessantes. Eu já vi uma pirâmide voadora. Essa foi uma das coisas mais estranhas que eu já vi. Era como uma enorme espaçonave em forma de pirâmide.

Como eram as unidades de propulsão dessas coisas?

Randy Cramer: Na maioria das vezes, é uma combinação de propulsão eletrogravítica e magnetogravítica. O sistema de propulsão eletrogravítica envia uma carga de eletricidade de alta frequência através da fuselagem que a faz pesar menos. Então, literalmente, muda a massa do objeto. O sistema de propulsão magnetogravítica é a força antigravitacional, o impulso. Geralmente é uma combinação desses métodos.

Existem algumas que usam propulsores iônicos, dobra espacial. Em alguns casos, até uma combinação de… Eu já vi combinações de propulsão eletrogravítica, magnetogravítica, com propulsão química de foguete, também, o que era uma combinação muito estranha. Mas, aparentemente… Como em muitas outras muitas coisas, qualquer combinação que puder imaginar, sendo prático, provavelmente alguma espécie criou algo semelhante.

Como se chega em Marte?

Randy Cramer: Indo do ponto A ao ponto Q. Eu estava no meu quarto e fui levado por um jumpgate para um espaçoporto em algum lugar, provavelmente na região do Novo México ou Texas. Um TR3B nos levou para a lua, ao Comando Lunar de Operações.

Depois de passarmos pelo protocolo de processamento padrão, que é triagem médica, triagem psicológica, assinatura de contrato, depois, somos enviados. Fomos colocados em um grande transporte, provavelmente de cinco andares e algumas centenas de metros de largura. Esse transporte então saiu de um hangar no Comando Lunar de Operações. E então essa nave usou um jumpgate para Marte.

O teto da nave tem várias telas que, quando ativadas, é como se olhasse diretamente para o espaço acima de você. Conseguimos ver muito dele ao longo do trajeto até lá. E quando passamos pelo jumpgate, estávamos vendo aquele planeta vermelho bem familiar. Mas acho que minha mente ainda negava tudo. Fiquei me perguntando: o que é isso? Mas então o piloto disse: ”Bem-vindos à Marte.” Descemos e pousamos na pista de Aires Premus.

ES: Nossa! Bem, Randy, agradeço sua participação no programa de hoje. É sempre um prazer recebê-lo. Sou Emery Smith, e este é o ”Revelação Cósmica”. Até a próxima.

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Próximo Episódio:

https://www.oevento.pt/2019/10/19/s15e04-relacionamentos-entre-humanos-e-ets/

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os autores não usam facebook, portanto se tiver alguma pergunta, coloque aqui no site, na secção dos comentários (não do facebook)
3. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

4 Comments

  1. Concluindo e resumindo, segundo estes testemunhos da Revelação Cósmica o universo inteiro se encontra em guerra e os extra terrestres são quase todos uns animais sem sentimentos e sensibilidade nós os humanos é que somos os “bons” da galáxia, acho estas histórias demasiado materialistas e pesadas para serem verdadeiras. Pelo menos não é esta a minha concepção do universo.

  2. rs… Eu e minha ignorância! Achei que era um “fantasma” e não uma nave quando vi a “sombra” gigante em formato de asa de morcego, isso faz muitos anos. Fiquei na dúvida se eram seres bons ou negativos que estavam dentro da nave, mesmo porque estava relativamente distante de mim quando a vi, e foi durante o dia (tarde ensolarada). Quando são seres benevolentes a gente sente automaticamente.
    Tenho que ver os episódios desde o começo. Percebi que só assisti uns 5 ou pouco mais. Vai explicar várias situações.
    Obrigada por compartilhar!!!

  3. Que estranho. Costumo ler novamente cada entrevista e algo me chamou a atenção. Em 2014/2015 houve uma série de homicídios que ouvi, mas não podia fazer nada por causa da grande corrupção e tráfico envolvidos. Também sabia que tudo acabava em outros Estados e muitos envolvidos no “poder” até os dias de hoje. Enfim, muitos corpos descartados nas matas… era para ter um número maior de abutres, o que não ocorreu. E eu ouvia comunicações de aeronaves no local, além de rádios por uma TV 14″ antiga, que na verdade procurava sinal de TV melhor e não comunicação… Mas aconteceu. E, na época, ouvi um barulho intermitente de helicóptero sem saber o porquê. Lembro bem que, naquele momento a tv estava com volume alto no programa “mais você” enquanto eu lavava louça. Saí e verifiquei um helicóptero camuflado, parado sobre a mata na direção em que minha mãe e eu ouvimos inúmeros disparos num domingo pela manhã. Mudei o canal da Globo para o canal onde ouvia aeronautas/comunicações e pude escutar: “daqui eu posso contar 7 (ou 17, não estava muito audível) fêmurs.
    Conclusão estranha para mim: Da data dos disparos de armas de fogo para a inspeção pela aeronave camuflada não era possível uma decomposição tão acelerada. Fiquei pensativa de como encontraram só ossos (os mais longos do corpo humano)? E eu estava próxima fisicamente, e nem urubus apareceram, o que sempre foi comum aqui em casos de bois ou cachorros mortos Talvez eu esteja enganada, mas estudei em medicina legal as fases e tempo de decomposição, os primeiros insetos e animais a chegarem… Neste local, aparentemente, tudo tudo foi muito incomum.
    Só pra compartilhar minha estranheza com a presença de inúmeras aeronaves militares, outras das quais não identifiquei, além das naves com seres pacíficos…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.