revelação cósmica temporada 12

S12E19 A Batalha mais feroz de Jason (Revelação Cósmica)

Partilhar no Facebook

Jason Rice é logo levado a um novo planeta; um diferente de tudo que ele já viu. Três espécies indígenas devem aprender a deixar de lado seus conflitos entre si para lidar com a força invasora mais feroz que Jason já encontrou. Depois de quase seis anos de combate sem fim, ele está gravemente ferido e é transportado para Marte. O que ainda lhe restará de seu tempo no Programa de 20 anos?

pode assistir (vídeo) ao episódio clicando aqui (click here to watch the show)

S12E19 A Batalha mais feroz de Jason (Revelação Cósmica ~ Jason Rice)
S12E19 Jason’s Fiercest Battle (Cosmic Disclosure)

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário (não no facebook), para indicarmos outro link.

Episódio com legendas em português do Brasil não formatadas (para quem não deseja assistir ao vídeo):

revelação cósmica temporada 12 episódio 19

REVELAÇÃO CÓSMICA

POR DENTRO DO
PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

A Batalha Mais Feroz de Jason

Olá a todos, sou Jay Weidner.
Estamos de volta com Jason Rice,

que participou
do Programa Espacial Secreto.

-Olá, Jason.
-Obrigado pelo convite, Jay.

Sim, tem sido ótimo.

Vamos voltar ao…

Você estava terminando
sua missão no Planeta Dois.

De novo, era o mesmo caso de ataque falso

do Cabal, usando conflito
e pós-conflito

para fazer tudo do jeito deles.

E você serviu por quase seis anos
nessa situação crítica.

No fim, o seu lado derrotou o inimigo

usando armas de alta tecnologia,

e então sua missão terminou.

O que aconteceu depois?

O que aconteceu depois
foram as consequências,

algumas unidades
ficaram no planeta

para ajudar a limpar,
semear novamente, reiniciar

a civilização deles como querem
os que estão no poder,

O Cabal, tudo do jeito deles,
conforme as necessidades deles.

Quando dizemos “Cabal”

também entendemos
que eles são fantoches,

bem como os dracos
e a inteligência artificial.

Ajustar o planeta demora um pouco.

Após o fim do nosso trabalho lá,

somos enviados a outro planeta.

-Não!
-Para repetir o processo, Planeta Três.

-Ele tinha outro nome?
-Não que eu me lembre.

Qual era a situação desse planeta?

Esse planeta era diferente
dos outros dois.

Acontece que, no Planeta Três,

havia três raças diferentes
na superfície do planeta.

Nativos?

Nativos se considerarmos que,
até onde sabíamos, eles haviam surgido lá.

A chance de três espécies separadas
tão diferentes quanto aquelas

terem surgido no mesmo planeta…
Suspeito que não tenha sido assim,

e que pelo menos uma ou duas delas
surgiram em outro lugar

e foram semeadas,
trazidas ou transferidas.

-Pode descrever as três raças?
-Claro.

A primeira raça era bem humana,

muito similar a qualquer humano
que vemos por aí na Terra.

A segunda raça era do tipo insetoide.

Eles tinham de 1 a 1,2 m de altura.

Tinham uma cabeça oval.

Eles têm olhos prateados e redondos.

Têm bocas muito pequenas,
narizes muito pequenos,

as orelhas quase não aparecem.

São telepáticos e comunicam-se
telepaticamente.

Seus dentes são muito afiados
e pontiagudos.

Suas pernas são articuladas ao contrário.

Eles são bípedes?

Eles são bípedes.

Em algum momento do passado deles,
eles também rastejavam,

pois vimos indícios
de que eles rastejavam

-ou andavam nas paredes e tetos.
-Sério?

Eles ainda tinham essa habilidade.

Como são insetoides, eles se parecem
com algum inseto da Terra?

Não, não existe nada igual

na nossa diversidade de insetos.

-Não eram como um louva-a-deus…
-Não.

Ou formiga?

O rosto era redondo.

Eles tinham ombros e braços.

Seus braços eram mais compridos
do que braços típicos.

Como era a pele deles?

Era meio verde, verde-claro,
verde amarelado,

-semitransparente.
-Sério?

Dava para ver um pouco através deles,

mas não era como olhar
por uma lente de vidro.

-Tipo translúcido?
-Sim, tipo translúcido.

A terceira raça era de ciclopes.

Ciclopes? Humanoides de um olho?

