revelação cósmica temporada 11

S11E06 Consequências Terríveis da Violação de Segurança (Emery Smith)

Partilhar:

S11E06 Consequências Terríveis da Violação de Segurança (Revelação Cósmica)
S11E06 Dire Consequences Of Breaching Security (Cosmic Disclosure)

Assista ao episódio clicando no link abaixo, usando o browser chrome:
https://drive.google.com/file/d/13CBYbHOZqjwBwmrTNNvYPum_Z6YSa5lb/view?usp=sharing

Se der erro, use o browser chrome em modo anónimo (teclando Ctrl + Shift + n) no PC e se necessário, antes tem de fazer logout do seu gmail. Se ainda não conseguir, aceda a partir de outro PC. Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário (não no facebook), para indicarmos outro link.

resumo do episódio:

David: Num episódio anterior, estávamos discutindo alguns tipos de coisas que podem acontecer onde talvez alguém seja esperto e nervoso, e eles estão olhando em volta. E eles vêm até você e dizem: “Há algo que eu realmente quero que você saiba, mas eu não sei se devo contar a você”. E eu perguntei a você, “Isso já aconteceu?” E qual foi a sua resposta? ? Vamos rever isso.

Emery: Sim, havia algo semelhante a isso. Isso geralmente não acontece assim. Isso geralmente acontece depois que você sabe que alguém está num projeto há muito tempo. Há mais tempo que você. Notam que você está nisso há muito tempo e sabem que você é bom nisso, porque você ainda está lá. E durante o almoço, você pode estar compartilhando algumas informações. Você pode-se tornar amigo, o que não é permitido que você se torne amigo de ninguém, nem mesmo dentro desses programas. Mas isso acontece. Eu tenho amigos.

David: Os uniformes militares têm o seu nome escrito? Como no exército ou nos fuzileiros? Emery: Sim. David: Você tem nomes em seus uniformes lá? Emery: Não, não. Não há nomes. Só tem a faixa. David: Então você tem permissão para dizer às pessoas qual é o seu nome, ou é mesmo. . .

Emery: Sim. Sim, você pode ter uma “conversa casual”, dizem eles. Então as pessoas falam sobre as suas famílias, o que fizeram no fim de semana, coisas comuns que você ouve pessoas comuns falando: filmes, programas de TV e piadas engraçadas, é claro. Muitas piadas são ditas durante o almoço que também refletem sobre alguns dos projetos em que trabalhamos. Mas não falma sobre o projeto, então está tudo bem.

David: Então você poderia conhecer alguém pelo nome. Emery: Claro.

David: saber o nome deles e falar com elas. Você também tem alguma área de lazer que você frequentaria para socializar? Emery: Não. Mas eu fiz amizade com muitos comandantes e com muitos cientistas que estavam no mesmo projeto. E eu me encontrei ilegalmente com esses cientistas e pessoas para encontros sociais, jantares e churrascos. Você pensa porque é o seu comandante convidando você para o churrasco, que – e ele está nisso há 10, 20 anos mais do que você – que tudo vai ficar bem, certo? E esse não é o facto. Isto não é um facto . . . que não está tudo bem. E eles criam essas regras para que essas coisas não aconteçam e que a informação não caia nas mãos erradas. E um dos comandantes de um dos projetos em que eu estava trabalhando tornou-se muito próximo – viramos grandes amigos…

Mas, você sabe, durante nossas horas de almoço e durante outras horas de treinamentos nessas instalações subterrâneas, você fala algumas vezes. As pessoas escorregam e começam a falar sobre as coisas. E uma das coisas que ele falou para mim foi esta incrível nave que ele iria me envolver para trabalhar e realmente testar o simulador de voo de uma aeronave extraterrestre.

David: Realmente? Emery: Sim.

David: E você já tinha visto uma aeronave antes? Emery: Sim. Eu vi uma nave antes deste ponto, mas não desta magnitude. E não eram cópias de aeronaves extraterrestres.

David: O que é uma cópia de aeronave extraterrestre? Emery: Quando encontramos aeronaves na Terra ou desenterramos ou abatemos ou coletadas como lixo espacial ou coletamos de algum outro lugar no espaço, ele é trazido para essas instalações, e basicamente tentamos copiar a engenharia reversa da aeronave o melhor possível.

David: Então este comandante amigo seu. Emery: Sim.

David: . . . Parece que vocês ficaram bem próximos? Eles implantaram chips em vocês? Podem ter monitorizado vocês e saber que saíam para jantar? Emery: Não, não que eu soubesse. Eu realmente fui visto com o comandante num local que eu não estava autorizado a estar por causa da minha autorização. Aí, a casa caiu.

David: Bem, esta é uma história que você me contou há muitos anos, então vamos mostrar isso um pouco. Onde você estava com o comandante quando ele lhe contou sobre isso, e o que ele disse que você poderia ver?

Emery: Havia uma embarcação extraterrestre real que eles haviam capturado e trazido para uma das salas de operação do hangar subterrâneo. David: Ok. Emery: Tudo com isolamento a vácuo. E dentro disso, eles estavam copiando a nave na mesma sala, tentando fazer engenharia reversa da nave. Então eles começaram pelo interior da nave. Então foi como se a nave estivesse aberta, e você poderia cortá-la ao meio.

Nave Alienígena em forma de diamante

Era uma nave em forma de diamante, e não era tão grande assim. Provavelmente não era maior do que um trailer (camião).

David: Então quando você diz “em forma de diamante”, você poderia ser mais preciso sobre o que isso significa? Como seria realmente se você tivesse que desenhá-lo? Emery: como um pedaço de fluorita. É um octaedro.

David: Uma pirâmide no topo, outra no fundo. Emery: correto. Isso mesmo, mas deitando. Então os pontos estão fora, não para cima e para baixo. Então está assim [Emery separa as mãos para mostrar um arranjo horizontal] e se equilibra perfeitamente. Então eles fizeram isso. Eles estavam tentando fazer isso.

David: E qual foi a cor? Emery: Era ouro. Emery: Na verdade, tinha uma luz para isso – uma luz muito boa, como essas luzes que estão em cima de nós. David: Então brilhou? Emery: muito sutil. Muito sutil. E tinha uma superfície muito metálica, por isso refletia a luz se você iluminasse a luz.

David: Sem nenhuma junção? Emery: Nenhuma. Só nas bordas do octaedro. David: Mas você disse que já havia sido dissecada. Emery: não. O ofício que eles estavam fazendo ao lado dele era justo. . . Eles estavam tentando descobrir como isso funciona e como ele voa. E eles estavam fazendo um monte de coisas com o eletromagnetismo real dele. Então eles duplicaram uma cópia de meia aeronave. Fizeram um corte transversal, uma metade feita pelo homem. David: Como apenas metade de um octaedro?Emery: Apenas metade como se fosse cortada ao meio.

 

David: Como você chegou lá se você não está autorizado a estar lá? Se você não está autorizado a estar lá? Emery: Se você estiver acompanhado por alguém do alto escalão. Muitas vezes, por motivos de emergência, você precisa ir rapidamente a certos lugares. E quando você está com alguém que tenha uma autorização maior do que você, então a responsabilidade cai sob essa pessoa por questões legais e por tudo. Mas todos sabem que, se você não estiver num projeto, é pouco provável que você vá ver algo sem estar a par de tudo. E eu não estava no projeto. Eu estava lá no projeto clandestinamente através do meu amigo.

