Corey Goode, temporada 11

COREY GOODE temporada 11 episódio 1 Cúpula Cósmica

Partilhar no Facebook

Corey Goode temporada 11 episódio 1

pode assistir ao episódio clicando aqui (click here to see the show)

T11E01 ( Corey Goode temporada 11 episódio 1) Cúpula Cósmica
REVELAÇÕES CÓSMICAS – Por dentro do programa espacial secreto com COREY GOODE E DAVID WILCOCK

T11E01 (season 11 episode 1)

resumo do episódio:

Bem-vindos a outro episódio de “Divulgação Cósmica“. Eu sou seu anfitrião, David Wilcock. E temos um tratamento especial para você: dois informantes de alto nível que nunca falaram em nenhum fórum público ou privado da maneira como vamos fazer agora. Nós temos hoje connosco Corey Goode e Emery Smith. Então decidimos começar este primeiro episódio tentando encontrar uma das áreas onde poderia haver um ponto em comum entre as coisas que você experimentou, Emery e as coisas que Corey experimentou. E assim isso entra no tópico da existência das bases subterrâneas secretas.
David: Então decidimos começar este primeiro episódio tentando encontrar uma das áreas onde poderia haver um ponto em comum entre as coisas que você experimentou, Emery e as coisas que Corey experimentou. E assim isso entra no tópico da existência das bases subterrâneas secretas. Então, só para começar, vou fazer algumas perguntas simples e depois abriremos a partir daí. Você está ciente dos militares ou do governo, ou do que você quiser chamá-los, terem instalações subterrâneas? E se sim, quão extensas são elas? Quantos existem? O que você sabe sobre elas?

Emery: só nos EUA existem cerca de 300 dessas instalações subterrâneas secretas. Quando você diz governo, eu gostaria de falar sobre isso, porque nem sempre é o governo que possui essas instalações. Eles guarnecem essas instalações – os militares o fazem – mas nem sempre estão no controlo das instalações, porque são de propriedade de grandes corporações e organizações desconhecidas.

Corey: Há níveis de supervisão diferente.

Emery: Exatamente.

David: Então, quando você diz que há cerca de 300 dessas instalações das quais você está ciente apenas na América do Norte.

David: Quais são essas instalações? Como são essas 300 bases? Quão grandes são elas?

Emery: Certo, existem muitas instalações diferentes com muitos tipos diferentes de populações nelas. E todos eles têm uma agenda (e propósito) diferente. E há algumas que são maiores, como as do Novo México, Nevada e Colorado, que realmente abrigam cidades inteiras. Eles nem precisam ir à superfície. Eles também têm hospitais em funcionamento e tudo o mais para esse grupo de elite. Tanto quanto os laboratórios e todos os testes que estão acontecendo com energia nuclear e outros tipos de energia – porque nem tudo é apenas medicina, é claro. Existem outras coisas acontecendo lá, como Corey já referiu. Eles trabalham com outros tipos de dispositivos, como diferentes tipos de veículos, em primeiro lugar, veículos espaciais. A parte médica que mencionei nos últimos episódios, com os corpos clonados e outros experimentos. Portanto, há muitas dessas instalações que abrigam muitos tipos diferentes de projetos. E então há algumas instalações que são apenas para projetos de tipos específicos, pois são muito compartimentalizadas. Eles fazem uma base subterrânea inteira apenas para um projeto. E eles vão manter tudo isso com uma população geralmente em torno de 200 pessoas para que eles possam controlá-las.

Corey: Então, Emery, eu sei que você provavelmente não pode nos dizer os nomes das bases que você foi ou onde eles estão localizadas, talvez algumas, mas você pode nos dizer o número e como elas se diferenciam, assim como foi entrar nessas bases subterrâneas?

Emery: Basicamente, existem cerca de 300 dessas bases nos EUA que eu conheço. Algumas das que eu já estive ficam em El Paso, Texas, debaixo da UTEP (University of Texas at El Paso). Todos já sabem da que visitei em Los Alamos e nos subterrâneos da Base Aérea de Kirtland. Existe outra base subterrânea em Charlottesville, Virgínia. Há outra em Denver. E claro, a base em Dulce. Há uma debaixo do Monumento Nacional de White Sands. Também em Creststone, debaixo das dunas de areia, que eles estão tentando agora ampliar.

David: E quanto ao Canadá? Emery: Na Colúmbia Britânica e também perto da Ilha Whidbey no estado de Washington.

Corey: Quando você se aproxima dessas bases, ou dessas instalações subterrâneas, a entrada para elas é disfarçada? Emery: Sim, 95% delas são disfarçadas, mas também são vigiadas ou geralmente ficam perto ou dentro de uma base. Existem algumas que estão por aí que na verdade não são vigiadas, mas elas estão em áreas tão remotas e desertas…são vigiadas mas com tecnologia e satélites.

Emery: Portanto para responder à tua pergunta, seria: você tem que entrar num laboratório super protegido, em uma corporação realmente segura ou em uma instalação militar realmente segura para acessar o subsolo.

Corey: Então você poderia nos levar até o que seria típico se você conseguisse acesso?

Emery: Dependendo de onde é o seu ponto de entrada e dependendo do tipo de base que é, alguns dos mais comuns, como o que eu estava trabalhando na Base da Força Aérea de Kirtland, era basicamente uma torre de vigilância de incêndio que você nunca pensaria que seria o ponto de acesso à uma base subterrânea. E uma torre de fogo, o que significa que é uma base de concreto, não feita de metal. Então eu quero que você pense em um pequeno prédio de 9m x 9m, de concreto, com seis andares de altura. Porém está lá como um ponto de observação de fogo, que, é claro, nunca é utilizado para isso. E essas áreas também não têm estacionamentos na frente deles ou algo assim. Você geralmente tem que percorrer muitos postos diferentes. Mas desde que isso já estava na base, dentro de outra base que está lá, então você tem que passar por dois tipos diferentes de segurança. Então, primeiro você tem que ter acesso na base militar (na superfície), número um. E então, quando você faz isso, há outra base interna ainda mais segura lá com as cercas e suas próprias equipas de segurança. Eles não são militares. E estas são corporações privadas (grandes corporações do Complexo Industrial Militar) das quais falei que estão controlando essas instalações.

Então, uma das coisas que eu falei com o David certa vez, era que a minha casa ficava tão perto que eu costumava ir de bicicleta depois do trabalho. E eu fui autorizado a colocar a minha bicicleta perto da área e depois caminhar. É uma área aonde as pessoas que trabalhavam na base podiam ir a pé.  Então, há muitos lugares diferentes para se entrar, mas para nós, era a mais conveniente, já que vivemos na base, para muitos cientistas.

David: O que aconteceria se alguém começasse a notar um número incomum de pessoas entrando em uma torre de incêndio como se você estivesse na base e não fosse o seu trabalho?

Emery: A área é toda monitorizada e você fica dentro de uma base. Você sabe, eles já sabem que há algo lá. Eles não sabem a extensão disso, no entanto. Os militares nem sempre sabem a extensão do tamanho dessas bases subterrâneas, que você provavelmente poderia confirmar.

Corey: Eles tipicamente te trazem e te fazem uma vistoria do teu corpo? Emery: Claro. Então, quando você chega lá, como eu fiz durante anos, havia um bicicletário em que eu colocava lá minha bicicleta. E eu andava por cima e havia apenas duas portas de acesso. Você entra, e assim como você entrava em um hospital para fazer o check-in em algum lugar, eles pegam na sua carteira e todas essas coisas.  Então há dois guardas de segurança lá, e você entra. E eles reconhecem você ou não o reconhecem. Você tem que passar por três controlos de segurança antes de entrar. Número um, você tem um cartão e é muito genérico. Não é nada de especial, apenas um holograma ou qualquer coisa nele. Só tem tipo uma tarja magnética de um cartão de crédito. Então não é nada de especial. Então você tem, é claro, a identificação da sua palma da mão e o leitor da íris do olho, como os que vemos nos filmes. Então, uma vez que você passar por isso e passar por tudo isso, então você entra no elevador. não é um elevador regular. Parece um elevador normal, mas o elevador está examinando você para ver se você tem algum tipo de, digamos, plutônio em você ou qualquer coisa que possa ser uma ameaça. Então este elevador faz um exame de corpo em você enquanto você o está usando. Então você não pode levar algo nos seus orifícios do corpo. Você não poderia entrar lá com uma bomba ou uma granada ou uma pistola ou nem nada do tipo.

David: É tipo uma máquina de raio X ou ressonância. Emery: É um pouco diferente sim. Não é radioativo, eles não fariam isso com você.

Emery: Nós usamos esses crachás especiais, é claro, o tempo todo que estamos lá, porque monitora a quantidade de radiação que você tem. E nem sempre é apenas a partir dos raios-X. Pode haver outros projetos que estão usando coisas que emitem algo em um nível seguro, mas você tem que ser monitorado o tempo todo.

Corey: Eles mantêm um registo de qualquer exposição que você teve à radiação?

Emery: Absolutamente.

Corey: . . . acumulação?

Emery: Todo mundo é monitorado em relação à gases e radiação e comprimentos de onda de luz específicos, na verdade, que podem causar danos ao corpo. Então essas são as três coisas que eles estão monitorando o tempo todo.

David: Ok, então, Corey, já que você também teve experiências com bases subterrâneas secretas, há algo engraçado que salta em você – qualquer coisa que ele disse que seja familiar ou desconhecida?

Corey: Oh, sim, absolutamente familiar. E como ele disse, existem diferentes tipos de bases subterrâneas. Algumas das bases são. . . você não pode acessá-los da superfície. Você tem que passar pelo sistema de transportes, o sistema secreto de transportes subterrâneo. E a única entrada e saída é através desse sistema de transportes. E muitas vezes, eles são muito profundos, como eu disse antes. A uma certa profundidade, você não é mais considerado como estando no território dos Estados Unidos.

Emery: E eu estava chegando lá, porque quando você chega lá, você tem que usar o sistema. E muitos deles têm diferentes tipos de dispositivos de transporte maglev ou tubos de lava que o levam lá.

Corey: Eu não acho que tenhamos alguém que pudesse dar uma boa descrição desse sistema de transporte. Eu sei que eles têm uns pequenos em que as pessoas se sentam e estão de frente um para o outro. E então eles têm os maiores sistemas de transporte. Você pode dar uma descrição?

Emery: Sim, claro. Eu falei sobre isso no passado. E um deles é meio que um, como David e eu chamamos, como uma gôndola. Então, quando você chega lá, tem uma cadeira em que você senta, e ela desce por um corredor muito, muito longo. E ele fica dando voltas. É muito lento, um pouco mais rápido que as esteiras de bagagem que vemos nos aeroportos. Então, só um pouquinho mais rápido que isso. E você está sentado ou pode se levantar. Você não precisa se sentar. E isso leva você para baixo até a entrada principal da base subterrânea, e pode ter até 400 metros de extensão. Agora, eles também têm o sistema de tubos com cápsulas.Cabem até 4 pessoas em cada cápsula. Ela tem a forma de um ovo cilíndrico. E você entra nela e tem cadeiras realmente bonitas, na verdade, como as poltronas reclináveis ​​que você veria numa sala de dentista, mas acolchoadas. Você pode usar um cinto de segurança, mas você não precisa. Nem dá para sentir o movimento, porque é muito fluido. E ela atinge velocidades muito altas. E eu não sei o quão rápido isso é, mas eu ouvi que alguns deles podem ultrapassar os 800 km/h.

Corey: Sim, eu soube que pode ser mais de 1.126 km/hora

Emery: Sim. Então, quando você chegar lá, se você está tomando a cadeira, a gôndola, ou você está tomando esses tubos maglev – em formato de ovo – quando você chega no fim, então você ainda tem que passar por outro posto de segurança.

Corey: Porque você pode estar em outro país.

Emery: certo. Ou até noutro planeta.

Corey: Certo. Exatamente. Eu estava falando sobre isso recentemente, sobre como. . . Recentemente, quando fui trazido para o Comando da Operação Lunar (base humana na Lua), fui levado a uma sala para um briefing, e havia uma janela. E olhei pela janela e vi Marte. E me disseram que muitas vezes as pessoas tomam esses trens (comboios). E assim eu peguei um comboio e ele acabou em outro planeta . . . quando eu era muito mais novo, e você não pode dizer como acontece.

Emery: Não é como um. . . Você não dá um hiper salto, você nem se dá conta. É uma sensação muito fluída quando você salta pelos portais, acontece em segundos.

Corey: E eles manipulam as pessoas quando você chega lá. Você verá janelas que fazem parecer que você está em algum lugar na Terra ou em Marte.

Emery: certo. Sim, nós conversamos sobre isso. Absolutamente.

Corey: E eles estavam fazendo isso na Lua quando eu estive lá, e eles disseram: “Ah!”, E eles me viraram para uma paisagem lunar quando me viram olhando confuso para Marte.

David: Deixe-me também dizer que Bob Dean, Pete Peterson, Jacob e Henry Deacon relataram esse fenómeno de sistemas de comboio (trem) subterrâneo, nos quais você é transportado para outro lugar e nem percebe isso. Você está apenas andando na coisa, e você vai parar em outro lugar. Então, esse é um elemento consistente do testemunho interno que eu ouvi.

Corey: Sim, eles poderiam pegar num cientista, colocá-lo em um dos comboios subterrâneos. Eles poderiam acabar em outra instalação, e poderia ser na Lua. E eles poderiam. . . E as instalações na lua. . . se parecem com as instalações da Terra.

Corey: E depois andam por eles. Deixam-nos ver a janela – ver o Grand Canyon ou algo assim – e as pessoas acreditam totalmente que estão num local na Terra.

Emery: Também ajuda com a psique, se você está vivendo no subsolo por um longo tempo, ter essas visões e. . .

Corey: Sim, de árvores e plantas.

Emery: . . ver o material do estado orgânico, com jardins dentro dessas coisas.

Corey: iluminação de espectro total.

Emery: Iluminação de espectro total, e as coisas que normalmente temos aqui fora tentam se replicar lá dentro. E parece diminuir os níveis de stresse dos cientistas e dos técnicos que estão trabalhando lá.

David: Uma das coisas que Pete Peterson relatou para mim foi a ideia de que você pode ter um enorme domo subterrâneo em que há uma cidade, com prédios, estradas e árvores. E eles até têm a cúpula acesa, então se parece com o céu.

Emery: Sim, a cúpula é muito legal.

Corey: E eles fazem ter estrelas. Eles fazem estrelas à noite.

Emery: Eles fazem. E você tem suas próprias 24 horas, como você disse – as situações do dia e da noite. Eles podem fazer parecer que o furacão está vindo também, com nuvens e todos os tipos de incríveis efeitos de ficção científica que são muito realistas, no que diz respeito à iluminação, e do jeito que faz você se sentir como se estivesse olhando para o infinito.

Corey: Estou curioso. Foi em algumas dessas bases que você foi. . . elas estavam em parques nacionais?

Emery: Sim.

Corey: Interessante. Nós ouvimos a história, e você e eu vimos portas que se abrem do lado de uma montanha.

Emery: certo.

Corey: E eles podem camuflar completamente. . . você nunca poderia dizer que há alguma coisa lá. Você poderia ir lá com um. . . faça testes sônicos. Você nunca saberia que há uma porta lá.

Emery: Você não pode nem encontrá-lo com um detetor de metais.

Emery: E isso é como uma pedra gigante, como você acabou de dizer, vai-se abrir. E está completamente selada e pressurizada, fora do lado de uma montanha. E nós estávamos falando sobre isso antes, Corey. Mesmo no deserto. . . Tipo, eu sempre lembro de ver o deserto se abrir, como você disse, o que você pode explicar.

Corey: Certo. Como um zíper.

Emery: como um zíper.

Corey: no chão.

Emery: E então a areia começa a cair. E eu estou sempre tipo, cara, quem está limpando toda aquela areia?

Corey: Certo.

Emery: Mas eles têm uma coisa especial. . .

Corey: Sim, uma espécie de drenagem. . .

Emery: Apenas recolhe e dispara de volta sobre o. . . uma vez que a porta se fecha, atira de volta em cima da abertura. Outro tipo de base que eu não entrei muito esta nas calotas polares – há bases nas calotas polares. . .

Emery: E elas são magnificamente lindas, número um. E eles de alguma forma têm sua própria atmosfera lá dentro com água corrente perfeita e a sua própria, eu direi, a própria eletricidade que eles geram usando a Terra, porque as instalações já são muito, muito profundas.

Corey: Isso é geotérmico?

Emery: Sim.

Corey: São estes. . . E alguns deles também usam os reatores do tipo tório.

Emery: tório – absolutamente.

David: Eu ouvi muito sobre thorium.

Emery: Esse é um grande problema. O tório é incrível, sim.

David: É basicamente um sistema de fusão não radioativo.

Emery: certo.

Corey: Bem, o que é interessante é que em muitas das minhas apresentações eu tenho mostrado imagens do Projeto Iceworm. Foi um projeto dos Engenheiros do Exército, acho que foi no final dos anos 50, início dos anos 60, na Gronelândia. Eles entraram e montaram uma dessas bases. E basicamente, o mesmo tipo de construção foi feito na Antártida também. E os aviões viriam e pousariam e forneceriam os suprimentos. Mas também é assim que eles constroem muitas bases fora do mundo, este mesmo método. Porém, o Project Iceworm foi muito interessante porque, mais tarde, os Estados Unidos tentaram contrabandear algumas armas nucleares lá, e o avião caiu. E todos descobriram essa enorme base que foi construída em segredo.

David: Só para vocês terem consciência disso, uma das coisas que Pete Peterson me contou foi que a “World Book Encyclopedia” em 1953, acho que foi o ano, que o complexo militar-industrial mandou pessoas de todas as bibliotecas para retirar essa única página, porque tinha algo ali falando sobre como o tório poderia efetuar uma reação de fusão que quase não produziria radiação.

E ele disse que se começássemos a usar isso, teríamos esse incrível avanço em tecnologia. Então, o que vocês sabem sobre o tório no que se refere à nossa discussão?

Corey: Bem, eu sei que nos programas, a nave de pesquisa na qual eu trabalhava era originalmente nuclear. Então, eles mudaram para um motor à base de tório. E então eles o substituíram por algum tipo de motor eletromagnético que tinha esses longos tubos que eles colocariam em algo que eles chamavam de “cestos de pesca” que giravam. E se você subir e descer, eles afetavam a parte eletromagnética.

Corey: Acho que tem a haver com atrito eletromagnético. Esses sensores captam a energia e enviam-na através dos tubos sem fios, chegando nos capacitores.

Emery: certo. Sim, muitos capacitores são usados ​​nessas bases para reter a energia. Não sou especialista em tório, mas recentemente estive num projeto para o qual uma organização privada – uma empresa privada – me contratou. . . Eles espalharam várias pessoas em todo os Estados Unidos – uma equipe científica – para encontrar o maior depósito de tório aqui nos Estados Unidos. E eu sei exatamente onde isso está. E isso fica no Novo México. Eu não vou lhe dizer a cidade que está localizada perto, mas eu lhe direi que é no Novo México. E há uma quantidade ilimitada de tório lá que poderia alimentar todos os planetas, e todas as bases, e, claro, nós aqui indefinidamente. Considerando a quantidade de energia que consumimos atualmente.

David: Então, por que você acha, Emery, haveria uma base em um parque nacional? Qual seria a vantagem disso?

Emery: Ah, a vantagem disso é, número um, é completamente monitorada o tempo todo. Você sempre tem guardas florestais por perto. Então é como se você tivesse seus próprios pequenos agentes civis por aí. E, claro, eles estão apenas cheios de satélites e coisas que estão observando – observando a área, quero dizer. Então, essas áreas também costumam ter um grande uso para eles, porque as bases estão perto de uma zona geotérmica subterrânea ou algo assim.

Emery: E eles estão colhendo essa energia. Ou talvez haja uma formação de cristais embaixo de alguns desses parques. Assim, os parques, mesmo desde os seus primeiros dias, foram locais escolhidos para esconder bases militares.

Corey: Sim, o que é interessante é que Clifford Mahooty, quando o entrevistamos, disse que as reservas indígenas e essas bases e parques nacionais tinham a mesma classificação do governo.

Emery: Sim. E é isso que estou dizendo, porque é um tráfego limitado ou é um tráfego controlado. Mesmo nas reservas, como. . . Você nem está autorizado a entrar numa reserva, entende, a menos que tenha autorizações especiais e outras coisas dos chefes. E o que acontece é que é o lugar ideal perfeito que nunca vai ter muito tráfego ou muita investigação, porque estamos usando uma área que já demos para os índios norte americanos.

Corey: Certo. É interessante. Eu li um relatório que muitos dos grupos de guardas florestais eram na verdade agentes da inteligência. Eles eram ex-militares e de inteligência, porque em muitos desses parques nacionais onde as pessoas “desaparecem”, acabam encontrando as pessoas desaparecidas. E às vezes eles tinham sido abduzidos por não-terrestres, e eles precisavam manter a calma…

Emery: Claro.

Corey: . . . então eles fizeram com que os guardas do parque suavizassem tudo.

Emery:  Sim, eu posso atestar e concordar com 100%, que eles estão usando uma demonstração de força, ou digamos apenas um detalhe de segurança, que não é o que você pensaria de alguém apenas se formando na faculdade e assumindo um emprego. Essas pessoas são veteranos de 20 anos ou mais nos projetos ou nas forças armadas, como você disse. E eles são muito qualificadose ganham muito bem.

David: Então, uma coisa que eu gostaria de acompanhar, Emery, você mencionou as bases sob o gelo. E eu diria que isso também incluiria bases no oceano.

David: Tem um filme muito estranho que saiu em 2009 chamado “GI Joe”, que é militar, mas todas as coisas sobre as quais estamos falando estão nesse filme em todo o lugar. O que você acha do filme “GI Joe”?

Emery: Eu me lembro de ver o filme. Não me lembro muito bem, mas me lembro de ver e ligar os pontos, digamos. E acho que havia muito disso na época. Eu lembro de assistir e dizer: “Uau! Aqui eles estão realmente revelando tudo”.

 

David: Eles usam uns efeitos visuais excelentes no filme.

Corey: Oh, sim, bem, especialmente o segundo filme quando eles mostram ataques com as varas de Deus na Terra…

David: Oh, isso foi uma loucura.

Corey: A mesma situação que temos com a Coreia do Norte.

Emery: certo. Certo. Interessante. Eu não vi o segundo.

David: Eles (varas de Deus) são longas varas de tungstênio do tamanho de um poste de telefone que você pode soltar desde satélites no espaço em qualquer local na Terra, e apenas a gravidade causa uma explosão muito, muito grave, que pode devastar uma área enorme.

Emery: Oh sim. Sim.

David: E ele falou sobre isso. E eu só assisti o segundo filme de “G.I. Joe” recentemente, e não pude acreditar que estava lá.

Emery: Uau! Sim, é incrível que eles mostrem essas informações sigilosas assim, mas estamos vendo isso o tempo todo com os filmes mais recentes. A Aliança da Terra (Secret Space Program) e os “chapéus brancos” que conseguem inserir algumas mensagens neles para quem estiver prestando atenção.

David: Então outra coisa que eu gostaria de discutir agora é: quando falei com o Major Bob Dean, ele me contou muito mais do que ele já disse publicamente em entrevistas ao Projeto Camelot ou qualquer outra pessoa sobre no que ele realmente esteve envolvido. É muito parecido com o que o Corey fez. E uma das coisas sobre as quais ele falou foi uma ilha no Pacífico Sul que parece uma ilha se você a sobrevoar, mas se você chegar bem perto, metade da ilha é algum tipo de holograma, e é camuflado. E você pode passar por esse holograma, e então você descobre que há toda uma base lá que você não pode ver do céu. Você está familiarizado com algo assim?

Emery: Isso é muito comum.

Corey: Sim, muita tecnologia – a tecnologia de ocultação com hologramas. Eles até desenvolveram hologramas a ponto de terem massa. Eles A chamam de luz dura que é capaz..

Emery: Ela projeta uma sombra.

Corey: Sim, você pode fazer um holograma, e você pode andar e “tocar, apertar”, como um pedaço de vidro. Ou até mesmo eles podem torná-lo ainda mais espesso em profundidade.

Emery: Sim, eu também posso atestar isso e fazer parte. . . não fazia parte disso, mas havia projetos compartimentados perto de mim durante o trabalho em satélites que poderiam fazer isso, ou eles estavam colocando essa tecnologia em satélites no início dos anos 90, e acho que provavelmente foi antes disso.

Corey: sim. O que é louco é que eles terão um painel de luz dura. Eles removem a fonte de energia ou eletricidade e permanecem.

Emery: certo.

Corey: Quero dizer, é incrível.

Emery: Sim, eles estão usando todo tipo de tecnologia nova. É por isso que eu sempre digo, você sabe, se eu vi alguma coisa, uma nave ou algo assim, um ET, é difícil para mim dizer: “Ah, isso é real. ou não é real”, a menos que eu realmente estivesse bem na frente dele e analisando, porque eles podem fazer você realmente acreditar que viu um acidente de avião batendo em um prédio.

Emery: Eles podem fazer você realmente acreditar que algo existe realmente. E você pode chegar a isso, como Corey disse, e é palpável.

David: Realmente?

Emery: Na verdade, é palpável. E os que eu vi não eram tão palpáveis ​​quanto os seus. Você é como . . . O meu era só um pouquinho, e então você poderia simplesmente passar por isso.

Corey: Certo.

Emery: Mas isso é apenas uma tecnologia incrível para começar, porque então você pode basicamente fazer qualquer tipo de ameaça – uma ameaça falsa – ou usá-la para situações horríveis em que você está tentando. . .

Corey: Eles estão usando isso para construir.

Emery: Sim.

David: Eles criariam áreas onde a NOAA [Administração Nacional Oceânica e Atmosférica] teria uma zona de exclusão aérea? Então, você não podia pilotar um avião de passageiros ou um avião nessas áreas?

Emery: Oh, isso é agora mesmo. Agora eles têm isso em todo lugar. Existem certos lugares que você não pode. . . zonas de exclusão aérea. Essa é uma ótima maneira de investigar também quando você está tentando encontrar lugares.

Emery: E você pensa: “Bem, porque isso está aqui? Esta é uma zona de exclusão aérea.

David: Mas, tipo, se você tem um Cessna, o que aconteceria se você tentasse ir em direção a uma dessas zonas de exclusão, digamos.

Emery: Você imediatamente seria escoltado por alguns F-16 ou F-15.

David: Parece muito estranho que eles tenham essa tecnologia de luz dura ou um holograma escondendo alguma coisa. Alguém em algum momento vai encontrá-lo. Alguém vai estar navegando num pequeno barco no oceano ou algo assim. Então, o que aconteceria nessas situações?

Emery: Já aconteceu. O barco foi destruído. Oficialmente naufragado. Mesmo em operações militares, às vezes eles invadem essas áreas sem querer.

Corey: operação de treinamento.

Emery: Certo, e eles não deveriam entrar lá, mas eles estão. E geralmente são destruídos.

Corey: “Morto numa operação de treinamento” ou algo assim.

Emery: Sim, eles foram, como você acabou de dizer. . . As pessoas que trabalham nessas bases também, suas famílias não sabem que estão indo para uma base para trabalhar por três meses. Eles só estão dizendo: “Eu não posso contactá-lo por três meses porque eu estou indo numa missão.” Então, quando eles morrem, e eles dizem à família: “Oh, eles morreram em ação ou numa missão de treinamento, é completamente falso. Eles nunca saberão, pois as melhores pessoas para contratar são os militares em serviço ativo, pois são muito dispensáveis.

David: Que outros métodos eles têm para proteger as bases secretas das pessoas que aparecem para que não precisem matar estas pessoas? Quais são alguns dos outros métodos?

Corey: Você sabe, eles farão coisas como colocar sinais indicando que há radiação, que esta era uma zona de teste para armas nucleares e tentar dissuadi-los dessa maneira.

Emery: Bem, eles têm muitas coisas para impedir que você vá até lá, mas às vezes acontece. Você sabe, não dá para colocar uma placa a cada 15 metros e quando você está numa ilha a 100 milhas náuticas de distância, mas existem barcos e aviões que estão sempre patrulhando essas áreas. E os satélites exclusivos para vigiar essas bases em tempo integral. E uma frota não pode nem entrar lá sem que eles saibam que há algo no espaço aéreo. Você não poderia voar sem ser detetado no radar nesses lugares. Você será pego. Você será detetado e encontrado.

David: Você acha que há certos casos em que as pessoas seriam trazidas para a base e se tornariam funcionários, voluntariamente ou não, em vez de ser executadas?

Emery: Nunca ouvi falar disso.

Corey: Eu já, infelizmente. Já aconteceu de pegarem pessoas para os testes biométricos e outras coisas.

Emery: Oh, para testes. Certo.

 

Corey: Você já ouviu falar de alguma medida de segurança para proteger contra “espiões psíquicos” e visualizadores remotos?

Emery: Absolutamente. Todas as bases têm visualizadores remotos exclusivos na equipa. E não se esqueça, os visualizadores remotos não precisam estar na base.

Emery: Eles podem estar longe e ainda protegendo as bases. E você pode ter dois bons visualizadores remoto… E essa é uma das minhas profissões remuneradas pelas quais eu realmente sou pago. Você pode ter um visualizador remoto com 90% de eficácia. E então você tem outro visualizador remoto que é 90% eficaz. E ambos captam a mesma coisa. Então você só precisa de alguns desses sujeitos a bordo para fazer a vigilância. Agora, eles têm pessoas que são visualizadores remotos avançados que estão usando influenciadores remotos que usam tecnologias e eletrônicos assistidos pela consciência e conectados a eles.

Corey: Você viu alguns dos. . .

Emery: Sim.

Corey: Tem um mastro ou uma chapa onde eles colocam as palmas das mãos.

Emery: Duas chapas de ouro ou. . .

Corey: Bem, uma é de cobre, e a outra parece ser de aço inoxidável. Elas são ligadas por fios. Servem para expandir as habilidades deles. Os visualizadores remotos que tentam visualizar bases militares começam a receber visões da base. De repente, os seus pensamentos ficam difusos. Nos dispositivos de vidro inteligentes, e é uma forma muito estranha de referir-se a eles, mas eles são chamados de difusores, pois eles servem para difundir os pensamentos dos intrusos. E eles também enviam um feedback energético através dessa conexão, causando uma dor de cabeça etérica no intruso que dura vários dias. E tenho certeza que você sabe o que é isso.

Emery: Oh sim.

Para assistir às temporadas anteriores (to watch the seasons before):

1ª TEMPORADA / 1st SEASON

2ª TEMPORADA / 2nd SEASON

3ª TEMPORADA / 3rd SEASON

4ª TEMPORADA / 4th SEASON

5ª TEMPORADA / 5th SEASON

6ª TEMPORADA / 6th SEASON

7ª TEMPORADA / 7th SEASON

8ª TEMPORADA / 8th SEASON

9ª TEMPORADA / 9th SEASON

10ª TEMPORADA / 10th SEASON

No caso de ter dificuldades em abrir o episódio, deverá aceder no PC/Computador ou usar outro dispositivo ou então tentar mais tarde ou fazer o download. Há também limitações de visualização (100) e em alguns dispositivos não funciona sempre corretamente. Também se tiver o seu google drive aberto, poderá não permitir a visualização (terá de abrir noutro browser). Se ainda não conseguir, navegue de forma anónima: no google chrome (Windows) prima Ctrl + Shift + n.

Alerta-se que os episódios têm sido retirados da internet, portanto se detetar que o episódio foi denunciado, faça um comentário para indicarmos outro link.

Quem é COREY GOODE?

Corey Goode temporada 11 episódio 1

 

Partilhar no Facebook

2 Comments on “COREY GOODE temporada 11 episódio 1 Cúpula Cósmica

  1. Olá… gostaria de acessar os filmes “GI Joe” … caso vocês tem o link.. pode ser legendado em Português Brasil?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.