Humanoides de um olho.

Eles têm alguma característica peculiar
além de ter um olho?

Só isso.

Essas três raças não se davam bem?

Não se davam bem.

Ou seja, a missão de tentar uni-los

e combiná-los no mesmo fronte
era muito mais difícil.

De novo, havia um invasor vindo.

Você e seus colegas foram enviados.

Você fez amizade com os nativos,

-mas eram três populações diferentes.
-Sim.

-Qual era a mais difícil?
-Os insetoides.

Por quê?

Eles não confiavam em nenhum humanoide.

Aliás, uma das primeiras vezes

que tentei organizar uma reunião
com o equivalente deles à máfia,

eles tinham elementos criminosos

com quem queríamos nos envolver

para coordenar as reuniões.

Eu tive que me encontrar

com um chefão da máfia dos insetoides

e fui levado a uma caverna
como prisioneiro.

-Sério?
-Sim.

-Por que eles o prenderam?
-Não confiavam em humanos ou humanoides.

Você foi tolos de entrar
na área deles e acabou preso.

Era para ser uma reunião,
mas foi uma armadilha.

Eles achavam que eu estava lá
para espioná-los, sendo um humanoide.

Por quanto tempo ficou preso?

Fiquei preso por três dias,
até ser resgatado pelos meus colegas.

-Pelo menos eles só o prenderam.
-Sim.

Os outros grupos anteriores
não faziam isso.

Não faziam.

E ficou tudo bem depois disso?

Fiquei preso por três dias,

-apanhei e fui torturado.
-Foi?

Depois disso,
passei algumas semanas me recuperando,

mesmo tendo me curado fisicamente

dos ferimentos que sofri no mesmo dia.

Precisei de algumas semanas
para voltar ao trabalho de campo.

Como isso foi solucionado?

Eles conseguiram convencer
a maioria da população.

Eu saí do Planeta Três
quando uma nave foi derrubada.

A nave foi abatida pelos nativos,

pois eles não confiavam em nós.

Foram os insetoides que atiraram
na nave em que eu estava.

-Derrubaram a nave?
-Derrubaram a nave.

-Com você dentro?
-Comigo dentro.

Caí e sofri vários ferimentos,

mas fui resgatado e levado para tratamento
em Marte, conforme me disseram.

Suspeito muito que tenha sido mesmo.

Eles trocaram dois dos meus membros
e consertaram o terceiro.

Passei os oito meses seguintes aprendendo

a reutilizar meus membros
e a reconectar-me

com as terapias de aditivos de nanite.

Depois de todos esses tratamentos
e terapias,

fui transferido para uma nova unidade,
de volta a Callidus Três,

para parte das operações de limpeza,

retreinamento e reconstrução.

Você estava no meio de uma batalha

ou só estava de carona na nave?

Estava de carona,
de uma parte do planeta a outra.

Os invasores inimigos
ainda não haviam chegado.

Eu já estava no planeta havia 15 meses

e já havia realizado algumas missões
nas quais estávamos tentando,

de novo, ser aceitos
e ganhar a confiança deles.

Houve problemas de contrabando,

o planeta deles tinha
um elemento criminoso maior.

Alguns elementos criminosos

haviam tentando roubar tecnologia.

De vocês?

De alguns outros elementos
do mesmo planeta.

Havia os humanoides,
os insetoides e os ciclopes.

Engajá-los nos preparativos de defesa

e organizar munições e estoques.

Parte disso envolvia
avanços tecnológicos muito moderados.

Qualquer coisa que estivesse
acima do padrão deles

virava imediatamente
um produto no mercado negro.

Começamos a perceber

que algumas armas que eles construíram
começaram a desaparecer.

Fomos investigar isso.

Qual era a mais avançada dessas três
raças, em termos de tecnologia?

Eram bem semelhantes.

Mesmo do ponto de vista tecnológico.

Os ciclopes tinham tecnologia avançada
para aquele mundo?

Todas as três tinham o mesmo nível,

os ciclopes, os humanoides
e os insetoides.

Nenhuma era melhor que a outra,

pois elas já haviam guerreado
por alguns séculos.

Havia tensões nas fronteiras?

Tensões na fronteira.
Haviam firmado um acordo de paz

que durou 20 anos.

Eles tinham armamentos.

Você sabe o motivo das guerras?

Diferenças entre as raças.

Você chegou nesse planeta,

onde havia uma miniguerra civil
entre as três facções.

-Correto.
-Sua função era unir as pessoas

e preparar-se para uma invasão
ou algo assim.

Você não sabia ao certo
o que estava por vir,

pois achou que fossem os lobisomens.

E agora não sabia o que estava ocorrendo.

Sim, não sabíamos o que estava por vir.

A lacuna de informações era proposital.

Se sabiam, não nos contaram.

-E essas pessoas já tinham armas?
-Sim.

Vocês não tinham que se preocupar
com isso.

Eles tinham projéteis, armas químicas,

se considerarmos pólvora negra
como produto químico.

Como vocês os uniram?

Não sei como fizeram isso.

Eu já havia partido
quando eles foram unidos.

Certo, você se feriu.
Você perdeu boa parte da ação.

A maior parte da ação que eu vi
naquele planeta

tinha a ver com a colaboração
com os nativos, seu treinamento,

visitar vilas ou cidades remotas

e prepará-las, as mesmas coisas
que já havíamos feito.

Ajudá-las a estocar suprimentos

e a se organizar,

a ser mais eficientes
em suas operações agrícolas

ou no planejamento de posições
de recuo, coisas do tipo.

Enquanto estava lá,
você fez as pazes com os insetoides?

Não, nunca voltei lá.

Nunca voltou?

-Não sabe?
-Não.

Então, você estava na nave,
cuidado da sua vida,

quando os insetoides
lançaram um míssil ou algo assim?

Eles não confiavam na nossa presença lá.

Éramos humanoides e, imediatamente,
viramos inimigo, “persona non grata”.

Os nossos esforços para uni-los

ao resto do planeta
não estavam funcionando.

Quando eles ficaram com medo
ou assustados,

a primeira reação deles foi atacar.

Foi isso que fizeram. Quando nos viam,

eles tentavam nos atacar.

Eles me prenderam.

Essa foi uma das primeiras interações

que a minha unidade teve
com os insetoides.

Se entendi certo,

houve ocorrências similares
em outros lugares,

onde outras pessoas estavam tentando

chegar a um resultado vantajoso
com os insetoides.

Não sabemos o que aconteceu
com esse planeta?

Eu não sei.

-Parece ter sido difícil.
-Foi mesmo.

Minha decisão de não voltar

foi baseada em…
Com certeza, era um pesadelo

dos piores possíveis.

Você foi atingido, sua nave foi atingida.

-Alguém morreu nessa explosão?
-Sim.

Felizmente, você não morreu,
mas perdeu membros.

Eles o resgataram e levaram a Marte,

onde usaram tecnologias avançadas?

Usaram tecnologias avançadas
para regenerar e religar membros.

-O seu braço foi regenerado?
-Sim.

-Isso é incrível!
-Foi mesmo.

Infelizmente, o processo é imperfeito.

Eles não são Deus.

-Não o curaram totalmente?
-Não.

Consertaram o osso.

Substituíram o osso,
mas o tecido, os nervos,

alguns dos tecidos mais moles…

Ainda não é uma ciência perfeita.

É muito melhor que a medicina convencional
que temos aqui.

-E você sobreviveu.
-E eu sobrevivi.

Você foi levado a Marte.

E está de volta em Marte.

Como foi?

Não me lembro de boa parte.

Fiquei em coma por muito tempo
durante o tratamento médico.

Quando saí do coma

e comecei a receber as terapias,

em muitas delas,
o que é outro grande benefício

da realidade aumentada e virtual,

eles podiam usá-las
nos tratamentos médicos.

Eles podiam usá-las no tratamento
porque, durante o processo

das terapias,
eles conseguem isolar sinais

entre o seu cérebro
e partes diferentes do seu corpo.

Assim, podem ajudá-lo a identificar

membros ligados recentemente,

ou a aprender a reutilizar membros

ou readquirir o uso dos músculos
ou grupos musculares.

-Você acabou melhorando.
-Sim.

-E, novamente…
-De volta.

De volta ao serviço.

Desta vez, você voltou ao Planeta Dois.

Voltei ao Planeta Dois, Callidus Três.

O que é ótimo,

pois você poderia ver os resultados
do que ocorreu lá.

Sim, tive a chance de ver de perto

como estavam indo
os esforços de reconstrução,

alguns dos efeitos na população nativa,

como as pessoas se sentiam.

Após o fim da guerra,
quando não estavam mais sendo invadidos,

nem diante de morte iminente,
o que pensavam?

-Como se sentiam?
-E?

Sentimentos mistos.
Tivemos problemas de sabotagem.

Um dos espaçoportos
foi totalmente destruído.

Pelos nativos?

Pela população nativa,

que sabotou um dos tanques
de fusão da nave.

Quando essas coisas explodem,

elas destroem praticamente tudo
que está por perto.

É uma explosão de antimatéria.

Por que fizeram isso?
Estavam com raiva de vocês?

Estavam com raiva do que estava ocorrendo
com a civilização deles.

É compreensível.

O mundo dele havia sido virado
de ponta-cabeça,

balançado, pisado e reconstruído.

E vocês os ensinaram a matar.

Sim.

Isso deve gerar algum efeito também.

Sim, isso terá alguma repercussão,
com certeza.

Algo mais que descobriu quando voltou?

Outra coisa foi o surgimento repentino

de mutilações de gado.

-Sério?
-Sério.

Foi uma das coisas mais bizarras
com que me deparei após a reconstrução.

Primeiro, ficamos preocupados
com a volta do inimigo.

Não. Eram mutilações
de gado muito estranhas

no meio do nada,
todos os fluidos extraídos,

mutilações estranhas no corpo,

nenhum sinal de animais, pessoas

ou qualquer outra coisa na área,

e o aparecimento repentino

do que acredito serem entidades etéricas

ou outra raça de ETs que estava ali.

-Que estava fazendo–
-Que estava fazendo aquilo.

Só descobriu isso, que era um dos dois,
mais nada?

Não sabe o motivo por trás disso?

Não sei o porquê.

Suspeitei que fosse
por motivos psicológicos.

Eles queriam atormentar parte
da população que estava ali,

essa era uma forma.

Acha que as mutilações de gado
que ocorrem na Terra

têm o mesmo propósito?

Acredito muito nisso.

Devido a uma parte
da consciência negativa,

isso é semeado na população humana

por meio dessas experiências.

Como era a vida agora?

Antes, era semirrural,
mas isso foi destruído com a guerra.

Agora, como era a vida nesse planeta?

Foi como o renascer de uma fênix,

por assim dizer, da civilização deles.

Eles foram de ferramentas agrícolas

à construção de cidades e

instalações na órbita do planeta.

Ajudá-los a fazer isso e ver isso,

só isso já era gratificante,

vê-los reconstruir e reiniciar
sua civilização.

-Eles se tornaram uma raça espacial?
-Sim.

Impressionante.

Sim, eles ainda eram controlados.

Mesmo assim, avançar rápido desse jeito…

Eles receberam muita ajuda.

Avançar rápido assim é diferente.

Lembre-se dos avanços
que fizemos na Terra

só da década de 1930 à de 1940,
quando tudo foi ocultado.

-Muito similar.
-Muito similar.

Você notou algo mais nessa nova sociedade

que valha a pena repetir?

As estruturas sociais deles mudaram…

Muito regimentada, quase militarista.

Houve muitas coisas

que gostei de ver
serem reconstruídas e renovadas,

mas ver esse outro tipo de mudança
não foi uma delas.

Estavam aumentando as forças armadas?

Estando ou não
aumentando as forças armadas,

ver uma população civil
sendo regimentada,

mesmo que não usem uniformes
ou criem sistemas de armas,

continua sendo um pouco perturbador.

É muito orwelliano. É como ver a criação
de um estado-polícia.

Podemos dizer que essa era a intenção?

Era.

Por quanto tempo ficou nesse planeta
desta vez, tentado ajudar?

Fiquei ajudando na limpeza
e nas operações de renascimento

por mais alguns anos.

-Dois anos?
-Sim.

E a população ficou mais feliz
ou mais triste

em relação a antes de você chegar?

Ambos.

Houve uma quantidade tremenda
de mortes após a guerra,

todo mundo havia perdido alguém.

Portanto, havia essa tristeza
no plano de fundo.

E…

Como você se recupera disso?

Isso deve levar uma ou duas gerações

para que esse tipo de ferida seja curada.

Então…

Não houve…

Nem por um dia as pessoas
se esqueceram das perdas,

embora vissem novidades ou outras coisas

sendo construídas e consertadas,

e outras coisas melhorando.

Havia tanto felicidade quanto tristeza.

É claro que nós sentíamos isso.

Víamos isso.

É impossível não se sentir mal por eles.

Pelo menos eu me sentia.

E sei que os soldados com quem trabalhei,

que faziam parte da minha unidade,

pensavam o mesmo,

e esse foi um
dos fatores motivadores para nós.

Ajudá-los a aprimorar isso,

ajudar como pudéssemos
para melhorar as coisas.

Conseguiu retomar alguma relação

que tinha antes de voltar, com os nativos?

Não.

Eles me enviaram a um lugar novo,
uma área nova, novas pessoas.

As pessoas que estavam lá quando chegamos

eram muito abertas, acolhedoras,
atenciosas.

Eles lhe dariam as próprias roupas,
sem hesitar.

Não tinham subterfúgios.

Quando voltei no meio do processo
de reconstrução,

era Realpolitik.

Estava em pleno vigor.

Traições, movimentações políticas
e intriga,

uma pessoa fazendo mal a outra pessoa.

Algumas das piores fraudes
e eventos políticos

que vemos na mídia convencional hoje,

foi isso que aprenderam, infelizmente.

Era parte do plano.

No fim, quando você finalmente

foi embora do planeta
após ajudar a reconstruí-lo,

você achou que o seu envolvimento
havia sido algo bom ou ruim?

Senti-me bem por ter ajudado

a reconstruir várias coisas
que eles haviam perdido.

Me senti mal em ver toda a Realpolitik.

Eu a vi em ação, desde seu nascimento,
observando-a crescer

e tomar conta de toda a liderança deles.

Antes, eles trabalhavam em cooperativa,

sem nunca pensar ou se preocupar
com pagamentos.

Não era mais assim quando saí.

-Eram ordens de cima para baixo?
-Sim.

Ver isso foi decepcionante.

Os nativos se voltaram contra você
quando você voltou?

Não.

Quando voltamos
para ajudá-los a reconstruir,

havia unidades dedicadas especificamente

a fazer rondas e policiar
algumas tecnologias

deixadas nos campos de batalha
de um lado do planeta ao outro.

Sua função era coletar
os alienígenas mortos,

bem como os humanos ou humanoides mortos,

ou pelo menos marcar sua localização,
para que as famílias,

se tivessem sobrevivido,
soubessem onde achar os restos mortais.

Parte do trabalho era coletar tecnologias

que estavam espalhadas por toda parte,

de um canto do planeta ao outro.

Havia um grande mercado negro
de tecnologias,

tecnologias alienígenas,
vida biológica alienígena,

e o governo planetário
estava muito preocupado

com a coleta e o controle disso tudo.

As pessoas que ainda estavam lá,

como haviam desenvolvido
um submundo que estava em alta,

por assim dizer, um elemento criminoso

para esses produtos do mercado negro,

nós lidávamos com pessoas

que estavam interessadas
em certificar-se de que eles

não tomariam nem deteriam o controle.

Esses nativos
tinham um sistema de escambo antes,

mas agora haviam desenvolvido
um mercado negro.

Acho que isso indica
um aprofundamento da economia.

Um aprofundamento e alargamento
da economia.

A economia de oferta e demanda
que se instalou nesse planeta

tinha como base a produção de bens
e a produção

em uma economia de base fiduciária,
na qual você trabalha,

ganha dinheiro e compra coisas.

Você trabalha,
ganha dinheiro e compra coisas.

E se não puder comprar algo?

E se quiser algo que não está disponível?

Agora, eles estavam de olhos abertos.

O que são essas coisas alienígenas?

O que podem fazer por nós?

Talvez possamos mexer nelas.

Isso preenchia o mercado negro.

Era nisso que estavam interessados.

Suspeito que houvesse empresas
de fora do planeta

que estavam extremamente interessadas
em obter

novas formas biológicas alienígenas,

bem como tecnologias alienígenas.

Nós encaixotamos milhares de toneladas

de amostras biológicas alienígenas,
bem como de tecnologias alienígenas,

e mandamos tudo para fora.

Disseram-nos que tudo iria
para as bases de P&D em Marte.

Posso garantir que não foram
só para esses lugares.

Acho que também havia
empresas envolvidas,

provavelmente da Terra e/ou de Marte.

Você recebeu um treinamento especial

antes de ir a esses planetas,
para garantir sua camuflagem?

Sim.

Parte do nosso regime de treinamento

antes de pousar no planeta
incluía passar muito tempo

em cadeiras de educação neural,

nas quais baixávamos o idioma.

Baixávamos o que eles chamavam de pacote.

Ele incluía as informações

que estavam dispostos a compartilhar
conosco sobre a civilização,

as pessoas, e,
como parte desse download neural,

havia algumas coisas que estudávamos

ou que eram regionais.

Culturais.

Expressões e informações culturais.

-Roupas.
-Roupas.

Arte.

Sim, arte. O que fazer ou não,
as nuances,

até onde eles sabiam.

Porém, de onde obtiveram
essas informações?

Acho que provavelmente as obtiveram

dos dracos, que já haviam estado lá

e devem ter enviado
pelo menos um emissário

para coletar essas informações.

Sabemos que o Cabal
não confia nos alemães de Marte,

e que os alemães de Marte
não confiam no Cabal.

A aliança deles é delicada, obviamente.

Existe uma chance de guerra entre eles?

Sim.

Eu diria que o fato
de os alemães de Marte

ainda chamarem o Cabal
de “realeza de merda da Terra”

já é suficiente.

Os protocolos que evitam
o uso de tropas da Terra

contra a Terra,
eu espero muito que isso nunca aconteça.

Porém, posso dizer que o bloqueio

que está evitando a entrada de naves

no nosso Sistema Solar,
pelo menos até o futuro próximo,

decide o que, onde e como
as coisas acontecerão,

evitaria que boa parte da Marinha deles

viesse e participasse
após o evento ou as mudanças

que esperamos que aconteçam
na próxima década ou por aí.

Quem sabe?

O que acontecerá?

A humanidade ficará unida?

Deixará de importar a existência
de uma civilização dissidente

que vive em Marte? Não sei.

São perguntas que temos que abordar.

Suspeito que provavelmente haja

várias coisas acontecendo agora.

A animosidade entre eles

sempre foi contida com dificuldade,

pois um acha que o outro
é inferior ou está abaixo dele.

Essas batalhas que estão acontecendo

são entre o PES da Terra
e os alemães de Marte,

ou entre as facções alemães?

Nem todos os alemães de Marte
detestam a Terra.

Meu amigo Johann
é um exemplo nítido disso,

e já conheci outros.

Tudo bem, é uma porcentagem pequena
do exército deles,

mas eles existem.

Não podemos julgar todos eles
nesse sentido.

Precisamos ter cuidado,
pois as coisas não são

-tão monolíticas quanto pensamos.
-Não.

-É fácil pensar assim, mas não está certo.
-Não. Não está.

Você acha que há alguém vigiando você?

Não, eu sei que o Criador
está me vigiando o tempo todo.

Parte da minha missão
envolve vivenciar o que vivenciei

e poder contar as histórias

daqueles que mais se sacrificaram,

bem como daqueles que voltaram
e não se lembram de nada.

Essa é a minha missão,
é por isso que estou aqui.

Jason, foi um prazer entrevistá-lo.
Obrigado.

Obrigado pelo convite.
Tudo pela revelação.

Sim.

Sou Jay Weidner. Obrigado por assistirem.

Nesta temporada de Revelação Cósmica,

as pessoas compartilham
seu envolvimento secreto

com agências governamentais,
militares e programas espaciais secretos…

Todos os eletrônicos que vemos hoje
contêm algo

que não descobrimos por conta própria.

Quando as memórias começaram a voltar,

elas esclareceram muito o motivo
de haver pessoas me vigiando.

Estavam tentando modificar
o meio ambiente e o planeta

para o governo dos dracos.

REVELAÇÃO CÓSMICA

POR DENTRO DO
PROGRAMA ESPACIAL SECRETO

PRONTO PARA CONTAR A VERDADE?

Os e-mails são criptografados
e não podem ser compartilhados.

Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar no Facebook

0 0 vote
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
Vania

Mesmo que pareça que são coisas distantes da nossa realidade ou simplesmente dê a impressão de algo futurista ou imaginário, esses entrevistados que foram do PES, e tiveram o resgate de memórias falam muitas verdades que fazem parte do nosso dia a dia. Essas máquinas (absurdas) relatadas são usadas contra nós na superfície diariamente. Não parece mas são. Temos pensamentos e vontades manipulados constantemente, doenças provocadas e de vez em quando até coisa pior.
Por isso é muito bom elevar o padrão vibracional para evitar ataques com sucesso. Ter o conhecimento da existência destes equipamentos também é bom. Por isso sempre agradeço todos que se empenham na divulgação.
Obrigada.
Namastê