David: Diga-nos o que aconteceu. Emery: Então chegamos a este andar. A porta se abre, e nós andamos por um corredor de cerca de 30 metros ou mais. E tem outra porta isolada a vácuo. Que se abre, como uma porta de elevador. Mas essas portas são muito grossas. Extremamente grossas, com cerca de 60 cm de espessura. Quando as portas se abrem, há uma plataforma. Esta plataforma com trilhos tem uns nove metros.

E ela dá para um abismo, onde não dá para ver o fundo. E as paredes são completamente cobertas de rocha, como numa caverna – apenas paredes de rocha sólida pura. E depois da plataforma, você chega no salão do domo. Onde a aeronave está. Todas essas pontes diferentes levam a este enorme salão gigante suspenso e pressurizado…

 

 

Emery: É muito seguro, com certeza. E eu não sei porque eles têm esse salão suspenso longe das paredes, talvez uns trinta metros. Então você tem esse quarto gigante agora. Você está andando por várias plataformas, que partem de outras portas. E então você chega lá e passa por outras portas grossas. E você chega ao salão.

David: Uau!

Emery: Aí estavam as duas aeronaves.

David: Agora descreva o que você viu e como você abordou o que viu?

Emery: Há um grande salão circular coberto com um topo que é muito alto. Eu não sei exatamente o quão alto – pelo menos 30 metros.

E o piso é completamente espelhado em um ladrilho metálico tipo espelho. Os ladrilhos estão em forma hexagonal. E são umas cerâmicas muito grandes. Não sei se são eletromagnéticas. Pode ter algo sobre elas. Talvez as tenham usado para elevar a frequência da máquina, porque ambas as aeronaves estão agora tocando no solo. Mas essas coisas pesam algumas milhares de toneladas. Então, obviamente, algo as sustenta artificialmente. Algo que não temos aqui na Terra. Algum tipo de anti-gravidade. Uma das aeronaves é a original, claro. Nós conversamos sobre isso. E a outra é apenas para os instrutores aprenderem a pilotar.

David: Qual foi a sua experiência? Você estava com medo de falar e dizer o quão incrível isso parecia? Você disse alguma coisa ao comandante Emery: Sim, eu disse isso, “Isto é incrível! Obrigado por me permitir fazer parte deste projeto. ”Porque eu era apenas um. . . Eu realmente só pensei que esta é a minha primeira introdução talvez para isso, e agora eu talvez faça parte disso de uma forma ou de outra.

David: Estou muito curioso sobre este sistema de simulador de voo. Você poderia entrar em mais detalhes sobre qual é a experiência real? Você está vendo estrelas? E você pode voar em torno de Júpiter e Saturno neste simulador? O que você realmente faz? Emery: Exatamente. É uma descrição detalhada em 3D de todo o planeta e dos oceanos. David: Do nosso planeta? Emery: deste planeta. David: Realmente? Emery: Não mostra nada que acontece fora do planeta. Nada além da Lua. Fora isso, eles têm simulações completas das estruturas da Lua e também do interior dela. O mais legal eram os oceanos. Coisas que você nunca viu antes. Se for escrito como um programa, no que eu não acredito. Eu acho que é uma réplica exata de coisas que eles já conhecem. Então, imagine abrir um Google Earth mil vezes mais potente, com óculos de realidade virtual, e poder ir a qualquer lugar.

David: O que achou legal sobre os oceanos? Emery: Bem, os oceanos. . . Nós só sabemos sobre os oceanos através do Google Earth e o que aprendemos nas enciclopédias. Poucas pessoas podem entrar num submarino e explorar os oceanos. E sabemos mais sobre nosso próprio espaço do que sobre nossos oceanos, e todos sabem disso. O assento é na verdade parte da aeronave. Então, não é como uma cadeira. Ele é moldado. É um molde de um assento. E na frente dele tem um painel de controlo enorme. E esse painel tem muitas telas e imagens holográficas, tem controlos manuais, que se encaixam na sua mão. Sua mão desliza neles. Então imagine uma luva ao contrário, eu acho, onde você está colocando suas mãos nesta área de luvas. E suas palmas se encaixam perfeitamente em uma superfície curva e macia. E com isso você aciona tudo. Então ele estava começando a me ensinar como pilotar a nave.

David: Então chegaste a sentar no cockpit? Emery: Eu pilotei a aeronave.

David: No interior do domo? Emery: Não. Era em um simulador. É por isso que tinha uma tela grande. Eles estavam tentando fazer engenharia reversa do assento e algumas das coisas que viram lá. E então isso era falso. Esta foi uma tela grande. É um simulador dessa nave. Então, eles estavam treinando esses pilotos clandestinos como usar este equipamento com essas coisas curvas em que a mão se encaixa. E é um lugar muito confortável, a propósito.

David: Ele se molda ao seu corpo, ou seria apenas uma forma agradável e confortável? Emery: Ele tinha muita plasticidade. Não contornava o seu corpo. Não se transformou em você, mas cedia. Então seus cotovelos e tudo mais. . . você tinha que estar sentado em uma determinada posição. E é meio reclinado um pouco, e você está sentado assim com suas mãos nessas luvas estranhas. . . que faz parte do banco, a propósito, as luvas. Não pense em luvas, mas num apoio no qual suas mãos encaixam perfeitamente. E depois de praticar no simulador por algumas horas – pelo menos três ou quatro horas – eu só lembro de ouvir aquele som horrível das portas se abrindo porque tudo ecoa lá dentro. Você ouve a conversa de toda a gente. Não há carpete nem nada. Você pode ouvir um alfinete cair a 100 metros de distância. E é só esse silêncio lindo e apenas nossas vozes. E então quando as portas se abrem, elas têm um som muito interessante. Parece um. . . Se você já teve um pedaço de plástico. . . Eu sempre me refiro a raios-X porque você sabe como é o papel de raios-X?

David: sim.

Emery: E você balança, e fica “rah-rah-rah-rah-rah”. Bem, essas portas fazem isso. “Rah-rah-rah-rah-rah”, e eles apenas vêm bem abertos. E eles têm esse “rah-rah-rah-rah-rah-rah” – esse ruído vibracional realmente estranho que não é comum ouvir numa porta mecânica, eu direi.

E quando ouvi isso, olhei para ele e disse: “Oh, há outras pessoas vindo?” Ele diz: “Não. Ninguém está autorizado a estar aqui agora. ”

E foi aí que os homens de fato surgiram.

David: O que você quer dizer com homens de fato, exatamente? Emery: Eu estava pensando que ele fosse a maior autoridade lá,  que estava no comando de tudo, acima de todos. Então, como é que algum segurança vai dizer algo sobre isso? Porque eu legitimamente pensei que isso estava bem. E não foi. E esses trajes são pessoas de terno preto, ok? Essa não é uma área limpa, a propósito. Então você não precisa ter seus trajes espaciais aqui. Isso é o que chamamos de “área suja”. Então você pode apenas estar eno seu uniforme lá.

E esses homens de fato (terno) chegaram, quatro…

David: Estamos falando de fato e gravata?Emery: Sim, fato e gravata, quatro ou cinco deles. Eles eram todos mais altos que eu e maiores que eu.

David: Estamos falando de “Men in Black”, como com o chapéu e óculos de sol? Emery: Não. Sem chapéus e óculos de sol, apenas normais, caras grandes, mas muito profissionais.

David: Ok. Emery: Não seguranças também, mas eles poderiam ser. E eu apenas me lembro deles agarrando o comandante pelo braço e apenas o tirando de lá. E então eles me disseram para sair da cadeira, e eu acabei de sair da cadeira. E eles colocaram minhas mãos atrás de mim e me amarraram e me vendaram os olhos. E essa foi a última vez que eu o vi.

David: Realmente? Emery: Sim. David: Em toda a sua vida? Emery: Sim.

David: Eu sei que esta parte é muito dolorosa, mas diga-nos.

Colocaram um saco na sua cabeça e amarraram as suas mãos? Quanto tempo passou antes você chegar à sala? O que você experimentou ao longo do caminho? Foi em um veículo?

Emery: Foi uma longa caminhada. Eu estava em três elevadores diferentes. Foi uma caminhada muito longa, e eu estava tentando traçar meus passos para onde eles estavam me levando, mas então eles me colocaram num desses carros elétricos que eles têm.

E eles são muito pequenos, mas eles podem transportar quatro pessoas. Mas pense nisso como uma coisa do tipo tobogã, mas com o dobro do tamanho. E eles estavam falando numa língua diferente que eu não sei. A última coisa que me lembro. . .

David: Isso não soa como uma linguagem da Terra com a qual você está familiarizado? Emery: Não. David: Uau! Emery: Eu pensei que talvez fosse Navajo ou alguma outra língua indígena. Parecia apenas uma excentricidade da língua navajo. Eu conheço um pouco disso por morar no Novo México, mas não entendi. E eles falaram muito fluentemente. E eles entravam e saíam falando em inglês para mim.

David: Essas pessoas pareciam que eram da Terra? Emery: Eles eram humanos geneticamente modificados, com certeza. De alguma forma, eles foram geneticamente modificados porque eram um pouco grandes demais. Todos pareciam um pouco parecidos demais. E eles eram muito profissionais e inteligentes e muito, muito fortes.

David: Que tipo de raça de pessoas na Terra eles seriam? Emery: Eles eram como. . . Eles eram brancos. A sua raça era branca. Eles tinham olhos azuis. Eles tinham cabelos coloridos diferentes. Eles estavam vestidos muito bem.

David: E extremamente musculoso? Emery: Extremamente musculosos e grandes. Sim.

David: Ok. Emery: Sim.

David: Então isso é muito intimidador. Emery: Eu estava com medo, muito mesmo.

David: Eles estavam carregando algo parecido com uma arma ou algo assim quando você os viu pela primeira vez? Emery: Não, de forma nenhum, mas eles estavam me segurando com força. E eu estava sendo muito complacente, mas eles ainda estavam-me manipulando com muita força.

David: E o que acontece depois? Emery: Eles me levam para fora deste veículo numa pequena sala, porque. . . Acabei tirando a minha venda no final. É por isso que posso descrevê-lo antes do tempo. Mas eu estava vendado. Eu tinha . . . Meus braços estavam amarrados atrás de mim. E eles me disseram para sentar numa cadeira. E há três cadeiras e uma mesa numa sala de 10m. E eu fui atingido na parte de trás da cabeça várias vezes, no pescoço e também no estômago, por algum tipo de instrumento, como um bastão, talvez, ou algo assim. E eu fiquei inconsciente. Eu estava sangrando na parte de trás da minha cabeça, mas nada no meu rosto. Eles então se sentaram e decidiram-me fazer muitas perguntas. Eles estavam me perguntando há quanto tempo eu sabia sobre o projeto? O que ele me disse? Você sabe, eu admiti ter uma amizade com ele do lado de fora com a família dele, que eles já meio que conheciam, mas nós nunca conversamos sobre nada disso. Perguntei se poderia receber um pouco de atenção médica porque sentia que estava perdendo muito sangue. E eles trouxeam alguém que estancou o sangue, pressionando. E eles me disseram para ir para casa e entrariam em contacto comigo.

David: Você teve contusões ou uma concussão depois? Emery: Sim, eu tive uma concussão e um grande hematoma na parte de trás da minha cabeça. Eu estava morrendo de medo de relatar isso. Acho que eles estavam-me testando. Eu pensei que esse fosse o próximo teste. E era. Porque eu não disse nada para ninguém. E foi assim que consegui meu emprego de volta, porque consegui manter um segredo. E o segredo magoou-me.

David: Como é estar naquele lugar onde você se sente completamente impotente, você está algemado, você não consegue ver nada, e você está apenas ficando cruelmente espancado? O que estava passando pela sua cabeça? Você achou que eles iam-te matar? Emery: Sim, eu pensei que fosse isso. Eu nem estava dizendo nada porque sabia qual era o contrato e você não pode quebrar o contrato. E mesmo que eu tenha sido enganado, eu não sabia que era um. . . porque é uma situação muito delicada. Foi uma situação tão delicada, pois será que o comandante fez isso intencionalmente? Ele estava intencionalmente tentando prejudicar a instalação? Obviamente, ele era acompanhado a setores por alguém com permissão que ele não tinha e isso era permitido. Em certas ocasiões. Mas não desta vez. Isso não foi. . .Eu acho que isso não se correlacionou com quem está realmente no comando. Ele provavelmente não relatou. Talvez ele tenha que reportar a alguém. Ele apenas nunca me disse. Eu não vi dessa maneira. Eram civis separados dos líderes militares que estavam lá.

Fiz algo de errado? Tudo que sei é que fiz algo errado. Eu pensei: “Bem, obviamente, estou aqui numa situação muito ruim agora. Eu vou ser morto provavelmente, e é isso.” Então eu estava aceitando isso. Quer dizer, eu já estava destruído o suficiente quando eles tiraram as vendas, e eu apenas lembro de olhar para eles. E eles apenas disseram para nunca repetir isto novamente, “e se você diz alguma coisa ou faz alguma coisa, você sabe o que acontece.”

E eu só sabia naquele momento: “Bem, eu não vou morrer.” Porque ele estaria falando comigo? Porque ele estaria olhando para mim enquanto eu olhava para cima, você sabe, [e] diz isso para mim e obviamente me daria outra chance? Então fui mandado para casa. Eles disseram: “Nós entraremos em contacto com você. Não venha trabalhar amanhã.”

E eu não queria ir para casa porque isso deve significar que não voltarei, foi o que pensei. Mas então eu pensei, bem.

David: Como você chegou em casa se você está em uma parte desconhecida da base? Emery: Oh não. Eles me acompanharam. Eles já. . . Eu já estava de volta à minha área. Isso é o que tudo isso conduzindo e subindo e descendo. . .

Eles pegaram uma amostra de ADN (DNA) de mim.. E eles tiraram-me sangue, o que é normal quando as coisas ficam feias.

Eu já ouvi isso; eles fazem isso para qualquer um que seja apanhado em outras áreas.

E eu fiquei impedido de tentar entrar em contacto com ele ou a sua família novamente “pelo tempo que durasse a minha vida na Terra”.

David: Uau! Então você foi para casa da maneira normal que você teria do seu trabalho. Emery: Sim. Sim, sem demora. Nada. Eu literalmente estava tão assustado. Eu realmente pensei que perdi tudo. Eu pensei que perdi minha carreira e meu trabalho com eles.

Eu ouvi tantas histórias horríveis disso acontecerem com outras pessoas e pensei que nunca aconteceria comigo porque eu seguia as regras. Eles não gostaram do que aconteceu.

E a última coisa que eles estavam dizendo era apenas para ir para casa: “Nós entraremos em contacto com você.” Então eu pensei que estava fora do trabalho. Eu pensei que tinha perdido todas as minhas autorizações. Eu pensei que tudo estava perdido para mim.

E foi quando eu fui para casa. E ainda fui trabalhar no dia seguinte para o meu trabalho militar.

David: O “trabalho de fachada”.

Emery: O trabalho de fachada. E então, um dia depois, fiquei curioso e fui na minha bicicleta de montanha e queria fazer uma pequena investigação dar uma volta ao redor da montanha lá em cima por este lugar onde conversamos sobre como o comandante tinha mencionado algumas coisas incríveis acontecendo lá em cima.

Se todos olharem para o Google na Base Aérea de Kirtland, ou se você estiver voando para pousar na ABQ [Albuquerque International Sunport], você sabe, todo mundo sabe das cavidades da montanhas lá.

E há essas portas gigantes na montanha onde costumavam manter todas as ogivas nucleares. E agora eles são usados ​​para armazenar outras coisas.

E ele mencionou isso – o comandante – para mim durante uma de nossas excursões. E eu sabia que havia algo acontecendo lá em cima, mas eu realmente não tinha autorização para entrar ou chegar perto daquela instalação. No entanto, desde que eu sou membro do serviço ativo, há um trilho de bicicleta que passa em volta da base. Há também quatro ou cinco cercas, cães de guarda e policiais militares em todas as entradas que entram na área das montanhas. E essas estradas de serviço são o que eu uso com a bicicleta de montanha algumas vezes por semana.

Mas eu era jovem e curioso. E eu pensei que se eu fosse até lá, poderia ser capaz de vislumbrar algo e ver o que está acontecendo, entrando e saindo.

Além disso, usando óculos especiais e outras coisas, você pode ver diferentes flutuações de energia que foram emitidas naquele momento.

De qualquer forma, eu fui ao redor. E eu estava andando de bicicleta de montanha em torno desta instalação e, provavelmente, olhando para as instalações mais do que olhando para o meu trilho de bicicleta, eu presumo.

E a três quartos do caminho de volta, fiquei gravemente doente. Eu senti como se estivesse derretendo de dentro para fora. E eu ainda tinha mais 13km para voltar ao meu quartel. E eu consegui voltar. E quando consegui voltar, fiquei em posição fecal e rezei para que Deus me matasse, porque foi a pior dor que já senti.

David: Então o que você acha que aconteceu com você com base no que você sabe agora? Emery: Eu acho que foi uma arma escalar. Parecia que todo o seu interior está em chamas e você não pode fazer nada para fazer a dor ir embora. Você entra em posição fetal, e parece que alguém está apenas pegando as suas vísceras e torcendo-as e ateando fogo nelas. E foi tão horrível que eu fiquei inconsciente e possivelmente poderia ter morrido naquele momento. Eu não sei.

David: Então, só estamos claros, você acha que há algum tipo de emissor, como uma arma de raio, que eles apontaram para você enquanto você estava andando de bicicleta? Emery: Claro. Mais tarde, descobri que eles têm tecnologia escalar superprecisa. Eles podem apontar através daqui e atingir alguém na China. Só aquela pessoa. E neutralizá-la? Combustão humana espontânea? Não! Não é isso. É o tipo de arma que eles usam. Essas coisas acontecem mesmo.

David: Então você caiu da sua bicicleta quando eles te atingiram com isso? Emery: Não. Eu apenas lentamente comecei a ficar pior, pior, pior e pior e pior e pior, quando eu estou descendo a montanha.

David: Oh. Emery: E eu fiz isso. Eu deveria ter acabado por ir para o hospital ou algo assim, mas eu meio que sabia. Eu já ouvi falar dessas histórias. Eram como mitos entre as pessoas que trabalhavam lá, mas eu realmente não sabia. Agora eu sei.

David: Agora, você me disse antes que, como resultado de ser atingido por isso, você tinha um transtorno de stress pós-traumático que se desenvolveu.

Emery: Sim.

David: Você poderia explicar um pouco sobre o que é isso? O que aconteceu? Emery: Bem, toda vez que eu recebo qualquer tipo de sentimento estranho de energia ou algo assim, isso pode me desencadear – certas situações na vida que podiam ser um gatilho. Você tem uma crise de ansiedade.

Você pode não lembrar o que aconteceu há uma hora. Você pode até apagar. Às vezes. Você pode entrar em pane e acordar na cama e se espantar.

David: Então você está deitado na cama agora. Você teve ferimentos na cabeça recentemente. Você disse que tinha um hematoma. Você teve uma concussão. Agora você teve esse ataque de arma de energia dirigido ultrajante.

Neste ponto, você sabia se algum dia poderia voltar a trabalhar? Ou o que passava pela sua cabeça?

Emery: Foi só quando acordei no quartel, após ter desmaiado. Por causa do raio dessa arma, que eu recebi uma mensagem, que era para me apresentar no trabalho. E eu fiz. Mais uma vez, eu me encontrei com três pessoas, mas esses não eram os homens de fato. Essas eram as pessoas com quem eu sempre trabalho.

E eles apenas disseram: “Não deixe que isso aconteça novamente”. E eu disse: “não vou”. E foi isso. David: Uau! Emery: Eu consegui o meu emprego de volta.

David: Como esse evento mudou você em termos de como? . . porque você disse que estava muito entusiasmado com o seu trabalho. Você sentiu como se estivesse num parque de diversões quase – um parque de diversões alienígena. Como isso mudou isso?

Emery: Houve algum tipo de colapso de continuidade, pensei. E eu simplesmente não acreditava mais neles. Eu não acreditava na estrutura. Tipo, quem diabos está por trás disso? Quem está no controlo? Quem está no comando? . . Você sabe, quem está REALMENTE executando este show aqui em baixo?

Eu comecei a ficar bravo, como enlouquecer. Eu estava tentando descobrir por mim mesmo e agora não posso nem falar com ninguém sobre isso. Eu não posso nem. . . Para meus colegas de trabalho, não posso dizer nada.

David: Eu sei que você não pode ser muito específico, mas onde estaria este comandante na hierarquia militar dos EUA, digamos, em relação ao Estado-Maior Conjunto, que se reporta ao Presidente dos Estados Unidos e é o chefe de cada ramo? dos militares. Onde ele estaria nesse relacionamento?

Emery: Tudo é baseado em autorizações. Você pode ser um capitão e ter a mesma permissão que um general ou um coronel. Você pode ser um sargento e ter a mesma autorização que um capitão ou coronel. Lembre-se, são os deveres que você executa e o que é necessário para realizar o trabalho. Não é sobre o. . . Eles não usam a hierarquia militar de classificação para essas posições, ok? Eles se baseiam no conhecimento e na formação das pessoas que são recrutadas para estes projetos.

David: Então, até onde você sabia, não é como se este comandante fosse um membro da Junta dos Chefes do Estado-Maior, ou algum manda-chuva nas forças armadas. Mas, no seu ecossistema secreto, ele tinha chegado ao posto máximo. Emery: Ele era a pessoa que eu conhecia com o posto mais alto na minha área. E não achei que houvesse alguém acima dele com acesso a qualquer setor naquela base.

David: Uau! Bem, esta é uma história e tanto! Trágica, mas também acho muito revelador dos sacrifícios que você teve que fazer para chegar onde você está hoje para nos contar essa informação. Como você se sente ao finalmente ter partilhado esta história com o mundo? Emery: Eu só quero que todos saibam o que realmente está acontecendo. E eu quero tirar o peso dos meus ombros para que outras pessoas possam falar também. E compartilhar, pois eu sei que eles estão sofrendo. É difícil de entender, a não ser que você tenha passado por isto. E eu sei que há muito mais Emerys por aí como eu, e eles só precisam de um pouco de ajuda de uma entrevista como essa para que eles saiam e se juntem a nós para que as pessoas saibam que eles têm o direito de saber sobre todos esses incríveis coisas que estão acontecendo lá em baixo que podem ajudar a humanidade.

E, ao mesmo tempo, para onde vai todo o dinheiro dos impostos que nós pagamos e coisas deste tipo? Há muita corrupção. Mesmo que essas coisas pareçam legais para algumas pessoas, como filmes de ficção científica, não é. Deve ser algo que é desaprovado pelas pessoas. A bondade deveria prevalecer. Não a maldade. David: Bem, quero agradecer-lhe por dar um passo à frente e espero que consigamos mais insiders.

Episódio com legendas em português do Brasil (para quem não deseja assistir ao vídeo):

revelação cósmica temporada 11 episódio 6

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO COM COREY GOODE E DAVID WILCOCK

Terríveis Consequências
da Quebra de Segurança

Bem-vindos ao ”Revelação Cósmica”.
Sou David Wilcock

e este é nosso
convidado, Emery Smith.

-Bem-vindo, Emery.
-Obrigado pelo convite, David.

Em um episódio anterior,
estávamos discutindo

algumas coisas que
podem acontecer,

como alguém esquivo e
nervoso, olhando em volta,

virar para você e dizer:

“Há algo que você precisa saber,
mas não sei se devo dizer.”

Eu lhe perguntei
se já aconteceu.

E o que você respondeu?
Vamos rever isso.

Aconteceu algo parecido.

Geralmente não é
assim que acontece.

Acontece geralmente quando
alguém está em um projeto

há muito tempo.

Há mais tempo que você.

Notam que você está
nisso há muito tempo

e sabem que é bom nisso,
porque você ainda está lá.

E durante o almoço
você compartilha algo

e você faz amizade,

o que não é permitido.

Ser amigo de ninguém de fora,
nem de dentro dos programas.

Mas acontece.

-Eu tenho amigos.
-Espere.

Os uniformes militares
têm seu nome escrito?

-Como no exército ou fuzileiros?
-Sim.

-Tem seu nome no seu?
-Não.

Não tem o seu nome.
Só uma faixa.

Você pode dizer aos
outros o seu nome?

Pode. Você pode
conversar casualmente.

A gente fala da família,
do fim de semana.

De coisas que as pessoas comuns
falam: cinema e programas de TV.

Piadas, claro. A gente conta
piadas na hora de almoço,

que refletem nossos projetos.

Mas não falam sobre o
projeto. Então, tudo bem.

Então você pode conhecer
as pessoas pelo nome.

-Claro.
-Saber o nome e falar com elas.

-Sim.
-Além da cantina,

vocês têm uma área de
lazer para socializar?

Não. Mas eu fiz amizade
com muitos comandantes

e com muitos cientistas que
estavam no mesmo projeto.

Eu me encontrei com
estes cientistas

e outras pessoas ilegalmente
para socializar.

Em jantares e churrascos,

porque o seu comandante
está convidando você.

E ele já está lá dez, 20
anos a mais que você.

Aí você acha que não
tem problema, certo?

E não é assim. Não é, não.

Não é certo.

E eles criam estas regras

para que isso não aconteça.

E para que as informações
não caiam em mãos erradas.

Eu fiquei muito próximo de um dos
comandantes, viramos grandes amigos.

Fazíamos mountain bike juntos,

andávamos de moto.
Ele era um amigão.

Você podia fazer mountain
bike com um comandante?

Não. Não podia.

Absolutamente não.

Saímos várias vezes para jantar. Ele
e a esposa, eu e minha namorada.

Nunca falávamos disso no trabalho.

Estávamos cientes disso.
Mas na hora do almoço

e durante o treinamento nas
instalações subterrâneas

você acaba falando.

A gente se distrai
e acaba falando.

E ele me falou desta
aeronave incrível,

em cujo projeto ele
queria me incluir

para testar o simulador de voo de uma
cópia de aeronave extraterrestre.

– Sério?
– Sério.

E você já tinha visto
uma aeronave antes?

Sim. Já tinha visto uma,
mas não desta magnitude.

E não eram cópias de
aeronaves extraterrestres.

E o que é uma cópia de
aeronaves extraterrestres?

Quando encontramos aeronaves

na Terra ou derrubadas,

ou coletadas como lixo espacial
ou de algum lugar no espaço,

elas são trazidas para nós.

Basicamente, tentamos copiar
a engenharia da aeronave

o melhor possível.

E esse comandante, seu amigo.

Vocês ficaram bem próximos, certo?

Vocês faziam mountain bike,
saíam para jantar em família.

Eles implantaram chips em vocês?

Podem ter monitorado vocês e
saber que saíam para jantar?

Não que eu soubesse.

Na verdade, fomos vistos juntos.

Em um lugar onde eu não tinha
autorização para estar.

Aí, a casa caiu.

Você me contou essa
história há muitos anos.

Vamos entrar em detalhes.

Onde você e o comandante estavam

quando ele revelou isso para você

e o que ele disse
que você veria?

Havia uma areonave
extraterreste de verdade,

que tinham coletado e levado
para as salas de operação

do hangar subterrâneo.

Tudo com isolamento a vácuo.

E lá dentro, no mesmo cômodo, eles
estavam replicando a aeronave.

Tentando copiá-la.

Eles começaram com a parte
de dentro da aeronave.

Era como se ela estivesse
cortada ao meio.

Ela tinha forma de diamante,

e não era tão grande. Era
do tamanho de um caminhão.

Quando você diz “forma de diamante”,
poderia ser mais preciso?

-Com o que ele se pareceria?
-Com um pedaço de fluorita.

-Um octaedro.
-Uma pirâmide no topo, outra na base.

Sim, mas na horizontal.

Com as pontas para os lados.

Ficam deitadas assim. E
têm muita estabilidade.

Então construíram isso.

-Queriam…
-Do tamanho de um caminhão?

-Sim.
-Era de que cor?

Dourada.

Ela também emitia uma luz.

Uma luz bem agradável,
como essas no nosso rosto.

-Então ela brilhava?
-Bem de leve.

E tinha uma superfície
bem metálica.

Ela refletia luz, se a
luz incidisse nela.

– Sem nenhuma junção?
– Nenhuma.

Só nas bordas do octaedro.

Mas você disse que já
havia sido dissecada.

Não. Eles estavam
construindo a aeronave,

mas tentavam descobrir
como ela funcionava,

como voava.

Fizeram uma série de
testes eletromagnéticos.

E fizeram uma cópia
de meia aeronave.

Fizeram um corte transversal,
uma metade feita pelo homem.

-Metade do octoedro?
-Só metade.

-Como se fosse cortado ao meio?
-Exatamente.

Como você entrou lá, se
não tinha permissão?

Se não estava autorizado.
Como você teve acesso?

Se você estiver acompanhado
por alguém do alto escalão.

Muitas vezes eram emergências.

Precisa chegar rápido
a certos lugares.

E quando você está com
alguém superior a você,

a responsabilidade é dessa pessoa.

Em termos jurídicos
e para tudo mais.

Mas todos sabem que, se você
não estiver em um projeto,

é pouco provável que você vá ver
algo sem estar a par de tudo.

E eu não estava no
projeto. Eu estava lá…

clandestinamente
através do meu amigo.

Diga o que aconteceu.

Chegamos num andar,
a porta se abre,

e andamos por um corredor
de uns 30 metros.

E tem outra porta
isolada a vácuo.

Que se abre,

como uma porta de elevador.

Mas essas portas são muito grossas.

Extremamente grossas.

Têm uns 60 cm de espessura.

Quando as portas se
abrem, há uma plataforma.

Essa plataforma com trilhos
tem uns nove metros.

E ela dá para um abismo, onde
não dá para ver o fundo.

E as paredes são cobertas por
pedras, como em uma caverna.

Sólidas paredes de rocha.

E depois da plataforma, você
chega no salão do domo.

Onde a aeronave está.

Todas as plataformas
levam a este…

enorme salão suspenso
e pressurizado.

Então você tem que passar
pelas portas de vidro grossas

para chegar à plataforma,
através da caverna,

-antes de chegar ao salão do domo.
-Exatamente.

Com toda certeza,
é muito seguro.

E eu não sei por quê
há esse salão suspenso

a 30 metros de
distância das paredes.

Então você chega
neste salão enorme

por várias plataformas, que
partem de outras portas.

Então você chega lá e passa
por outras portas grossas.

E, agora, você chegou ao salão.

Aí estavam as duas aeronaves.

Agora descreva o que você viu

e como você abordou o que viu.

Há uma grande salão circular

coberto por um domo

que é muito alto, Não sei
quanto tem de altura,

no mínimo uns 30 metros.

E o piso é todo espelhado

com uma cerâmica metálica,
que imita um espelho.

As cerâmicas tem uma
forma hexagonal.

E são uma cerâmicas bem grandes.

Essas cerâmicas hexagonais
têm uns dois metros.

Não sei se são eletromagnéticas.

Pode ter algo sob elas.

Talvez as tenham usado para
elevar a frequência da máquina,

porque ambas as aeronaves
estão agora em solo.

Mas essas coisas pesam
algumas quilotoneladas.

Claro que há algo que as
sustenta artificialmente.

Algo que não temos aqui na Terra.

Algum tipo de anti-gravidade.

Uma das aeronaves é a original,
claro. Falamos sobre isso.

E a outra é só para os instrutores
aprenderem a pilotá-la.

Como você se sentiu? Teve medo de falar?
De dizer como isso é impressionante?

-Disse algo ao comandante?
-Sim, disse: é incrível, impressionante.

Obrigado por me deixar
fazer parte disto.

Para mim aquilo era só
uma primeira introdução.

E talvez agora eu faça parte
disso de algum maneira.

Estou muito curioso em relação a
este sistema de simulação de voo.

Pode detalhar um pouco mais
como é a experiência de fato?

Você vê estrelas?

Pode voar por Júpiter e
Saturno no simulador?

O que vocês fazem de fato?

Exato. É uma descrição detalhada em
3D de todo o planeta e dos oceanos.

-Do nosso planeta?
-Sim, do nosso.

Ele não mostra nada que
acontece fora do planeta.

Nada além da Lua.

Fora isso, eles têm simulações
completas das estruturas da Lua,

e também do interior dela.

O mais legal eram os oceanos.

Coisas que você nunca viu.

Se for escrito como um programa,
no que eu não acredito.

Acho que é uma cópia exata de
coisas que eles já conheciam.

Imagine abrir um Google Earth
mil vezes mais potente,

com óculos de realidade virtual,
e poder ir para qualquer lugar.

O que achou legal nos oceanos?

Bem, só sabemos sobre os oceanos
através do Google Earth

e do que aprendemos
nas enciclopédias.

Poucas pessoas podem entrar em um
submarino e explorar os oceanos.

E sabemos mais sobre o espaço
do que sobre os nossos oceanos.

Todo mundo sabe disso.

O assento é na verdade
parte da aeronave.

Então, não é como uma
cadeira. Ele é moldado.

É um molde de um assento.

E na frente dele tem um
painel de controle enorme.

E esse painel tem muitas
telas e imagens holográfcas,

tem controles manuais,

que se encaixam na sua mão.

Pense em uma luva ao contrário,

em que a palma da sua mão
se encaixa direitinho

em uma superfície curva e macia.

E com isso você aciona tudo.

Ele estava me ensinando
como pilotar a aeronave.

Chegou a sentar na cabine?

Sim. Eu pilotei a aeronave.

-No interior do domo?
-Não. Era em um simulador.

Por isso é que tinha uma telão.

Eles estavam tentando
copiar os assentos

e algumas coisas que
eles viram lá dentro.

Essa parte era
falsa. Era um telão.

Era um simulador dessa aeronave.

Eles estavam treinando
esses pilotos clandestinos

a pilotar a nave com essas coisas
curvas em que a mão se encaixa.

E é um assento muito confortável.

Ele se ajusta ao seu corpo, ou
só tinha uma forma confortável?

Ele tiha muita plasticidade.

Ele não contornava o seu corpo,

mas ele também não se
ajustava anatomicamenrte.

Mas ele cedia.

Os seus cotovelos e tudo mais.

Você tinha que se sentar
um pouco reclinado.

E você se recosta assim com suas
mãos nessas luvas estranhas

que fazem parte do assento.

Não pensem em luvas, mas em um apoio
no qual suas mãos se encaixam.

E depois de praticar no simulador

por várias horas,

pelo menos duas ou três horas,

eu me lembro das portas, de ouvir aquele
som horrível das portas se abrindo.

Porque tudo ecoa lá dentro. Você
ouve a conversa de todo mundo.

Não tem carpete, nem nada.

Você podia ouvir um alfinete
cair a cem metros de distância.

E há esse belo silêncio
sepulcral e as nossas vozes.

E quando as portas se abrem,
fazem um barulho interessante.

Parece com o som…

Se pegar um pedaço de
plástico, como um raio-X,

o filme de raios-X,

quando você o sacode.

As portas fazem esse barulho
e, então, elas se abrem.

E elas fazem esse barulho estranho,

uma vibração, que não é comum
em uma porta mecânica.

E quando eu ouvi isso, eu
olhei para ele e disse:

Está chegando mais gente?

Ele disse: “Não, ninguém
mais tem permissão de vir.”

E então apareceram
os homens de terno.

Como assim, homens de terno?

Eu achava que ele fosse
a maior autoridade lá,

que estava no comando de
tudo, acima de todos.

Então, como um segurança vai
falar alguma coisa sobre isso?

Porque eu realmente achei
que estava tudo bem.

Mas não estava.

E essas pessoas de terno preto…

Essa não é uma “área limpa”.

Não precisa de traje espacial. É
o que chamamos de “área suja”.

Você pode usar o seu uniforme lá.

Vieram esses homens de terno.

– Você diz terno e gravata?
– Isso mesmo.

Uns quatro ou cinco.
Todos mais altos que eu.

Que nem os Homens de Preto,
de chapéu e óculos escuros?

Não. Sem chapéu ou
óculos escuros.

Grandalhões comuns, mas
muito profissionais.

Também não eram seguranças,
mas poderiam ser.

Eu só lembro de vê-los segurando o
comandante pelo braço, e o tirando de lá.

Aí, eles me mandaram
sair da cadeira.

Eu saí de lá.

Colocaram minham mãos
para trás e as amarraram,

e me vendaram os olhos.

E essa foi a última
vez que eu o vi.

– Serio? Nunca mais o viu?
– Nunca mais.

Agora nos conte essa parte.
Sei que ela é dolorosa.

Colocaram um saco na sua
cabeça e amarraram suas mãos?

-É.
-Quanto tempo até você chegar à sala?

O que sentiu no caminho?

Andamos muito, pegamos três elevadores.
Foi uma caminhada bem longa.

Tentei rastrear os meus passos e
saber onde estavam me levando.

Mas me colocaram em um
desses carros elétricos.

Eles são pequenos, mas podem
transportar até 4 pessoas.

Pense em algo como um tobogã,
mas com o dobro do tamanho.

E falavam uma língua que eu desconheço.
A última coisa de que me lembro…

-Não parecia uma língua do nosso planeta?
-Não.

Parecia a língua dos Navajo
ou outra língua indígena.

Parecia uma variação de Navajo,

que eu conheço um pouco
por ter morado no México.

Mas não consegui entender nada.

Eles eram bem fluentes, mas
eles falavam comigo em inglês.

ELes pareciam diferentes
de nós, terráqueos?

Com certeza eram humanos
geneticamente modificados.

Eram geneticamente modificados de algum
modo, porque eram grandes demais,

muito parecidos entre si,

e eram muito profissionais,
inteligentes e muito fortes.

A que tipo de raça na
Terra eles pertenceriam?

Eles eram brancos,
de olhos azuis,

diferentes cores de cabelo,

estavam super bem vestidos;.

-E extremamente fortes?
-Sim. E grandes.

Isso intimida na hora.

Eu fiquei com muito medo.

Quando eles chegaram,
estavam armados?

Não, não estavam. Mas estavam
me levando de maneira ríspida,

e eu fui bem obediente,

mas eles agiam
rispidamente mesmo assim.

E o que aconteceu depois?

Eles me levaram do veículo
a uma pequena sala.

Eles acabaram tirando a venda no fim. Por
isso eu consigo descrever as coisas.

Eu estava de olhos vendados, com
as mãos amarradas para trás.

Aí, eles me mandaram
sentar em uma cadeira.

Havia três cadeiras e uma
mesa em uma salinha.

Bateram várias vezes na parte de
trás da minha cabeça. Na nuca.

E na barriga também.

Com algum instrumento, talvez
um cassetete, algo assim.

Eu desmaiei. Minha
nuca estava sangrando.

Mas não no rosto.

Então, eles se sentaram e começaram
a fazer muitas perguntas.

Perguntaram há quanto tempo
eu sabia do projeto,

o que ele me contou.

Eu admití a amizade com ele fora do
ambiente de trabalho, com sua família.

Eles meio que já sabiam.

Mas não chegamos a falar disso.

Eu perguntei se poderia ver um médico,
porque estava perdendo muito sangue.

E eles trouxeram alguém que
estancou o sangue, pressionando.

Aí, me mandaram ir para casa
e eles entrariam em contato.

Você teve alguma
contusão ou concussão?

Tive concussão e um hematoma
na parte de trás da cabeça.

Estava morrendo de
medo de relatar isso.

Ache que eles estavam me testando.
Achei que fosse o próximo teste.

E era. Porque eu não
disse nada para ninguém.

E foi assim que voltei a trabalhar
lá. Porque sabia guardar segredo.

Mas o segredo me machucou.

Como é se sentir
totalmente impotente,

com a mãos amarradas, vendado,

e sendo cruelmente agredido? O
que passou pela sua cabeça?

-Achou que eles fossem matar você?
-Sim. Achei.

Eu nem falava nada, porque
eu sabia qual era o trato.

E o trato não pde ser quebrado.

Embora eu tenha sido enganado,
eu não sabia que era…

Porque é uma situação
muito delicada.

Era tão delicada, pois… será que o
comandante fez isso de propósito?

Eles estava tentando prejudicar o
centro de pesquisas de propósito?

Ele era acompanhado a setores
por alguém com permissão

que ele não tinha e
isso era permitido.

Em certas ocasiões.
Mas não desta vez.

Isso não estava de acordo com quem
quer que estivesse no comando.

Ele provavelmente não relatou
isso. Talvez devesse relatar.

Ele nunca me disse nada.
Eu não via desta maneira.

Eram civis separados dos líderes
militares que estavam lá.

Então, você pensa será
que eu fiz algo errado?

Tudo que sei é que eu fiz
algo errado. Eu pensei: “Bem,

estou numa situação muito ruim.
Provavelmente vão me matar.

E acabou.”

Eu já estava aceitando isto.

Eu já estava destruído
quando eles tiraram a venda.

Eu me lembro de ter olhado
para cima, para eles,

e eles me disseram para
isto não se repetir.

E se disser ou fizer algo,
você sabe o que acontece.

Foi aí que eu vi que
eu não iria morrer.

Por que ele estaria
falando comigo?

Por que ele me daria
outra chance?

Então me mandaram ir para casa e
disseram que entrariam em contato.

Não venha trabalhar amanhã.

E eu não queria ir para casa,

porque aquilo dava a entender
que eu não voltaria.

-Foi o que pensei.
-Como você voltou para casa,

se estava em uma área
que não conhecia bem?

Eles me acompanharam. Eu já
estava de volta a minha área.

Por isso andamos naquele
carro, pra cima e pra baixo.

Eles tiraram uma
amostra do meu DNA.

Da minha bochecha e do meu sangue,

o que é normal, quando
a coisa fica feia.

Eu já tinha ouvido que
eles fazem isso com todos

flagrados em outros setores.

E eu não poderia entrar em contato
com ele ou com sua família,

abre aspas, pelo tempo que durasse a
minha vida na Terra, fecha aspas.

Então você foi para casa, como faria
normalmente depois do trabalho?

Voltei. Sem delongas. Nada.

Eu estava tão aterrorizado, que
achei que tinha perdido tudo.

Achei que minha carreira
lá tinha acabado.

Eu sabia de tantas histórias horríveis
que aconteceram com outras pessoas.

Achava que nunca aconteceria
comigo porque eu seguia as regras.

E essa regra… Eles não gostaram.
Não gostaram do que aconteceu.

E a última coisa que eles disseram
foi para eu ir para casa.

“Faremos contato.” Achei que
tivesse perdido o emprego.

Perdido todas as autorizações.

Achei que tudo estava
perdido para mim.

Achei que isto afetaria
minha carreira militar.

E foi quando eu fui para casa

e fui para o meu posto
militar no dia seguinte.

-O emprego de fachada.
-O próprio.

No dia seguinte, fiquei curioso e
saí com a minha mountain bike.

Eu queria investigar
por conta própria,

dar uma volta pela montanha, por
esse lugar de que estamos falando.

De como o comandante tinha mencionado
coisas incríveis que aconteciam lá.

Se você olhar para a base da força
aérea de Kirtland no Google

ou se estiver sobrevoando
para aterrissar em ABQ,

todo mundo sabe das
cavidades da montanha lá.

E tem essas portas
enormes nas montanhas,

onde eles guardavam
as ogivas nucleares.

Agora eles guardam
outras coisas lá.

O comandante falou sobre isso
em uma de nossas excursões.

E eu perrcebi que tinha
algo acontecendo ali,

mas eu não tinha permissão nem
para passar perto daquele setor.

Mas, como eu sou um membro na
ativa, sei que tem uma trilha

que passa em volta da base.

Também há quatro ou cinco cercas,
cães de guarda, policiais militares

em todas as entradas que
dão para as montanhas.

E essas estradas de serviço são
as que eu uso com a mountain bike

algumas vezes durante a semana.

Mas eu era jovem e curioso.

E eu pensei, se eu for até
lá, talvez eu descobra algo.

E ver o que está havendo
lá, o que entra e sai.

E usando também óculos especiais

para captar flutuações
de energia.

Eu fui até lá, pedalando pela
trilha em torno da base.

Provavelmente olhando mais para
a base do que para a trilha.

E a três quartos do
caminho de volta,

eu fiquei gravemente doente.

Parecia que eu estava
derretendo de dentro para fora.

E eu ainda tinha que
voltar quase 13 km.

Para o meu quartel. E
eu consegui voltar.

E quando eu cheguei,
fiquei em posição fetal

e rezei para Deus me matar, porque
foi a pior dor que eu já senti.

O que acha que aconteceu com você?

Eu acho que era uma arma escalar.

Parecia que todo o seu
interior estava em chamas

e você não tem como
fazer a dor ir embora.

Você fica em posição fetal

e parece que estão pegando
suas vísceras e torcendo-as

e ateando fogo nelas.

E era tão terrível que eu desmaiei.

Podia até ter morrido, sei lá.

Só para esclarecer, você acha que
tem algo tipo de emissão lá,

como um raio de uma arma apontada para
você enquanto andava de bicicleta?

Com certeza. Depois eu descobri que eles
têm tecnologia escalar superprecisa.

Eles podem apontar através da
Terra e atingir alguém na China.

Só aquela pessoa. E neutralizá-la.
Combustão humana espontânea?

Não. Não é isso. É o tipo
de arma que eles usam.

Essas coisas acontecem mesmo.

Você caiu da bicicleta
quando atingiram você?

Não. Eu fui piorando cada vez
mais enquanto descia a montanha.

Mas consegui. Eu deveria ter ido ao
hospital, mas eu meio que sabia.

Eu tinha ouvido as
histórias. Eram como mitos

para quem trabalhava lá.
Mas não tinha provas.

Agora eu sei.

Você me disse antes que, por
ter sido atingido por isso,

que você teve transtorno do
estresse pós-traumatico?

-Tive.
-Pode explicar o que é e o que aconteceu?

A qualquer momento eu tenho
uma sensação esquisita

de energias que poderiam
desencadear uma crise.

Algumas situações que
poderiam ser um gatilho.

Você tem uma crise de ansiedade.

Você pode não lembrar o que
aconteceu há uma hora.

Você pode até apagar.

Às vezes. Você pode entrar em pane
e acordar na cama e se espantar.

Foi bem intenso.

Então você está na cama agora.
Você tem ferimentos na cabeça.

Você dise que teve um
hematoma, concussão

e você sofreu o ataque desta
arma de energia direcionada.

Àquela altura, você sabia se
conseguiria voltar a trabalhar?

O que se passava na sua cabeça?

Foi só quando eu acordei no
quartel, após ter desmaiado.

Por causa do raio dessa arma,

que eu recebi uma mensagem, que era
para eu apresentar no trabalho.

E eu me apresentei. Me
reuni com três pessoas.

Desta vez, não eram
os caras de terno.

Eram as pessaos com
quem eu trabalhava.

E eles disseram: “Não deixe
isso acontecer de novo.”

E eu disse que não deixaria.

E foi isso.

Eu consegui meu emprego de volta.

Como este evento mudou você?

Porque você disse que era muito
entusiasmado com seu trabalho,

pois parecia que você estava quase em
um parque de diversão extraterreste.

Como isso mudou?

Há um tipo de colapso de
continuidade, eu acho.

Eu não acreditava mais neles.
Não acreditava na estrutura.

Quem diabos está por trás disto?

Quem está no controle,

quem está no comando de tudo?

Quem eram os caras de terno?

Eu comecei a pirar, a ficar doido.

Tentei descobrir sozinho e hoje não
posso falar disso com ninguém.

Não posso falar nem com
meus colegas de trabalho.

Eu sei que você não pode
ser muito específico,

mas esse comandante estaria em que
posição na hierarquia militar?

Em relação à Junta de
Chefes do Estado-Maior

que se reportam ao presidente do EUA
e aos chefes de cada força armada?

Onde ele estaria nesta relação?

Tudo é baseado em autorizações.

Você pode ser um capitão e ter
o mesmo acesso que um general

ou um coronel. Você
pode ser um sargento

e ter o mesmo acesso que
um capitão ou um coronel.

São os serviços que você presta

e o que é preciso para
executar o trabalho.

Não se trata de…

Eles não usam a hierarquia
militar para estes postos.

Eles se baseiam no conhecimento
e na formação das pessoas

que são recrutadas
para estes projetos.

Então esse comandante
não faz parte

da Junta dos Chefes do Estado-Maior, ou
algum manda-chuva nas forças armadas.

Mas, no seu ecossistema secreto,

ele tinha chegado
ao posto máximo.

Ele era a pessoa que eu conhecia com
o posto mais alto na minha área.

Eu achava que não havia ninguém acima dele
com acesso a qualquer setor naquela base.

Ele nunca deu a impressão de que
houvesse alguém acima dele?

– Não.
– Bem, esta é uma história e tanto!

Trágica, mas também
muito reveladora

dos sacrifícios que
você teve que fazer

para chegar aonde está hoje e
nos passar essas informações.

Como se sente em poder partilhar
essa história com o mundo?

Eu só quero que todos
saibam o que se passa

e tirar um peso dos meus ombros,

para outros poderem
falar também.

E compartilhar,

pois eu sei que eles
estão sofrendo.

É difícil de entender, a não ser
que você tenha passado por isto.

Eu sei que tem muitas memórias
como as minhas por aí.

E talvez eles precisam da ajuda
de uma entrevista como esta

para fazê-los criar coragem
e se juntarem a nós

para que as pessoas saibam.

Elas têm direito a saber das
coisas incríveis que acontecem lá.

Isto pode ajudar a humanidade.

E, ao mesmo tempo,

para onde vai todo o
dinheiro dos impostos

que nós pagamos e
coisas deste tipo?

Tem muita corrupção.

Embora isto pareça
bacana para alguns,

como filmes de ficção
científica, não é.

Deveria ser algo
malvisto pelas pessoas.

A bondade deveria
prevalecer. Não a maldade.

Quero agradecer por vir a público

e que venham mais pessoas com
informação privilegiada.

Obrigado por assistir.

Este é o ”Revelação Cósmica”.
Sou David Wilcock.

Com nosso convidado,
Emery Smith.

REVELAÇÃO CÓSMICA – POR DENTRO DO PROGRAMA ESPACIAL SECRETO COM DAVID WILCOCK

Corey Goode temporada 11 episódio 6
Disclaimer:
1. Os artigos são escritos em português do (Brasil ou de Portugal) ou numa mistura de ambos.
2. Os artigos colocados neste site, são diferentes dos colocados nos corruptos meios de comunicação de massas. Não significa que os autores concordam ou discordam com os mesmos. Você deve usar a sua intuição com aquilo que ressoa ou não consigo. Ninguém é dono da verdade absoluta e este site não foge à regra.

Partilhar:

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments