Ceres, revelação cósmica temporada 13

S13E06 De Marte a Ceres e Além (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Neste episódio (um dos mais interessantes dos últimos tempos) temos a presença pela segunda vez do novo whistleblower, Tony Rodrigues que desta vez nos fala da sua estadia em Ceres, um planetóide que fica entre Marte e Júpiter e onde vive no subsolo uma civilização alemã juntamente com 2 espécies alienígenas. Ceres tem uma gravidade artificial e existem tradutores (assista ao episódio sobre estes detalhes, até agora nunca foram divulgados por nenhum outro denunciante). Por último, quando Tony perguntou aos alemães dissidentes de Ceres porque não invadiram a Terra, a resposta foi: apontaram para uma imagem da terra que tinha umas correntes em volta e disseram, a Terra é uma prisão, temos lá os bancos e corporações que controlam tudo; vamos lá buscar o que queremos; a Terra é um planeta prisão…

S13E06 De Marte a Ceres e Além (Revelação Cósmica ~ Tony Rodrigues)
S13E06 From Mars to Ceres and Beyond (Cosmic Disclosure)

Assista ao episódio clicando no link abaixo, usando o browser chrome (watch the episode by clicking on the link below, using the chrome browser):
https://drive.google.com/open?id=1ddi0o1EmmWxIzBM3-E6flE0DPxkEu-Pg

Na 13.ª temporada, o canal Gaia não legendou os episódios. Peço que quem possa contribuir para ajudar quem legendou os episódios (este site oevento.pt não pede donativos) que o faça via paypal, sendo que o mail para a transferência é este: www.oevento.pt@gmail.com (doe o que puder: na doação após introduzir o mail escolha a opção "doar a um amigo"). O quinto episódio arrecadou apenas 10,55 reais (24/5/2019) (sempre que doar coloque neste artigo um comentário com o valor). (este parágrafo continuará a ser exibido até este episódio atingir o valor de 60 reais ou 15 euros, sendo que este site contribui com outra parte maior, caso contrário não haveria traduções da 13.ª temporada). (se desejar pode ainda ajudar fazendo uma transferência bancária: envie mail e ser-lhe-á dada a conta bancária, do Brasil).

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário para indicarmos outro link.

episódio com legendas em português do Brasil não totalmente formatadas (para quem não deseja assistir ao vídeo):

Olá a todos. Meu nome é Jay Weidner. Hoje, recebemos Tony Rodrigues que alega ter estado no Programa Espacial Secreto.

Oi, Tony.

Ei, Jay.

Até agora, descobrimos que você foi submetido a um programa de controle mental baseado em traumas, que aparentemente lhe deu certas habilidades psíquicas. Quando você entrou no Programa Espacial Secreto, você foi para a Lua e treinado lá, e então você foi para Marte, onde servia quase de isca para os soldados em uma guerra em Marte entre insectoides e humanos.

Tony Rodrigues: Éramos uma força de apoio.

Éramos soldados de apoio. Não fomos treinados para ser…

Eu não era um soldado completo. Éramos uma força de apoio para eles. E de Marte, fui enviado para a colônia em Ceres, para o planetóide Ceres.

Vamos falar sobre isso.

Ceres é um planetoide que fica entre Marte e Júpiter, bem na borda do cinturão de asteroides.

Tony Rodrigues: Sim.

Como você chegou em Ceres?

Tony Rodrigues: Certo dia, um oficial veio me tirar do meu quarto e me levou por um conjunto de corredores totalmente diferente até uma grande área que parecia um shopping… outra área agradável. E era uma estação de trem. Acontece que, durante todo o tempo, eu viajei em muitos trens, então é difícil distinguir um do outro.

Mas foi um trem completamente diferente de qualquer coisa que eu já tinha viajado antes.

E quando ligou, deu para sentir ele levitar e partir.

E havia um…

Então era Maglev.

Tony Rodrigues: Sim. E foi mais óbvio que qualquer outra coisa em que eu estive. Ele partiu, e as pessoas com quem eu viajava eram livres. Não estava cheio de militares. Estava cheio de profissionais, pessoas bem vestidas, pessoas que interagiam naquela sociedade com autoridade. E eu podia ouvi-los conversando. Era como estar numa cidade e ouvir as pessoas falarem sobre seus afazeres diários. Era uma parte diferente da sociedade à qual eu tinha sido exposto até aquele momento. O trem levitou, entrou em um túnel e ganhou velocidade. Dava para sentir acelerar, e então houve um puf… Tive uma sensação, e depois quase como um zumbido nos meus ouvidos.

S13E05 Uma Angustiante Jornada Começa para um Novo Informante (Revelação Cósmica)

Alguma coisa aconteceu.

Houve um choque.

Alguma coisa.

E então começou a desacelerar. E quando a porta se abriu depois que paramos, era outro planeta. Em vez de terra vermelha, era cinza, e havia alemães.

Eu estava em um grande hangar, um lugar enorme, do tamanho de muitos ginásios amplos, e havia tropas.

Foi um dia em que todo mundo estava sendo entregue.

Eu vi um disco passar acima… um típico disco cromado… e eu não pude acreditar no que estava vendo.

A outra coisa…

Então você estava no lado de fora.

Estávamos dentro.

Era no subsolo.

Era bem grande.

Uma caverna tão grande que…

O disco nos sobrevoou, e houve uma espécie de crepitação elétrica quando ele passou.

Dava para sentir a eletricidade estática.

De volta ao clarão.

Você disse que sentiu um choque ou eletricidade, ou o quê?

Como um… puf…

E o que você sentiu?

Fiquei um pouco desorientado, um pouco tonto.

Sem eletricidade ou outra coisa.

Não.

Foi algo estranho…

Então o trem passou por um portal.

Atravessou um portal.

Saiu do outro lado…

…em Ceres.

Sim.

E eles disseram pelo interfone do trem que era preciso beber água imediatamente porque os eletrólitos estavam desequilibrados, e poderia ser perigoso se não fizesse isso.

E então todos fizeram uma fila.

Havia pessoas lá esperando, e nos deram água.

E as pessoas, como eu disse, eram profissionais… estavam dando garrafas de água.

Pessoas como eu… e havia um punhado de nós…

Talvez houve oito pessoas como eu… talvez quinze.

Não sei.

Não me lembro com exatidão.

Eles nos deram um copinho de água.

E eu lembro de…

Eu simplesmente engoli.

Eu estava morrendo de sede e queria mais.

Mas havia uma fila, e disseram:

”Rápido, precisa entrar na fila.”

Era como nos antigos filmes nazistas.

Havia um cara no pódio falando em alemão.

Havia centenas de soldados alinhados em formação.

Eles vieram.

Havia um cara de uniforme alemão com uma arma no lado.

E ele nos entregou pedacinhos de papel verde com escrita alemã neles.

E ele disse: ”Vocês vão pegar isso…”

Acho que ele nos chamou de escravos.

Ele disse: ”Vocês escravos vão ler isso quando forem chamados, e o melhor que puderem. E se não quiserem ler, podem ir até ali.” Ele apontou e havia uma mancha preta no chão. Ele disse: ”No mês passado tivemos alguns escravos, e eles não quiseram ler isso, então nós os levamos até ali e atiramos neles. Alguém vai levar um tiro hoje?” E todos ficamos parados lá em silêncio. Eu não disse nada. Ele disse: ”Ótimo. Agora entre na fila, e quando for chamado, você vai ler isso, e quando terminar, você vai saudar
aquela bandeira.”

Ele falava com inglês fluente?

Inglês com sotaque europeu.

E o que você fez?

Fizemos exatamente o que nos mandaram, e isso continuou por um tempo.

O cara no pódio continuou falando em alemão ou outro idioma…

Era alemão, mas…

Estou um pouco confuso com isso.

O que os alemães faziam em Ceres?

Os alemães se mudaram. Eles têm uma civilização separatista lá. Eles tinham cerca de 225 mil pessoas morando lá.

Em Ceres?

Eles tinham cerca de 40 mil escravos como eu morando na área em que eu morava. Duas outras espécies alienígenas vivem lá.

E você morava na superfície, ou era tudo…

Era tudo subterrâneo.

Tinham estações de monitoramento em partes do planeta.

Pode parecer uma estação meteorológica semelhante a uma rocha, mas estavam vigiando o exterior do planeta, e fizeram o máximo para ocultar a presença deles da melhor maneira possível.

No interior de Ceres, há lugares que chamam de armadilhas frias, nas crateras onde o Sol nunca bate.

Certo.

E eles tinham as entradas para o hangar, naquele que fui, dentro de uma armadilha fria. Mas eles tinham postos de observação, e têm satélites em torno de Ceres que vigiam as proximidades.

Queriam que a presença deles não fosse óbvia, tanto quanto possível.

Mas eles haviam encontrado as cavernas lá primeiro.

Eles tinham encontrado e depois construído nelas.

Eles encontraram ruínas e se mudaram para elas.

Então, como a antiga raça dos construtores, que chegaram e construíram esses lugares, e depois os alemães acharam.

Não sei muito sobre isso, mas eu acredito que sim.

Eles mantinham muito disso em segredo.

E eu fui a lugares que ainda tinham tecnologia do que haviam encontrado.

Havia portas que interagiam mentalmente.

A porta sabia que você estava lá, não a pessoa atrás da porta.

E ela diria à pessoa atrás da porta que havia alguém lá…

tudo telepaticamente.

E essa pessoa poderia fazer você ir embora, provocar dor, e fazer você ir embora se não fosse bem-vindo… ou abrir a porta.

A porta poderia literalmente causar dor a você.

E como a caverna era iluminada?

Havia muitas cavernas diferentes.

Algumas delas tinham iluminação artificial.

Na maioria das maiores…

os alemães haviam construído réplicas de edifícios europeus no interior.

Havia uma área inteira que era uma réplica, e eu posso estar errado quando digo isso, mas acredito que era uma réplica de Copenhague dentro de uma grande caverna natural.

E havia outros lugares que estavam conectados.

Havia longas cavernas em forma de trapézio, lisas, e havia fileiras de prédios com colunas.

Eles eram enormes.

Parecia mármore dos anos 30 e 40.

Havia degraus de mármore por toda parte.

Havia colunas por toda parte.

E havia ruas estreitas com veículos elétricos para…

equipes de emergência ou a polícia, para emergências, para isso.

Havia um sistema de trens que interligava tudo.

Havia muitas vias ou um sistema de trens.

E havia naves que saíam da gravidade para a microgravidade e depois voavam.

Havia transportadores que entravam nas grandes cavernas, e eu viajei em um certa vez.

Basicamente, a gravidade artificial só alcançava cerca de 10 metros, e você entrava em uma nave, e ela tinha grandes sustentadores que se elevavam da gravidade, então ela flutuava e era impulsionada por jatos.

E era como um ônibus de turismo.

Nossa!

E voaria, e os sustentadores estariam esperando por ela, para descê-la ao alcance da gravidade, e você desembarcaria.

Então eles ainda usavam os pisos de gravidade em Ceres também?

Havia quilômetros deles.

Quilômetros.

Quilômetros e mais quilômetros de gravidade artificial porque Ceres tem apenas 800 km de largura, então é um ambiente de microgravidade.

Havia uma espécie alienígena lá que tinha quase 3 metros de altura, e usavam um tipo de joia, como uma pulseira, e onde quer que fossem, a gravidade diminuía, porque a nossa gravidade era muito pesada para eles.

Então, onde ficavam em pé naquele bloco de piso, a gravidade diminuiria para eles.

Então havia uma I.A. que controlava ou regulava isso? Ou você não sabe?

Sim.

E você também se comunicava com esses alemães?

Eles podiam ligar e desligar o tradutor.

O que é um tradutor?

Eles tinham a capacidade de falar como se fosse em alemão, e eles podiam apertar um botão, e eu conseguia entender o que eles estavam dizendo.

Como uma máquina ou algo assim?

Não.

Era naquele local.

Era construído na área em que você estava.

E funcionava para outras pessoas.

Eu trabalhei com pessoas que falavam italiano, e quando você estava na área local, na porta, ao sair da nave, havia um lá.

Então, sempre que estivesse perto, o tradutor funcionava, ou no elevador da nave.

Literalmente, eu estava fora do elevador, e eu escutei dois caras falando em alemão.

Nós três fomos até o elevador e, de repente, eu conseguia entender o que eles estavam dizendo… ”A maldita coisa explodiu.” ”Você não acreditaria.” E então eles se calaram.

Não queriam que eu ouvisse o que eles estavam dizendo. E quando eles saíram do elevador, eles começaram a falar em alemão novamente. Era localizado em certas áreas.

Interessante. Porque você estava na base americana em Marte e depois você foi enviado para a base alemã, aparentemente pelos americanos. Existe uma aliança?

Eu fui vendido.

Bem, eu não conheço a política…

mas, como eu disse, fui testado para ver se eu era ideal.

Certo.

Quando se tornava obsoleto para uma tarefa, você seria testado e depois destinado a outra tarefa ideal.

Faz sentido.

Então, tenho certeza que eles trocam recursos entre todas as colônias lá… e há muitas outras das quais ninguém sabe.

Então você foi negociado.

Eles faziam trocas de ativos.

Por que não fariam isso?

Claro. Faz sentido.

Especialmente se houver falta de pessoal.

Tudo bem, então o que aconteceu?

Você está em Ceres, há gravidade artificial, e há alemães.

Os alemães foram legais com você?

Não, com certeza não.

Não.

Como eles são?

Militantes.

Eu era um escravo para eles… da mesma forma que tratariam o trabalho escravo aqui.

Fizemos nossa saudação.

Lemos os cartões da melhor maneira que pudemos, em alemão, que eu não tinha ideia de como fazer.

Falei as palavras gaguejando, pensando que eu seria baleado.

Eles nos obrigaram a fazer essa saudação.

E então nos levaram para a nossa área de habitação, onde eu morei pelos próximos 11 ou 12 anos.

Sério?

Morou 11 ou 12 anos em Ceres?

Sim.

E era como uma prisão sem grades, sem portas.

Era provavelmente um espaço de 1,5 m por 3 m, com um catre e uma gavetinha ao meu lado.

E era como uma cela de prisão, e havia várias pessoas lá dentro. Era permitido transitar, mas era preciso dinheiro para andar de trem e ir para a cidade, e eu não tinha dinheiro, então fiquei preso lá. A menos que quisesse andar, mas tinha que voltar em uma determinada hora, ou então seria disciplinado. Então havia uma cidade.

Havia muitas.

Havia uma rede de cidades.

Havia anéis ao redor das paradas de trem, e estavam construindo como loucos. Do momento que cheguei lá até quando fui embora, eles adicionaram muitas outras rotas de trem. Você poderia subir e vê-los na estação de trem.

Então a população está aumentando lá?

Sim.

Com certeza.

O mercado imobiliário era um grande negócio. Era o maior negócio para eles em Ceres. Eles tinham outro posto avançado no Cinturão de Kuiper, que servia como área de armazenamento, para onde levariam a carga, porque não havia espaço para armazená-la em Ceres.

Os alemães têm alguma tecnologia exótica como prolongamento de vida ou algo assim?

Acredito que sim.

Sim.

Esses alemães talvez fossem mais velhos do que aparentavam?

As equipes de comando das naves em que eu estive nasceram lá, ou eram alemães de Ceres, e tinham uma educação completamente diferente.

Tinham uma versão completamente diferente da história da Terra, aquela que nos ensinaram.

Eles tinham uma educação completamente diferente.

Eles tinham uma moral diferente e acreditavam em coisas diferentes.

Acredito que faziam procriação seletiva entre eles.

Em outras palavras, casamentos arranjados para vantagens genéticas.

E acreditavam que eram melhores que todos na Terra por essa razão.

Qual é o objetivo dos alemães? O que estão procurando? Estão atrás de recursos?

A primeira nave em que trabalhei, quando eu fazia os reparos, eu não tinha ideia para onde íamos ou que fazíamos.

Eu não sabia.

Eu não tinha ideia nem se deixamos a doca.

Embarquei na nave e fazia o que mandavam, e foi uma repetição por seis, sete, oito anos.

Não sei por quanto tempo.

Esse era o nível de incerteza.

Era a mesma coisa todos os dias.

Porém, mais tarde, fui promovido, e eu acabei sendo um engenheiro de cargas, e fui colocado em uma nave mais moderna e avançada, enquanto a anterior era
antiga e caía os pedaços.

E nossa missão naquela nave era puramente para obter tecnologia de outras raças sencientes no Universo.

E íamos para outros sistemas estelares na galáxia a maior parte do tempo.

Usávamos um portal natural para ir a outras galáxias.

Sério?

Fazíamos missões comerciais.

Queríamos trocar mercadorias por tecnologia, ou tecnologia por tecnologia, ou qualquer coisa que pudéssemos por tecnologia.

Então essas naves ficavam pousadas dentro de Ceres, e então você iria para uma missão, e você sairia e faria alguma coisa, e você era umas pessoas que mantinham a nave operando, certo?

Bem, eu lidava com a carga.

Bem…

Carga.

Algumas naves.

Eu era engenheiro de carga no meu posto mais alto.

Você lidava com a carga, tudo bem.

Isso foi mais tarde.

Sim.

Você diria que foram 10 anos no total em Ceres?

Gosto de pensar que foram 12 anos.

E oito anos disso foi apenas com trabalho de reparos…

Sempre a mesma coisa.

…em uma nave mais antiga que tinha portas de submarino.

E eu lembro sempre que estávamos com pressa, tropeçamos no batente.

Precisava passar por cima dele, mas a nave mais nova tinha um batente mais baixo.

A nave antiga tinha um batente desse tamanho, e a mais nova tinha uma porta embutida, então não era preciso abrir para o lado.

E tinha um batente menor, então foi um alívio, e eu lembro de ficar feliz com isso.

Sim, os relatos são que eles usavam submarinos nos primórdios do Programa Espacial Secreto, porque eram perfeitamente…

Era exatamente isso o que parecia para mim dentro.

Havia canos, fios e outras coisas.

Era muito amontoado.

Poderia ter sido dos anos 50?

Sim, substituíamos
antigas válvulas e coisas

por equipamentos
mais novos.

Tínhamos equipamento
de soldagem automática

que não existe na Terra hoje,
então era uma tecnologia exótica.

Imagine um cano de aço.

Colocava-se um
colar elétrico em volta.

Ele recarregava no suporte,

e havia uma guia de corte.

E havia uma vara
para alimentação.

Tudo o que precisava fazer
era programá-lo e ligá-lo,

e levaria cerca de
cinco minutos,

então contornaria
e cortaria o cano.

Então moveria
e cortaria a seção,

e eu poderia colocar uma
nova seção nessa e uni-las,

e seriam soldadas
com perfeição.

Então eu era um soldador.

Mas eu não era.

Eu não tinha nenhum talento.

Era completamente automatizado.

Então você estava tentando modernizar essa nave antiga.

Tinha tecnologia relacionada com a manutenção dela, e éramos da manutenção.

Era isso o que fazíamos.

Parece-me que, se os alemães tivessem criado tecnologias para chegar a Ceres antes de todo mundo, agora eles enviariam suas naves para outras galáxias para encontrar tecnologia, e que aqueles alemães em Ceres devem estar extremamente avançados agora.

Sim.

Quase como outra espécie ou algo assim.

Eu já disse antes que eu acredito que eles estavam mais avançados tecnologicamente, mas menos avançados socialmente e culturalmente do que nós.

Eles eram muito opressivos.

Eles eram muito arrogantes, e gostavam de escravizar…

Fazíamos coisas ilegais.

Nas colônias do nosso sistema solar…

No programa espacial, há um conjunto de leis.

Certo.

Eles tinham um conjunto de leis, e sempre falávamos sobre isso.

Eu acho que uma era que eles não deveriam atacar outra colônia.

Na época, uma colônia não poderia atacar outra com forças militares.

Mas poderíamos atacar uma colônia de humanos que se originaram em outro sistema estelar.

Mesmo se fossem humanos, poderíamos atacá-los, e não haveria consequências.

Mas não poderia atacar.

Mas os alemães não se importavam com isso.

Existem leis sobre a mídia da Terra.

Nenhuma mídia da Terra deve ser lida.

Os alemães tinham acesso aos nossos livros, à nossa música.

Espere um minuto.

Está dizendo que vocês não podiam assistir televisão da Terra ou qualquer outra coisa?

Eles tinham sua própria televisão.

Eles tinham seus próprios esportes e outras coisas lá.

Eu passava em lugares públicos na cidade…

Então você não tinha ideia do que acontecia na Terra na época.

Isso mesmo.

Mas alguns dos moradores de lá tinham acesso à nossa mídia.

Escutavam nossa música.

Assistiam a eventos esportivos que aconteciam aqui.

E isso é contra a lei nas colônias.

E não davam a mínima para isso.

Os alemães… nós… a lei…

A corporação da colônia em Ceres e a nave em que trabalhei quando obtive liberdade, e eu tive acesso às instruções da missão.

Quando eu era engenheiro de carga, sempre violava essas leis, sempre violava a lei entre o programa espacial…

a lei do sistema solar.

Roubávamos de outras colônias.

Atacávamos outras colônias.

Roubávamos de outros ETs.

Faziam tudo o que podiam para obter mais tecnologia, e não se importavam em como faziam isso.

E não havia consequências para toda essa atividade ilegal?

Não, eles se safavam de quase tudo.

Eles sabiam que eram…

Por que esses alemães não estariam planejando dominar a Terra se eles tinham essa tecnologia avançada?

Segundo o que sabiam, a Terra já foi dominada.

Por quem?

Pelos bancos que operam.

Segundo o que sabiam, eles já tinham dominado a Terra, que a Terra era um planeta escravo para os alemães.

Era assim que se referiam a ela, e quando havia imagens da Terra, sempre tinha uma corrente em volta dela.

Sério?

Sim.

As últimas missões que fizemos…

Sempre que precisavam de mercadorias da Terra, quando queriam botas militares, armas ou jipes… ou o que quer que fosse…

iríamos para Diego Garcia, e haveria alguns… não sei, dois ou três oficiais americanos lá.

Iríamos no meio da noite, e todos os outros que estavam de serviço lá não sabia que era um segredo.

Mas havia uma área de pouso, e íamos até lá, e esperávamos que as remessas viessem às vezes.

Precisávamos sair para o mar e esperar, então chegar, pegar rápido a carga e sair.

Mas sempre que precisávamos de equipamento militar, mísseis… qualquer coisa… iriamos a Diego Garcia e pegávamos.

E uma vez, o cara que normalmente assinava para o oficial americano estava comigo, e ele disse: ”Preciso que alguém assine isso. Você assina isso?” E eu pensei: ”Tudo bem, eu acho.” Ele disse: “Qualquer um pode assinar.” Porque eu tinha dito: ”Eu não sou um oficial. Eu não sou nada.” Então eu assinei. E ele disse: ”A conta de vocês está ficando bem alta.” E ele me mostrou um valor astronômico que deviam. E eu perguntei sobre isso no informe da missão na manhã seguinte. ”Alguém tem algo a acrescentar?” Eu participava desses informes pela manhã. A maior parte era em alemão, e quando precisaram do meu relatório sobre quanto espaço havia no compartimento de carga, eles ligariam o tradutor e diziam: ”Quanto espaço tem no compartimento de carga?” Eu ficava no… Havia um A, B, C… Eu ficava no D e E. Eu era encarregado pelos
compartimentos de carga D e E. Mas eu levantei a mão. Eu disse: ”O cara de Diego Garcia falou que a conta está ficando alta. Isso var ser quitado?” E eles explodiram em gargalhadas. Estavam chorando de tanto rir de mim, porque eles não pagavam um centavo, porque os americanos pensavam que os alemães pagavam pelas mercadorias lá. Mas a verdade é que só pegavam de graça o que queriam deles, porque eles estão no comando
de qualquer maneira… porque é um segredo. Todos fazem parte do mesmo grupo…

Administração, exato, e os dólares do orçamento negro estão pagando por essas mercadorias.

Chegávamos lá, como eu disse, no meio da noite.

Eu lembro de uma vez que
estávamos esperando a carga, e já era tarde.

Um navio tinha atrasado.

Havia um lugar chamado baía ou enseada Turtle,

e íamos até lá, e desciam uma rede de carga,

e podíamos nadar.

Eles nos davam uma pausa para nadar.

E a nave em que estávamos sempre pairava a 10 metros acima de qualquer objeto.

Então sempre ficava 10 metros acima de qualquer coisa, onde quer que estivéssemos.

Não descia mais que isso. Estava sempre voando. E havia uma grande rede de carga, e lembro disso porque fui nadar.

Eu pensei: ”Ótimo, eu vou nadar no oceano.” E eu fui nadar lá embaixo, e foi importante para mim, porque eu estava com uma tripulação livre. Eu era um escravo. Mas eu me cansei de subir na rede de carga, e um dos tripulantes me viu lutando, e fiquei sem fôlego quando cheguei ao topo, quase 10 metros cima, subindo a rede de carga, e ele me denunciou. E assim eu tive que fazer exercícios por três meses, 90 dias. Eu tinha que correr todas as manhãs e me exercitar para
entrar em forma, e foi simplesmente brutal.

Tudo porque você estava lutando.

Sim, eu estava fora de forma.

Então eu nunca fiz isso de novo.

Era permitido nadar.

Eu ia até lá e acenava para todos, ficava lá, mas eu nunca entrava água, porque eu não queria subir naquela rede de carga de novo.

Certo.

Então suas naves partiriam de Ceres, viriam para a Terra, pousariam em Diego Garcia à noite, para que ninguém pudesse ver vocês, imagino, faziam o carregamento…

Ou fazer entrega.

Ou fazer entrega.

E o que vocês entregavam?

Pegávamos cargas variadas.

Tínhamos barris de 50 galões, tambores de alguma coisa.

Tínhamos grandes caixas de madeira.

Tínhamos caixas de papelão.

Tínhamos caixas de grafite de alta tecnologia,

muitas coisas.

Pegávamos o que quer que fosse.

E tínhamos sistemas de carregamento para transportarmos a carga.

Eles estavam minerando?

Estavam minerando em Ceres.

Vamos falar sobre isso.

No meu primeiro dia lá, fui levado até minha área de habitação.

Uma campainha soava, e todas as luzes se acendiam.

E então seguia para uma estação de trem.

Logo em frente à porta havia uma parada de trem.

E eles disseram para embarcar.

Eu perguntei a uma segurança que havia lá:

”Para onde eu vou?”

Ele disse: ”Siga eles.”

Eu embarquei no trem e fui para as minas.

Eu pensei: ”Isso está errado.”

”Eu não fui treinado para mineração.”

”Foi um engano.”

E eles me mandaram calar a boca.

Quando falei algo para o segurança, ele disse:

”Cale a boca, volte lá e vá com eles.”

”É para lá que você vai.”

”Essa é a sua vida.”

”Entre lá.”

E tinham equipamento de mineração de alta tecnologia.

Tinham uma ferramenta de feixe que simplesmente explodia a parede, e estaria em microgravidade.

Entravam lá e disparavam.

Então dois caras entravam em microgravidade e recolhiam o material.

Em seguida vinha outra equipe e instalava o piso, o piso de revestimento com gravidade artificial…

imediatamente.

Era impressionante.

Eu perguntei, porque era o mesmo tipo de material.

Era tudo a mesma coisa.

Eu pensei: ”O que fazemos com isso?”

E eles tiravam tudo.

Então eles vinham…

Havia um carrinho… um caminhão elétrico… um carrinho que carregavam e limpavam.

E o que mineravam?

Nada.

Nada.

Estavam procurando por água.

Eles queriam água.

Perguntei: ”O que estamos minerando?”

Eles disseram que tudo era aproveitado para alguma coisa.

Estavam transformando em concreto ou qualquer outra coisa, mas tudo era aproveitado.

Mas eles disseram: ”Estamos à procura de água.”

Eu disse: ”E se quebrarmos e água começar a entrar?

Vamos nos afogar.”

Ele disse: ”Sim, mas é o que eles querem.”

Eles tinham estações instaladas na mina que fechariam.

Eles tinham um sistema instalado que selaria tudo.

E ficava muito longe.

Eu lembro quando entrei, que o sistema de selagem ficava bem longe, a algumas centenas de metros mais atrás.

Então você foi colocado acidentalmente nessa equipe de mineração por um dia.

Um dia.

E você viu todas essas coisas legais.

A segurança, quando voltei para onde eu morava, estava lá para me disciplinar.

Sim.

Eles pensaram…

Eu ia ser baleado ou morto, o que fosse.

Eu estava em apuros.

E eu disse: ”Não, não.”

”Ele me disse para embarcar no trem.”

E eles disseram que tudo bem e eles se acertaram.

Houve uma confusão, uma discussão no final.

Então, na manhã seguinte, eu passei pela mesma coisa, e eles explicaram porque eu tinha uma roupa diferente.

E então eu fui para o hangar, e tive meu primeiro dia na nave, e era assim que funcionava.

Então, uma das coisas que os telespectadores vão se perguntar é por que você fazia manutenção de baixo nível quando podiam facilmente usar um robô, ou construir um robô para fazer isso.

Eu me perguntei a mesma coisa muitas vezes, e minha resposta é que as pessoas são os melhores robôs.

Eu fui de trabalhar numa mina para uma nave e depois treinado para trabalhar com cargas.

Você precisaria construir três robôs diferentes para isso.

E outra coisa é que não é como se pagassem plano de saúde, ou pagassem pela comida.

Eles tinham tecnologia de replicação de alimentos.

Era gratuito.

Eles só precisavam de um quarto para nos colocar, e eles poderiam nos colocar de volta…

Algo que sempre repetiam, que diziam constantemente sempre que éramos tratados de forma desumana era:

”Não se preocupe, está tudo bem.” ”Você não vai se lembrar de qualquer maneira.” ”Você não vai se lembrar.”

Então eles poderiam fazer o que quisessem.

Por que você faria isso?

Um robô consome mais energia,
é ineficiente.

Bem, Tony.

Muito obrigado.

Sua história é incrível.

Gostaria de agradecer a todos
pela audiência.

Para assistir a outras temporadas (to watch other seasons):

filme / documentário ABOVE MAGESTIC (ACIMA DE MAJESTOSO)
Quem é COREY GOODE?
1.ª TEMPORADA / 1st SEASON
2.ª TEMPORADA / 2nd SEASON
3.ª TEMPORADA / 3rd SEASON
4.ª TEMPORADA / 4th SEASON
5.ª TEMPORADA / 5th SEASON
6.ª TEMPORADA / 6th SEASON
7.ª TEMPORADA / 7th SEASON
8.ª TEMPORADA / 8th SEASON
9.ª TEMPORADA / 9th SEASON
10.ª TEMPORADA / 10th SEASON
11.ª TEMPORADA / 11th SEASON
12.ª TEMPORADA / 12th SEASON
13.ª TEMPORADA / 13th SEASON

No caso de ter dificuldades em abrir o episódio, deverá aceder no PC/Computador ou usar outro dispositivo ou então tentar mais tarde ou fazer o download. Há também limitações de visualização (100) e em alguns dispositivos não funciona sempre corretamente. Também se tiver o seu google drive aberto, poderá não permitir a visualização (terá de abrir noutro browser). Se ainda não conseguir, navegue de forma anónima: no google chrome (Windows) prima Ctrl + Shift + n. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário para indicarmos outro link.

Partilhar no Facebook

2 Comments on “S13E06 De Marte a Ceres e Além (Revelação Cósmica)

  1. Caríssimo, grato por mais um episódio do novo ‘insider’ que, realmente revela informações bem interessantes e inusitadas. Ele tem um estilo diferente dos anteriores e seu jeito de se expressar por vezes é difícil de ser traduzido corretamente. E, pelos vistos, só haverá mais uma intervenção dele, nos que até agora já estão disponíveis no portal Gaia. Terá algo a ver com esse ‘jeito’? É de esperar que não, mas, aguardemos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.