Controlo Mental

O Burro e a Cenoura: a influência da informação manipulativa na transição planetária

Partilhar no Facebook

A transição planetária é algo que vem desde há muito tempo, não nasceu com os hippies nem nos new agers, menos ainda, nas mensagens canalizadas de bloguers e youtubers. Isto é um evento cíclico, pré-datado desde as culturas da antiguidade, e que nos envolve numa grandeza incomensurável do ponto de vista humano. Dito de uma forma simples, é o período de transformação que vai da macro à microescala, e que reconecta todas as partes no seu Todo. É um fenómeno de beleza inqualificável que só vale ser compreendido quando vivido.

oevento.pt/2017/05/06/o-que-e-o-evento/

Entendendo a complexidade do processo, não é difícil perceber quão escassa é a informação verdadeira, porque a sua maioria é defeituosa ou manipulada propositadamente de forma a não permitir uma maior fluidez na consciencialização do que está em curso.

Os donos do entretenimento

Durante muito tempo, as trevas foram os amos nesta terra, e por muito que isto possa surpreender alguém, em parte, são eles quem ainda facultam ou influenciam grande parte da informação que nos chega. Sabendo que assim é, como se distingue a informação genuína daquela que serve só para entreter? Vejamos. A informação de entretenimento, é aquele tipo de informação que não ajuda no avanço da nossa independência física e espiritual mas, usando a analogia do burro e da cenoura, que ilude sobre um progresso que não existe. Um exemplo concreto, é quando caímos no auto-engano de nos considerarmos despertos quando na verdade não estamos sequer conscientes do nosso próprio processo interior.

O trabalho ou processo interior é a coisa mais importante e onde ocorre toda a ação. Os factos falam por si, pois quase tudo o que vemos enquanto informação sobre a transição, só serve para incitar as pessoas a saírem do seu foco interior e adquirirem um modo passivo ou expectante perante factores externos a si. Essencialmente, o foco é desviado para os fenómenos ou situações que, além de incomprováveis, não são sequer possíveis de se considerarem como certos, e menos ainda de serem controlados. Não nos culpemos por isso, mas entenda-se que a incapacidade é o efeito pretendido por parte de quem tem estado a controlar a narrativa global dos acontecimentos.

Encarar a realidade é a tarefa árdua. É necessário autoavaliarmo-nos com toda a honestidade possível sobre o caminho que temos adiante nos serve ou não. Se não serve, há que procurar transformá-lo. Esta via vai na maior parte das vezes contra todas as sugestões que recebemos do exterior, que são bem mais atractivas e aparentemente fáceis. Quando despertos e bem treinados, começa a ser mais fácil notar isso, todas as vezes que as distrações roubam a capacidade de reconfigurarmos instantaneamente a nossa realidade e criamos o nosso próprio caminho.

Verdadeiro, falso e meia-verdades

As várias dinâmicas de informação em curso representam as diferentes partes interessadas no jogo. Visto desta forma, faz sentido percebermos que quase toda a ‘intel’ que nos chega está manipulada ou é fornecida a um ritmo conta-gotas de forma a tornar o processo contido ou alheio à nossa perceção dos factos. Além disso, tanto a informação como as práticas que têm sido amplamente divulgadas, por exemplo, as meditações, não têm efeito imediato na nossa realidade colectiva. Não por falta de empenho, mas porque estes métodos não são suficientes para criar as transformações que todos querem ver realizadas o mais imediato possível.

É preciso mais, e mais não significa uma avalanche de informação nem centenas de meditações por semana, mas realmente o que capacita as pessoas a posicionarem-se perante a ação real em vez de as desviarem dela. Sem isso, e estando ainda significativamente condicionados pela ação opressiva das entidades controladoras negativas, pouco mais podemos fazer além de assegurarmos a própria sobrevivência e tentar ajudar aqueles que nos são próximos. Sempre numa base quotidiana, porque perante cenários de sobrevivência não se constrói qualquer futuro.

É simples. Deveria ser simples, mas tudo o que lemos ou ouvimos, são conteúdos cujo intuito é dominar a nossa atenção, mental e emocional, por via a tornar-nos incapacitados de tomar ações que colocaria o fim ao jogo de dominação. Basta perceber o quão inútil, porque não nos acrescenta nada em termos práticos e intelectuais, muito pelo contrário, contém em si muitas formas sublimares que moldam o nosso pensamento ao fim de uma certa exposição. O ‘burro’ precisa auto-educar-se. Precisa ganhar sentido crítico quanto às asneiras e fantasias que contaminam em abundância muitos círculos ditos espirituais e da nova era que, sem saberem, estão mais ao de-serviço do que propriamente no suporte do nascer de uma Nova Era.

oevento.pt/2019/01/11/programacao-mental-dos-humanos-e-criancas-robos/

A auto-transformação 

Quem vive a transição procura aquilo que o ajuda a transformar-se, não as narrativas vazias vindas de gurus ou mensageiros pagos pela Cabala, ou que de alguma forma estejam comprometidos com as trevas. A informação manipulada, nada mais é do que um mecanismo a favor das forças involuídas, para tentar deter o progresso daqueles que elegeram a EVOLUÇÃO. Perante tanta oposição, não há que se surpreender todas as vezes que o sistema procura exercer a sua autoridade, sabotando e censurando a aqueles que têm o potencial de transformar a Humanidade num colectivo mais luminoso e esclarecido.

Embora a oposição tenha um impacto negativo, de alguma forma, estes golpes devem ser visto pela óptica mais espiritualizada possível, como sinónimo do quanto somos ousados para ir além dos obstáculo e que não nos submetemos à ignorância, damos luta a qualquer estado de submissão.

A Humanidade torna-se soberana a partir do momento em que se reconhece como tal. Que nada mais é que reconquistar a própria atitude perante o potencial criativo e ilimitado que a ergue. Isso começa em cada um, que procura elevar a sua vibração e que colabora activamente na construção de uma realidade mais sustentável. Para que isso aconteça, há inevitavelmente que tomar opções, tão simples como deixar de seguir a cenoura.

artigo escrito pela Rosa de Vénus:
https://reencontrandoadeusa.blogspot.com/2019/02/rosa-de-venus-o-burro-e-cenoura.html

artigos relacionados:

oevento.pt/2019/01/11/programacao-mental-dos-humanos-e-criancas-robos/
oevento.pt/2018/11/02/a-maior-parte-da-humanidade-e-feliz-sendo-carneiros-bem-comportados-sendo-lhes-dito-o-que-fazer-e-como-agir/
oevento.pt/2018/10/23/5-tipos-de-pessoas-as-buscadoras-da-verdade-as-submetidas-a-lavagem-cerebral-as-desorientadas-as-poderosas-famintas-as-que-venderam-as-suas-almas/
oevento.pt/2017/05/06/o-que-e-o-evento/
oevento.pt/2017/05/09/dieta-de-alta-vibracao/
oevento.pt/2017/04/20/o-veu-e-a-quarentena/
oevento.pt/2018/04/07/o-que-nos-faz-subir-ou-descer-a-nossa-energia-frequencia-e-vibracao/
oevento.pt/2018/10/15/programacao-humana-emocoes-memorias-e-implantes/
evento.pt/2018/09/29/pedofilia-trafico-de-criancas-rituais-com-assassinatos-projeto-mk-ultra/
oevento.pt/2017/08/19/reencarnacao-contratos-e-porque-somos-obrigados-a-reencarnar/
oevento.pt/2017/04/23/codigo-galactico-galactic-codex/

Partilhar no Facebook

8 Comments on “O Burro e a Cenoura: a influência da informação manipulativa na transição planetária

  1. Valeu, mas neste caso, bastaria a chamada de atenção para o artigo original, destacando-o e relevando seu interesse e oportunidade. Mas o que importaria era o investimento, o mais possível, nas traduções (hoje bem facilitadas, até) de sites, blogs e videos estrangeiros, sobretudo em lingua inglesa, pois é nesse idioma que abunda a informação atual e relevante. Por seu mérito e empenho, já muito desse material traduzido aqui é postado (o que muito se agradece), mas, muitíssimo mais há e basta aceder ao blog aqui referido (‘reencontrando a deusa’), para na lateral encontrar alguns desses, dentre os quais destaquei um, para receber a respectiva ‘newsletter’. E continuo a destacar a relevância de Karen Hudes e Simon Parkes, que recentemente referi. O que acho é ser redundante (e até frustante, a meu ver) estar-se a repetir mensagens quando toda a gente tem acesso a tudo (e entendimento, neste caso). Saudações e até…

    1. este site não pode estar a traduzir tudo que aparece. Também é preciso referir que muitos artigos foram carregados neste site e que facilitam o entendimento das situações. Se eu colocar muitos artigos, as pessoas vão deixar de ler os mais importantes. Quanto aos tradutores, eu prefiro sempre com a ajuda de terceiros traduzir corretamente (o google tradutor tem limitações…). Nem todos os artigos derivam de artigos exteriores. Bem haja

  2. Há questão de 2 horas (+/-) deixei aqui um comentário que chegou a estar visível pois o reli, mas que agora desapareceu. Como havia referido a facilidade que agora há em traduzir qualquer texto, aqui lhe deixo um tradutor que encontrei num site traduzido do francês e que me parece mais rigoroso do que o normalizado google. https://www.deepl.com/translator
    Bom uso e até!

      1. Caríssimo, quando postei esta mensagem, minha anterior não estava visível, como referi (não sei porquê) e aí me expliquei claro. Quanto ao tradutor que indico, foi só para lhe dar conta de mais um que encontrei e que creio ser bem melhor e mais preciso que o google e aparentados, permitindo até correcções e alterações de palavras mais precisas, na hora. E quanto a mim, mensagens de autores, sobretudo de lingua inglesa, como disse, que estão disponibilizando informações atuais e pertinentes ao momento sempre teriam mais atenção, bem mais do que, p.ex., as repetições do livro ‘Escada de Cristal’ e da ‘Lei do Uno’, dos quais, deduzo, a maoiria dos leitores já deverá ter nos seus acervos (ou livro, como eu, no caso da Escada…), para além de não serem recentes e, na minha opinião, já bastante ‘datados’. Mas o Senhor é que decide, obviamente.
        Saudações e até…

        1. ok já percebi o seu comentário. a maioria dos leitores (99%) nunca leram a “lei do uno” e nem “a escada de cristal”. Por outro lado, todos os dias chegam novos leitores. Se eu colocar informações diárias irei perder o foco. Por outro lado, a minha opinião é que poucos, mas mesmo poucos sabem o que está a acontecer e têm informações credíveis. Há por aí muita canalização, mas a maioria não me convence. saudações.

  3. Caríssimo, como última achega neste item e no que toca a literatura relacionada com a Ascensão, já agora, aqui lhe indico três obras que possuo, mais ou menos da mesma altura da ‘Escada’, que talvez já conheça. São elas ‘Manual Completo de Ascensão’ e ‘Além da Ascensão’ do Dr. Joshua David Stone e ‘Guia Prático para a Ascensão’, canalização de Serapis via Tony Stubbs, todos eles da editora ‘Pensamento’, Tiveram então um considerável impacto, pelo menos nos meios que frequentava, sobretudo o útimo, que serviu de base a muita discussão e a ‘workshops’ pois aborda esse assunto de uma forma simples mas completa, abrangente e precisa (até para os atuais tempos, conforme de novo constato), do que a Escada, na minha opinião, claro. E tem razão quando afirma haver por aí muita canalização (até demasiada). Meu acervo literário e apenas no campo ‘espiritual’, (iniciado nos finais dos anos 80), comporta mais de 1000 obras, para não falar do digital, pois aí nem sei a quanto monta. Tenho por norma gravar tudo e depois seleccionar, pois não vejo nada online. E essa selecção agora é, portanto, muito mais radical e criteriosa, pois já não tenho pachorra para tantas redundâncias e repetições, que é o que abunda mais por aqui, realmente. Saudações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.