Emery Smith, revelação cósmica temporada 12

t12e21 Os Perigos das Missões com Portais (Emery Smith)

Partilhar:

Durante o seu tempo dentro dos programas secretos, Emery Smith foi enviado em missões para mundos distantes, através de portais interplanetários. Apesar de meses de planejamento e treinamento com uma equipe qualificada, as coisas nem sempre ocorrem como esperado e os acidentes acontecem. Ele explica como é o treinamento, as medidas tomadas para garantir a segurança da equipe e algumas das condições anómalas que ele encontrou durante essas missões fora do planeta.

Revelação Cósmica Corey Goode temporada 12 episódio 21

pode assistir (vídeo) ao episódio clicando aqui (click here to watch the show)

Se der erro, usar o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift +n) no PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário para indicarmos outro link.

T12E21 (Revelação Cósmica ~ Corey Goode temporada 12 episódio 21) Os Perigos das Missões com Portais

S12E21 (season 12 episode 21) The Perils of Portal Missions

 

REVELAÇÃO CÓSMICA

POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

Os Perigos das Missões com Portais

Bem-vindos ao Revelação Cósmica.

Sou George Noory e estou aqui com Emery Smith.

Missões com portais… Como é entrar em outra dimensão?

Bem-vindo, Emery. Isso vai ser incrível.

Obrigado pelo convite, George.

Esses portais… O que você precisa vestir para entrar em um deles?

Sim, tem muita coisa por trás disso.

Não é só entrar em forma,

pois você pode ser enviado

a um lugar onde o ar é mais rarefeito.

Se você não treinar em altitudes elevadas,

será muito difícil para você caminhar meio quilômetro na ida

e meio na volta.

Você tem que passar por vários treinamentos de aptidão física

de acordo com a missão.

A missão, a propósito… Eles não o chamam e dizem:

“Você partirá amanhã.”

Isso é planejado

com muitos e muitos meses de antecedência.

Você fica conhecendo a equipe.

Consegue estabelecer uma relação, estabelecer perfis de personalidade

uns com os outros para construir um companheirismo e uma colaboração

para a missão.

A primeira coisa que acontece

é que há um plano de missão de, digamos, três a seis meses.

Eles reúnem um grupo.

Depende de qual será a missão.

Precisam de um botânico? Precisam de…?

Que tipo de…?

-Sim, um médico ou algo assim. -Exato.

Qual é a missão?

Quais tipos de engenheiros são necessários para a missão?

Que tipo de geólogo é necessário para a missão?

É algo muito específico.

Geralmente, a equipe tem de seis a sete pessoas.

Sempre há um paramédico capaz de fazer

três ou quatro coisas diferentes.

Geralmente, há um segurança

que também pode fazer três ou quatro coisas diferentes.

E os cientistas principais,

que também vão por motivos específicos da missão.

Passamos por três meses de, primeiramente,

aulas sobre o histórico do destino aonde estamos indo.

Podemos ver os resultados das últimas 150 missões.

-Parece muito intensivo. -É muito intensivo.

É muita informação de uma vez,

pois há coisas que você pode tocar.

Há coisas que você não pode tocar,

algo que descobriram da pior forma.

Existem regras, regulamentos

e protocolos específicos que você tem que seguir

ao realizar qualquer viagem por portais decorrente da missão

porque, do contrário, as coisas podem dar errado

muito rapidamente, como o clima

ou alguém se ferindo.

Isso pode atrasar muito a missão.

Quando você só tem de 15 minutos a algumas horas

para realizar a missão,

você tem que otimizar esse tempo.

É esse negócio de ficar indo e voltando

por motivos de segurança, porque, como eu disse,

eles ainda não conseguem controlar o tempo de abertura da porta.

Eles sabem aonde estão indo quando entram no portal?

Sim. Nas reuniões, temos vários vídeos,

várias imagens de outras equipes que foram e voltaram.

Temos uma excelente ideia do que esperar.

É como ler o mapa de Londres

antes de visitar a Inglaterra.

Você meio que já sabe o que verá lá.

Porém, existem casos em que, às vezes,

isso não funciona tão bem assimetricamente.

Uma vez, fomos a um lugar que acabou sendo o lugar errado.

O lugar errado?

Totalmente errado.

Era para ser um deserto.

Quando chegamos, era uma selva tropical.

Era muito… Não estávamos preparados…

Nossos trajes não estavam devidamente preparados.

O equipamento não servia.

Por sorte, conseguimos dar a volta e sair de lá

antes que o último homem passasse, pois aquela era uma área diferente.

Teremos que voltar a essa área,

pois talvez fosse uma área jamais explorada ou vista.

O que mais pode dar errado inesperadamente?

As coisas mais assustadoras

são os eventos geológicos de um planeta desconhecido.

Às vezes, levamos conosco cães especiais

treinados em frequência.

Eles podem ouvir e avisar que um terremoto está chegando

ou que um vulcão está entrando em erupção.

Eles têm sentidos especiais desenvolvidos no treinamento.

Também conseguem farejar certas coisas.

São treinados desde filhotes a aprender

os aromas de diferentes minerais e plantas,

diferentes aromas de diversos tipos de genética,

capazes de farejar várias coisas, sentindo e ouvindo

frequências que não ouvimos.

Uma vez, estávamos andando

e havia uma bolha subterrânea

alguns metros abaixo do solo.

Alguém acabou tropeçando nela.

Ela liberou um gás irritante e muito venenoso

pela superfície. Era visível.

Sem o cachorro, vocês poderiam ter morrido.

Exato, poderíamos ter morrido.

Eles conseguem captar os menores detalhes.

É uma medida de proteção.

Os cães que vocês levam…

Eles também usam trajes especiais?

Sim, eles usam.

Depende do destino

e do tipo de ambiente lá.

Às vezes, eles vão sozinhos

com uma mochila e o equipamento deles.

-Uma coleira. -Exato.

Às vezes, não.

Às vezes, eles colocam capacetes especiais nos cães.

Eles sempre usam proteção visual.

Eles usam máscaras gigantes que…

São óculos de irídio, como vemos nos capacetes dos astronautas

quando vão ao espaço.

Eles podem ser à prova d’água.

Na verdade, eles têm trajes especiais para esses cães

que incluem um sistema de capacete próprio

e eles têm formas de ler a atmosfera para testes.

Depende do tipo de missão e do destino.

Existe uma raça específica

que é melhor que as outras, como pastor alemão ou algo assim?

Não, não.

A raça que mais usamos é o mastim porque…

É grande.

…são grandes e fortes,

e podem carregar muito peso.

Você tem que entender que, quando você coloca

um cachorro em um traje com muito peso,

você realmente precisa de um animal forte para isso,

além de ter um faro muito bom.

Dito isso,

voltando às ameaças,

uma das coisas mais assustadoras para mim

são os terremotos, com os quais quase nunca me envolvi

no planeta Terra.

-Porém, nesses casos, acontece. -Claro.

E tempestades podem surgir do nada.

Temos vários equipamentos legais.

Temos especialistas que monitoram o clima.

Às vezes, também temos uns robôs

que ficam conosco e coletam dados,

usando equipamentos especiais para monitorar a área…

Só a atmosfera, o solo. Existem sensores especiais no solo.

-Caso algo mude. -Exato.

E o cachorro também.

E também temos a equipe, que tenta fazer seu trabalho.

Só queremos entrar e sair com segurança.

Essa é a nossa função, foco na missão.

Temos trajes especiais

dependendo do destino e da pressão,

e de quão habitáveis são as áreas que visitaremos.

Temos trajes pressurizados.

É como um traje de astronauta fino,

mas não daria para sobreviver a uma caminhada espacial.

E capacetes?

Sim, temos capacetes que usamos hoje

para resgatar destroços espaciais.

É um capacete muito hexagonal que entra no seu traje.

Estamos sempre em contato.

Todos estão sempre em contato

até você ver algo que é muito incrível.

Por exemplo, o céu de um desses lugares

ficava mudando de cor constantemente.

Ia de azul-claro a violeta,

rosa, amarelo e vermelho.

Eram cores cósmicas estranhas…

E o céu todo fazia isso.

Achávamos que fosse porque

não conseguíamos enxergar direito naquele lugar.

Achávamos que fosse um problema do corpo humano.

Porém, eles associaram isso a um tipo de gás atmosférico

que havia em volta do planeta, como a Aurora Boreal.

O céu todo era assim.

Isso nos deixou enjoados enquanto descíamos a trilha,

eu me lembro.

E as constantes mudanças de cor

causavam náusea.

Tiveram que usar uma película especial

que usam para fazer capacetes especiais

só para esse planeta, que mantém a cor do céu fixa.

Está dizendo que a mudança de cores afetava como vocês se sentiam?

Sim.

Isso, ela nos dava uma náusea que todos sentiram, até os cães.

Você falou dos membros da equipe…

Alguns eram médicos, havia seguranças, vários cientistas.

Quem escolhe a equipe?

Existem gerentes de equipes

que são usados nesses casos, gerenciando-os há muito tempo.

Alguns são novos, outros são velhos.

Eles entram e dizem:

“Precisamos disto para esta missão.

Precisamos deste tipo de cristal.

Precisamos deste tipo de planta,

peguem amostras deste tipo de água.

Tive a sorte de fazer várias dessas,

pois sempre precisam de um paramédico.

Sempre precisam de alguém com a minha experiência

em biologia das plantas, animais, extraterrestres e coisas de fora da Terra.

Eu colhia material de plantas e cristais,

poeira, água e coisas do tipo.

Ao mesmo tempo, eu também era segurança e paramédico.

-Quantas missões você fez? -Cerca de uma dúzia.

De todas as suas missões,

alguma se destaca mais?

Você pode nos contar como foi?

Uma das nossas missões

foi nesse planeta que mencionei.

Parecia um deserto e tinha esse céu que mudava de cor.

Vou ter que falar disso de novo,

pois foi um dos lugares mais incríveis que já visitei por causa dos lagos de lá.

E algumas das árvores e outras coisas eram todas bioluminescentes,

com cores iridescentes.

Elas não emitiam luz, mas refletiam a luz da atmosfera.

Era tipo um mundo cromado com plantas

e árvores muito grandes…

Não dava para ver o topo delas.

Era tipo um pau-brasil, mas um pau-brasil parecido

com uma árvore de Natal.

Era uma formação triangular muito grande.

Tipo agulhas de pinheiro.

Quase uma miragem.

Exato, mas sem ser desfocado.

Tudo é muito nítido.

Porém, acho que, devido a todos esses reflexos

e às luzes da atmosfera,

isso deixou todo mundo que estava tentando fazer seu trabalho com náusea.

Eu tive a sorte de poder voltar lá

com aqueles capacetes.

Eles nos permitiam ver com facilidade

em um espectro de uma cor.

Não nos afetava, e dava para ver tudo claramente.

A água era a coisa mais incrível,

pois parecia o líquido daquelas pulseiras de neon.

-Já viu essas luzes…? -Sim.

-…comuns no Halloween? -Sim.

O lago inteiro

tinha esse efeito de movimento bioluminescente.

Era só um lago que tinha ondas pequenas e constantes.

Não entendíamos como um lago tão pequeno podia…

Talvez uns 8 hectares… Com ondas…

De uns 60 cm.

Porque era isolado, certo?

Sim, era isolado.

E também foi um dos primeiros lugares

onde senti um terremoto, que é muito desconcertante.

Quando você trabalha em equipe,

às vezes, alguém precisa se afastar uns 300 metros de você.

Nós nos espalhamos um pouco.

Não ficamos juntos como os mergulhadores.

Cada um faz seu trabalho.

Todos temos mapas do que temos que fazer.

Temos GPSs especiais que vemos no visor.

Sabemos onde todos estão.

Podemos ver imediatamente… Se estiver comigo,

posso ver a sua frequência cardíaca e se você está bem.

E o robô que nos acompanha sempre monitora tudo.

Se algo acontecer com alguém que…

Os trajes têm equipamentos que informam se cairmos.

Eles sabem imediatamente quando caímos,

isso dispara um alarme.

Isso também é assustador. Uma vez, alguém caiu

de um pequeno penhasco porque o solo parecia sólido, mas não era.

É outra questão relacionada aos geólogos que vão.

Eles pegam as marcas sísmicas

das unidades robóticas

que ativam uma onda, uma frequência ou uma onda sônica que se acumula.

Queremos saber onde estamos…

O solo tem apoio?

Você pode sair andando e simplesmente sumir.

Antes disso, chegamos lá.

O robô examina a atmosfera,

o solo e tudo mais.

Obtemos imagens volumétricas perfeitas de tudo.

Sabemos que estamos seguros até uma certa área.

Porém, essas coisas acontecem.

Quando alguém se machuca,

a missão é abortada.

Vira uma missão de salvamento.

Uma pessoa se fere, e todas voltam?

A missão é cancelada, e a pessoa é resgatada.

Depois de uma missão, quando eles o enviam em outra?

Depende.

Como já disse, você pode treinar para 2 ou 3 missões ao mesmo tempo.

Pode passar esses 3 ou 6 meses

preparando-se para talvez fazer uma missão a cada dois meses.

Depende do que você é chamado para fazer,

de que missões eles querem que participe.

Nunca fiz mais de uma missão por mês, em média.

Nunca fiz duas…

É muita coisa.

…duas por mês,

mas só participei do programa por pouco tempo.

Onde você treina nesse planeta?

Você treina na base,

seja ela onde for.

Essa base ficava no norte do Novo México,

em sua própria seção, eu diria, sem associação com as bases.

-Subterrânea? -Subterrânea, sim.

Eles têm uma área lá que é como uma sala de aula…

Muito básica.

E você pode conversar com pessoas que já foram.

É como se fosse uma escolinha.

São duas ou três horas de aulas.

Em seguida, é claro, exercícios físicos

três horas por dia.

Também somos treinados para mexer nos robôs

e nos vários tipos de computador

e dispositivo que usaremos.

Em certos casos,

nós nos vestimos, saímos no deserto

e usamos os equipamentos, familiarizando-nos com eles.

Simulamos coisas…

Várias missões simuladas até que todos se familiarizem.

Então, temos um curso.

-Depois partem. -Depois partimos.

Muitas vezes, nós também…

Quando os pilotos estão treinando

e executam umas simulações.

Fazem o mesmo conosco.

Eles dizem: “O que acontece quando isso ou aquilo cai de um penhasco?

Qual é o protocolo? Como faremos isso?

O que acontece se alguém voltar com um agente biológico maligno?

-O que faremos? -Já aconteceu?

Sim, já aconteceu. Ficamos de quarentena por duas semanas.

Por sorte, nenhum de nós… Ficou nos trajes.

E se esse organismo se espalhasse pelo nosso planeta?

Nessa base, os portais ficam em uma sala fechada a vácuo.

E eles têm dispositivos especiais,

como uma máquina de Rife, mas muito maiores,

que são capazes de examinar um campo de futebol inteiro.

E eles sabem quando há um micro-organismo estranho em você,

como um vírus, um íon negativo…

Algum tipo de material celular negativo.

Eles conseguem detectar isso.

Quando você passa por ali, você tem que parar imediatamente.

-Os alarmes disparam. -Os alarmes disparam,

e eles higienizam a sala toda.

Eles usam óxido de etileno em gás.

Usam dispositivos de frequência.

Você é bombardeado.

Depois disso,

você passa por outra parte do prédio, que é vedada,

e fica sentado lá como em uma câmara hiperbárica.

Você é monitorado por umas oito horas.

Sentado lá.

Não pode usar o banheiro.

Não pode fazer nada.

Ao mesmo tempo em que isso é removido,

você passa pelo que seria chamado de descontaminação normal.

Você passa por um corredor e recebe borrifadas

de água com vários tipos diferentes de composto químico.

Então, você é liberado.

Você tem que passar por uma avaliação de duas semanas,

na qual você fica confinado com a equipe.

Eles têm complexos de apartamentos subterrâneos

para isso. Eles são completamente vedados.

Você simplesmente mora lá.

Você tem amigos

que já participaram de missões com você e com os quais você ainda colabora?

Todos os meus amigos e colegas faleceram

naquele acidente em janeiro.

-Todos eles? -Todos eles.

-Só sobrou você. -Correto.

Como se sente com isso?

Triste.

Eram boas pessoas?

Eram meus amigos.

Esse programa vale a pena, Emery?

Tudo que avança a nossa tecnologia

é positivo, eu acho, mesmo que eles usem

algumas tecnologias para o mal.

Sempre há coisas boas.

Temos que expandir nossos horizontes.

Não podemos ficar de quarentena neste planeta para sempre,

não importa o que aconteça no futuro…

Se nos unirmos ou não.

Precisamos ser educados.

O mundo precisa ser educado e informado

sobre essas coisas incríveis que estão acontecendo

pelas nossas costas e usar isso

para o bem do planeta e das pessoas.

Tenho muita esperança de que boa parte disso

seja revelado por outras pessoas.

Estou tentando convencer pessoas que participaram desse programa

a vir a público e talvez fazer algo, mas é difícil.

Trata-se mais de obter pessoas com as credenciais científicas

que tenham participado desses projetos.

-Você faria tudo de novo, se pudesse? -Claro.

Com certeza.

Sim.

Nessas missões,

você se deparou com extraterrestres

ou teve algum contato planejado com eles?

Não fiquei cara a cara com extraterrestres em nenhuma das minhas missões.

Assistimos a vídeos de missões passadas em que outras pessoas

se depararam com extraterrestres nos portais,

sendo que alguns até marcaram reuniões por meio deles.

Porém, nunca vi nada cara a cara

durante minhas aventuras pelos portais.

Por que as missões são tão curtas? 15 minutos, meia hora?

Por que não duram mais?

Porque eles ainda não…

Minha missão mais longa foi de duas horas,

mas geralmente só duram uns 15 a 30 minutos,

pois é como uma zona de segurança para que o portal fique aberto.

Ele só fica aberto por um certo tempo,

em uma certa área, em certos…

Como já disse, o planeta tem que estar no lugar certo.

Mesmo que seja o artificial,

ainda há coisas que precisam se alinhar que eles não descobriram.

É uma questão de segurança. Embora fique aberto por 12 horas,

nós ficamos uma hora na ida, uma na volta

e mantemos essa mortalidade.

Eles não sabem ao certo o que pode acontecer

-e aceleram as coisas? -Sim.

Os portais que você usa nas suas missões…

O que são eles?

São artificiais ou já são uma parte do planeta?

Eles construíram

o que eu usava em cima do que já estava lá.

Além de utilizar a energia gerada pelo homem,

eles também usam a energia do planeta.

Cada portal leva a um lugar diferente?

Sim. Até onde eu sei,

todos os portais levam a lugares diferentes.

É claro que há alguns portais

que os extraterrestres usam

que levam a vários lugares

usando as linhas de Ley do universo.

Podemos direcionar um portal para que leve a um lugar específico?

-Temos essa tecnologia? -Ainda não.

Basicamente, nós aguardamos o momento

em que sabemos aonde o portal levará.

Quando isso acontece…

É assim que eles enviam drones…

-Você pula nele. -Nós pulamos nele.

Pulamos no buraco de minhoca que fica aberto por 12 horas.

O portal que você atravessa

é o mesmo portal pelo qual você volta?

Sim, é o mesmo portal.

Às vezes, como isso já vem acontecendo há tanto tempo,

eles já construíram um portal artificial similar

do outro lado, usando o portal antigo que já existia.

Aquela armação que mencionei às vezes fica na mesma área.

Nós nos preocupamos com contaminação e vírus,

mas e a parte psicológica?

-Algo acontece com as pessoas? -Nem tanto.

Essas pessoas sabem no que se meteram.

Elas passam por várias avaliações psicológicas.

Já tive mais incidentes no serviço militar, em áreas perigosas

onde as pessoas estavam surtando um pouco mais que o normal.

É um tipo de ambiente diferente

porque você sabe que está indo para lá.

Você é quase um voluntário nessas missões.

Você aceitou essa responsabilidade.

Você sabe que pode ficar muito assustador.

Sabe que talvez não volte.

Essas pessoas, até onde eu sei, são heróis.

São os verdadeiros super-heróis do planeta.

E estão fazendo algo porque acreditam no que fazem

e acreditam que não estão causando mal a ninguém.

Embora possa ser…

Somos só um grupo de soldados que precisa realizar uma missão.

É o que fazemos.

Vocês coletam vários dados. O que fazem com eles depois?

Acho que estão fazendo um banco de dados,

como fazemos com os ETs e as naves extraterrestres,

registrando tudo.

Eles sabem onde estamos.

Sabem se estamos em Marte ou em outro sistema solar.

Acho que estão procurando diversos lugares habitáveis

para talvez reconstruir a civilização aqui da Terra

em outros lugares seguros.

Acho que todos esses dados

são colocados em um banco de dados seguro para avaliação.

Qual é o protocolo para coletar amostras?

Depende do tipo de amostra.

Recipientes a vácuo… Parecem uma caixa de óculos.

Temos uns maiores que podem chegar a uns 90 cm de diâmetros,

em formato oval.

Eles são pressurizados a vácuo.

Às vezes, gases especiais podem ser inseridos na unidade.

Alguns também podem congelar coisas instantaneamente.

-Um tubo para cada espécime. -Um tubo para cada espécime.

Só uns 2 ou 3 tubos diferentes,

mas todos fazem o mesmo.

Quando você insere algo,

você pode retirar o ar que era desta atmosfera

e encher com um gás especial,

ou você pode adicionar

algo como nitrogênio.

Ele congela instantaneamente e remove o gás,

pois tudo que voltar após ser aberto lá

exige cuidado.

E os robôs sabem quantas partes

por milhão de partículas

estão flutuando na atmosfera.

Até mesmo neste estúdio,

há trilhões de partículas aqui,

mas não as vemos.

Temos que saber se são particulados…

Isso vai gerar algo quando voltarmos?

Isso será uma ameaça…?

-Contaminação. -Uma contaminação.

Assim que passam pelo portal,

todos esses recipientes são colocados em outro recipiente gigante

e despachados.

-Por segurança. -Exato.

E então são despachados.

O que você ganhou por ter passado por esses portais?

Para que serviu?

Isso me inspira.

Isso me deixa ainda mais esperançoso

de que há mais coisas que podem ajudar a Terra

e a humanidade.

Sinto muita compaixão por todos esses lugares diferentes.

Acho que não devíamos estar em alguns lugares porque são tão bonitos.

Não quero contaminá-los.

-É empolgante passar por eles? -É sempre empolgante.

Sempre acontece algo inédito.

Eles escrevem e registram nos livros que isso nunca havia ocorrido.

Participar disso foi empolgante.

O que essa tecnologia fez pelo planeta?

O fato de que podemos fazer isso?

É um avanço na ciência.

Tudo que trazemos de volta

está relacionado a algo que eles criarão para ajudar a nossa longevidade,

ajudar a nos proteger.

Gostaria de ver uma mudança nisso,

para que eles comecem a usar isso para limpar o planeta,

pois acho melhor consertar o planeta primeiro

antes de vivermos por mais 200 anos.

Isso é ótimo. Eu adoro.

Porém, sem consertar o planeta…

Eles poderiam usar essas tecnologias

que obtemos de outros planetas

para limpar a Terra.

Poeira especial que absorve radiação e coisas desse tipo

que eles trouxeram para cá…

Quero dizer que isso pode ser fabricado.

Imagine jogar isso em uma região do oceano,

podendo limpar uma área de 500 hectares de radiação na água.

Existem tecnologias incríveis

que estão sendo liberadas e utilizadas

incorretamente. Ao mesmo tempo,

elas podem ser projetadas se as pessoas certas estiverem na equipe,

ou as tecnologias podem ser colocadas nas mãos certas

para ajudar a Terra.

Emery, ótimas informações. Obrigado.

De nada, George.

Este é o Revelação Cósmica.

Obrigado por assistirem.

Nesta temporada de Revelação Cósmica,

as pessoas compartilham seu envolvimento secreto

com agências governamentais, militares e programas espaciais secretos…

Usávamos um sistema de traje de combate pesado…

Éramos como tanques ambulantes.

Eles lhes dão amostras biológicas em troca da tecnologia que construímos.

Existem várias naves ao redor do planeta o tempo todo.

Pode ter uma acima de nós agora, mas não a vemos porque está camuflada,

pois eles podem fazer isso.

REVELAÇÃO CÓSMICA

POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

PRONTO PARA CONTAR A VERDADE?

*Os e-mails são criptografados e não podem ser compartilhados.

Disclaimer: Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
Este site publica artigos próprios e de outros informantes no qual se limita a publicá-los: isto quer dizer que pode não concordar com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo.

Partilhar:

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

5 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments